Maior Que o Pensamento adiado uma semana

jaf_mqp1.jpg

Um problema técnico alheio aos autores e aos editores obrigou ao adiamento da publicação do primeiro volume de «Maior Que o Pensamento», que deveria ser distribuído com o Público de dia 26 de Abril. A mini-série documental, realizada por Joaquim Vieira, será publicada em dois discos com alguns extras, e o primeiro volume, "Uma História de Resistência", será posto à venda com o Público de domingo, 3 de Maio. O segundo volume, "Uma História de Liberdade", será distribuído a 10 de Maio.

O documentário inclui depoimentos inéditos de familiares, músicos e amigos, além de um depoimento de Maria de Lourdes Pintasilgo (candidata à Presidência da República em 1985, apoiada por José Afonso) gravado em Janeiro 1986, e uma gravação de Mário Viegas lendo textos de Zeca, em 1991. A lista de extras inclui ainda duas gravações realizadas por José Afonso em 1963 para a televisão alemã e dois textos de Viriato Teles especialmente para esta edição.

Nos textos que acompanham os dvd conta-se "Uma história de Resistência" e "Uma história de Liberdade", ambas com o mesmo protagonista: José Afonso, cujas palavras de diferentes épocas são aqui evocadas. Um conjunto de fotos, algumas inéditas, completa esta edição.

Expressamente para este documentário, Joaquim Vieira recolheu os testemunhos de diversos familiares e amigos de José Afonso, tais como Mariazinha Afonso dos Santos (irmã de Zeca), João Afonso dos Santos (irmão), Maria Helena Afonso dos Santos (filha), Maria Fernanda Cerqueira (prima), João Afonso (sobrinho), Arnaldo Trindade (editor discográfico), Rosarinho Mascarenhas (amiga de infância), António Santos Silva (amigo de juventude), Malangatana Valente (pintor), Eugénio Lisboa (poeta), Carlos Adrião Rodrigues (advogado), Jorge Luz (professor), Henrique Guerreiro (diretor de empresa), António Correia (ex-pároco de Palmela), Arturo Reguera (professor), Günter Wallraff (jornalista), Luís Filipe Rocha (realizador de cinema), Camilo Mortágua (revolucionário), Otelo Saraiva de Carvalho (dirigente militar e político em 1975), Adelino Gomes (jornalista), José Ribamar (médico), Jorge Abegão (sociólogo), António Vitorino de Almeida (compositor), Elfriede Engelmayer (professora universitária), Pedro Feytor Pinto (diplomata) ou Heitor de Vasconcelos (colecionador de discos).

Foram igualmente ouvidos diversos músicos que, de modos distintos e em diferentes épocas, privaram de perto do Zeca: Luís Góis, Rui Pato, Carlos Correia "Bóris", José Niza, José Jorge Letria, José Mário Branco, Vitorino Salomé, Sérgio Godinho, Carlos Alberto Moniz, Francisco Naia, Júlio Pereira, Luís Cília, Francisco Fanhais, Janita Salomé, Fausto Bordalo Dias, Benedicto García, Paco Ibañez, Luis Pastor, Pi de la Serra, Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Outro ineditismo deste trabalho tem a ver com a história de uma canções, aqui contada em discurso directo pelos seus "protagonistas": Vítor Espírito Santo (“Chaimite”, soldador), Aníbal Rocha (“Bibas”, metalúrgico), José Fernandes Pina (metalúrgico) e António Borges (técnico de produção de energia), citados expressamente no tema Papuça

Mais sugestões de leitura

  • Sexto andamento: do medo Open or Close

    – Qual foi o teu pior momento em cima de um palco?

    – Foi em Vilar de Mouros, no segundo Festival de Vilar de Mouros. É uma história engraçada. (...) Quando cheguei ao palco... Só te digo que dificilmente a minha família terá sido mais insultada em toda a minha vida do que naquela noite! Mãe, pai, filhos – tudo o que era família minha foi insultada! Já para não falar dos insultos directos, mandarem-me com objectos estranhos... (...) Então passou-me uma coisa pela cabeça, olhei para os meus músicos e disse: «Vamos cantar uma canção, vamos cantar a Pedra Filosofal, vamos fazer aqui uma inversão.» Comecei a cantar, fez-se um silêncio enorme, calaram-se completamente, trautearam o final comigo e aplaudiram freneticamente. Aí, cheguei ao microfone e disse: «Vão bardamerda!». E fui-me embora.

    Ler Mais
  • Um golpe de mestre Open or Close

    Não há melhor meio de desvalorizar uma mensagem do que descredibilizar o mensageiro. E é isso, em primeiro lugar, que sobressai do triste folhetim natalício desenvolvido a partir do alegado currículo inventado do não menos alegado professor Artur Baptista da Silva.

    Jornal do Fundão | 10.Jan.2013

    Ler Mais
  • O silêncio da terra Open or Close

    «Não acredito muito nos pessoas que apenas se comovem quando ouvem falar de coisas de carácter político. Não basta fazer canções sobre a paz ou sobre a guerra, é preciso ter em conta também uma outra poesia que nos fale da beleza das paisagens, dos rios que correm, da natureza que se manifesta.» Em Março de 1985, Atahualpa Yupanqui esteve em Portugal para realizar dois concertos únicos por iniciativa da Embaixada da República Argentina. Nos palcos da Aula Magna, em Lisboa, e do Rivoli, no Porto, acompanhado apenas pela sua guitarra (“a la guitarra grave y honda que jumbrosa estremecida y soledosa, desvelada quiero referirme”), deu-se-nos, durante cerca de duas horas, o trovador maior das pampas, “payador” que foi perseguido e nunca desistiu de se interrogar, a ele próprio e a quantos o ouvem, a propósito dos sentidos possíveis da vida.

    Ler Mais
  • O Che das nossas utopias Open or Close

    De uma forma ou de outra, todos aqueles que acreditam no advento de sociedades justas, trazem consigo, no mais caloroso canto do coração, a imagem e o exemplo de Che Guevara. Este livro também disso fala: do princípio de realidade colectiva que pode explicar os nossos embalos e acicatar os nossos sonhos. Viriato Teles diz-nos que a grandeza do Che consistiu no facto de ele não querer ser outra coisa - senão um homem. Um homem que encheu o século e os tempos ao proclamar que tudo é possível, desde que os homens o queiram.

    Ler Mais