Com Camilo Mortágua em Aveiro

b_500_400_16777215_00_images_actual_ajavcamilo2.jpg

O segundo volume da memória autobiográfica de Camilo Mortágua, “Andanças para a Liberdade”, foi ontem apresentado no Museu de Arte Nova de Aveiro, por iniciativa do núcleo local da Associação José Afonso.

Viriato Teles e Miguel Cardina, investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, falaram do percurso pessoal e político de Camilo Mortágua, que por seu lado lembrou alguns episódios da luta contra a ditadura em que esteve envolvido juntamente com Hermínio da Palma Inácio.

O coral Voz Nua, Rui Oliveira e Micaela Vaz também marcaram presença, com alguns apontamentos musicais, nesta apresentação, que faz parte do programa da AJA-Aveiro para as celebrações do seu 3º aniversário, que se assinala quase em simultâneo com os 40 anos da Revolução dos Cravos. À noite, pudémos ouvi-los de novo, Voz Nua e Rui Oliveira, desta vez “a sério”, no concerto que decorreu no auditório do departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro e que culminou com mais um grande espectáculo de José Medeiros.

Mais sugestões de leitura

  • Um disco, um estúdio, uma história Open or Close
    A imagem é um retrato quase banal: um homem e uma caixa de viola numa estação de comboios, um relógio onde ainda não são duas horas, um cartaz na parede com o mesmo homem e a mesma viola, gente normal em volta. O homem da viola é Sérgio Godinho, a estação, lê-se no painel de azulejo sobre a porta, é Campolide. Há 35 anos, o homem, a viola e a estação tornaram-se num disco com dez canções sem tempo.
    Notícias de Campolide | Set.2014
    Ler Mais
  • Memórias de Santa Engrácia Open or Close
    De todos os templos portugueses nenhum demorou tanto tempo a construir como o de Santa Engrácia – hoje Panteão Nacional – no coração da Lisboa antiga, que Ramalho Ortigão considerou «o mais belo dos nossos monumentos do século XVII». A sua história está intimamente ligada às crenças populares nascidas após o célebre «desacato de Santa Engrácia», em 1630, e constituiu o fulcro das atenções do «passeio de domingo» que o Centro Nacional de Cultura ontem realizou.
    O Diário | 25.Mai.1981
    Ler Mais
  • Portugal dos pequeninos Open or Close

    No dia em que morreu Óscar Lopes (...) na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

    Ler Mais
  • Grândola no mundo Open or Close

    Grândola no mundo, a várias vozes e em diferentes ritmos.

    Porque Abril também se canta em estrangeiro.

    Ler Mais