O regresso de Karlos Starkiller

b_500_400_16777215_00_images_geral_relvazstar1.jpg

Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto.

Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

Tal como Starkiller, também o Relvas bebia razoavelmente e tinha um relativo sucesso junto do sexo dito oposto. E a verdade é que, ao fim destes anos todos, parece que mudaram pouco: continuam a beber com dignidade e a fazer o que podem quanto ao resto.

Copo a copo, a história cresceu ao ritmo dos acontecimentos que nessa altura (meados da década de 80) animavam o dia-a-dia do mundo: guerras frias e guerras quentes, crises regulares no Médio Oriente, conflitos avulso, visitas presidenciais – o trivial. Semana após semana, as páginas do Se7e foram-se abrilhantando com os relatos do mais completo jornalista de investigação de que há memória entre nós.

Tal como acontece com os bons vinhos, as aventuras de Karlos Starkiller ganharam, com a passagem dos anos, o sabor dos clássicos que é obrigatório revisitar de tempos a tempos. Só que, ao contrário das velhas relíquias, continuam possuídas de uma tremenda actualidade, como se tivessem nascido ontem à barra do O'Gillins ou à mesa do Solar dos Galegos.

Aqui se misturam a crónica de costumes e a análise política, o non sense e a espionagem, as reflexões profundas e o mais puro divertimento, tudo acompanhado com sexo, vinho e rock'n'roll em doses proporcionais. Escritas ao ritmo da sua publicação semanal todas estas histórias reflectem a realidade circundante, nas suas diversas vertentes.

© Fernando RelvasFrequentávamos, então, uma série de lugares por onde paravam algumas pessoas interessantes. Já não me lembro se o irmão Lince andava por lá, mas a Olga e a Chiquita eram praticantes, tenho a certeza. De todos esses sítios existem marcas aqui e ali, ao longo das páginas que os leitores irão ter o prazer de ler. E também das pessoas, se bem que o Relvas sempre se tenha preocupado muito mais em retratar situações do que em definir o carácter dos seus protagonistas. Afinal, como ele próprio diz, «os heróis não existem».

Não se assustem, pois, se alguma das personagens vos soar aparentada com alguém que conheçam de algum sítio menos próprio. Quem anda à chuva molha-se, não é o que diz o ditado? E o Relvas até nem usa guarda-chuva.

Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | Ed. Bedeteca/Baleiazul, 1997

Mais sugestões de leitura

  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais
  • A vida em alta velocidadeOpen or Close

    O homem que agora se senta à minha frente está destinado a vencer a morte. Fala muito e em ritmo acelerado, mas nunca fala por falar. Os olhos não param quietos, mesmo quando se dirigem para nós. Pontua a conversa com gestos largos, próprios de quem sabe o que quer e tem pressa de o concretizar. A sua vida é um corrupio de cenas e emoções, poemas e paixões, amigos e bebedeiras. Olho-o e penso que poucos actores conseguem aguentar um ritmo de trabalho tão intenso como este Mário Viegas, mas menos ainda são capazes de que a essa intensidade corresponda uma tão grande dose de prazer.

    Ler Mais
  • O Che das nossas utopiasOpen or Close

    De uma forma ou de outra, todos aqueles que acreditam no advento de sociedades justas, trazem consigo, no mais caloroso canto do coração, a imagem e o exemplo de Che Guevara. Este livro também disso fala: do princípio de realidade colectiva que pode explicar os nossos embalos e acicatar os nossos sonhos. Viriato Teles diz-nos que a grandeza do Che consistiu no facto de ele não querer ser outra coisa - senão um homem. Um homem que encheu o século e os tempos ao proclamar que tudo é possível, desde que os homens o queiram.

    Ler Mais
  • Um homem de carácterOpen or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais