29 de Março, 40 anos depois

b_500_400_16777215_00_images_actual_esp29m.jpg

Foi há 40 anos. O Encontro da Canção Portuguesa promovido pela Casa de Imprensa no Coliseu dos Recreios em 29 de Março de 1974 foi o toque-de-finados do regime fascista. E foi ali também que "Grândola, Vila Morena" se revelou aos oficiais do MFA como símbolo e senha do movimento que, menos de um mês depois, ia mudar o rumo da história.

Surpreendentemente, "Grândola" foi a única canção de sua autoria que a Censura permitiu que José Afonso cantasse. Além dessa, os velhos coronéis-de-lápis-azul autorizaram-lhe apenas "Milho Verde", um tema popular. E, assim, "Grândola" acabou entoada em coro pela entusiástica audiência, e seria a escolha natural dos oficiais sublevados de 25 de Abril como senha para o espoletar da revolução.

A gravação original, realizada por José Videira e Manuel Tomás para o programa "Limite", da Rádio Renascença (o mesmo que, depois, transmitiu "Grândola" como sinal para a saída das tropas dos quartéis), foi transmitida, nos excertos possíveis, nos dias que se seguiram ao concerto, mas permaneceu inédita na sua totalidade durante 40 anos. Voltará a ouvir-se este fim-de-semana, num programa especial da Antena 1, realizado por António Macedo, António Santos e Viriato Teles.

Adelino Gomes, que participou no espectáculo de 1974, veio à Rádio recordar esse dia e confrontar as suas memórias com o registo gravado. Um documento único, a não perder este sábado, dia 30, na Antena 1. Também poderá ouvir aqui a emissão em podcast.

Especial Encontro da Canção Portuguesa, 29 de Março de 1974 (50')
Realização de António Macedo, António Santos e Viriato Teles
a partir da gravação original de José Vidiera e Manuel Tomás
Locução de António Macedo
Produção de António Santos
Primeira emissão a 30.Mar.2014, na Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • Contas à Democracia Open or Close

    Não é filósofo, nem sociólogo, tampouco analista político. Viriato Teles é apenas um português embrenhado no seu tempo, que vive a vida interpelando-a, com o dom superior de saber ouvir vozes individuais para, registando-as na palavra escrita, as devolver, plenas e inquiridoras, ao colectivo a que pertencem. (...) São 20 conversas desatadas por entrevistas a personalidades de diversas áreas da sociedade nacional, que viveram a revolução com frémito e esperança; não lhes é perguntado onde estavam no 25 de Abril, mas onde está e para onde vai o 25 de Abril; são as parcelas da prova dos nove que nos desfralda uma verdade irrefutável: Abril está na prática quotidiana da denúncia da injustiça, no inconformismo e na luta pela felicidade, o combate que legitima o homem, agora e sempre.

    Ler Mais
  • O pássaro da ilha Open or Close

    O Zeca é um pássaro. Ele canta, encanta, inventa e reinventa, sem nunca cansar quem o ouve – e que o vê. Porque ver o Zeca é tão importante como ouvi-lo. Há quem o compare a Tom Waits, mas em palco ele faz sobretudo lembrar Jacques Brel – na entrega, no modo inteiro como interpreta as suas canções de amor e mágoa, esperança e desencanto e saudades de um futuro em que não desiste de acreditar, mesmo se o presente tantas vezes parece empenhado em desmenti-lo.

    Introdução ao espectáculo de José Medeiros no Teatro Micaelense | 2007

    Ler Mais
  • As sandálias do pecador Open or Close
    O que a seguir se oferece tem o mesmo sentido da partilha bíblica do pão e do vinho. Tinto corrente ou néctar do bom, de preferência com o conduto de uma morcela da Beira ou de um chouriço de Barrancos, que o Mário não se faz rogado. E movimenta-se com o mesmo à-vontade nos salões mais elegantes ou nas tascas mais ordinárias. Sempre com os amigos por perto, como se impõe. Os amigos "que são tristes com cinco dedos de cada lado", como diz Herberto. Os amigos que o Mário torna alegres e que cultiva como rosas delicadas, quer sejam poetas famosos ou bêbados anónimos, mulheres distintas ou putas de rua, actores de seis assoalhadas ou figurantes sem abrigo. À nossa!
    O IVAngelho II Mário Alberto
    Edições Sojorama 2002
    Ler Mais
  • 25 anos com Zeca Open or Close

    Nestes dias em que tanto se fala de José Afonso e do seu génio, gosto sobretudo de recordar que, para além da música, o Zeca era acima de tudo um homem. Um homem empenhado nas grandes lutas do seu tempo, com certeza, que procurou viver de modo integral – o que só se alcança quando se assume viver com as fragilidades, as virtudes, os defeitos, as grandezas e as contradições comuns a todos os homens.

    Ler Mais