O regresso de Karlos Starkiller

b_500_400_16777215_00_images_geral_relvazstar1.jpg

Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto.

Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

Tal como Starkiller, também o Relvas bebia razoavelmente e tinha um relativo sucesso junto do sexo dito oposto. E a verdade é que, ao fim destes anos todos, parece que mudaram pouco: continuam a beber com dignidade e a fazer o que podem quanto ao resto.

Copo a copo, a história cresceu ao ritmo dos acontecimentos que nessa altura (meados da década de 80) animavam o dia-a-dia do mundo: guerras frias e guerras quentes, crises regulares no Médio Oriente, conflitos avulso, visitas presidenciais – o trivial. Semana após semana, as páginas do Se7e foram-se abrilhantando com os relatos do mais completo jornalista de investigação de que há memória entre nós.

Tal como acontece com os bons vinhos, as aventuras de Karlos Starkiller ganharam, com a passagem dos anos, o sabor dos clássicos que é obrigatório revisitar de tempos a tempos. Só que, ao contrário das velhas relíquias, continuam possuídas de uma tremenda actualidade, como se tivessem nascido ontem à barra do O'Gillins ou à mesa do Solar dos Galegos.

Aqui se misturam a crónica de costumes e a análise política, o non sense e a espionagem, as reflexões profundas e o mais puro divertimento, tudo acompanhado com sexo, vinho e rock'n'roll em doses proporcionais. Escritas ao ritmo da sua publicação semanal todas estas histórias reflectem a realidade circundante, nas suas diversas vertentes.

© Fernando RelvasFrequentávamos, então, uma série de lugares por onde paravam algumas pessoas interessantes. Já não me lembro se o irmão Lince andava por lá, mas a Olga e a Chiquita eram praticantes, tenho a certeza. De todos esses sítios existem marcas aqui e ali, ao longo das páginas que os leitores irão ter o prazer de ler. E também das pessoas, se bem que o Relvas sempre se tenha preocupado muito mais em retratar situações do que em definir o carácter dos seus protagonistas. Afinal, como ele próprio diz, «os heróis não existem».

Não se assustem, pois, se alguma das personagens vos soar aparentada com alguém que conheçam de algum sítio menos próprio. Quem anda à chuva molha-se, não é o que diz o ditado? E o Relvas até nem usa guarda-chuva.

Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | Ed. Bedeteca/Baleiazul, 1997

Mais sugestões de leitura

  • Para que te serve a línguaOpen or Close

     

    A língua é um instrumento de prazer. Por vezes doce, por vezes amarga. Para usar e abusar. Para aceitar e para recusar. Para dizer. Para amar. Para mentir. Para lutar. Para viver.

    Ler Mais
  • A cena do ódioOpen or Close

    Em Junho de 2004, um «concerto de música nacionalista» foi o pretexto para um encontro de skinheads numa skinhouse de Pinheiro de Loures, nos arredores de Lisboa. Uma situação que antecipámos na revista Focus, com esta reportagem que nos valeu alguns insultos e ameaças por parte dos animadores de um tal «fórum nacionalista» da internet.

    Focus | 16.Jun.2004

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origensOpen or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais
  • Elogio e memória do Parque MayerOpen or Close

    Isto que aqui vedes já foi um lugar sagrado. Não que aqui se adorasse uma divindade qualquer, ou que houvesse neste intramuros espaço para o sacrifício de que os deuses, todos, parecem sempre tão sequiosos. Não. Por aqui passaram gerações inteiras, aqui se viveram muitos momentos de ilusão e de glória, que são, como se sabe, faces irmãs da mesma moeda. A casa que, teimosa, insiste em manter-se de pé no meio deste quase-nada em que o Parque Mayer se transformou é um símbolo vivo desse tempo. Aqui mora ainda hoje o Mário Alberto, pintor e cenógrafo, anarquista e lutador, militante do prazer e sumo-sacerdote da vida. Com sorte poderíamos cruzar-nos com ele numa qualquer tarde – nunca de manhã, que essa fez-se para aplacar o corpo e preparar a alma para a noite que se seguirá – subindo ou descendo a Avenida, em passo lento mas firme e determinado, olhando as mulheres que passam.

    Zoot | Primavera 2006

    Ler Mais