Músicas da Europa na Antena 1

b_500_400_16777215_00_images_actual_i_love_europe_med_pt.jpg

A Antena 1 antecipa hoje a celebração do Dia da Europa (9 de Maio) com a transmissão ao longo do dia de música e canções de diferentes países europeus. Esta rubrica especial está distribuída por treze blocos de aproximadamente cinco minutos que serão emitidos a partir das 7h.

Escrita e apresentada por Viriato Teles com produção de António Santos, esta Praça da Europa integra composições musicais dos doze países que ficaram a constituir a então Comunidade Económica Europeia após a adesão de Portugal, em 1986: Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, França, Grécia, Holanda, Itália, Irlanda, Luxemburgo, Portugal e Reino Unido.

Além de alguns temas clássicos da canção europeia são também transmitidas canções de autores e intérpretes menos conhecidos ou mesmo totalmente desconhecidos dos portugueses, em diferentes estilos e em gravações de diversas épocas entre 1928 e 2013.

Especial Dia da Europa
Autoria e edição: Viriato Teles | Produção: António Santos | 8.Maio.2015 | Antena 1

Mais sugestões de leitura

  • Vasco Gonçalves Open or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais
  • O pássaro da ilha Open or Close

    O Zeca é um pássaro. Ele canta, encanta, inventa e reinventa, sem nunca cansar quem o ouve – e que o vê. Porque ver o Zeca é tão importante como ouvi-lo. Há quem o compare a Tom Waits, mas em palco ele faz sobretudo lembrar Jacques Brel – na entrega, no modo inteiro como interpreta as suas canções de amor e mágoa, esperança e desencanto e saudades de um futuro em que não desiste de acreditar, mesmo se o presente tantas vezes parece empenhado em desmenti-lo.

    Introdução ao espectáculo de José Medeiros no Teatro Micaelense | 2007

    Ler Mais
  • Cabeças raladas Open or Close

    Skinhead. Para a generalidade dos cidadãos, a palavra tem de imediato conotações malditas: cruzes suásticas, violência organizada, ideais fascistas. Falar de skins leva invariavelmente a falar de racismo e de morte. A palavra aos próprios: «Na realidade, os skins nazis são uma minoria no conjunto dos 'carecas' europeus. O que acontece é que eles, de cada vez que aparecem, dão nas vistas o suficiente para que, sempre que se fala em skins, as pessoas pensarem que os únicos que existem são eles.» Não são, como se pode ler aqui.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • O rasto do dinheiro Open or Close

    Base das Lages, Açores, 17 de Março de 2003. Um primeiro-ministro de um país periférico europeu serve de conciérge a um trio de patifes que, três dias depois, dará início à invasão do Iraque. Ao país a que pertence e ao mundo que mal dá por ele o primeiro-ministro periférico jura que viu «provas inequívocas» da existência de um temível arsenal de destruição maciça na posse de Saddam Hussein. Meses depois, o primeiro-periférico é indigitado presidente da Comissão Europeia, e o mundo passa a conhecer-lhe o nome, já devidamente aparado para a ocasião: Barroso, José Barroso.

    Zoot | Verão 2008

    Ler Mais