Dos copos até à ponta

b_500_400_16777215_00_images_livros_anjos1b.jpg

Portugal, que como país de poetas já é o que se sabe, corre o risco de se tornar também num país de pensadores: Santana Lopes pensa no estrangeiro, Manuel Monteiro pensa devagar, José Magalhães pensa via internet, enquanto Vasco Graça Moura pensa que voltará e Carlos Carvalhas continua apenso.

Também há os que pensam que o melhor é não pensar em nada, os que gostam de estar em suspenso, os que pensam logo, os que pensam que pensam. E os bem pensantes, os que não dizem o que pensam, os penso-higiénico, a Pensão Duque, os pensionistas e idosos, a ponte pênsil.

Há, sempre houve, quem pense que em Portugal se pensa demais e quem, por menos, não pense. Pensando bem conclui-se que o pensamento lusitano, tal como o cavalo homónimo, já não é o que era. A filosofia perdeu a ponta ao confundir-se com a ideologia dominante quando desejava eliminá-la.

Os autores desta "Filosofia de Ponta", cientes do dilema em que se debate a sociedade civil, não hesitaram em atacar a ferida com pêlo do mesmo cão. Se a era é a do vazio, há que tomar de assalto o espaço e o tempo, desmontá-los sistematicamente, rever os circuitos da memória virtual e remontá-los de novo. Dos copos até à ponta - mesmo se nem sempre a realidade dos copos se mostra compatível com a natureza da ponta.

O resultado da autêntica pega de caras em que se meteram Júlio Pinto e Nuno Saraiva são estas histórias que, desde há quase dois anos, nos aliviam a dor congénita de ser português. Um espaço de respiração onde os fantasmas de Nietzsche e Freud se cruzam com a dura realidade do Guarda Abel, mas onde também Karl Heinrich Marx pode ainda vir a encontrar-se, um destes dias, com Jean Nicolas Arthur Rimbaud, numa gare de caminho de ferro em Londres, nem que seja só para um copo vadio.

Catálogo da exposição Filosofia de Ponta, de Júlio Pinto e Nuno Saraiva | Bedeteca de Lisboa, Abril-Maio de 1996

Mais sugestões de leitura

  • Contas à DemocraciaOpen or Close

    Não é filósofo, nem sociólogo, tampouco analista político. Viriato Teles é apenas um português embrenhado no seu tempo, que vive a vida interpelando-a, com o dom superior de saber ouvir vozes individuais para, registando-as na palavra escrita, as devolver, plenas e inquiridoras, ao colectivo a que pertencem. (...) São 20 conversas desatadas por entrevistas a personalidades de diversas áreas da sociedade nacional, que viveram a revolução com frémito e esperança; não lhes é perguntado onde estavam no 25 de Abril, mas onde está e para onde vai o 25 de Abril; são as parcelas da prova dos nove que nos desfralda uma verdade irrefutável: Abril está na prática quotidiana da denúncia da injustiça, no inconformismo e na luta pela felicidade, o combate que legitima o homem, agora e sempre.

    Ler Mais
  • Que grande pedraOpen or Close

    Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»
    Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

    TSF | 14.Jan.1998

    Ler Mais
  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais
  • O rasto do dinheiroOpen or Close

    Base das Lages, Açores, 17 de Março de 2003. Um primeiro-ministro de um país periférico europeu serve de conciérge a um trio de patifes que, três dias depois, dará início à invasão do Iraque. Ao país a que pertence e ao mundo que mal dá por ele o primeiro-ministro periférico jura que viu «provas inequívocas» da existência de um temível arsenal de destruição maciça na posse de Saddam Hussein. Meses depois, o primeiro-periférico é indigitado presidente da Comissão Europeia, e o mundo passa a conhecer-lhe o nome, já devidamente aparado para a ocasião: Barroso, José Barroso.

    Zoot | Verão 2008

    Ler Mais