O regresso de Karlos Starkiller

b_500_400_16777215_00_images_geral_relvazstar1.jpg

Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto.

Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

Tal como Starkiller, também o Relvas bebia razoavelmente e tinha um relativo sucesso junto do sexo dito oposto. E a verdade é que, ao fim destes anos todos, parece que mudaram pouco: continuam a beber com dignidade e a fazer o que podem quanto ao resto.

Copo a copo, a história cresceu ao ritmo dos acontecimentos que nessa altura (meados da década de 80) animavam o dia-a-dia do mundo: guerras frias e guerras quentes, crises regulares no Médio Oriente, conflitos avulso, visitas presidenciais – o trivial. Semana após semana, as páginas do Se7e foram-se abrilhantando com os relatos do mais completo jornalista de investigação de que há memória entre nós.

Tal como acontece com os bons vinhos, as aventuras de Karlos Starkiller ganharam, com a passagem dos anos, o sabor dos clássicos que é obrigatório revisitar de tempos a tempos. Só que, ao contrário das velhas relíquias, continuam possuídas de uma tremenda actualidade, como se tivessem nascido ontem à barra do O'Gillins ou à mesa do Solar dos Galegos.

Aqui se misturam a crónica de costumes e a análise política, o non sense e a espionagem, as reflexões profundas e o mais puro divertimento, tudo acompanhado com sexo, vinho e rock'n'roll em doses proporcionais. Escritas ao ritmo da sua publicação semanal todas estas histórias reflectem a realidade circundante, nas suas diversas vertentes.

© Fernando RelvasFrequentávamos, então, uma série de lugares por onde paravam algumas pessoas interessantes. Já não me lembro se o irmão Lince andava por lá, mas a Olga e a Chiquita eram praticantes, tenho a certeza. De todos esses sítios existem marcas aqui e ali, ao longo das páginas que os leitores irão ter o prazer de ler. E também das pessoas, se bem que o Relvas sempre se tenha preocupado muito mais em retratar situações do que em definir o carácter dos seus protagonistas. Afinal, como ele próprio diz, «os heróis não existem».

Não se assustem, pois, se alguma das personagens vos soar aparentada com alguém que conheçam de algum sítio menos próprio. Quem anda à chuva molha-se, não é o que diz o ditado? E o Relvas até nem usa guarda-chuva.

Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | Ed. Bedeteca/Baleiazul, 1997

Mais sugestões de leitura

  • O regresso de Karlos StarkillerOpen or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais
  • Grândola no mundoOpen or Close

    Grândola no mundo, a várias vozes e em diferentes ritmos.

    Porque Abril também se canta em estrangeiro.

    Ler Mais
  • Uma esperança na escuridãoOpen or Close

    Há quem diga que é um prenúncio do fim do mundo, há quem pense que se trata de castigo divino, há quem ache que a culpa é da crise económica global. Não, não estou a falar do terramoto do Chile, nem dos massacres da Nigéria, nem da interminável guerra do Iraque, nem sequer dos sucessivos escândalos que ameaçam transformar Berlusconi no mais hilariante sucessor de Boris Yeltsin no anedotário europeu. Refiro-me antes a essa espécie de loucura branda que parece ter tomado conta do mundo e faz com que a humanidade aceite como naturais as mais incríveis aberrações sociais, políticas e económicas.

    Zoot | Primavera-Verão 2010

    Ler Mais
  • Silly seasonOpen or Close

    Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

    Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

    Ler Mais