A magia da criação

lamk1.jpg

De onde vem esta música? De que nos falam estes sons tão novos e ao mesmo tempo tão familiares? Que alegria saudosa é esta que se desprende destes dedos que lembram outros dedos, sendo porém distintos?

Estas e outras interrogações surgem-me enquanto vou ouvindo o Canto de Embalar, Um Jogral, Canção de Alcype, Devaneios, embalado pelas recordações de várias vidas, de várias vozes. Porque eu sou dos que acreditam na magia da criação como uma força mais a dar movimento ao mundo. E o que aqui ouvi é fruto dessa energia sincrética que vem da música, que vem da força criadora do ser humano.

Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca. E Luísa Amaro chegou lá, sem a pretensão de imitar ninguém, mas também sem medo de se expor, como quem mostra a metade que completa o todo. Porque esta música é qualquer coisa mágica a que é impossível ficar indiferente, é uma arte feita de intimidades e de partilhas.

Assim chegamos a Carlos Paredes. É inevitável nomeá-lo porque faz parte deste disco, na exacta medida em que faz parte da vida de Luísa Amaro. A história dos dois é muito mais do que uma história de amor, é o resultado de uma entrega sem limites, uma partilha muito para além do entendimento.

Mas se o mestre e o amado são, na história pessoal de Luísa Amaro, o mesmo homem, tal não a impede de exprimir a sua própria voz e de a afirmar perante o mundo. E é isto, talvez, o que mais me encanta nesta música. Esta afirmação de liberdade que não rejeita a memória, sem contudo fazer dela um obstáculo à criação. Para Luísa Amaro, este conjunto de belíssimas interpretações fecha um ciclo criativo iniciado há vinte anos e construído passo a passo, com rigor e com paixão. Atrever-me-ia a dizer que, com este disco, podemos redescobrir uma outra sonoridade da guitarra, o seu lado mais íntimo, mais feminino. Porque, definitivamente, a guitarra tem em si qualquer coisa de mulher.

Carlos Paredes exprimia-se pela emotividade apaixonada, Luísa Amaro vai sobretudo pelos caminhos da ternura. Num e noutro caso, seguindo uma rota de encantamento perante a luz que tudo aclara em seu redor. Num e noutro caso com determinação e com amor, o verdadeiro segredo da magia. E da criação.

Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro e Miguel Carvalhinho | ed. Artemágica, 2004

Mais sugestões de leitura

  • Repórter no encalço do CheOpen or Close

    A gente conhece o Viriato Teles há muitas luas, ou não fosse ele um andarilho inveterado dos jornais e com diversos saltos pelos livros. Tudo o que o Viriato escreve é para ler. Homem da cepa séria dos jornalistas que não se perverteram... Daqueles que não se deixam arrebitar pelas alcatifas dos gabinetes ministeriáveis, daqueles que não iludiram a sua condição de ser de esquerda, da esquerda mais utópica, que é essa mesmo que vale para nós!
    Olho para o Viriato amigo e desato a pensar em todos os corifeus que após o 25 de Abril eram de esquerda – era bem – e hoje dão lições de social-democracia com copo na mão e pança avantajada assente na secretária. Por isso digo que os textos do Viriato são para ler na sua textura não serviçal. Autêntica. (...) Este é seguramente um livro que não interessa a certa gentalha, como aquele cavalheiro que preside ao CDS que há pouco tempo alcunhava o Che de terrorista.

    Ler Mais
  • O último ano antes da liberdadeOpen or Close

    Em Agosto de 1973, poucos em Portugal se atreviam a imaginar que aquele Verão morno seria o último passado em clima de ditadura. Não fosse o cinzentismo geral que então caracterizava o país, e os adolescentes de há 40 anos até teriam algumas razões para se sentir satisfeitos.

    QI | Diário de Notícias | 3.Ago.2013

    Ler Mais
  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais
  • A liberdade, aindaOpen or Close

    A urgência das palavras e dos cantos, a premência das vontades e dos sentidos, porque tudo era realizável, e nós sabíamos. Naqueles dias, era assim. (...) De Abril, diz-se, já resta pouco. Mas ainda assim não tão pouco. Porque há vontades que não se vergam, paixões que nunca acabam, vivências que permanecem. E há a liberdade, ainda, origem e razão de ser deste grupo e da música que ele faz. De todas as esplendorosas criações que a Revolução dos Cravos permitiu, a Brigada Victor Jara é com certeza uma das mais duradouras. E quer-me parecer que assim será, ainda, por muitos anos mais. Porque a massa de que esta Brigada é feita vem de longe e vai para longe. E nós com ela.

    Incluído na colectânea Ó Brigada, de Brigada Victor Jara | 2015

    Ler Mais