Praça da Europa fecha para obras

b_500_400_16777215_00_images_actual_peurop_int1.jpg

Por decisão pessoal do autor, entendida e aceite pela Direcção de Programas da Antena1, as emissões da Praça da Europa estão suspensas a partir de hoje.

No Facebook, Viriato Teles fez um balanço do caminho percorrido: 

Foram sete meses e 150 canções, através das quais procurámos lançar um olhar (ou será melhor dizer: um ouvir) sobre o vastíssimo património musical dos países da União Europeia. De Zaz a Pavarotti, passando pelos Sex Pistols e Joselito, Django Reinhardt e Benjamin Clementine, Eric Clapton e Nadine Axisa, Alessio Lega e Sauad Massi. E mais uma centena de vozes, de todos os géneros, idades e tempos.

Foram sete meses de muito trabalho, mas também de muito prazer, que devo, em primeiro lugar, a Rui Pêgo, director de Programas da Antena1, que acolheu e acarinhou a ideia desde o início, e aos meus camaradas Augusto Fernandes, que comigo co-editou cada emissão, e António Santos, cuja mestria tem sido demonstrada de modo superior nos diversos programas e rubricas da rádio pública por cuja sonorização é responsável. Mas também a todos os outros: aos músicos e cantores, aos que aplaudiram e aos que criticaram, aos amigos e companheiros de trabalho que, de um ou de outro modo, contribuíram para fazer desta Praça um lugar asseado e agradável (foi-o, pelo menos para mim).

E agradeço, sobretudo, aos Ouvintes, particularmente àqueles que seguiram mais atenta e criticamente a Praça da Europa. Gostei muito de vos ter por perto neste espaço de convívio à esquina da música.

Voltaremos a encontrar-nos, com certeza, um dia destes. Mais cedo do que tarde, assim o espero.

Até lá, é possível ouvir de novo no RTP-Play todas as emissões da Praça da Europa.

Praça da Europa
Autoria: Viriato Teles | Edição: Augusto Fernandes e Viriato Teles | Produção: António Santos | Antena 1 (7.Set.2015 a 9.Abr.2016)

Mais sugestões de leitura

  • O pecado da inveja Open or Close

    Quando o Criador distribuiu os pecados pelo mundo, nem todos os povos tiveram a mesma sorte: aparentemente, a preguiça coube aos espanhóis, os franceses ficaram com a gula (apesar da nouvelle cuisine), os ingleses com a soberba, escoceses e judeus com a avareza; a ira foi para gregos e troianos, sérvios e macedónios, tártaros e mongóis, acabando por tornar-se um pecado transversal a quase todos os povos, ainda que – felizmente – nem sempre ao mesmo tempo; quanto à luxúria, ficou para as nórdicas, claro, mas também para os brasileiros, os italianos e outros mentirosos. Nesta repartição de defeitos calhou aos portugueses ficar com a inveja.

    Zoot | Primavera 2007

    Ler Mais
  • Versos na margem da folha Open or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais
  • Zeca de corpo e alma Open or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais
  • Mário Alberto Open or Close

    Baptista-Bastos chamou-lhe «um predador com asas de anjo, um ser cada vez mais raro». E Joaquim Letria assinala-lhe «a franqueza de quem nunca foi hipócrita e é sensível às coisas importantes da vida». Os amigos, todos eles, e até os inimigos, sabem que é verdade. Nasceu em Lubango, Angola, cresceu no Alentejo, e viveu a maior parte da vida no Parque Mayer, cujos segredos conhece como poucos. Antifascista irredutível, militante do sarcasmo e heterossexual assumido, habituou-se a praticar o humor e o amor com igual intensidade e o mesmo empenhamento.

    Ler Mais