Dos copos até à ponta

b_500_400_16777215_00_images_livros_anjos1b.jpg

Portugal, que como país de poetas já é o que se sabe, corre o risco de se tornar também num país de pensadores: Santana Lopes pensa no estrangeiro, Manuel Monteiro pensa devagar, José Magalhães pensa via internet, enquanto Vasco Graça Moura pensa que voltará e Carlos Carvalhas continua apenso.

Também há os que pensam que o melhor é não pensar em nada, os que gostam de estar em suspenso, os que pensam logo, os que pensam que pensam. E os bem pensantes, os que não dizem o que pensam, os penso-higiénico, a Pensão Duque, os pensionistas e idosos, a ponte pênsil.

Há, sempre houve, quem pense que em Portugal se pensa demais e quem, por menos, não pense. Pensando bem conclui-se que o pensamento lusitano, tal como o cavalo homónimo, já não é o que era. A filosofia perdeu a ponta ao confundir-se com a ideologia dominante quando desejava eliminá-la.

Os autores desta "Filosofia de Ponta", cientes do dilema em que se debate a sociedade civil, não hesitaram em atacar a ferida com pêlo do mesmo cão. Se a era é a do vazio, há que tomar de assalto o espaço e o tempo, desmontá-los sistematicamente, rever os circuitos da memória virtual e remontá-los de novo. Dos copos até à ponta - mesmo se nem sempre a realidade dos copos se mostra compatível com a natureza da ponta.

O resultado da autêntica pega de caras em que se meteram Júlio Pinto e Nuno Saraiva são estas histórias que, desde há quase dois anos, nos aliviam a dor congénita de ser português. Um espaço de respiração onde os fantasmas de Nietzsche e Freud se cruzam com a dura realidade do Guarda Abel, mas onde também Karl Heinrich Marx pode ainda vir a encontrar-se, um destes dias, com Jean Nicolas Arthur Rimbaud, numa gare de caminho de ferro em Londres, nem que seja só para um copo vadio.

Catálogo da exposição Filosofia de Ponta, de Júlio Pinto e Nuno Saraiva | Bedeteca de Lisboa, Abril-Maio de 1996

Mais sugestões de leitura

  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origensOpen or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais
  • Era uma vez uma NinaOpen or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais
  • Rei Roberto leal a CavacoOpen or Close

    «Aderi ao PSD porque confio no dr. Cavaco Silva. Se vou fazer campanha? Não sei. Mas se eu for consultado, pela primeira vez poderei dizer que o nome do dr. Cavaco Silva é um nome recomendado.» Nasceu em Vale da Porca, concelho de Macedo de Cavaleiros, há 39 anos, mas viveu no Brasil os últimos 28 e ali se tomou conhecido e rico. Regressou a Portugal, ao que diz, para ficar. E, «após um ano vivendo aqui, me confundindo com as pessoas», converteu-se a Cavaco. Chama-se António Joaquim Fernandes, mas o público só o conhece como Roberto Leal.

    O Jornal | 25.Abr.1991

    Ler Mais