29 de Março, 40 anos depois

b_500_400_16777215_00_images_actual_esp29m.jpg

Foi há 40 anos. O Encontro da Canção Portuguesa promovido pela Casa de Imprensa no Coliseu dos Recreios em 29 de Março de 1974 foi o toque-de-finados do regime fascista. E foi ali também que "Grândola, Vila Morena" se revelou aos oficiais do MFA como símbolo e senha do movimento que, menos de um mês depois, ia mudar o rumo da história.

Surpreendentemente, "Grândola" foi a única canção de sua autoria que a Censura permitiu que José Afonso cantasse. Além dessa, os velhos coronéis-de-lápis-azul autorizaram-lhe apenas "Milho Verde", um tema popular. E, assim, "Grândola" acabou entoada em coro pela entusiástica audiência, e seria a escolha natural dos oficiais sublevados de 25 de Abril como senha para o espoletar da revolução.

A gravação original, realizada por José Videira e Manuel Tomás para o programa "Limite", da Rádio Renascença (o mesmo que, depois, transmitiu "Grândola" como sinal para a saída das tropas dos quartéis), foi transmitida, nos excertos possíveis, nos dias que se seguiram ao concerto, mas permaneceu inédita na sua totalidade durante 40 anos. Voltará a ouvir-se este fim-de-semana, num programa especial da Antena 1, realizado por António Macedo, António Santos e Viriato Teles.

Adelino Gomes, que participou no espectáculo de 1974, veio à Rádio recordar esse dia e confrontar as suas memórias com o registo gravado. Um documento único, a não perder este sábado, dia 30, na Antena 1. Também poderá ouvir aqui a emissão em podcast.

Especial Encontro da Canção Portuguesa, 29 de Março de 1974 (50')
Realização de António Macedo, António Santos e Viriato Teles
a partir da gravação original de José Vidiera e Manuel Tomás
Locução de António Macedo
Produção de António Santos
Primeira emissão a 30.Mar.2014, na Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • A alma da música Open or Close

    E alguém me pede: canta.
    Alguém diz, tocando-me com seu livre delírio:
    canta até te mudares em cão azul,
    ou estrela electrocutada, ou em homem
    nocturno.


    Porque todos os pretextos são bons para trazer Herberto à conversa. E porque Mário Laginha criou um disco muito belo, idealizado e concretizado em visita à alma da música de Chopin na companhia de Alexandre Frazão e Bernardo Moreira. «Mongrel», o disco, teve o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores, e ainda bem. Partilhemos uma valsa.

    Ler Mais
  • Um pássaro igual a ti Open or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • O meu amigo Fausto Open or Close

    Não é o Elvis Presley nem o Tommy Steel, já teve um cão que voava por impulso mictório, e agora dá guarida a Sócrates, um papagaio filósofo carregado de dúvidas metódicas e muito mais sabedoria do que a generalidade dos cronistas políticos e sociais. Chama-se Fausto Bordalo Dias e é um nome de referência (hoje diz-se incontornável, mas eu sou de outra escola) da música popular portuguesa.

    A Capital | 27.Mai.2005

    Ler Mais
  • Viagem à Utopia do Che Open or Close

    (...) um livro singular escrito por um português raro: o jornalista Viriato Teles é o repórter que vai ao interior da utopia para dela nos dar conta no portentoso A Utopia segundo Che Guevara, editado pela Campo das Letras. (...) E Viriato Teles está em todo o lado, com o melhor que isso tem: em Havana, captando, para nos oferecer, as cores e os sons seculares; na Sierra Maestra, interpretando o berço e a mística da revolução mais romântica da História; junto dos que privaram com Che, ouvindo-os para nos dar a ouvir o que têm a dizer; na garupa de todos os ecos do guerrilheiro para nos convidar à reflexão; (...) na elegância das palavras, a um mesmo tempo objectivas e apaixonadas, que enformam uma prosa ardente para fazerem deste livro um objecto de culto.

    Ler Mais