Em tempo de Natal

b_500_400_16777215_00_images_geral_d_nat3.jpg

Em tempo de Natal, as leis e os tribunais ficam um pouco como os pombos: aceitam aquilo que lhes dão e procuram não ser muito severos com a aplicação da justiça. Além disso, como toda a gente sabe, é preciso ser-se complacente de vez em quando e o Natal serve às mil maravilhas para demonstrar que afinal somos todos boa gente, carregadinha de senti­mentos. Pois.

Benjamim tem pouco mais de 20 anos, cabelo à Bo Derek, é estudante de Biologia. Nasceu em Cabo Verde e vive no Alto de Santo Amaro, onde joga basquetebol nos tempos livres. Esta é a primeira vez que vem a tribunal, coisas que acontecem: durante um jogo do fim-de-semana esteve prestes a ser desclassificado com as cinco faltas da ordem. O árbitro tem as suas opiniões, Benjamim não concorda, gera-se uma cena mais ou menos violenta e pouco desportiva.

– Estava debaixo de uma grande tensão... – explica Benjamim.

Pois é. O juiz franze o sobrolho, que um bom desportista tem de saber controlar-se, está a ver o que você arranjou.

Palavra para aqui, jus­tificação para ali, «um homem às vezes des­controla-se», até que o árbitro sovado entra em campo, isto é, na sala de audiências, e conta como foi. Benjamim confirma as agressões, diz que não foi premeditado. O juiz pergunta ao agredido se quer perdoar ou se mantém a queixa, mas árbitros são árbitros e murros são murros. A queixa continua válida e «que se faça justiça».

O juiz encolhe os ombros, afinal de contas o ofendido está no seu pleno direito de prosseguir.

– O que não quer dizer que em boa ética desportiva não fosse de perdoar...

Segue-se a sentença: quarenta dias de prisão e seis de multa a 50 escudos ou, em alternativa, mais quatro dias de prisão, além de mil escudos ao árbitro. Mas como é delinquente primário fica com a pena suspensa por dois anos, desde que pague a milena ao ofendido no prazo de um mês.

«E não se meta noutra, veja lá...»

O Diário | 26.Dez.1980

Mais sugestões de leitura

  • Mãos de falaOpen or Close

    Tem uns olhos grandes, profundos, penetrantes. E as mãos. As mãos que, em palco, criam um espaço próprio dentro do cenário, tornam-se, à conversa, num elemento do diálogo, tão intenso como cada vocábulo, cada sorriso, cada momento. Tem uns olhos grandes e chama-se Juliette Greco. Ou Jujube, segundo a sua autobiografia. É uma latina orgulhosa, e canta. Boris Vian, Jacques Brel, Prèvet, Ferré. “Canto sempre aquilo de que gosto e, por isso, não tenho canções preferidas”, frisa.

    Ler Mais
  • Histórias de Resistência e LiberdadeOpen or Close

    Uma História de Resistência, Uma História de Liberdade são dois textos que acompanham a edição em DVD do documentário de Joaquim Vieira "Maior Que o Pensamento", sobre a vida e obra de José Afonso.

    Maior Que o Pensamento
    RTP | Levoir | Público 2015

    Ler Mais
  • Alberto PimentaOpen or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Não se pode viver sem UtopiaOpen or Close

    Em meados dos anos 80, o PSR deu passos decisivos para restituir à Esquerda o brilho e a criatividade esmorecidos na ressaca pós-revolucionária. O mensário Combate tornou-se, então, uma importante tribuna de debate de ideias, aberta a homens e mulheres de várias sensibilidades da Esquerda portuguesa não-alinhada, que propiciou a introdução de uma nova linguagem no léxico da esquerda portuguesa. Este livro é uma colectânea de textos, de diversos autores, publicados no Combate entre 1986 e 1998. E também dá azo a revisitar dois amigos dos insubstituíveis: Fernando Assis Pacheco e Júlio Pinto.

    Não se pode viver sem Utopia
    Edições Combate 2008

    Ler Mais