Um metro de vida bem medido

Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico.

O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

Este «Um Metro de Vida» conta a história de nove pessoas acidentalmente encerradas no espaço claustrofóbico de uma carruagem de metropolitano. Nove pessoas que não se conheciam, e aparentemente sem nada de comum entre si, mas que, por uma avaria no último comboio da noite, são obrigadas a partilhar o longo momento da espera, dando a conhecer os lados secretos das suas emoções mais íntimas.

À medida que o tempo passa, as personagens vão-se-nos revelando na sua dimensão mais autêntica, que se calhar até eles desconheciam. Simultaneamente, assistimos ao desenrolar das peripécias de bastidores, às meias verdades mais ou menos camufladas, aos desencontros comunicacionais entre os responsáveis do metropolitano e os representantes dos órgãos de informação.

É, uma vez mais, a vida real que aqui surge retratada, com uma boa dose de ironia, a confirmar uma antiquíssima verdade: cada um é como é, muito mais do que como parece ser. É aqui que o Nuno se movimenta melhor, mas isso também não é motivo de espanto: ele foi sempre um homem atento ao mundo e aos vários aspectos da realidade, e «Um Metro de Vida» é disso mesmo a prova.

A formação jornalística de Nuno Gomes dos Santos reflecte-se, aliás, em toda a sua obra, e este livro não escapa a essa regra. Parafraseando o que ele escreveu num outro romance – «Um Homem à Tarde», um belo retrato de tempos idos, que também aconselho a quem não conhece – poderia dizer que o Nuno é do tempo em que se «incendiavam jornais com felicidades que haviam de vir e não vieram». Esse «tempo de abraços e de planos de pomares em terras antes secas» em que «virávamos do avesso os dias» é aquele que, hoje, alguns querem fazer-nos crer ter sido apenas um tempo de evolução. Mas nós sabemos que foi muito mais do que isso. E a verdade é que não nos arrependemos.

O que é que isto tem a ver com este «Um Metro de Vida»? Tem tudo. Porque, se não fosse esse Abril – Abril com R – nenhuma destas personagens poderia agir e falar e pensar como acontece neste livro. «Um metro de Vida» são, na verdade, vários quilómetros de vivências. E isso é o mais importante de tudo.

Apresentação do romance Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | Fórum Municipal Romeu Correia - Almada, 29 de Abril de 2004

Mais sugestões de leitura

  • Fantasias de filho de pideOpen or Close

    O juiz espanhol Crespo Márquez, que em 1965 acompanhou as investigações, em Badajoz, do assassínio de Humberto Delgado, considera «pura fantasia» a tese apresentada no programa «Repórteres», da RTP, pelo filho do sub-inspector da PIDE, Casimiro Monteiro, autor material do homicídio. Segundo o filho do pide, Monteiro teria disparado contra o general «em legítima defesa», um argumento que o processo conduzido pelo Tribunal Militar português, desmontou há mais de dez anos. Crespo Márquez manifestou junto dos familiares de Delgado a sua «estranheza» pela forma «absurda» como, em edição posterior do mesmo programa, foram utilizadas as suas declarações, produzidas há dois anos [1990] para a tele-reportagem «Crime sem Castigo», com o intuito de «corroborar as teses do filho do assassino».

    O Jornal | 16.Out.1992

    Ler Mais
  • A razão de ser de um livroOpen or Close

    Ao longo destas páginas reuni apontamentos, entrevistas e histórias, umas mais pessoais do que outras, procurando, através da junção desses episódios, retratar com a fidelidade possível Ernesto Che Guevara, o homem, e a realidade que criou, de modo a entender os contornos da sua utopia e da forma como lutou por ela, até à morte. (...) Para traçar o perfil de Guevara para além do mito consultei testemunhos antigos, confrontei-os com outros mais recentes, auxiliei-me de fontes oficiais e não oficiais, em Cuba e fora dela. (...) Que os leitores possam sentir-se minimamente compensados e talvez, perdoe-se-me a veleidade, um pouco mais informados com esta leitura, é quanto me basta. O resto será determinado, como sempre, pelas circunstâncias da História. E essas, dizem-nos os factos, passam sempre pela vontade de cada homem que cria a vontade de todos os homens. Sobretudo aqueles que acreditam no valor da tal dignidade que foi sempre tão cara ao comandante guerrilheiro Ernesto Guevara de la Serna, para sempre e por todos chamado O Che.

    Ler Mais
  • O fado das águiasOpen or Close

    O Benfica está em crise e o país real acompanha, ansioso, as angústias, as dúvidas e o sofrimento das águias da Luz. Vão longe os dias em que «ser benfiquista era ter na alma a chama imensa», como cantava o incomparável Luís Piçarra. Mas isso era no tempo em que quem não era do Benfica, não era bom chefe de família. Agora, com a instituição familiar em notório declínio, como poderia o Benfica navegar noutras águas que não as do desencanto?

    TSF | 15.Out.1997

    Ler Mais
  • Vasco GonçalvesOpen or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais