Um metro de vida bem medido

Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico.

O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

Este «Um Metro de Vida» conta a história de nove pessoas acidentalmente encerradas no espaço claustrofóbico de uma carruagem de metropolitano. Nove pessoas que não se conheciam, e aparentemente sem nada de comum entre si, mas que, por uma avaria no último comboio da noite, são obrigadas a partilhar o longo momento da espera, dando a conhecer os lados secretos das suas emoções mais íntimas.

À medida que o tempo passa, as personagens vão-se-nos revelando na sua dimensão mais autêntica, que se calhar até eles desconheciam. Simultaneamente, assistimos ao desenrolar das peripécias de bastidores, às meias verdades mais ou menos camufladas, aos desencontros comunicacionais entre os responsáveis do metropolitano e os representantes dos órgãos de informação.

É, uma vez mais, a vida real que aqui surge retratada, com uma boa dose de ironia, a confirmar uma antiquíssima verdade: cada um é como é, muito mais do que como parece ser. É aqui que o Nuno se movimenta melhor, mas isso também não é motivo de espanto: ele foi sempre um homem atento ao mundo e aos vários aspectos da realidade, e «Um Metro de Vida» é disso mesmo a prova.

A formação jornalística de Nuno Gomes dos Santos reflecte-se, aliás, em toda a sua obra, e este livro não escapa a essa regra. Parafraseando o que ele escreveu num outro romance – «Um Homem à Tarde», um belo retrato de tempos idos, que também aconselho a quem não conhece – poderia dizer que o Nuno é do tempo em que se «incendiavam jornais com felicidades que haviam de vir e não vieram». Esse «tempo de abraços e de planos de pomares em terras antes secas» em que «virávamos do avesso os dias» é aquele que, hoje, alguns querem fazer-nos crer ter sido apenas um tempo de evolução. Mas nós sabemos que foi muito mais do que isso. E a verdade é que não nos arrependemos.

O que é que isto tem a ver com este «Um Metro de Vida»? Tem tudo. Porque, se não fosse esse Abril – Abril com R – nenhuma destas personagens poderia agir e falar e pensar como acontece neste livro. «Um metro de Vida» são, na verdade, vários quilómetros de vivências. E isso é o mais importante de tudo.

Apresentação do romance Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | Fórum Municipal Romeu Correia - Almada, 29 de Abril de 2004

Mais sugestões de leitura

  • O retrato de Che GuevaraOpen or Close

    Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

    Ler Mais
  • Nobre polvoOpen or Close

    Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

    Ler Mais
  • Crise? Qual crise?Open or Close

    Para além do disco de 1975 dos Supertramp, a interrogação que dá título a esta crónica remete-nos também para o episódio que constituiu a gota de água para a demissão, há 30 anos, do primeiro-ministro britânico James Callaghan. A Grã-Bretanha vivia então o seu “inverno do descontentamento” e a frase, utilizada em título de primeira página pelo The Sun e atribuída a Callaghan, provocou a ira de milhares de ingleses que sentiam na pele os efeitos da crise económica que se arrastava desde os primeiros anos da década de 70. Dois meses depois, o governo de Big Jim sucumbia a uma moção de censura no parlamento, e os trabalhistas teriam de esperar quase duas décadas para regressarem ao poder.

    Zoot | Verão 2009

    Ler Mais
  • A culpa é do ManelOpen or Close

    Num tempo em que se abatem inutilmente tantas árvores para dar à estampa as mais incríveis aberrações paraliterárias, sabe bem ler uma prosa tão escorreita, tão depurada e sobretudo tão honesta como a deste Daniel Abrunheiro. Que navega com igual à-vontade no registo poético de «Pomba» como no tom vagamente surreal de «Máscara», atento à realidade sem se tornar seu escravo, capaz de ordenar o mundo de trás para a frente sem que o mundo deixe de fazer sentido.
    Estes textos de Daniel Abrunheiro revelam um autor que conhece bem o valor dos silêncios que tantas vezes se escondem por trás das palavras. E que sabe, tal como diz uma das suas personagens, que o ruído não é mais do que «o silêncio que não sabemos ler». Aprendamos, então.

    Posfácio a Cronicão, de Daniel Abrunheiro | 2003

    Ler Mais