Encontro imaginário com balanço positivo

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag2.jpg

«Foi mais um Encontro memorável pelos temas abordados e pelos intérpretes das personagens. Foi com enorme simplicidade e bom poder de comunicação que José Fernandes no Remexido, Nuno Artur Silva como Brecht e Viriato Teles incorporando Lincoln desempenharam os seus papéis», diz Helder Costa, a propósito do encontro imaginário que ontem se realizou n'A Barraca.

No balanço sucinto que faz questão de apresentar após cada Encontro, o encenador resume deste modo o que ontem se passou no histórico teatro do Largo Santos: «Durante cerca de 1 hora passamos pelas contradições politicas e ideológicas que viveram os personagens, submetidos à violência de várias guerras , injustiças, perseguições, exílios, assassinatos de presidentes dos Estados Unidos, e a sistemática e eterna luta contra o racismo nos campos do Mississipi e Missouri, constante berço de regressão social onde florescem e renascem Tea-partys

Os Encontros Imaginários são um projecto que Helder Costa lançou em Fevereiro de 2011 e que, por ocasião do segundo aniversário, em Fevereiro de 2013, se abriu «à participação da sociedade civil», isto é, a não-actores que, tal como eles, desenvolvem actividade na esfera pública, porém em áreas distintas: na política, na literatura, no jornalismo, no ensino, etc.

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag3.jpgPara o encontro de ontem, Helder Costa convidou Nuno Artur Silva, José Fernandes e Viriato Teles, que assumiram as personagens de Bertolt Brecht, Remexido e Abraham Lincoln. Com bom resultado, garante Helder Costa: «Foi mais um Encontro que cumpriu o seu objectivo: recorrer ao mundo da História e da Cultura para transmitir algumas pistas que permitam decifrar os acontecimentos sociais que criam o nosso descontentamento. Para que possamos e saibamos lutar contra os que fazem o Inferno das nossas vidas.»

O próximo Encontro Imaginário realiza-se a 14 de Julho e vai reunir em palco Miguel de Vasconcelos (interpretado pelo arquitecto João Paulo Bessa), Catarina da Rússia (pela realizadora Leonor Areal) e Robespierre (pelo sociólogo Filipe Faria). Mais informações no saite d'A Barraca.

Fotografias © Sandra Bernardo

Mais sugestões de leitura

  • Desabafos de um repórter que ainda acredita na paixão Open or Close

    Quando, em 1983, os jornalistas se reuniram pela primeira vez em congresso para debater a «liberdade de expressão, expressão da liberdade», o meu amigo e companheiro Fernando Alves provocou algum escândalo entre a classe ao anunciar que «os jornalistas portugueses estão a atingir o princípio de Peter da dignidade».

     III Congresso dos Jornalistas Portugueses | 1998

    Ler Mais
  • Uma voz do mundo Open or Close

    «A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais. (...) A única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade. Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se. (...) E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!» Testemunho de António Victorino d'Almeida

    Ler Mais
  • A quinta dimensão Open or Close

    Era o mês de Outubro, em Lisboa e no resto do mundo. Nessa manhã de pouco sol, Aristides acordou com vaga sensação de que a Terra inteira estava a enlouquecer à sua volta.

    Se7e | 1988

    Ler Mais
  • O grito de guerra dos genes Open or Close

    Ernesto Guevara, chamado o Che, era um homem complexo e dinâmico — diferente de outros, lineares, cinzentos, sempre iguais de tão monotemáticos. Não falo do revolucionário, nem do homem de Estado, nem do pai de família, nem do amante, nem do aventureiro; falo do homem que continha em si todos esses homens... Repito: era um homem complexo, profundo, crítico e sumamente vital. O Che morreu muito jovem, mas morreu obcecado com a vida que ainda poderia construir-se; Fidel agarra-se à vida com unhas e dentes, ainda que apenas fale de morte.

    Ler Mais