Encontro imaginário com balanço positivo

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag2.jpg

«Foi mais um Encontro memorável pelos temas abordados e pelos intérpretes das personagens. Foi com enorme simplicidade e bom poder de comunicação que José Fernandes no Remexido, Nuno Artur Silva como Brecht e Viriato Teles incorporando Lincoln desempenharam os seus papéis», diz Helder Costa, a propósito do encontro imaginário que ontem se realizou n'A Barraca.

No balanço sucinto que faz questão de apresentar após cada Encontro, o encenador resume deste modo o que ontem se passou no histórico teatro do Largo Santos: «Durante cerca de 1 hora passamos pelas contradições politicas e ideológicas que viveram os personagens, submetidos à violência de várias guerras , injustiças, perseguições, exílios, assassinatos de presidentes dos Estados Unidos, e a sistemática e eterna luta contra o racismo nos campos do Mississipi e Missouri, constante berço de regressão social onde florescem e renascem Tea-partys

Os Encontros Imaginários são um projecto que Helder Costa lançou em Fevereiro de 2011 e que, por ocasião do segundo aniversário, em Fevereiro de 2013, se abriu «à participação da sociedade civil», isto é, a não-actores que, tal como eles, desenvolvem actividade na esfera pública, porém em áreas distintas: na política, na literatura, no jornalismo, no ensino, etc.

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag3.jpgPara o encontro de ontem, Helder Costa convidou Nuno Artur Silva, José Fernandes e Viriato Teles, que assumiram as personagens de Bertolt Brecht, Remexido e Abraham Lincoln. Com bom resultado, garante Helder Costa: «Foi mais um Encontro que cumpriu o seu objectivo: recorrer ao mundo da História e da Cultura para transmitir algumas pistas que permitam decifrar os acontecimentos sociais que criam o nosso descontentamento. Para que possamos e saibamos lutar contra os que fazem o Inferno das nossas vidas.»

O próximo Encontro Imaginário realiza-se a 14 de Julho e vai reunir em palco Miguel de Vasconcelos (interpretado pelo arquitecto João Paulo Bessa), Catarina da Rússia (pela realizadora Leonor Areal) e Robespierre (pelo sociólogo Filipe Faria). Mais informações no saite d'A Barraca.

Fotografias © Sandra Bernardo

Mais sugestões de leitura

  • O fumo e o fogo Open or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais
  • Entrevista a A Capital Open or Close

    Um autor português de 47 anos já não sabia muito bem onde estava o 25 de Abril e resolveu fazer «contas à vida». À sua e à de nós todos. Juntou pontos - e não só de interrogação -, fez cálculos, recuperou memórias, e, após ser desafiado por uma editora, pôs mãos à obra. O livro está desde hoje nas livrarias com o título Contas à Vida - histórias do tempo que passa. São vinte conversas com vinte personalidades da vida pública portuguesa que têm algo a dizer - e dizem! - sobre o 25 de Abril.

    Ler Mais
  • Uma vida aos quadradinhos Open or Close

    Publicou a primeira história em quadradinhos com 14 anos, mas começou a fazer fanzines aos oito. Simples na forma de estar, mas rigoroso até à exaustão de pormenor no trabalho que executa, é assim que encontramos José Ruy, «um duplo amador» que bem pode dizer-se em actividade há seis décadas e uma das poucas unanimidades da banda desenhada lusitana.

    Grande Amadora | 1999

    Ler Mais
  • Morrer de amor Open or Close

    É possível morrer de amor? Os poetas e outros loucos, incluindo alguns psiquiatras, acham que sim. «D. João e Julieta» é uma peça de Natália Correia onde o amor e a morte, uma vez mais, se cruzam na grandeza da paixão. Uma peça onde, de um modo particularmente singular, a própria Natália se desvenda.

    DNA - Diário de Notícias | 1999

    Ler Mais