Praça da Europa fecha para obras

b_500_400_16777215_00_images_actual_peurop_int1.jpg

Por decisão pessoal do autor, entendida e aceite pela Direcção de Programas da Antena1, as emissões da Praça da Europa estão suspensas a partir de hoje.

No Facebook, Viriato Teles fez um balanço do caminho percorrido: 

Foram sete meses e 150 canções, através das quais procurámos lançar um olhar (ou será melhor dizer: um ouvir) sobre o vastíssimo património musical dos países da União Europeia. De Zaz a Pavarotti, passando pelos Sex Pistols e Joselito, Django Reinhardt e Benjamin Clementine, Eric Clapton e Nadine Axisa, Alessio Lega e Sauad Massi. E mais uma centena de vozes, de todos os géneros, idades e tempos.

Foram sete meses de muito trabalho, mas também de muito prazer, que devo, em primeiro lugar, a Rui Pêgo, director de Programas da Antena1, que acolheu e acarinhou a ideia desde o início, e aos meus camaradas Augusto Fernandes, que comigo co-editou cada emissão, e António Santos, cuja mestria tem sido demonstrada de modo superior nos diversos programas e rubricas da rádio pública por cuja sonorização é responsável. Mas também a todos os outros: aos músicos e cantores, aos que aplaudiram e aos que criticaram, aos amigos e companheiros de trabalho que, de um ou de outro modo, contribuíram para fazer desta Praça um lugar asseado e agradável (foi-o, pelo menos para mim).

E agradeço, sobretudo, aos Ouvintes, particularmente àqueles que seguiram mais atenta e criticamente a Praça da Europa. Gostei muito de vos ter por perto neste espaço de convívio à esquina da música.

Voltaremos a encontrar-nos, com certeza, um dia destes. Mais cedo do que tarde, assim o espero.

Até lá, é possível ouvir de novo no RTP-Play todas as emissões da Praça da Europa.

Praça da Europa
Autoria: Viriato Teles | Edição: Augusto Fernandes e Viriato Teles | Produção: António Santos | Antena 1 (7.Set.2015 a 9.Abr.2016)

Mais sugestões de leitura

  • Filhos da pide Open or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais
  • O homem e as cidades Open or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais
  • A magia da criação Open or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais
  • Cavaqueira Open or Close

    E era na tarde um fogo igual
    a tantos de tantos mais um jogo
    final de que afinal ninguém sabia.
    Era uma tarde um fogo que arde
    sem saber se animal se dono
    hão-de vencer um rogo alarve um grito.
    Ou então era saudade o que esperavas
    conta-me histórias conta-me as cidades
    se era verdade ou assim mesmo
    nada mais.

    Ler Mais