Músicas da Europa na Antena 1

b_500_400_16777215_00_images_actual_i_love_europe_med_pt.jpg

A Antena 1 antecipa hoje a celebração do Dia da Europa (9 de Maio) com a transmissão ao longo do dia de música e canções de diferentes países europeus. Esta rubrica especial está distribuída por treze blocos de aproximadamente cinco minutos que serão emitidos a partir das 7h.

Escrita e apresentada por Viriato Teles com produção de António Santos, esta Praça da Europa integra composições musicais dos doze países que ficaram a constituir a então Comunidade Económica Europeia após a adesão de Portugal, em 1986: Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Holanda, Itália, Irlanda, Luxemburgo, Portugal e Reino Unido.

Além de alguns temas clássicos da canção europeia são também transmitidas canções de autores e intérpretes menos conhecidos ou mesmo totalmente desconhecidos dos portugueses, em diferentes estilos e em gravações de diversas épocas entre 1928 e 2013.

Especial Dia da Europa
Autoria e edição: Viriato Teles | Produção: António Santos | 8.Maio.2015 | Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • Saramago, autor do século XVIII Open or Close

    José Saramago, um romancista do século XVIII? Ninguém se lembraria de tal coisa, mas foi assim mesmo que ele foi inicialmente apresentado, em Bucareste, poucos meses antes do lançamento, pela Editora Univers, da tradução romena de «Memorial do Convento». Um truque para iludir a censura de Ceausescu. E resultou.

    Jornal de Letras | 12.Jun.1990

    Ler Mais
  • A quinta dimensão Open or Close

    Era o mês de Outubro, em Lisboa e no resto do mundo. Nessa manhã de pouco sol, Aristides acordou com vaga sensação de que a Terra inteira estava a enlouquecer à sua volta.

    Se7e | 1988

    Ler Mais
  • A culpa é do Manel Open or Close

    Num tempo em que se abatem inutilmente tantas árvores para dar à estampa as mais incríveis aberrações paraliterárias, sabe bem ler uma prosa tão escorreita, tão depurada e sobretudo tão honesta como a deste Daniel Abrunheiro. Que navega com igual à-vontade no registo poético de «Pomba» como no tom vagamente surreal de «Máscara», atento à realidade sem se tornar seu escravo, capaz de ordenar o mundo de trás para a frente sem que o mundo deixe de fazer sentido.
    Estes textos de Daniel Abrunheiro revelam um autor que conhece bem o valor dos silêncios que tantas vezes se escondem por trás das palavras. E que sabe, tal como diz uma das suas personagens, que o ruído não é mais do que «o silêncio que não sabemos ler». Aprendamos, então.

    Posfácio a Cronicão, de Daniel Abrunheiro | 2003

    Ler Mais
  • Filhos da pide Open or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais