Encontro imaginário com balanço positivo

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag2.jpg

«Foi mais um Encontro memorável pelos temas abordados e pelos intérpretes das personagens. Foi com enorme simplicidade e bom poder de comunicação que José Fernandes no Remexido, Nuno Artur Silva como Brecht e Viriato Teles incorporando Lincoln desempenharam os seus papéis», diz Helder Costa, a propósito do encontro imaginário que ontem se realizou n'A Barraca.

No balanço sucinto que faz questão de apresentar após cada Encontro, o encenador resume deste modo o que ontem se passou no histórico teatro do Largo Santos: «Durante cerca de 1 hora passamos pelas contradições politicas e ideológicas que viveram os personagens, submetidos à violência de várias guerras , injustiças, perseguições, exílios, assassinatos de presidentes dos Estados Unidos, e a sistemática e eterna luta contra o racismo nos campos do Mississipi e Missouri, constante berço de regressão social onde florescem e renascem Tea-partys

Os Encontros Imaginários são um projecto que Helder Costa lançou em Fevereiro de 2011 e que, por ocasião do segundo aniversário, em Fevereiro de 2013, se abriu «à participação da sociedade civil», isto é, a não-actores que, tal como eles, desenvolvem actividade na esfera pública, porém em áreas distintas: na política, na literatura, no jornalismo, no ensino, etc.

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag3.jpgPara o encontro de ontem, Helder Costa convidou Nuno Artur Silva, José Fernandes e Viriato Teles, que assumiram as personagens de Bertolt Brecht, Remexido e Abraham Lincoln. Com bom resultado, garante Helder Costa: «Foi mais um Encontro que cumpriu o seu objectivo: recorrer ao mundo da História e da Cultura para transmitir algumas pistas que permitam decifrar os acontecimentos sociais que criam o nosso descontentamento. Para que possamos e saibamos lutar contra os que fazem o Inferno das nossas vidas.»

O próximo Encontro Imaginário realiza-se a 14 de Julho e vai reunir em palco Miguel de Vasconcelos (interpretado pelo arquitecto João Paulo Bessa), Catarina da Rússia (pela realizadora Leonor Areal) e Robespierre (pelo sociólogo Filipe Faria). Mais informações no saite d'A Barraca.

Fotografias © Sandra Bernardo

Mais sugestões de leitura

  • Crónica de uma morte antecipada Open or Close

    A vida é frequentemente injusta, sobretudo para aqueles que mais a amam. António Assunção era um desses, e nem o seu aparente mau feitio conseguia esconder esse grande gosto de viver que animou toda a sua existência. Homem e actor coerente com os princípios da justiça, liberdade e igualdade que tomou como seus desde muito novo, fez sempre questão de não ceder naquilo que considerava ser o essencial. Pagou por isso, claro. Com o ostracismo a que muitas vezes foi votado, apesar de ser unanimemente considerado no meio teatral como um dos seus praticantes mais talentosos. E, porque era de esquerda, convicta e assumidamente de esquerda, viu-se também alvo do desprezo dos vários poderes. Um desprezo, de resto, que de certa forma o divertia e que ele retribuía em dose reforçada.

    Grande Amadora | 28.Ago.1998

    Ler Mais
  • Mais do que talento Open or Close

    Poucos saberão que, em meados da década de 80 do século passado, Paco de Lucia manifestou a alguns amigos o desejo de gravar um disco com Carlos Paredes. (...) A ideia de Paco, admirador de Paredes, foi acolhida com entusiasmo pela editora, mas esbarrou na recusa definitiva do músico português: «Tocar com Paco de Lucia? Nem pensar. Ele esmagava-me, oh amigo!»

    Diário de Notícias | 27.Fev.2014

    Ler Mais
  • Viva quem canta Open or Close

    Não venho aqui para vos dizer que Pedro Barroso é o melhor cantor do mundo. Não venho falar de festivais ou de cantigas populares que certos divulgadores rádio-afónicos transformaram em produtos de consumo. Não venho sequer como mestre de cerimónias incumbido de apresentar um acto de variedades levado à cena num palco de ilusões.

    Introdução ao LP Do Lado de Cá de Mim de Pedro Barroso | 1983

    Ler Mais
  • Portugal dos pequeninos Open or Close

    No dia em que morreu Óscar Lopes (...) na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

    Ler Mais