A princesa das ilhas

hoess300.jpg

As melhores vozes portuguesas reveladas nos últimos anos são, sobretudo, vozes de mulheres. Isto não quer dizer absolutamente nada, mas é um facto. Esta inversão da tendência que, por força das circunstâncias, foi norma em Portugal desde a renovação musical iniciada por Zeca e Adriano nos anos 60, é digna de registo porque graças a ela ficámos todos a ganhar, quer como indivíduos, quer como país, quer como comunidade cultural.

A agitação criativa que acompanhou e se seguiu ao movimento “dos baladeiros” foi protagonizada essencialmente por autores e intérpretes masculinos – fruto também, com certeza, da diferenciação social então estabelecida entre os dois sexos oficiais – pesem embora algumas honrosas e saudosas excepções, desde Teresa Paula Brito a Antónia Vasconcelos, a inesquecível Tóinas do GAC. Mas foi só a partir dos anos 90 do século passado que as mulheres surgiram com todo o vigor como protagonistas de alguns dos projectos mais refrescantes da música popular portuguesa.

É neste contexto plural que Helena Oliveira apresenta este segundo disco. Três anos depois de “Helena Cant'autores Açorianos”, em que viajou pelas palavras de alguns dos melhores poetas atlantes, a cantora propõe-nos agora uma muito original revisitação da inspirada música tradicional da sua terra.

A música de um lugar reflecte sempre as características do povo que nele habita, e talvez por isso as toadas açorianas tenham por regra um toque de nostalgia muito próprio das ilhas, misturado com a força de quem se habituou desde sempre a conviver de um modo singular com as forças da natureza.

Dos picos de qualquer das nove ilhas mágicas que compõem este arquipélago, o horizonte tem sempre o tamanho do mundo. As gentes daqui vivem repartidas entre a escassez da terra e a largueza do mar, e é esse permanente dilema que dá forma às suas vidas e ao seu modo de ser e de estar.

Tudo isto se reflecte nos balhos, nas chamarritas, nas folias, charambas e sapateias, com aquela tranquila elegância que é característica destes homens e mulheres, onde se fundem a melancolia e o humor, a alegria e a tristeza, a vontade de partir e o desejo de ficar.

É essa essência que Helena persegue e alcança neste disco. À voz clara da cantora acresce a riqueza dos arranjos, vocais e instrumentais, a excelência da execução musical, o rigor da produção – a cargo de um músico sobre quem a proximidade familiar me impede de tecer grandes considerações, de resto desnecessárias: o trabalho está aí para que cada um possa avaliar. Basta saber ouvir.

Ciclicamente, os Açores têm sido berço de algumas das mais interessantes criações da música portuguesa, e este disco de Helena Oliveira honra esse estatuto, que é também o seu. A frescura das suas interpretações é um claro sinal de maturidade artística e um excelente presságio para aquilo que irá fazer daqui por diante.

A partir destas Essências, Helena Oliveira confirma-se em definitivo como uma das grandes cantoras portuguesas do nosso tempo, cumprindo a “promessa” já evidente no disco anterior. Com este conjunto de canções, Helena disponibiliza-se mais para partilhar do que para competir, que é como deve ser vivida a música por aqueles que a amam.

É, claramente, o caso de Helena, a princesa das ilhas a quem só podemos ficar gratos por ter recuperado para nós estas canções sem tempo, parcela fundamental de uma história que é a nossa. E, sobretudo, por o ter feito deste modo, transmudando cada uma destas velhas canções num tema novo, que apetece reaprender. Ela sabe que só entendendo o passado se pode preparar o futuro. E não está disposta a perder-se pelo caminho.

Introdução ao CD EssênciasAcores, de Helena Oliveira | 2011

Mais sugestões de leitura

  • Uma vida de risco(s)Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • À flor das cidadesOpen or Close

    Viriato escreve como se estivesse de partida para mais um combate que vai perder. Como se interminavelmente esperasse a amada num bar da Havana velha sabendo que a amada não vai empurrar os batentes. Viriato sabe que a revolução é um lírio da Mesopotâmia. Na interminável espera, Viriato escreve, talvez em toalhas de papel. Mas não desespera.

    Ler Mais
  • Crise? Qual crise?Open or Close

    Para além do disco de 1975 dos Supertramp, a interrogação que dá título a esta crónica remete-nos também para o episódio que constituiu a gota de água para a demissão, há 30 anos, do primeiro-ministro britânico James Callaghan. A Grã-Bretanha vivia então o seu “inverno do descontentamento” e a frase, utilizada em título de primeira página pelo The Sun e atribuída a Callaghan, provocou a ira de milhares de ingleses que sentiam na pele os efeitos da crise económica que se arrastava desde os primeiros anos da década de 70. Dois meses depois, o governo de Big Jim sucumbia a uma moção de censura no parlamento, e os trabalhistas teriam de esperar quase duas décadas para regressarem ao poder.

    Zoot | Verão 2009

    Ler Mais
  • Há ratos na exposiçãoOpen or Close

    O desvio de cerca de um milhão de contos dos cofres da Exposição Mundial de Lisboa é a prova definitiva de que o portuga médio não dá ponto sem nó e aproveita todas as oportunidades para sacar algum. Depois das Descobertas, de Macau e dos fundos europeus, chegou a vez de a Expo 98 dar de comer a mais uns quantos tubarões. Que nem sequer vivem no Oceanário.

    Grande Amadora | 21.Ago.1998

    Ler Mais