29 de Março, 40 anos depois

b_500_400_16777215_00_images_actual_esp29m.jpg

Foi há 40 anos. O Encontro da Canção Portuguesa promovido pela Casa de Imprensa no Coliseu dos Recreios em 29 de Março de 1974 foi o toque-de-finados do regime fascista. E foi ali também que "Grândola, Vila Morena" se revelou aos oficiais do MFA como símbolo e senha do movimento que, menos de um mês depois, ia mudar o rumo da história.

Surpreendentemente, "Grândola" foi a única canção de sua autoria que a Censura permitiu que José Afonso cantasse. Além dessa, os velhos coronéis-de-lápis-azul autorizaram-lhe apenas "Milho Verde", um tema popular. E, assim, "Grândola" acabou entoada em coro pela entusiástica audiência, e seria a escolha natural dos oficiais sublevados de 25 de Abril como senha para o espoletar da revolução.

A gravação original, realizada por José Videira e Manuel Tomás para o programa "Limite", da Rádio Renascença (o mesmo que, depois, transmitiu "Grândola" como sinal para a saída das tropas dos quartéis), foi transmitida, nos excertos possíveis, nos dias que se seguiram ao concerto, mas permaneceu inédita na sua totalidade durante 40 anos. Voltará a ouvir-se este fim-de-semana, num programa especial da Antena 1, realizado por António Macedo, António Santos e Viriato Teles.

Adelino Gomes, que participou no espectáculo de 1974, veio à Rádio recordar esse dia e confrontar as suas memórias com o registo gravado. Um documento único, a não perder este sábado, dia 30, na Antena 1. Também poderá ouvir aqui a emissão em podcast.

Especial Encontro da Canção Portuguesa, 29 de Março de 1974 (50')
Realização de António Macedo, António Santos e Viriato Teles
a partir da gravação original de José Vidiera e Manuel Tomás
Locução de António Macedo
Produção de António Santos
Primeira emissão a 30.Mar.2014, na Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • Contas à Democracia Open or Close

    Não é filósofo, nem sociólogo, tampouco analista político. Viriato Teles é apenas um português embrenhado no seu tempo, que vive a vida interpelando-a, com o dom superior de saber ouvir vozes individuais para, registando-as na palavra escrita, as devolver, plenas e inquiridoras, ao colectivo a que pertencem. (...) São 20 conversas desatadas por entrevistas a personalidades de diversas áreas da sociedade nacional, que viveram a revolução com frémito e esperança; não lhes é perguntado onde estavam no 25 de Abril, mas onde está e para onde vai o 25 de Abril; são as parcelas da prova dos nove que nos desfralda uma verdade irrefutável: Abril está na prática quotidiana da denúncia da injustiça, no inconformismo e na luta pela felicidade, o combate que legitima o homem, agora e sempre.

    Ler Mais
  • Saramago, autor do século XVIII Open or Close

    José Saramago, um romancista do século XVIII? Ninguém se lembraria de tal coisa, mas foi assim mesmo que ele foi inicialmente apresentado, em Bucareste, poucos meses antes do lançamento, pela Editora Univers, da tradução romena de «Memorial do Convento». Um truque para iludir a censura de Ceausescu. E resultou.

    Jornal de Letras | 12.Jun.1990

    Ler Mais
  • O tempo, à esquina Open or Close

    O que vão ler é obra de um poeta que tem um percurso singular: nascido e criado em Lisboa passou pelas mais importantes tertúlias artísticas dos anos 60 e 70, escreveu canções, pintou quadros, viveu e deu corpo a muitas lutas ao longo das últimas décadas. Ainda assim, leva mais de trinta anos que não se faz publicar em livro, sem que para tal haja explicação coerente. Aconteceu, é a vida. E a vida de João Videira Santos já leva muito que contar: da poesia, claro está, mas também dos encontros, dos empenhamentos, das viagens.

    Prefácio a Esquinas do Tempo, de João Videira Santos | 2005

    Ler Mais
  • Cantando e Rindo - O humor na MPP Open or Close

    Está comprovado cientificamente que o sentido de humor tem numerosos benefícios para a saúde física e mental dos humanos: «Quando rimos, há uma reacção química no nosso cérebro que proporciona uma sensação de bem-estar, clareza de ideias e uma atenuação da dor», explicam os médicos. O humor também reduz o stress e provou-se que dez minutos de gargalhadas têm sobre o nosso corpo o efeito de cem voltas numa máquina de exercícios de ginásio. Os cientistas afirmam ainda que algumas células do sistema imunitário são activadas com o riso, que também ajuda à sua reprodução mais rápida.

    Cantando e Rindo - O Humor na MPP
    CMA 2002

    Ler Mais