Praça da Europa fecha para obras

b_500_400_16777215_00_images_actual_peurop_int1.jpg

Por decisão pessoal do autor, entendida e aceite pela Direcção de Programas da Antena1, as emissões da Praça da Europa estão suspensas a partir de hoje.

No Facebook, Viriato Teles fez um balanço do caminho percorrido: 

Foram sete meses e 150 canções, através das quais procurámos lançar um olhar (ou será melhor dizer: um ouvir) sobre o vastíssimo património musical dos países da União Europeia. De Zaz a Pavarotti, passando pelos Sex Pistols e Joselito, Django Reinhardt e Benjamin Clementine, Eric Clapton e Nadine Axisa, Alessio Lega e Sauad Massi. E mais uma centena de vozes, de todos os géneros, idades e tempos.

Foram sete meses de muito trabalho, mas também de muito prazer, que devo, em primeiro lugar, a Rui Pêgo, director de Programas da Antena1, que acolheu e acarinhou a ideia desde o início, e aos meus camaradas Augusto Fernandes, que comigo co-editou cada emissão, e António Santos, cuja mestria tem sido demonstrada de modo superior nos diversos programas e rubricas da rádio pública por cuja sonorização é responsável. Mas também a todos os outros: aos músicos e cantores, aos que aplaudiram e aos que criticaram, aos amigos e companheiros de trabalho que, de um ou de outro modo, contribuíram para fazer desta Praça um lugar asseado e agradável (foi-o, pelo menos para mim).

E agradeço, sobretudo, aos Ouvintes, particularmente àqueles que seguiram mais atenta e criticamente a Praça da Europa. Gostei muito de vos ter por perto neste espaço de convívio à esquina da música.

Voltaremos a encontrar-nos, com certeza, um dia destes. Mais cedo do que tarde, assim o espero.

Até lá, é possível ouvir de novo no RTP-Play todas as emissões da Praça da Europa.

Praça da Europa
Autoria: Viriato Teles | Edição: Augusto Fernandes e Viriato Teles | Produção: António Santos | Antena 1 (7.Set.2015 a 9.Abr.2016)

Mais sugestões de leitura

  • O homem que aprendeu a voar Open or Close

    Um dos sítios mais bonitos do meu mundo fica nas Astúrias, numa aldeia de Villaviciosa, a norte da Cordilheira Cantárbica, aonde se chega atravessando longos quilómetros de túneis e de névoa. Perdida entre as montanhas e o mar, que não se vê dali mas está perto, Labares é um pedaço escondido do paraíso, deixado intacto pelo Criador para lembrar aos homens que é possível viver em harmonia. (...) Estamos com José Luis Posada, cubano nascido nas Astúrias, lutador lendário, pintor em plena actividade e homem de muitas memórias que reencontrei em Labares. Foi aqui, numa antiga escola primária, com vista para uma paisagem de montes e de silêncios, que Posada construiu o seu lugar de recolhimento do mundo, após 70 anos de andanças e de sonhos. Em Labares guarda as suas lembranças originais, sem rancor mas com nitidez. Muita da sua pintura regista as imagens e as sombras da guerra civil, metade da aldeia fuzilada pelas tropas franquistas

    Tempo Livre | Maio 2002

    Ler Mais
  • A princesa das ilhas Open or Close

    A música de um lugar reflecte sempre as características do povo que nele habita, e talvez por isso as toadas açorianas tenham por regra um toque de nostalgia muito próprio das ilhas, misturado com a força de quem se habituou desde sempre a conviver de um modo singular com as forças da natureza. (...) É essa essência que Helena persegue e alcança neste disco. À voz clara da cantora acresce a riqueza dos arranjos, vocais e instrumentais, a excelência da execução musical, o rigor da produção – a cargo de um músico sobre quem a proximidade familiar me impede de tecer grandes considerações, de resto desnecessárias: o trabalho está aí para que cada um possa avaliar. Basta saber ouvir.

    Introdução ao CD EssênciasAcores, de Helena Oliveira | 2011

    Ler Mais
  • Skin look de A a Z Open or Close

    Ao vê-los em "actuação", nas claques de futebol, nas zaragatas dos bares ou nos confrontos de gangs, ninguém imagina que aqueles rapazes de cabelo rapado e ar frequentemente duro se preocupem com a composição da imagem exterior. Um olhar mais atento sobre a indumentária dos skinheads revela, porém, a extrema atenção que é dada a cada pormenor, cada peça de roupa, cada símbolo que se vai exibir. Desde as botas aos elementos decorativos do blusão, nada daquilo que um skinhead veste está ali por acaso. Este é, aliás, um tema sobre o qual os membros de vários grupos skin gostam de falar sem reservas. Quase poderia dizer-se que a opção pelo movimento começa sempre por ser uma questão estética. Com a preciosa ajuda de alguns skinheads bem documentados, ficámos a saber o essencial e boa parte do acessório sobre as peças que compõem a imagem skin.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • Terrorismo de faca e garfo Open or Close
    O ataque terrorista de que foi alvo o ministro António Costa, há menos de oito dias, passou à margem das grandes discussões políticas que marcaram a última semana. Entretidos a distribuir referendos como se dessem milho aos pombos, o Conselho de Ministros, a Assembleia da República e restantes forças mais ou menos vivas do país não ligaram nenhuma ao sucedido durante a visita de António Costa a Guimarães, onde o ministro dos Assuntos Parlamentares foi agredido com uma posta de bacalhau demolhado – a provar aos mais incrédulos que Portugal não é um lugar invulnerável à prática desta nova espécie de terrorismo de rosto humano.
    TSF | 11.Fev.1998
    Ler Mais