Serrat e Sabina na emissão nº 100 da Praça da Europa

Foto: abc.es

Joan Manuel Serrat e Joaquin Sabina são os músicos em destaque esta sexta-feira, 29, na centésima emissão da Praça da Europa, rubrica diária da Antena 1 dedicada à divulgação de música e canções dos 27 países que, com Portugal, fazem parte da União Europeia. 

Apostamos em músicas e canções menos conhecidas em Portugal, mas não esquecemos os temas clássicos da canção europeia. 

Ao longo destas cem emissões, desde 7 de Setembro, já passaram pela Praça da Europa históricos como Léo Ferré, Luciano Pavarotti, Bill Wyman, Django Reihnard ou Ute Lemper, a par de vozes jovens e determinadas como as de Zaz, Benjamin Clementine, Nadine Axisa ou Jana Kirshner, entre muitos outros.

Todos os dias, de segunda a sexta-feira, um pouco antes das 13h, com repetição antes do noticiário das 16h.

Praça da Europa
Autoria: Viriato Teles | Edição: Augusto Fernandes e Viriato Teles | Produção: António Santos | De 2ª a 6ª feira às 12:55 e às 15:55* | Antena 1
* Excepto às 5ªs feiras

Mais sugestões de leitura

  • Coerência interventiva Open or Close

    Quando se abalançou ao jornalismo, o jovem Viriato (tinha então 15 anos) escolheu bem: o Suplemento Juvenil do República, um diário que se impunha em Portugal graças a uma linha editorial avessa aos compromissos com o poder. Estava-se em 1973, a revolução dos cravos não fazia sequer parte do imaginário português, e essa era a altura em que o lápis azul da censura atacava forte, sem cerimónias, a produção dos homens dos jornais. (...) Das centenas de entrevistas realizadas, Viriato Teles seleccionou as dez que vai ler a seguir. Estiveram para ser doze, não por qualquer analogia com Cristo e os seus 12 apóstolos e a sua Última Ceia. Muitas foram, aliás, as últimas ceias de Viriato Teles (...)

    Ler Mais
  • Um pássaro igual a ti Open or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • Uma esperança na escuridão Open or Close

    Há quem diga que é um prenúncio do fim do mundo, há quem pense que se trata de castigo divino, há quem ache que a culpa é da crise económica global. Não, não estou a falar do terramoto do Chile, nem dos massacres da Nigéria, nem da interminável guerra do Iraque, nem sequer dos sucessivos escândalos que ameaçam transformar Berlusconi no mais hilariante sucessor de Boris Yeltsin no anedotário europeu. Refiro-me antes a essa espécie de loucura branda que parece ter tomado conta do mundo e faz com que a humanidade aceite como naturais as mais incríveis aberrações sociais, políticas e económicas.

    Zoot | Primavera-Verão 2010

    Ler Mais
  • O país obtuso Open or Close

    O que se passou nos dias que se seguiram à Greve Geral de dia 14 é exemplificativo do país obtuso em que Portugal se tornou nos últimos meses. As reacções em cadeia de membros do governo, deputados da maioria e do próprio presidente da República, não deixam margem para dúvidas. A crer neles, o País está acossado por “terroristas” (viu-os um parlamentar do CDS) e “pessoas apostadas na destruição” e “que querem destruir a  sociedade” (Cavaco dixit).

    Jornal do Fundão | 22.Nov.2012

    Ler Mais