Um metro de vida bem medido

Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico.

O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

Este «Um Metro de Vida» conta a história de nove pessoas acidentalmente encerradas no espaço claustrofóbico de uma carruagem de metropolitano. Nove pessoas que não se conheciam, e aparentemente sem nada de comum entre si, mas que, por uma avaria no último comboio da noite, são obrigadas a partilhar o longo momento da espera, dando a conhecer os lados secretos das suas emoções mais íntimas.

À medida que o tempo passa, as personagens vão-se-nos revelando na sua dimensão mais autêntica, que se calhar até eles desconheciam. Simultaneamente, assistimos ao desenrolar das peripécias de bastidores, às meias verdades mais ou menos camufladas, aos desencontros comunicacionais entre os responsáveis do metropolitano e os representantes dos órgãos de informação.

É, uma vez mais, a vida real que aqui surge retratada, com uma boa dose de ironia, a confirmar uma antiquíssima verdade: cada um é como é, muito mais do que como parece ser. É aqui que o Nuno se movimenta melhor, mas isso também não é motivo de espanto: ele foi sempre um homem atento ao mundo e aos vários aspectos da realidade, e «Um Metro de Vida» é disso mesmo a prova.

A formação jornalística de Nuno Gomes dos Santos reflecte-se, aliás, em toda a sua obra, e este livro não escapa a essa regra. Parafraseando o que ele escreveu num outro romance – «Um Homem à Tarde», um belo retrato de tempos idos, que também aconselho a quem não conhece – poderia dizer que o Nuno é do tempo em que se «incendiavam jornais com felicidades que haviam de vir e não vieram». Esse «tempo de abraços e de planos de pomares em terras antes secas» em que «virávamos do avesso os dias» é aquele que, hoje, alguns querem fazer-nos crer ter sido apenas um tempo de evolução. Mas nós sabemos que foi muito mais do que isso. E a verdade é que não nos arrependemos.

O que é que isto tem a ver com este «Um Metro de Vida»? Tem tudo. Porque, se não fosse esse Abril – Abril com R – nenhuma destas personagens poderia agir e falar e pensar como acontece neste livro. «Um metro de Vida» são, na verdade, vários quilómetros de vivências. E isso é o mais importante de tudo.

Apresentação do romance Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | Fórum Municipal Romeu Correia - Almada, 29 de Abril de 2004

Mais sugestões de leitura

  • A princesa das ilhasOpen or Close

    A música de um lugar reflecte sempre as características do povo que nele habita, e talvez por isso as toadas açorianas tenham por regra um toque de nostalgia muito próprio das ilhas, misturado com a força de quem se habituou desde sempre a conviver de um modo singular com as forças da natureza. (...) É essa essência que Helena persegue e alcança neste disco. À voz clara da cantora acresce a riqueza dos arranjos, vocais e instrumentais, a excelência da execução musical, o rigor da produção – a cargo de um músico sobre quem a proximidade familiar me impede de tecer grandes considerações, de resto desnecessárias: o trabalho está aí para que cada um possa avaliar. Basta saber ouvir.

    Introdução ao CD EssênciasAcores, de Helena Oliveira | 2011

    Ler Mais
  • Que é dos cantores de intervenção?Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais
  • Enquanto houver estrada pr'andarOpen or Close

    Desculpem, leitores, mas ele há regras! E a verdade é que nem o Jorge Palma nem o relator desta conversa se sentem, nos dias que correm, com vontade ou paciência para entrevistas formais, ao estilo dos seriíssimos diálogos entre jornalistas-culturais e escritores-em-franca-ascensão, comentadores-político-sociais e ex-ministros, futuros-ex-ministros ou candidatos a. E foi talvez por isso que, quando repórter e músico decidiram dar conta da conversa que se segue, escolheram a serenidade da casa do capitão da Zambujeira do Mar, de frente para o Atlântico, numa tarde tranquila de finais de Julho, quando os camones não tinham ainda chegado em força e os portugas permaneciam nas cidades, a braços com o aumento do iva e as propostas do ministro da televisão que animaram os últimos dias antes das férias gerais.

    MPP - Revista do Festival de Música Popular Portuguesa da Amadora | Set 2002

    Ler Mais
  • O silêncio é uma forma de censuraOpen or Close

    «E posto que viver me é excelente, cada vez gosto mais de menos gente.» A frase é do Professor Agostinho da Silva, mas Paulo de Carvalho adoptou-a como sua, e até já a pôs em música - numa canção que há-de fazer parte de um disco a sair daqui por algum tempo. Com 58 anos de idade e 43 de cantigas, este autor e intérprete de tantos temas fundamentais da música portuguesa continua activo e cheio de projectos, apesar do ostracismo a que nos últimos tempos se sente votado pelas rádios e televisões. E recusa-se a alinhar no espectáculo deprimente de uma sociedade onde tudo se vende por qualquer preço. 

    Autores | Jul-Set 2005

    Ler Mais