Encontro imaginário com balanço positivo

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag2.jpg

«Foi mais um Encontro memorável pelos temas abordados e pelos intérpretes das personagens. Foi com enorme simplicidade e bom poder de comunicação que José Fernandes no Remexido, Nuno Artur Silva como Brecht e Viriato Teles incorporando Lincoln desempenharam os seus papéis», diz Helder Costa, a propósito do encontro imaginário que ontem se realizou n'A Barraca.

No balanço sucinto que faz questão de apresentar após cada Encontro, o encenador resume deste modo o que ontem se passou no histórico teatro do Largo Santos: «Durante cerca de 1 hora passamos pelas contradições politicas e ideológicas que viveram os personagens, submetidos à violência de várias guerras , injustiças, perseguições, exílios, assassinatos de presidentes dos Estados Unidos, e a sistemática e eterna luta contra o racismo nos campos do Mississipi e Missouri, constante berço de regressão social onde florescem e renascem Tea-partys

Os Encontros Imaginários são um projecto que Helder Costa lançou em Fevereiro de 2011 e que, por ocasião do segundo aniversário, em Fevereiro de 2013, se abriu «à participação da sociedade civil», isto é, a não-actores que, tal como eles, desenvolvem actividade na esfera pública, porém em áreas distintas: na política, na literatura, no jornalismo, no ensino, etc.

b_500_400_16777215_00_images_actual_encimag3.jpgPara o encontro de ontem, Helder Costa convidou Nuno Artur Silva, José Fernandes e Viriato Teles, que assumiram as personagens de Bertolt Brecht, Remexido e Abraham Lincoln. Com bom resultado, garante Helder Costa: «Foi mais um Encontro que cumpriu o seu objectivo: recorrer ao mundo da História e da Cultura para transmitir algumas pistas que permitam decifrar os acontecimentos sociais que criam o nosso descontentamento. Para que possamos e saibamos lutar contra os que fazem o Inferno das nossas vidas.»

O próximo Encontro Imaginário realiza-se a 14 de Julho e vai reunir em palco Miguel de Vasconcelos (interpretado pelo arquitecto João Paulo Bessa), Catarina da Rússia (pela realizadora Leonor Areal) e Robespierre (pelo sociólogo Filipe Faria). Mais informações no saite d'A Barraca.

Fotografias © Sandra Bernardo

Mais sugestões de leitura

  • Da importância de agitar a malta Open or Close

    Os dias e os meses que se seguiram à Revolução de Abril deixaram uma marca de empenhamento na música portuguesa que ainda hoje se faz sentir. A canção de intervenção revisistada por Joaquim Vieira no documentário "A Cantiga Era Uma Arma".

    A Cantiga Era Uma Arma
     RTP | Levoir | Público 2016

    Ler Mais
  • O fado das águias Open or Close

    O Benfica está em crise e o país real acompanha, ansioso, as angústias, as dúvidas e o sofrimento das águias da Luz. Vão longe os dias em que «ser benfiquista era ter na alma a chama imensa», como cantava o incomparável Luís Piçarra. Mas isso era no tempo em que quem não era do Benfica, não era bom chefe de família. Agora, com a instituição familiar em notório declínio, como poderia o Benfica navegar noutras águas que não as do desencanto?

    TSF | 15.Out.1997

    Ler Mais
  • José Mário Branco Open or Close

    Poucos dias passados sobre o 25 de Abril, ele foi o primeiro a definir quais deviam ser os cânones da canção de intervenção, numa reunião de cantores que integraram o Colectivo de Acção Cultural, nascido no alvorar da revolução, e que eram quase todos os que vinham da canção de protesto que marcou os últimos anos da ditadura. O exemplo do que deveria ser feito, agora que o fascismo estava derrubado e a liberdade fora alcançada, apresentou-o José Mário Branco nesse dia. Chamava-se Alerta e marcou a estreia da canção-de-combate após a revolução.

    Ler Mais
  • Silêncio, que vai falar um homem Open or Close

    Venho duma época em que Portugal era, dizia-se, dominado por três éfes: Fátima, o futebol e o fado. Trinta anos passados sobre a manhã de todas as esperanças, a diferença é que o futebol se transformou numa nova religião, cujos deuses, mitos e interesses coabitam tranquilamente com os de Fátima. Ao fado, muitos querem que reste não mais que a função puramente recreativa. Não é esse, nunca foi, o caso de Carlos do Carmo, e por isso a sua música, sendo fado, é também uma música do mundo. E sendo universal, continua genuína e generosamente lusitana.

    Ler Mais