O tempo, à esquina

jvs1k.jpg

O que vão ler é obra de um poeta que tem um percurso singular: nascido e criado em Lisboa passou pelas mais importantes tertúlias artísticas dos anos 60 e 70, escreveu canções, pintou quadros, viveu e deu corpo a muitas lutas ao longo das últimas décadas. Ainda assim, leva mais de trinta anos que não se faz publicar em livro, sem que para tal haja explicação coerente. Aconteceu, é a vida. E a vida de João Videira Santos já leva muito que contar: da poesia, claro está, mas também dos encontros, dos empenhamentos, das viagens.

Foi, aliás, em viagem que nos conhecemos, a bordo de um avião que voava para Bucareste, em plena ebulição pós-comunista. Eu ia em reportagem para um grande jornal de Lisboa, ele como observador internacional das primeiras eleições realizadas na Roménia, após a queda de Ceausescu. Juntos, a princípio por razões de circunstância, depois por vontade mútua, percorremos com outros amigos boa parte do país.

Trago a viagem à conversa porque creio que esses momentos foram, tanto para mim como para o João, muito enriquecedores no que respeita ao conhecimento do mundo, das coisas e das pessoas. Tínhamos, há que reconhecê-lo, uma grande vantagem: a derrocada do «socialismo real» não constituía, para nós, propriamente uma surpresa e muito menos o fim de qualquer ilusão.

Duas ou três semanas que passamos em conjunto nos Balcãs foram realmente importantes nas nossas vidas, por tudo aquilo que ali nos foi dado conhecer – mesmo se, depois disso, qualquer de nós percorreu outros lugares, visitou outras cidades, conheceu outros povos e viveu outras experiências igualmente enriquecedoras. Se não fosse esse encontro – poético e realmente com início em pleno vôo – eu provavelmente não estaria agora aqui, prefaciando este livro do João Videira Santos.

Tudo isto para justificar o que os leitores perceberão sem dificuldade lendo os poemas que seguem: que o autor não é homem de escrever por escrever, e que escreve sobre aquilo que melhor conhece – a Vida (assim mesmo, com maiúscula) e os momentos que ela lhe proporcionou. Fá-lo com a mesma honestidade e o mesmo empenhamento que coloca em todas as coisas, que é a única maneira válida de estar no mundo. Chegou a vez de dar a conhecer a sua arte ao público brasileiro.

Deixemo-nos, pois, de conversa, e passemos ao essencial, que são estas «esquinas do tempo», na certeza de que este não é, em rigor, um tempo perdido. Agora, só queremos não ter de tornar a esperar muito para ler um novo livro do João Videira Santos. Ele merece, e nós também.

Prefácio a Esquinas do Tempo, de João Videira Santos | Ed. Thesaurus | Brasília, 2005

Mais sugestões de leitura

  • Silly seasonOpen or Close

    Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

    Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

    Ler Mais
  • Apresentação em Lisboa e PortoOpen or Close

    João Paulo Guerra, em Lisboa, e Rui Pato, no Porto, foram os "mestres de cerimónias" dos lançamentos da nova edição revista e aumentada de As Voltas de um Andarilho nas duas principais cidades. Na capital, a sessão contou com a participação dos Couple Coffee, que cantaram vários temas de Zeca. No Porto, a intervenção musical esteve a cargo de João Teixeira - e do próprio Rui Pato.

    Ler Mais
  • A coisaOpen or Close

    Já aqui o disse, e não estou só nesta convicção: a criatura é o que o regime democrático gerou de mais semelhante, em forma e conteúdo, à sinistriste figura de Américo Tomás. Na debilidade intelectual, na vacuidade do discurso, no bolor das palavras, mas também na hipocrisia, no rancor, na perversidade.

    Ler Mais
  • O senhor Lopes e o cantadorOpen or Close

    Um concerto de Fausto esteve agendado para a noite de 24 de Abril de 2004, no Terreiro do Paço, mas acabou desmarcado por «indicações superiores». O presidente da Câmara de Lisboa, que organizou o espectáculo, era Pedro Santana Lopes, e a decisão de desconvidar o cantor ocorreu na altura em foi referida pelos círculos do poder a necessidade de «retirar qualquer conotação ideológica ao 25 de Abril». Como se vê.

    Focus | 12.Mai.2004

    Ler Mais