Maior Que o Pensamento adiado uma semana

jaf_mqp1.jpg

Um problema técnico alheio aos autores e aos editores obrigou ao adiamento da publicação do primeiro volume de «Maior Que o Pensamento», que deveria ser distribuído com o Público de dia 26 de Abril. A mini-série documental, realizada por Joaquim Vieira, será publicada em dois discos com alguns extras, e o primeiro volume, "Uma História de Resistência", será posto à venda com o Público de domingo, 3 de Maio. O segundo volume, "Uma História de Liberdade", será distribuído a 10 de Maio.

O documentário inclui depoimentos inéditos de familiares, músicos e amigos, além de um depoimento de Maria de Lourdes Pintasilgo (candidata à Presidência da República em 1985, apoiada por José Afonso) gravado em Janeiro 1986, e uma gravação de Mário Viegas lendo textos de Zeca, em 1991. A lista de extras inclui ainda duas gravações realizadas por José Afonso em 1963 para a televisão alemã e dois textos de Viriato Teles especialmente para esta edição.

Nos textos que acompanham os dvd conta-se "Uma história de Resistência" e "Uma história de Liberdade", ambas com o mesmo protagonista: José Afonso, cujas palavras de diferentes épocas são aqui evocadas. Um conjunto de fotos, algumas inéditas, completa esta edição.

Expressamente para este documentário, Joaquim Vieira recolheu os testemunhos de diversos familiares e amigos de José Afonso, tais como Mariazinha Afonso dos Santos (irmã de Zeca), João Afonso dos Santos (irmão), Maria Helena Afonso dos Santos (filha), Maria Fernanda Cerqueira (prima), João Afonso (sobrinho), Arnaldo Trindade (editor discográfico), Rosarinho Mascarenhas (amiga de infância), António Santos Silva (amigo de juventude), Malangatana Valente (pintor), Eugénio Lisboa (poeta), Carlos Adrião Rodrigues (advogado), Jorge Luz (professor), Henrique Guerreiro (diretor de empresa), António Correia (ex-pároco de Palmela), Arturo Reguera (professor), Günter Wallraff (jornalista), Luís Filipe Rocha (realizador de cinema), Camilo Mortágua (revolucionário), Otelo Saraiva de Carvalho (dirigente militar e político em 1975), Adelino Gomes (jornalista), José Ribamar (médico), Jorge Abegão (sociólogo), António Vitorino de Almeida (compositor), Elfriede Engelmayer (professora universitária), Pedro Feytor Pinto (diplomata) ou Heitor de Vasconcelos (colecionador de discos).

Foram igualmente ouvidos diversos músicos que, de modos distintos e em diferentes épocas, privaram de perto do Zeca: Luís Góis, Rui Pato, Carlos Correia "Bóris", José Niza, José Jorge Letria, José Mário Branco, Vitorino Salomé, Sérgio Godinho, Carlos Alberto Moniz, Francisco Naia, Júlio Pereira, Luís Cília, Francisco Fanhais, Janita Salomé, Fausto Bordalo Dias, Benedicto García, Paco Ibañez, Luis Pastor, Pi de la Serra, Caetano Veloso e Gilberto Gil.

Outro ineditismo deste trabalho tem a ver com a história de uma canções, aqui contada em discurso directo pelos seus "protagonistas": Vítor Espírito Santo (“Chaimite”, soldador), Aníbal Rocha (“Bibas”, metalúrgico), José Fernandes Pina (metalúrgico) e António Borges (técnico de produção de energia), citados expressamente no tema Papuça

Mais sugestões de leitura

  • A solução para a crise Open or Close

    Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

    Ler Mais
  • História biodegradável Open or Close

    O cidadão José Hermano tem um pensamento profundo sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau.

    RCS-GA | 25.Fev.1999

    Ler Mais
  • O general casernícola Open or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais
  • Os olhos da nossa infância Open or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais