A grande telha de Kowlasky

É suposto este ser um texto sério, dado que de seriedade (humana e artística) se trata quando falamos desta dupla imparável. De um lado, Avelino do Carmo, lisboeta de Alcântara desde 1952, pintor de sombras intimistas; do outro lado, Mário Alberto, alentejano nascido no Verão de 1925 na cidade de Lubango, quando Angola ainda era a soit disant colónia portuga e que aprendeu há muito a arte de pegar nas cores e transformá-las como um alquimista.

Os dois são pintores de afectos. "Ambos senhores de uma pintura voluptuosa e libertária, acentuadamente pagânica e, por vezes, de um vibrante e enérgico erotismo" – assim mesmo os descreveu o amigo comum António Macêdo. É esta a parelha que agora nos surge pela frente transformada no Grupo Kowalsky. Ou no Díptico Kowalsky, como prefere Avelino.

Um dueto da corda, enfim. E certamente da corda bamba, já que onde ambos se sentem mesmo bem é a pisar o risco das convenções e da ordem reinante em todo o país, 25 anos depois daquela espécie de revolução que já ninguém lhes/nos tira da alma. E do corpinho, já agora, que tanto o mais novo como o mais velho dos kowalskys sempre gostaram da prática dos diversos prazeres do dito, dando razão à conhecida máxima, atribuída à viúva do Soldado Desconhecido: comer bem e beber tinto dá mais tusa que absinto.

Vamos, então, aos factos, que já ficou dito ser este um texto sério. Díptico ou Grupo, para o caso pouco importa nesta altura. Kowalsky, pintor naif, defensor dos ursos e ex-pastor de renas na Carélia, é o seu padroeiro. Na prática são "dois amigos que querem pintar juntos", como eles dizem. A dupla oficializou-se em 10 de Fevereiro de 2000, na Cordoaria Nacional, numa cerimónia com capitães de Abril, cantores e músicos, escritores e jornalistas, deputados e deportados de esquerda, alguns bêbados anónimos e outra gente de má fama. O acto fez parte de outro, protagonizado também por este vosso modesto relator, que só vem ao caso porque tinha como pretexto o sempre presente Zeca Afonso.

Acrescente-se, já agora, que nada disto aconteceu por inocência. Foi conspiração, vos garanto. Mário e Avelino assumem o carácter político e provocatório, impúdico e libidinoso – quando não mesmo indecente e herético – , daquilo que lhes sai dos pincéis. Mas que se há-de fazer? Eles são jovens e pensam, o que é, como se sabe, uma grande chatice!

Além disso, como dizia o Vítor [Silva Tavares] do César [Monteiro], os kowalskys têm uma grande telha. Uma dessas que eu quero ter quando for mais crescido. E que tem a vantagem de, tal como o sexo, ser saudável e chatear a padralhada, como diz o Mário sobre a verdadeira história, a sua, do Capuchinho Vermelho.

Será por isso que se conjugam tão bem nas suas diferenças? É mais do que provável que sim, caro leitor/espectador/mirone. E, pior ainda, é de recear que já nenhum deles seja tão socialmente recuperável que possa chegar a ministro, deputado europeu, administrador privado de empresas públicas ou vice-versa. Receio mesmo, senhoras e senhores, que nenhum deles não só não tenha vergonha nenhuma daquilo que faz como cheguem ao ponto de se orgulhar das luxúrias e de outras revoluções que ambos gostam de pintar de todos os ângulos possíveis.

E é por assim ser que nada mais pode dizer-se senão que Kowalsky veio para ficar. Mário e Avelino já cá estavam, abrem-lhes a porta e dão-vos as boas vindas. E eu, escrivão de serviço, reconheço e assino. De truz.

Apresentação da exposição Díptico Kowalsky, de Avelino Carmo e Mário Alberto | ACERT, Tondela | 2000

Mais sugestões de leitura

  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais
  • Mais do que talentoOpen or Close

    Poucos saberão que, em meados da década de 80 do século passado, Paco de Lucia manifestou a alguns amigos o desejo de gravar um disco com Carlos Paredes. (...) A ideia de Paco, admirador de Paredes, foi acolhida com entusiasmo pela editora, mas esbarrou na recusa definitiva do músico português: «Tocar com Paco de Lucia? Nem pensar. Ele esmagava-me, oh amigo!»

    Diário de Notícias | 27.Fev.2014

    Ler Mais
  • Morrer de amorOpen or Close

    É possível morrer de amor? Os poetas e outros loucos, incluindo alguns psiquiatras, acham que sim. «D. João e Julieta» é uma peça de Natália Correia onde o amor e a morte, uma vez mais, se cruzam na grandeza da paixão. Uma peça onde, de um modo particularmente singular, a própria Natália se desvenda.

    DNA - Diário de Notícias | 1999

    Ler Mais
  • Silêncio, que vai falar um homemOpen or Close

    Venho duma época em que Portugal era, dizia-se, dominado por três éfes: Fátima, o futebol e o fado. Trinta anos passados sobre a manhã de todas as esperanças, a diferença é que o futebol se transformou numa nova religião, cujos deuses, mitos e interesses coabitam tranquilamente com os de Fátima. Ao fado, muitos querem que reste não mais que a função puramente recreativa. Não é esse, nunca foi, o caso de Carlos do Carmo, e por isso a sua música, sendo fado, é também uma música do mundo. E sendo universal, continua genuína e generosamente lusitana.

    Ler Mais