Os Dias Cantados em emissão especial dupla

dcant_amvt470.jpg

Terminada a segunda série de Os Dias Cantados, António Macedo e Viriato Teles apresentam este domingo uma emissão especial de quase duas horas com 16 canções mais, algumas das muitas que não foi possível incluir na selecção de 40 apresentadas ao longo das últimas oito semanas nas manhãs da Antena 1.

Neste programa especial têm lugar temas que, de modos distintos e por diferentes motivos, constituem registos únicos dos primeiros anos do Portugal democrático. Alguns surpreendentes, como a versão de Era de Noite e Levaram (de José Afonso e Luís de Andrade) por António Mourão; outros quase ingénuos, como No Tempo da Outra Senhora (Conjunto de António Mafra); outros inovadores, como Lavados, Lavados Sim (de António Avelar Pinho de Nuno Rodrigues, pela Banda do Casaco) ou Aprendiz de Feiticeiro (do projecto Homo Sapiens, de José Luís Tinoco); outros ainda claramente marcados pelo tempo e pelos acontecimentos, como Viva a Liberdade (Tino Flores) ou Em Trás-os-Montes à Tarde (letra de Alfredo Vieira de Sousa, música e voz de Adriano Correia de Oliveira). E outros, até, de que não há registo de alguma vez terem sido transmitidas na Rádio, como o Romance do Lulu do Intendente, de e por Luís Cília.

Todas estas músicas fazem parte desta emissão especial, onde se fala também da repercussão internacional da revolução portuguesa, reflectida aqui no amistoso Adelante Portugal, que Carlos Puebla y Sus Tradicionales ofereceu a partir de Cuba, e na comovente versão de Grândola Vila Morena que Nara Leão nos dedicou. Outros temas deste programa especial (indicados por ordem aleatória): Amélia dos Olhos Doces (de Joaquim Pessoa e Carlos Mendes), Eu, o Povo (letra de Mutimati Barnabé João, música de Fausto e José Afonso, voz de José Afonso), Ao Alcance das Mãos (Samuel), Fernandinho Vai ao Vinho (Júlio Pereira), Eu Vi Este Povo a Lutar (de José Mário Branco, pelo GAC), Trabalho (de Ary e Fernando Tordo, por um colectivo dirigido por Pedro Osório e a que davam voz, além de Tordo, Alfredo Vieira de Sousa, Carlos Alberto Moniz, Madalena Leal, Maria de Lurdes Nunes dos Santos e Paulo de Carvalho) e Canto de Esperança (letra de Mário Dionísio, música de Luís Cília, voz de Manuel Freire).

A partir de amanhã, a rubrica Os Dias Cantados entra na terceira série, preenchida com 40 versões de algumas destas (e outras) cantigas por intérpretes mais jovens. A edição desta 3ª série é da responsabilidade de João Carlos Callixto.

Para ouvir a emissão especial sobre Os Dias Cantados Depois do 25 de Abril, basta seguir as ligações abaixo e aceder directamente aos respectivos podcasts da portal da Antena 1.

Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 1ª parte (48')
Os Dias Cantados depois do 25 de Abril - Emissão especial - 2ª parte (44')
Autoria, apresentação e realização: António Macedo e Viriato Teles
Sonorização: Carlos Felgueiras
Primeira emissão na Antena1, 22.Jun.2014

Mais sugestões de leitura

  • Guerra santa contra o rock Open or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais
  • Um metro de vida bem medido Open or Close

    Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico. O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

    Apresentação de Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | 2004

    Ler Mais
  • Versos na margem da folha Open or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais
  • O último ano antes da liberdade Open or Close

    Em Agosto de 1973, poucos em Portugal se atreviam a imaginar que aquele Verão morno seria o último passado em clima de ditadura. Não fosse o cinzentismo geral que então caracterizava o país, e os adolescentes de há 40 anos até teriam algumas razões para se sentir satisfeitos.

    QI | Diário de Notícias | 3.Ago.2013

    Ler Mais