Cantares de um homem livre

mmata2012_350.jpg

Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.

É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram. São catorze canções em formatos diversos que vão desde o tom bem-humorado que tão bem lhe conhecemos até ao registo intimista que poderá surpreender apenas quem não tenha estado atento a tudo o que ele tem feito desde há trinta anos.

Nascido em Luanda no início dos anos 60, Mário Mata veio definitivamente para Portugal após a queda do império. Começou a cantar em bares do Algarve, ainda adolescente, e em 1981 saltou directamente do anonimato para a fama com «Não Há Nada Pra Ninguém». O êxito do disco de estreia veio a revelar-se algo perverso, uma vez que o músico acabou por ficar como que refém desse sucesso nos anos que se seguiram.

E é assim que, depois de mais dois discos num registo semelhante («Não Mata Mas Mói», 1982, e «Deix’ós Poisar», 1986), faz uma primeira pausa grande nas gravações, a que só regressa oito anos depois, em 1994, com o álbum «Somos Portugueses». Os resultados comerciais não terão sido os desejados, e segue-se um novo interregno, desta vez de dez anos.

Em 2004 publica «Dupla Face», onde procura trilhar novos caminhos. O disco não teve a atenção que merecia, mas serviu para provar a quem tivesse dúvidas que Mário Mata estava vivo e disposto a continuar. Porque a verdade é que, ao misturar a música de raiz popular com as tonalidades do pop/rock, o Mário conseguiu criar um estilo próprio e deixar a sua marca na música portuguesa do último quartel do século XX.

Agora, mais sete anos passados sobre o último registo discográfico, eis que Mário Mata nos apresenta um novo lote de canções, e mais uma vez arrisca-se a surpreender irremediavelmente quem o ouve. Fiel às características que melhor lhe conhecemos, o Mário não teme aventurar-se novamente pelo registo da ironia («Essa é Que é Essa», «Vamos Lá Suar é Fixe», «Ai Deus do Céu», «Já Fomos Enganados», «Amores Proibidos»), mas vai muito mais além. E é assim que nos envolve em textos que nos falam de coisas simultaneamente tão simples e tão complexas como o amor, as cidades, as pessoas comuns. A vida, afinal, tal como é.

Em «Sinais do Tempo», o tema que dá título ao álbum, escrito a meias com Joaquim Pessoa, faz como que um roteiro dos afectos, amarguras, ilusões e desilusões que marcam toda uma geração – a sua, a nossa – e que são também, o retrato do percurso recente do país que somos. E o mesmo se passa em «Navio Fantasma», a lembrar que quando tudo falha ainda pode sobejar a derradeira redenção do amor.

De resto, os afectos estão presentes em quase todos os temas deste disco. De «Já Conheço Esse Olhar» a «Fixação», passando por «Lisboa é Lisboa» e por «Serei Sempre Teu», Mário Mata não teme expor aquilo que sente. Porque sim. Porque ser autêntico é a sua maneira de estar vivo e de participar na agitação do mundo à sua volta.

A autenticidade é, aliás, talvez a mais relevante característica deste músico. E talvez seja isso, também, que muitos não lhe perdoam. Num tempo de mentira e futilidade, ser verdadeiro e não usar máscara é quase um pecado. Que o Mário comete com toda a convicção e sem dar mostras do mínimo arrependimento. E ainda bem. Para ele e para nós, que temos a felicidade de poder continuar a ouvi-lo.

Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

Mais sugestões de leitura

  • Baptista-BastosOpen or Close

    Se procurarmos a chave dos afectos de Armando Baptista-Bastos, chegamos sem esforço à palavra Dignidade. Assim mesmo, com D maiúsculo. É por ela e pelo que ela significa que esta personagem maior do jornalismo português pagou sempre um preço caro, mas não me lembro de ver nele uma réstia de arrependimento – e já o conheço há largos anos. O Armando, como lhe chamam os amigos, o Bastos, como dizem os colegas, o BB, como o conhecem quase todos, chamem-lhe o que entenderem, mas ele é assim, e não há nada a fazer. Intransigente, maroto, bebedor, brigão, são adjectivos que lhe ficaram colados à pele, como outros: frontal, corajoso, competente, leal. E ele é um pouco de tudo isso, e ainda mais.

    Ler Mais
  • Outras paisagensOpen or Close

    Os elefantes
    escolhem sempre o lugar da morte
    disse o pescador antigo
    de olhos postos no mar sem fim.
    O pescador nunca viu elefantes
    nem leões
    nem pássaros da Amazónia
    mas sabe como é.
    Como nós
    em mil novecentos e setenta e cinco
    a forçar de vez as garras
    do desespero.

    Ler Mais
  • A solução para a criseOpen or Close

    Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

    Ler Mais
  • O país obtusoOpen or Close

    O que se passou nos dias que se seguiram à Greve Geral de dia 14 é exemplificativo do país obtuso em que Portugal se tornou nos últimos meses. As reacções em cadeia de membros do governo, deputados da maioria e do próprio presidente da República, não deixam margem para dúvidas. A crer neles, o País está acossado por “terroristas” (viu-os um parlamentar do CDS) e “pessoas apostadas na destruição” e “que querem destruir a  sociedade” (Cavaco dixit).

    Jornal do Fundão | 22.Nov.2012

    Ler Mais