A magia da criação

lamk1.jpg

De onde vem esta música? De que nos falam estes sons tão novos e ao mesmo tempo tão familiares? Que alegria saudosa é esta que se desprende destes dedos que lembram outros dedos, sendo porém distintos?

Estas e outras interrogações surgem-me enquanto vou ouvindo o Canto de Embalar, Um Jogral, Canção de Alcype, Devaneios, embalado pelas recordações de várias vidas, de várias vozes. Porque eu sou dos que acreditam na magia da criação como uma força mais a dar movimento ao mundo. E o que aqui ouvi é fruto dessa energia sincrética que vem da música, que vem da força criadora do ser humano.

Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca. E Luísa Amaro chegou lá, sem a pretensão de imitar ninguém, mas também sem medo de se expor, como quem mostra a metade que completa o todo. Porque esta música é qualquer coisa mágica a que é impossível ficar indiferente, é uma arte feita de intimidades e de partilhas.

Assim chegamos a Carlos Paredes. É inevitável nomeá-lo porque faz parte deste disco, na exacta medida em que faz parte da vida de Luísa Amaro. A história dos dois é muito mais do que uma história de amor, é o resultado de uma entrega sem limites, uma partilha muito para além do entendimento.

Mas se o mestre e o amado são, na história pessoal de Luísa Amaro, o mesmo homem, tal não a impede de exprimir a sua própria voz e de a afirmar perante o mundo. E é isto, talvez, o que mais me encanta nesta música. Esta afirmação de liberdade que não rejeita a memória, sem contudo fazer dela um obstáculo à criação. Para Luísa Amaro, este conjunto de belíssimas interpretações fecha um ciclo criativo iniciado há vinte anos e construído passo a passo, com rigor e com paixão. Atrever-me-ia a dizer que, com este disco, podemos redescobrir uma outra sonoridade da guitarra, o seu lado mais íntimo, mais feminino. Porque, definitivamente, a guitarra tem em si qualquer coisa de mulher.

Carlos Paredes exprimia-se pela emotividade apaixonada, Luísa Amaro vai sobretudo pelos caminhos da ternura. Num e noutro caso, seguindo uma rota de encantamento perante a luz que tudo aclara em seu redor. Num e noutro caso com determinação e com amor, o verdadeiro segredo da magia. E da criação.

Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro e Miguel Carvalhinho | ed. Artemágica, 2004

Mais sugestões de leitura

  • Histórias de Resistência e LiberdadeOpen or Close

    Uma História de Resistência, Uma História de Liberdade são dois textos que acompanham a edição em DVD do documentário de Joaquim Vieira "Maior Que o Pensamento", sobre a vida e obra de José Afonso.

    Maior Que o Pensamento
    RTP | Levoir | Público 2015

    Ler Mais
  • O tempo, à esquinaOpen or Close

    O que vão ler é obra de um poeta que tem um percurso singular: nascido e criado em Lisboa passou pelas mais importantes tertúlias artísticas dos anos 60 e 70, escreveu canções, pintou quadros, viveu e deu corpo a muitas lutas ao longo das últimas décadas. Ainda assim, leva mais de trinta anos que não se faz publicar em livro, sem que para tal haja explicação coerente. Aconteceu, é a vida. E a vida de João Videira Santos já leva muito que contar: da poesia, claro está, mas também dos encontros, dos empenhamentos, das viagens.

    Prefácio a Esquinas do Tempo, de João Videira Santos | 2005

    Ler Mais
  • O meu amigo FaustoOpen or Close

    Não é o Elvis Presley nem o Tommy Steel, já teve um cão que voava por impulso mictório, e agora dá guarida a Sócrates, um papagaio filósofo carregado de dúvidas metódicas e muito mais sabedoria do que a generalidade dos cronistas políticos e sociais. Chama-se Fausto Bordalo Dias e é um nome de referência (hoje diz-se incontornável, mas eu sou de outra escola) da música popular portuguesa.

    A Capital | 27.Mai.2005

    Ler Mais
  • Para acabar de vez com a decênciaOpen or Close

    Longe vai o tempo do fado à solta em Alfama e na Madragoa, vadio e real como a amargura. A civilização ocupou as ruas e os becos, transformou as tascas em restaurantes e «pubs», iluminou a noite com vidrinhos coloridos, transformou as violas e as guitarras em potentes estereofonias.
    Do fado livre e vadio restam um ou dois sítios no Bairro Alto e a memória dos mais velhos. E restam as fantasias, os mistérios e as solidões do nosso quotidiano, sonhos apressados de pequena metrópole.

    Se7e | 8.Dez.1982

    Ler Mais