A grande telha de Kowlasky

É suposto este ser um texto sério, dado que de seriedade (humana e artística) se trata quando falamos desta dupla imparável. De um lado, Avelino do Carmo, lisboeta de Alcântara desde 1952, pintor de sombras intimistas; do outro lado, Mário Alberto, alentejano nascido no Verão de 1925 na cidade de Lubango, quando Angola ainda era a soit disant colónia portuga e que aprendeu há muito a arte de pegar nas cores e transformá-las como um alquimista.

Os dois são pintores de afectos. "Ambos senhores de uma pintura voluptuosa e libertária, acentuadamente pagânica e, por vezes, de um vibrante e enérgico erotismo" – assim mesmo os descreveu o amigo comum António Macêdo. É esta a parelha que agora nos surge pela frente transformada no Grupo Kowalsky. Ou no Díptico Kowalsky, como prefere Avelino.

Um dueto da corda, enfim. E certamente da corda bamba, já que onde ambos se sentem mesmo bem é a pisar o risco das convenções e da ordem reinante em todo o país, 25 anos depois daquela espécie de revolução que já ninguém lhes/nos tira da alma. E do corpinho, já agora, que tanto o mais novo como o mais velho dos kowalskys sempre gostaram da prática dos diversos prazeres do dito, dando razão à conhecida máxima, atribuída à viúva do Soldado Desconhecido: comer bem e beber tinto dá mais tusa que absinto.

Vamos, então, aos factos, que já ficou dito ser este um texto sério. Díptico ou Grupo, para o caso pouco importa nesta altura. Kowalsky, pintor naif, defensor dos ursos e ex-pastor de renas na Carélia, é o seu padroeiro. Na prática são "dois amigos que querem pintar juntos", como eles dizem. A dupla oficializou-se em 10 de Fevereiro de 2000, na Cordoaria Nacional, numa cerimónia com capitães de Abril, cantores e músicos, escritores e jornalistas, deputados e deportados de esquerda, alguns bêbados anónimos e outra gente de má fama. O acto fez parte de outro, protagonizado também por este vosso modesto relator, que só vem ao caso porque tinha como pretexto o sempre presente Zeca Afonso.

Acrescente-se, já agora, que nada disto aconteceu por inocência. Foi conspiração, vos garanto. Mário e Avelino assumem o carácter político e provocatório, impúdico e libidinoso – quando não mesmo indecente e herético – , daquilo que lhes sai dos pincéis. Mas que se há-de fazer? Eles são jovens e pensam, o que é, como se sabe, uma grande chatice!

Além disso, como dizia o Vítor [Silva Tavares] do César [Monteiro], os kowalskys têm uma grande telha. Uma dessas que eu quero ter quando for mais crescido. E que tem a vantagem de, tal como o sexo, ser saudável e chatear a padralhada, como diz o Mário sobre a verdadeira história, a sua, do Capuchinho Vermelho.

Será por isso que se conjugam tão bem nas suas diferenças? É mais do que provável que sim, caro leitor/espectador/mirone. E, pior ainda, é de recear que já nenhum deles seja tão socialmente recuperável que possa chegar a ministro, deputado europeu, administrador privado de empresas públicas ou vice-versa. Receio mesmo, senhoras e senhores, que nenhum deles não só não tenha vergonha nenhuma daquilo que faz como cheguem ao ponto de se orgulhar das luxúrias e de outras revoluções que ambos gostam de pintar de todos os ângulos possíveis.

E é por assim ser que nada mais pode dizer-se senão que Kowalsky veio para ficar. Mário e Avelino já cá estavam, abrem-lhes a porta e dão-vos as boas vindas. E eu, escrivão de serviço, reconheço e assino. De truz.

Apresentação da exposição Díptico Kowalsky, de Avelino Carmo e Mário Alberto | ACERT, Tondela | 2000

Mais sugestões de leitura

  • Grândola no mundoOpen or Close

    Grândola no mundo, a várias vozes e em diferentes ritmos.

    Porque Abril também se canta em estrangeiro.

    Ler Mais
  • Para acabar de vez com a decênciaOpen or Close

    Longe vai o tempo do fado à solta em Alfama e na Madragoa, vadio e real como a amargura. A civilização ocupou as ruas e os becos, transformou as tascas em restaurantes e «pubs», iluminou a noite com vidrinhos coloridos, transformou as violas e as guitarras em potentes estereofonias.
    Do fado livre e vadio restam um ou dois sítios no Bairro Alto e a memória dos mais velhos. E restam as fantasias, os mistérios e as solidões do nosso quotidiano, sonhos apressados de pequena metrópole.

    Se7e | 8.Dez.1982

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origensOpen or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais