"Tardio" já chegou

b_500_400_16777215_00_images_actual_tardio3_700.jpg

«Tardio», o primeiro álbum a solo do músico aveirense Ricardo Fino, é hoje posto à venda. O disco, com 14 temas, contou com as participações vocais de Ana Laíns, Micaela Vaz e Uxía e a participação de um núcleo de músicos que inclui Alfredo Teixeira (guitarra portuguesa e rabeca), João Gentil (acordina e acordeão), Jorge Loura (guitarra), Miguel Calhaz (contrabaixo) e Quiné Teles (percussão), responsável também pela produção e pelos arranjos. Participaram ainda Afonso Teles (guitarra), Aoife Hiney (tin whistle), Marco Freire (tuba) e Pedro Martins (violino).

As músicas são de Ricardo Fino, que também assina nove dos textos. As restantes letras são de Jesus Zing («Nosso (A)Mar», «Fado do Meu Amor» e «Choro da Avenida»), Pedro Silva Martins («Nesta Enfermaria») e Viriato Teles («Outro Fado»).

Ricardo Fino anda na música desde os anos 70, fez parte de algumas bandas pop/rock e apresenta agora o primeiro álbum. «Tardio», por isso mesmo, mas muito a tempo.

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Outro Fado
Música de Ricardo Fino | Letra de Viriato Teles | Vozes de Ana Laíns e Ricardo Fino
Participações de Alfredo Teixeira (rebeca e guitarra portuguesa), Jorge Loura (guitarras), Miguel Calhaz (contrabaixo), Pedro Martins (violino), Quiné (bateria, shaker, caixa portuguesa, bombo)
Arranjos e produção de Quiné Teles
© 2014

Mais sugestões de leitura

  • Vasco Gonçalves Open or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais
  • O novo fôlego do grupo que nunca o foi Open or Close

    Há 40 anos nascia um dos projectos mais originais de sempre da música portuguesa: a Banda do Casaco, um grupo incatalogável que se transmudava em cada um dos sete discos que gravou e que deixou um contributo único e irrepetível na música portuguesa. A obra completa está finalmente reunida, numa edição muito apetecível.

    QI | Diário de Notícias | 30.Nov.2013

    Ler Mais
  • As sandálias do pecador Open or Close
    O que a seguir se oferece tem o mesmo sentido da partilha bíblica do pão e do vinho. Tinto corrente ou néctar do bom, de preferência com o conduto de uma morcela da Beira ou de um chouriço de Barrancos, que o Mário não se faz rogado. E movimenta-se com o mesmo à-vontade nos salões mais elegantes ou nas tascas mais ordinárias. Sempre com os amigos por perto, como se impõe. Os amigos "que são tristes com cinco dedos de cada lado", como diz Herberto. Os amigos que o Mário torna alegres e que cultiva como rosas delicadas, quer sejam poetas famosos ou bêbados anónimos, mulheres distintas ou putas de rua, actores de seis assoalhadas ou figurantes sem abrigo. À nossa!
    O IVAngelho II Mário Alberto
    Edições Sojorama 2002
    Ler Mais
  • A magia da criação Open or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais