O tempo, à esquina

jvs1k.jpg

O que vão ler é obra de um poeta que tem um percurso singular: nascido e criado em Lisboa passou pelas mais importantes tertúlias artísticas dos anos 60 e 70, escreveu canções, pintou quadros, viveu e deu corpo a muitas lutas ao longo das últimas décadas. Ainda assim, leva mais de trinta anos que não se faz publicar em livro, sem que para tal haja explicação coerente. Aconteceu, é a vida. E a vida de João Videira Santos já leva muito que contar: da poesia, claro está, mas também dos encontros, dos empenhamentos, das viagens.

Foi, aliás, em viagem que nos conhecemos, a bordo de um avião que voava para Bucareste, em plena ebulição pós-comunista. Eu ia em reportagem para um grande jornal de Lisboa, ele como observador internacional das primeiras eleições realizadas na Roménia, após a queda de Ceausescu. Juntos, a princípio por razões de circunstância, depois por vontade mútua, percorremos com outros amigos boa parte do país.

Trago a viagem à conversa porque creio que esses momentos foram, tanto para mim como para o João, muito enriquecedores no que respeita ao conhecimento do mundo, das coisas e das pessoas. Tínhamos, há que reconhecê-lo, uma grande vantagem: a derrocada do «socialismo real» não constituía, para nós, propriamente uma surpresa e muito menos o fim de qualquer ilusão.

Duas ou três semanas que passamos em conjunto nos Balcãs foram realmente importantes nas nossas vidas, por tudo aquilo que ali nos foi dado conhecer – mesmo se, depois disso, qualquer de nós percorreu outros lugares, visitou outras cidades, conheceu outros povos e viveu outras experiências igualmente enriquecedoras. Se não fosse esse encontro – poético e realmente com início em pleno vôo – eu provavelmente não estaria agora aqui, prefaciando este livro do João Videira Santos.

Tudo isto para justificar o que os leitores perceberão sem dificuldade lendo os poemas que seguem: que o autor não é homem de escrever por escrever, e que escreve sobre aquilo que melhor conhece – a Vida (assim mesmo, com maiúscula) e os momentos que ela lhe proporcionou. Fá-lo com a mesma honestidade e o mesmo empenhamento que coloca em todas as coisas, que é a única maneira válida de estar no mundo. Chegou a vez de dar a conhecer a sua arte ao público brasileiro.

Deixemo-nos, pois, de conversa, e passemos ao essencial, que são estas «esquinas do tempo», na certeza de que este não é, em rigor, um tempo perdido. Agora, só queremos não ter de tornar a esperar muito para ler um novo livro do João Videira Santos. Ele merece, e nós também.

Prefácio a Esquinas do Tempo, de João Videira Santos | Ed. Thesaurus | Brasília, 2005

Mais sugestões de leitura

  • Que é dos cantores de intervenção?Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais
  • Louvor das Palavras e dos AmigosOpen or Close

    A banalização das palavras é um dos pecados mortais da comunicação dos nossos dias, sobretudo quando praticada por quem faz das palavras o instrumento principal do seu ofício. Porque as palavras não são nunca apenas aquilo que significam nos dicionários, mas sobretudo o que significam nas nossas vidas. ...Tudo isto a propósito dos 75 anos que o Fernando Assis Pacheco faria hoje...

    Ler Mais
  • Grândola no mundoOpen or Close

    Grândola no mundo, a várias vozes e em diferentes ritmos.

    Porque Abril também se canta em estrangeiro.

    Ler Mais
  • O general casernícolaOpen or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais