A princesa das ilhas

hoess300.jpg

As melhores vozes portuguesas reveladas nos últimos anos são, sobretudo, vozes de mulheres. Isto não quer dizer absolutamente nada, mas é um facto. Esta inversão da tendência que, por força das circunstâncias, foi norma em Portugal desde a renovação musical iniciada por Zeca e Adriano nos anos 60, é digna de registo porque graças a ela ficámos todos a ganhar, quer como indivíduos, quer como país, quer como comunidade cultural.

A agitação criativa que acompanhou e se seguiu ao movimento “dos baladeiros” foi protagonizada essencialmente por autores e intérpretes masculinos – fruto também, com certeza, da diferenciação social então estabelecida entre os dois sexos oficiais – pesem embora algumas honrosas e saudosas excepções, desde Teresa Paula Brito a Antónia Vasconcelos, a inesquecível Tóinas do GAC. Mas foi só a partir dos anos 90 do século passado que as mulheres surgiram com todo o vigor como protagonistas de alguns dos projectos mais refrescantes da música popular portuguesa.

É neste contexto plural que Helena Oliveira apresenta este segundo disco. Três anos depois de “Helena Cant'autores Açorianos”, em que viajou pelas palavras de alguns dos melhores poetas atlantes, a cantora propõe-nos agora uma muito original revisitação da inspirada música tradicional da sua terra.

A música de um lugar reflecte sempre as características do povo que nele habita, e talvez por isso as toadas açorianas tenham por regra um toque de nostalgia muito próprio das ilhas, misturado com a força de quem se habituou desde sempre a conviver de um modo singular com as forças da natureza.

Dos picos de qualquer das nove ilhas mágicas que compõem este arquipélago, o horizonte tem sempre o tamanho do mundo. As gentes daqui vivem repartidas entre a escassez da terra e a largueza do mar, e é esse permanente dilema que dá forma às suas vidas e ao seu modo de ser e de estar.

Tudo isto se reflecte nos balhos, nas chamarritas, nas folias, charambas e sapateias, com aquela tranquila elegância que é característica destes homens e mulheres, onde se fundem a melancolia e o humor, a alegria e a tristeza, a vontade de partir e o desejo de ficar.

É essa essência que Helena persegue e alcança neste disco. À voz clara da cantora acresce a riqueza dos arranjos, vocais e instrumentais, a excelência da execução musical, o rigor da produção – a cargo de um músico sobre quem a proximidade familiar me impede de tecer grandes considerações, de resto desnecessárias: o trabalho está aí para que cada um possa avaliar. Basta saber ouvir.

Ciclicamente, os Açores têm sido berço de algumas das mais interessantes criações da música portuguesa, e este disco de Helena Oliveira honra esse estatuto, que é também o seu. A frescura das suas interpretações é um claro sinal de maturidade artística e um excelente presságio para aquilo que irá fazer daqui por diante.

A partir destas Essências, Helena Oliveira confirma-se em definitivo como uma das grandes cantoras portuguesas do nosso tempo, cumprindo a “promessa” já evidente no disco anterior. Com este conjunto de canções, Helena disponibiliza-se mais para partilhar do que para competir, que é como deve ser vivida a música por aqueles que a amam.

É, claramente, o caso de Helena, a princesa das ilhas a quem só podemos ficar gratos por ter recuperado para nós estas canções sem tempo, parcela fundamental de uma história que é a nossa. E, sobretudo, por o ter feito deste modo, transmudando cada uma destas velhas canções num tema novo, que apetece reaprender. Ela sabe que só entendendo o passado se pode preparar o futuro. E não está disposta a perder-se pelo caminho.

Introdução ao CD EssênciasAcores, de Helena Oliveira | 2011

Mais sugestões de leitura

  • O senhor Lopes e o cantadorOpen or Close

    Um concerto de Fausto esteve agendado para a noite de 24 de Abril de 2004, no Terreiro do Paço, mas acabou desmarcado por «indicações superiores». O presidente da Câmara de Lisboa, que organizou o espectáculo, era Pedro Santana Lopes, e a decisão de desconvidar o cantor ocorreu na altura em foi referida pelos círculos do poder a necessidade de «retirar qualquer conotação ideológica ao 25 de Abril». Como se vê.

    Focus | 12.Mai.2004

    Ler Mais
  • A culpa é do ManelOpen or Close

    Num tempo em que se abatem inutilmente tantas árvores para dar à estampa as mais incríveis aberrações paraliterárias, sabe bem ler uma prosa tão escorreita, tão depurada e sobretudo tão honesta como a deste Daniel Abrunheiro. Que navega com igual à-vontade no registo poético de «Pomba» como no tom vagamente surreal de «Máscara», atento à realidade sem se tornar seu escravo, capaz de ordenar o mundo de trás para a frente sem que o mundo deixe de fazer sentido.
    Estes textos de Daniel Abrunheiro revelam um autor que conhece bem o valor dos silêncios que tantas vezes se escondem por trás das palavras. E que sabe, tal como diz uma das suas personagens, que o ruído não é mais do que «o silêncio que não sabemos ler». Aprendamos, então.

    Posfácio a Cronicão, de Daniel Abrunheiro | 2003

    Ler Mais
  • O regresso de Karlos StarkillerOpen or Close

    Fernando Carlos Nunes de Melo Relvas e Karlos Pombo Capador Starkiller voltam a encontrar-se, mais de uma dúzia de anos depois de se terem cruzado pela primeira vez numa rua estreita do Bairro Alto. Nessa altura, Starkiller estava de partida para o outro lado do mundo, fugido à modorra chata de Lisboa, atrás de aventuras alucinantes que iria viver na companhia de malta tão curiosa como a Olga Punk, o irmão Lince, Chiquita, o Ianqui Louco, D. Juanito e o mais coerente super-herói que me foi dado conhecer, o Capitão Latino-América.

    Prefácio a Karlos Starkiller, de Fernando Relvas | 1997

    Ler Mais
  • Factura expostaOpen or Close

    Quisera que tudo fosse sempre deste modo
    e a revolução se fizesse
    um pouco mais que um sonho
    a despertar nos teus olhos livres.

    Ler Mais