Serrat e Sabina na emissão nº 100 da Praça da Europa

Foto: abc.es

Joan Manuel Serrat e Joaquin Sabina são os músicos em destaque esta sexta-feira, 29, na centésima emissão da Praça da Europa, rubrica diária da Antena 1 dedicada à divulgação de música e canções dos 27 países que, com Portugal, fazem parte da União Europeia. 

Apostamos em músicas e canções menos conhecidas em Portugal, mas não esquecemos os temas clássicos da canção europeia. 

Ao longo destas cem emissões, desde 7 de Setembro, já passaram pela Praça da Europa históricos como Léo Ferré, Luciano Pavarotti, Bill Wyman, Django Reihnard ou Ute Lemper, a par de vozes jovens e determinadas como as de Zaz, Benjamin Clementine, Nadine Axisa ou Jana Kirshner, entre muitos outros.

Todos os dias, de segunda a sexta-feira, um pouco antes das 13h, com repetição antes do noticiário das 16h.

Praça da Europa
Autoria: Viriato Teles | Edição: Augusto Fernandes e Viriato Teles | Produção: António Santos | De 2ª a 6ª feira às 12:55 e às 15:55* | Antena 1
* Excepto às 5ªs feiras

Mais sugestões de leitura

  • Saudades de Zeca Open or Close

    E vão 26 anos sem Zeca, mas sempre com ele - e hoje mais do que nunca. Um pretexto tão bom como qualquer outro para retomar uma prosa incluída na edição mais recente d'As Voltas de um Andarilho:

    A minha memória mais antiga de Zeca Afonso vem do início dos anos 60 do século passado quando, ainda miúdo, ouvia na rádio o «Menino d’Oiro». A televisão era um luxo a que as gentes da classe média desse tempo não podiam dar-se – e, fosse como fosse, ele não frequentava os saraus de variedades que o electrodoméstico transmitia por esses tempos. (...)

    Ler Mais
  • Fausto Bordalo Dias Open or Close

    É um homem discreto e um artista exigente. Gosta de estar com os amigos e não volta costas a um arroz de lampreia nem a uma boa conversa. A música que faz situa-se num patamar superior do espectáculo, em Portugal e no resto do mundo, mas não é isso que o faz correr. (...) É assim o Fausto. Sereno, leal, intransigente em tudo aquilo que considera ser o essencial, tanto na vida como na arte – sendo que a arte é simplesmente uma forma superior de vida. É um homem de convicções – políticas, humanas, estéticas – mas nunca quis ser um homem de certezas. Amigo certo e adversário temível, mantém desde sempre uma relação de distância tanto com o poder político como com o poder mediático, e nunca se vergou perante nenhum. Porque há homens que não têm preço nem querem perder a honra: os homens dignos, como este.

    Ler Mais
  • Humana forma de vida Open or Close

    «Eu não passei pela vida, a vida é que passou por mim», dizia. E assim, entre a sua estreia (aos 19 anos, no Retiro da Severa), e a sua última actuação pública, em 1994, Amália nunca deixou de se surpreender com o que a vida lhe deu. (...) Amália sobreviveu às transformações sociais e políticas do seu país, e quando deixou o mundo dos vivos, a 6 de Outubro de 1999, era já uma figura consensual. Pelos quatro cantos do mundo, por onde andou, a sua voz continua a fascinar, vencendo a morte. Porque é humana, como a sua história.

    Ler Mais
  • Francisco Louçã Open or Close

    Os amigos gabam-lhe a afabilidade, o sentido de humor, a clareza do discurso, a boa educação. Os adversários vêem nele um político frio e calculista. Mas todos lhe reconhecem a inteligência superior, a competência política, a combatividade. É o único dirigente político a quem os correlegionários tratam pelo diminutivo: o Chico, o camarada que dirige sem precisar de ser secretário-geral ou presidente. Um entre iguais, porém diferente de todos os outros. (...) Há 30 anos, acreditava que o mundo podia mudar num instante. Hoje, sabe que o mundo muda a cada instante. E tenta fazer a sua parte.

    Ler Mais