Silêncios sem preço

silenck1.jpg

Uma exposição com um livro, ou um livro com uma exposição?

Este é um daqueles casos em que a ordem dos factores não é nada arbitrária, já que é de um livro que, em primeiro lugar, é suposto aqui falarmos.

Mas o certo também é que, se olharmos em volta, vamos descobrir uma série de pequenas pinturas.* E é igualmente certo que, tanto o livro como as imagens que hoje e aqui o rodeiam, têm a mesma origem, são criações do mesmo criador: o António Ferra, que hoje nos reúne para nos apresentar um livro que tem o significativo título de Silêncios Comprados, muito apropriado a este nosso tempo em que quase tudo se compra e se vende.

É um livro composto por três pequenas histórias suburbanas, que nos dão o retrato de alguns instantes de vidas de gente comum.

Tal como nos quadros que pinta, o António procura sempre, nas histórias que conta, dar uma particular atenção aos aspectos que mais facilmente escapam à vista de quem está demasiado ocupado com o quotidiano para poder dar a necessária atenção à vida.

Este livro é o continuador de uma série minimalista que o António Ferra iniciou, aqui há uns três anos, com uma outra história, essa chamada O Vermelho e o Negro, numa curiosa evocação de Stendhal - que no entanto não tem nada a ver com o clássico oitocentista, a não ser talvez o método de caracterização psicológica das personagens.

Depois desse livrinho, seguiu-se um outro - Olhar o Silêncio - onde o António Ferra retomou a abordagem dos temas que lhe são caros: a convivência dos humanos comuns consigo próprios e uns com os outros, as nem sempre fáceis relações que se estabelecem, dentro e fora das cabeças e dos corpos que as completam.

Agora, António Ferra propõe-nos estes Silêncios Comprados. São, como disse, três histórias de subúrbios e de gente igual a toda a gente. Neste livro há personagens que vivem «entalada[s] entre marquises de alumínio» em bairros onde os passeios «estão cheios de carros mal intencionados», há imigrantes ucranianos e brasileiros e sãotomenses, uma mulher mal-casada com um tecnocrata (o que até é capaz de ser um bocado pleonástico...), um cão à chuva, gente à procura dos significados do amor nas escadas intermináveis de um prédio de Lisboa. São gente sem rosto, mas com nome, afinal gente igual a toda a gente, com as mesmas angústias, os mesmos medos, as mesmas dúvidas.

Comecei por dizer, há pouco, que tanto este livro como os quadros que temos à nossa volta são obras do mesmo artífice. Insisto neste ponto, porque a verdade é que não sei se gosto mais do António pintor ou do António escritor. Porque um e outro se completam e traduzem, naquilo que fazem, a mesma preocupação com o mundo. Tanto nas imagens como nas palavras, este António que é só um sabe traduzir com um talento raro as inquietações do quotidiano, por vezes tão aparentemente sem importância que preferimos não pensar nelas. E no entanto elas existem, às vezes movem-se, e nunca passam por nós sem deixar marcas.

O António sabe como é o funcionamento de certas coisas, desde as mais pequenas às mais grandiosas. E daquelas que não sabe, não desiste enquanto não aprender. E é isso que transmite aos seus quadros e as seus textos com uma honestidade desarmante.

Porque esta é uma arte com pessoas, e não apenas para pessoas. E é por isso que gostei tanto de ler estes Silêncios Comprados.Quanto mais não fosse, porque são mais uma prova de que, afinal, ainda há coisas que não estão à venda, nem dinheiro nenhum do mundo pode comprar.

«Perdi-te sem saber se era possível o amor como se foras cavalo alado num sonho», diz uma das personagens, no final da última história. Uma história talvez sem moral, num livro onde há mais perguntas do que respostas. Mas afinal se calhar é isso mesmo que vale a pena.

Apresentação de Silêncios Comprados, de António Ferra | Livraria Fábula Urbis, Lisboa | 10.Nov.2007
* Este texto foi escrito para a apresentação do livro Silêncios Comprados, de António Ferra, que deveria ter incluído também uma mostra de pintura do autor. Afinal, não houve exposição, só livro, o que levou a uma alteração improvisada no momento. Optou-se por manter aqui a prosa original, porque tudo o que se diz sobre o pintor António Ferra continua a ser verdadeiro

Mais sugestões de leitura

  • A democracia do baralhoOpen or Close

    Vivemos, ao que consta, num país democrático. Sui generis, sem dúvida, mas democrático. Mais do que isso: pluralista e cristão, como mandam as regras da convivência ocidental.
    É claro que a revolução foi p'ró galheiro, graças à «originalidade». É claro que os pides, os bombistas e os ministros de Salazar se encontram em liberdade enquanto um punhado de antifascistas morre aos poucos nas prisões. É claro que a polícia de choque bate (para nos livrar da subversão), o Governo prepara leis pré-históricas (para defender a instituição) e o povo tem fome (para manter a tradição). Mas a essência da pátria mantém-se democrática, encantadora, bem portuguesa.

    O Jornal | 2.Jul.1982
    Ler Mais
  • A nostalgia da esperançaOpen or Close
    Nenhuma revolução se faz com cantigas. Mas elas são sempre parte integrante de qualquer movimento social e político, reflectindo-lhe os intentos, analisando-lhe os defeitos e as virtudes, antecipando, até, as suas consequências de futuro.

    Canto de Intervenção
    Edição A25A | 1984

    Ler Mais
  • Falando assédioOpen or Close

    Quando não têm uma guerrazinha com que se entreter, os americanos são capazes de tudo. Até de transformar em notícia as possíveis aventuras extraconjugais de Bill Clinton. Tudo começou com uma vulgar acusação de assédio sexual - essa brilhante invenção norte-americana deste fim de milénio. Pessoalmente, devo dizer não tenho nada contra o assédio sexual - seja no local de trabalho, na rua ou mesmo em casa. Acredito até que, sem assédio, a humanidade acabaria por se extinguir, por manifesta falta de assunto.

    TSF | 28.Jan.1998

    Ler Mais
  • O tempo, à esquinaOpen or Close

    O que vão ler é obra de um poeta que tem um percurso singular: nascido e criado em Lisboa passou pelas mais importantes tertúlias artísticas dos anos 60 e 70, escreveu canções, pintou quadros, viveu e deu corpo a muitas lutas ao longo das últimas décadas. Ainda assim, leva mais de trinta anos que não se faz publicar em livro, sem que para tal haja explicação coerente. Aconteceu, é a vida. E a vida de João Videira Santos já leva muito que contar: da poesia, claro está, mas também dos encontros, dos empenhamentos, das viagens.

    Prefácio a Esquinas do Tempo, de João Videira Santos | 2005

    Ler Mais