29 de Março, 40 anos depois

b_500_400_16777215_00_images_actual_esp29m.jpg

Foi há 40 anos. O Encontro da Canção Portuguesa promovido pela Casa de Imprensa no Coliseu dos Recreios em 29 de Março de 1974 foi o toque-de-finados do regime fascista. E foi ali também que "Grândola, Vila Morena" se revelou aos oficiais do MFA como símbolo e senha do movimento que, menos de um mês depois, ia mudar o rumo da história.

Surpreendentemente, "Grândola" foi a única canção de sua autoria que a Censura permitiu que José Afonso cantasse. Além dessa, os velhos coronéis-de-lápis-azul autorizaram-lhe apenas "Milho Verde", um tema popular. E, assim, "Grândola" acabou entoada em coro pela entusiástica audiência, e seria a escolha natural dos oficiais sublevados de 25 de Abril como senha para o espoletar da revolução.

A gravação original, realizada por José Videira e Manuel Tomás para o programa "Limite", da Rádio Renascença (o mesmo que, depois, transmitiu "Grândola" como sinal para a saída das tropas dos quartéis), foi transmitida, nos excertos possíveis, nos dias que se seguiram ao concerto, mas permaneceu inédita na sua totalidade durante 40 anos. Voltará a ouvir-se este fim-de-semana, num programa especial da Antena 1, realizado por António Macedo, António Santos e Viriato Teles.

Adelino Gomes, que participou no espectáculo de 1974, veio à Rádio recordar esse dia e confrontar as suas memórias com o registo gravado. Um documento único, a não perder este sábado, dia 30, na Antena 1. Também poderá ouvir aqui a emissão em podcast.

Especial Encontro da Canção Portuguesa, 29 de Março de 1974 (50')
Realização de António Macedo, António Santos e Viriato Teles
a partir da gravação original de José Vidiera e Manuel Tomás
Locução de António Macedo
Produção de António Santos
Primeira emissão a 30.Mar.2014, na Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • Um homem de carácter Open or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais
  • Alberto Pimenta Open or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Ler jornais é saber demais Open or Close

    Cada vez me custa mais a entender aquela teimosa mania que o professor Cavaco tinha de não ler jornais. É verdade que os jornais, por regra, estão cada vez mais pardos e menos interessantes. E é um facto que certos jornalistas são tão vergonhosamente ignaros e tão desprovidos de sentido ético, que até já pensei requerer a nova carteira profissional na categoria de «artista de variedades».
    Mas ainda assim, eu, que sou teimoso, continuo a ler jornais. Será um vício, talvez, mas o que hei-de fazer? Ontem mesmo, por exemplo, fiquei a saber pelo Diário de Notícias que a polícia não serve só para reprimir, de acordo com o terá dito o ministro Jorge Coelho. O que significa que, lá no fundo, a polícia deve ter alguma utilidade, ainda que ninguém, nem sequer o ministro, saiba dizer em rigor qual é.

    TSF | 21.Jan.1998

    Ler Mais
  • Perompomperos e outros olés Open or Close

    Há um ano, uma centena de auto-intitulados «patriotas anti-espanhóis» manifestaram-se, no dia 1 de Dezembro, contra o iberismo, Miguel de Vasconcelos e a Volta a Espanha em Bicileta. «Antes morto que espanhol», apregoavam então os manifestantes, entre os quais se encontravam alguns africanos, presume-se que de língua oficial portuguesa.

    RCS | 2.Dez.1998

    Ler Mais