Macacos à solta nas ruas do mundo

mrek1.jpg

Quem os ouve pela primeira vez não pode deixar de sentir um estremecimento prazenteiro. É impossível catalogar estes sons, simultaneamente tão estranhos e tão familiares, que revolvem o nosso imaginário misturando as lembranças de filmes antigos, histórias e memórias, tradições e sentimentos. À semelhança das filarmónicas tradicionais, preenchem qualquer ambiente festivo onde se encontrem, mas tal como qualquer jazzband vão sempre mais além na execução da música que dão a ouvir.

São Os Macacos das Ruas de Évora, um projecto singular concebido e dirigido por Gregg Moore, músico norte-americano radicado no Alentejo, que concilia as vertentes lúdica e estética das bandas de rua com a capacidade de improvisação de um jazzteto. O seu ponto de partida tanto podem ser músicas tradicionais portuguesas, grandes clássicos internacionais ou obras comuns do jazz e do rythm'n'blues.

A primeira vez que me chegaram aos ouvidos foi há um par de anos, creio que durante a edição de 2000 do «Viva a Rua». Tinham participado na gravação de um disco sobre o 25 de Abril, com uma versão bastante heterodoxa de Grândola, Vila Morena - que José Afonso por certo não se importaria de ter apadrinhado: é fácil imaginá-lo, com o sorriso maroto que ele gostava de usar em momentos solenes, apreciando o swing com que Os Macacos envolveram a canção-chave da Revolução dos Cravos.

Gregg Moore, o líder e inspirador deste projecto, veio da América para a Europa e acabou por se fixar no sul de Portugal. Em Évora é professor de música e desenvolve os seus projectos pessoais e colectivos, que passam quase sempre pelo cruzamento de diversas matrizes e matizes musicais, desde o frevo brasileiro à música de cinema, o jazz clássico e o rock'n'roll de sempre, o som das bandas da Sérvia, Índia e África, a música klezmer da Europa de Leste, ou as mais consistentes tradições populares e tradicionais portuguesas.

Tal como fez noutro projecto que lidera, Altered Natives - com músicos de várias nacionalidades, criando um melting pot onde o divertimento e a seriedade andam de mãos dadas - Gregg Moore faz questão de que nas actuações d'Os Macacos haja sempre coisas novas para dar a ouvir. Não porque cada espectáculo apresente necessariamente músicas diferentes, mas antes pelo modo irrepetível e pelo ambiente de happening que os caracteriza.

Daquilo que fazem, Os Macacos dizem ser a música de câmara para o novo milénio e são bem capazes de ter razão. A esta banda não falta o humor, sempre de mãos dadas com a expressão pessoal de cada um dos seus músicos. Formados nas universidades e conservatórios de diversos lugares do mundo, de onde trouxeram diferentes experiências e conhecimentos, eles sabem que o segredo d'Os Macacos está na maneira como apostam numa forma diferente de fazer aquilo que todos já conhecem.

O resultado é sempre uma surpresa, mas a coerência global do projecto e a energia positiva que dele emana não deixam ninguém indiferente. E todos quantos já os viram tocar sabem que não exagero: nas ruas do Alentejo ou da Beira Baixa, no Porto e em Évora, aqui e ali um pouco por todo o país, Os Macacos têm sido, mais do que uma revelação, um ponto de partida para a redescoberta daquilo que de mais saudável tem a música tradicional, conquistando a participação popular para a festa colectiva que é o seu oxigénio.

Não vale a pena querer pô-los num palco, porque o lugar deles é mesmo a rua, as ruas. De Évora, de Portugal, do Mundo. Porque a verdade é que macaco bom é macaco à solta, e estes Macacos conhecem bem a diferença enorme que há entre uma macacada e uma macaquice. Digo eu, que também já sou macaco velho e, portanto com o calo suficiente para já não me deixar levar pelos malabarismos sonoros de alguns macacões que andam por aí.

Ouça-se então o disco, sem mais delongas, com atenção. De preferência de janela aberta para a rua, mesmo que não seja em Évora. Um copo de três ou uma linguiça também ajudam, mas serve outro petisco que esteja à mão, à excepção da fast food, em todas as suas vertentes e modalidades. Porque esta música, como todos os prazeres, é para saborear devagar e sem pressa. Afinal, há festa ou não há festa?

Nota introdutória ao CD Macacos das Ruas de Évora | Edição AssociArte, Évora, 2002

Mais sugestões de leitura

  • Na morte de Luís PignatelliOpen or Close

    «O Luís Pignatelli faz aqui muita falta», lamentava-se, uma destas tardes, o Armando Baptista-Bastos ao balcão do Expresso, um dos últimos lugares de convívio do largo a que deram o nome de Trindade Coelho, mas que há-de ser sempre da Misericórdia, por maioria de razão popular. Naquele espaço por onde os afectos ainda vão circulando, disfarçados de imperiais e cariocas de limão, a falta que o Luís faz é particularmente sentida. E o lamento do Bastos nem sequer precisa de ter resposta, todos sabem que é verdade. Sente-se nas conversas, quer sejam contra o Cavaco ou em glória de um soberbo frontispício feminino que vai passando pelo largo onde os pombos promoveram uma ocupação selvagem.

    Revista MPP | Julho 1994

    Ler Mais
  • Ler jornais é saber demaisOpen or Close

    Cada vez me custa mais a entender aquela teimosa mania que o professor Cavaco tinha de não ler jornais. É verdade que os jornais, por regra, estão cada vez mais pardos e menos interessantes. E é um facto que certos jornalistas são tão vergonhosamente ignaros e tão desprovidos de sentido ético, que até já pensei requerer a nova carteira profissional na categoria de «artista de variedades».
    Mas ainda assim, eu, que sou teimoso, continuo a ler jornais. Será um vício, talvez, mas o que hei-de fazer? Ontem mesmo, por exemplo, fiquei a saber pelo Diário de Notícias que a polícia não serve só para reprimir, de acordo com o terá dito o ministro Jorge Coelho. O que significa que, lá no fundo, a polícia deve ter alguma utilidade, ainda que ninguém, nem sequer o ministro, saiba dizer em rigor qual é.

    TSF | 21.Jan.1998

    Ler Mais
  • Dos copos até à pontaOpen or Close

    Portugal, que como país de poetas já é o que se sabe, corre o risco de se tornar também num país de pensadores: Santana Lopes pensa no estrangeiro, Manuel Monteiro pensa devagar, José Magalhães pensa via internet, enquanto Vasco Graça Moura pensa que voltará e Carlos Carvalhas continua apenso.

    Catálogo da exposição Filosofia de Ponta, de Júlio Pinto e Nuno Saraiva | 1996

    Ler Mais
  • O senhor Lopes e o cantadorOpen or Close

    Um concerto de Fausto esteve agendado para a noite de 24 de Abril de 2004, no Terreiro do Paço, mas acabou desmarcado por «indicações superiores». O presidente da Câmara de Lisboa, que organizou o espectáculo, era Pedro Santana Lopes, e a decisão de desconvidar o cantor ocorreu na altura em foi referida pelos círculos do poder a necessidade de «retirar qualquer conotação ideológica ao 25 de Abril». Como se vê.

    Focus | 12.Mai.2004

    Ler Mais