Músicas da Europa na Antena 1

b_500_400_16777215_00_images_actual_i_love_europe_med_pt.jpg

A Antena 1 antecipa hoje a celebração do Dia da Europa (9 de Maio) com a transmissão ao longo do dia de música e canções de diferentes países europeus. Esta rubrica especial está distribuída por treze blocos de aproximadamente cinco minutos que serão emitidos a partir das 7h.

Escrita e apresentada por Viriato Teles com produção de António Santos, esta Praça da Europa integra composições musicais dos doze países que ficaram a constituir a então Comunidade Económica Europeia após a adesão de Portugal, em 1986: Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Holanda, Itália, Irlanda, Luxemburgo, Portugal e Reino Unido.

Além de alguns temas clássicos da canção europeia são também transmitidas canções de autores e intérpretes menos conhecidos ou mesmo totalmente desconhecidos dos portugueses, em diferentes estilos e em gravações de diversas épocas entre 1928 e 2013.

Especial Dia da Europa
Autoria e edição: Viriato Teles | Produção: António Santos | 8.Maio.2015 | Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • O general casernícola Open or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais
  • Portugal dos pequeninos Open or Close

    No dia em que morreu Óscar Lopes (...) na «mensagem de pesar» enviada à família do filólogo e mestre maior da língua pátria, o dr. Cavaco Silva refere-se-lhe como «historiador», relegando para segundo plano a sua obra maior como linguista, professor e crítico literário. Compreende-se: Óscar Lopes foi autor, com António José Saraiva, da mais importante História da Literatura Portuguesa. Cavaco, com o seu saber wikipédico de leitor de badanas, limitou-se a somar dois mais dois.

    Ler Mais
  • Que homem é este? Open or Close

    A campanha eleitoral foi marcada pela recusa de Cavaco em responder a quaisquer questões de algum modo melindrosas para a sua imagem. Interrogado pelos jornalistas sobre as dúvidas levantadas por alguns dos seus negócios, limitou-se a dizer que eram «calúnias». Tanta aparente cobardia só pode ter uma razão: a criatura tem mesmo telhados de vidro, e está com medo que os portugueses descubram a tempo de correr com ele de Belém. Mas esta campanha foi também reveladora quanto aos traços de carácter deste homem que se acha acima de todos os outros.

    Ler Mais
  • Algumas opiniões Open or Close

    Excertos de opiniões publicadas na Imprensa acerca de Margem para Dúvidas.

    Ler Mais