Estranha Forma de Vida em reposição na RTP 2

efv1.jpg

Dois anos após uma estreia discreta em horário tardio, a série documental Estranha Forma de Vida regressou este Verão à televisão pública, numa oportuna reposição que pode ser vista, agora, na RTP 2, no horário nobre de 2ª a 6ª feira. Trata-se de «uma história da música portuguesa», contada a partir dos anos 30 do século XX até à actualidade.

A série, de 26 episódios e com versões específicas para rádio e para televisão, parte de uma ideia de Jaime Fernandes e começou a ser desenhada em finais de 2009, mas a produção só arrancou verdadeiramente em 2010 e prolongou-se ao longo de mais de dois anos. Tratou-se de um trabalho complexo, que envolveu a realização de entrevistas a quase centena e meia de protagonistas da história da música portuguesa: cantores, músicos, compositores, letristas, produtores, divulgadores, jornalistas e agentes, desde os mais antigos (Joel Pina, Carlos Menezes, Jaime Nascimento...) aos mais modernos (Boss AC, Rita Redshoes, Ana Bacalhau, Jorge Cruz...) e de todas as “áreas” musicais, do fado ao jazz.

Todos os episódios são ilustrados por imagens do Arquivo da RTP, algumas das quais absolutamente preciosas pelo ineditismo ou pela antiguidade. O valor histórico desta documentação resulta, também, do facto de, em muitos casos, essas imagens terem sido transmitidas uma única vez. Além destas imagens de Arquivo, todos os episódios incluem testemunhos de alguns dos grandes protagonistas da Música Portuguesa.

António Macedo, João Carlos Callixto e Viriato Teles assinam a maior parte dos textos do "roteiro" da série, que contou também com as participações de Henrique Amaro, João Gobern, Nuno Galopim, Nuno de Siqueira e Vitor Duarte Marceneiro. Da vasta equipa que concebeu e concretizou este projecto juntamente com Jaime Fernandes, é justo destacar o trabalho de produção de Eva Verdú e Paula Paiva e o empenhamento da equipa técnica da RTP.

Para a concretização desta Estranha Forma de Vida foram visionadas cerca de mil cassetes vídeo e mais de mil horas de imagens. Em contrapartida, para o Arquivo da RTP foram entretanto canalizadas cerca de 300 horas de entrevistas gravadas algumas das quais podem revelar-se de grande importância para a produção de Programas Especiais pela RTP.

Deste programa foram feitas duas montagens distintas: uma edição para Televisão, que estreou na RTP 1 em Setembro de 2011, e uma edição para Rádio, que estreou na Antena 1 em Novembro do mesmo ano. Do projecto inicial, fazia parte igualmente a edição deste documentário em dvd, o que ainda não se concretizou. Entretanto, a série encontra-se disponível, em versão integral para ambos os formatos, no portal da RTP.

Estranha Forma de Vida (Edição TV) | Estranha Forma de Vida (Edição Rádio)

Autoria e apresentação de Jaime Fernandes | Textos de António Macedo, Henrique Amaro, João Carlos Callixto, João Gobern, Nuno Galopim, Nuno de Siqueira, Vitor Duarte Marceneiro e Viriato Teles | Entrevistas por António Macedo e Viriato Teles | Pesquisa de Arquivo por João Carlos Calixto | Produção de Paula Paiva e Eva Verdú | © RTP 2011
Primeira apresentação da versão TV: de 21.Set.2011 a 4.Jul.2012 (RTP 1)
Primeira apresentação da versão Rádio: de 5.Nov.2011 a 2.Jun.2012 (Antena 1)

Mais sugestões de leitura

  • Por favor, leiam estes discos Open or Close

    Quando editou «Por Este Rio Acima», no já longínquo ano de 1982, Fausto Bordalo Dias estaria longe de imaginar a verdadeira revolução que esse seu disco iria causar no universo da música portuguesa. (...) Falo da música, mas também da poesia (ao nível da melhor que em terras lusas se tem publicado) e, ainda, de um conceito estético que, na realidade, só depois de «Por Este Rio Acima» tomou forma definitiva: a Música Popular Portuguesa, entendida como uma forma de identidade cultural multi-expressiva e não, como pretendiam os seus detractores, como um modelo de uniformização formal.

    Grande Amadora | 2.Dez.1994

    Ler Mais
  • A vida em alta velocidade Open or Close

    O homem que agora se senta à minha frente está destinado a vencer a morte. Fala muito e em ritmo acelerado, mas nunca fala por falar. Os olhos não param quietos, mesmo quando se dirigem para nós. Pontua a conversa com gestos largos, próprios de quem sabe o que quer e tem pressa de o concretizar. A sua vida é um corrupio de cenas e emoções, poemas e paixões, amigos e bebedeiras. Olho-o e penso que poucos actores conseguem aguentar um ritmo de trabalho tão intenso como este Mário Viegas, mas menos ainda são capazes de que a essa intensidade corresponda uma tão grande dose de prazer.

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origens Open or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais
  • Cantares de um homem livre Open or Close

    Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
    O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.
    É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram.

    Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

    Ler Mais