Em tempo de Natal

b_500_400_16777215_00_images_geral_d_nat3.jpg

Em tempo de Natal, as leis e os tribunais ficam um pouco como os pombos: aceitam aquilo que lhes dão e procuram não ser muito severos com a aplicação da justiça. Além disso, como toda a gente sabe, é preciso ser-se complacente de vez em quando e o Natal serve às mil maravilhas para demonstrar que afinal somos todos boa gente, carregadinha de senti­mentos. Pois.

Benjamim tem pouco mais de 20 anos, cabelo à Bo Derek, é estudante de Biologia. Nasceu em Cabo Verde e vive no Alto de Santo Amaro, onde joga basquetebol nos tempos livres. Esta é a primeira vez que vem a tribunal, coisas que acontecem: durante um jogo do fim-de-semana esteve prestes a ser desclassificado com as cinco faltas da ordem. O árbitro tem as suas opiniões, Benjamim não concorda, gera-se uma cena mais ou menos violenta e pouco desportiva.

– Estava debaixo de uma grande tensão... – explica Benjamim.

Pois é. O juiz franze o sobrolho, que um bom desportista tem de saber controlar-se, está a ver o que você arranjou.

Palavra para aqui, jus­tificação para ali, «um homem às vezes des­controla-se», até que o árbitro sovado entra em campo, isto é, na sala de audiências, e conta como foi. Benjamim confirma as agressões, diz que não foi premeditado. O juiz pergunta ao agredido se quer perdoar ou se mantém a queixa, mas árbitros são árbitros e murros são murros. A queixa continua válida e «que se faça justiça».

O juiz encolhe os ombros, afinal de contas o ofendido está no seu pleno direito de prosseguir.

– O que não quer dizer que em boa ética desportiva não fosse de perdoar...

Segue-se a sentença: quarenta dias de prisão e seis de multa a 50 escudos ou, em alternativa, mais quatro dias de prisão, além de mil escudos ao árbitro. Mas como é delinquente primário fica com a pena suspensa por dois anos, desde que pague a milena ao ofendido no prazo de um mês.

«E não se meta noutra, veja lá...»

O Diário | 26.Dez.1980

Mais sugestões de leitura

  • Desabafos de um repórter que ainda acredita na paixãoOpen or Close

    Quando, em 1983, os jornalistas se reuniram pela primeira vez em congresso para debater a «liberdade de expressão, expressão da liberdade», o meu amigo e companheiro Fernando Alves provocou algum escândalo entre a classe ao anunciar que «os jornalistas portugueses estão a atingir o princípio de Peter da dignidade».

     III Congresso dos Jornalistas Portugueses | 1998

    Ler Mais
  • Cantares de um homem livreOpen or Close

    Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
    O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.
    É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram.

    Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

    Ler Mais
  • Da importância de agitar a maltaOpen or Close

    Os dias e os meses que se seguiram à Revolução de Abril deixaram uma marca de empenhamento na música portuguesa que ainda hoje se faz sentir. A canção de intervenção revisistada por Joaquim Vieira no documentário "A Cantiga Era Uma Arma".

    A Cantiga Era Uma Arma
     RTP | Levoir | Público 2016

    Ler Mais
  • Ler, ouvir e contarOpen or Close

    De todos os registos discográficos editados este ano em Portugal, poucos terão suscitado tão grande expectativa como «A Ópera Mágica do Cantor Maldito». Desde logo pelos nove anos que o separam do anterior disco de originais de Fausto, «Crónicas da Terra Ardente», mas também pelo sigilo que rodeou a sua preparação. Na verdade, só mesmo os amigos mais próximos do compositor sabiam há muito que havia um novo trabalho na forja, mas mesmo entre estes poucos saberiam do que realmente se tratava.

    Jornal de Letras | 24.Dez.2003

    Ler Mais