À descoberta do Arco

b_500_400_16777215_00_images_geral_txtarco01.jpg

Mais de meia centena de pessoas participou na visita ao interior do Arco da Rua Augusta que ontem se realizou, no âmbito dos já habituais «passeios de domingo» que o Centro Nacional de Cultura promove regularmente.

Durante pouco mais de uma hora os curiosos foram postos ao corrente da história do Arco e dos pormenores arquitectónicos que determinaram a obra tal como nós a conhecemos – mas que poderia ser bem diferente, não fossem as interrupções que a sua construção foi sofrendo.

De facto, embora iniciado em 1755, o Arco só ficaria concluído mais de um século depois, em 1873, o que originou as desigualdades existentes no conjunto, nomeadamente na parte superior, cuja grandiosidade contrasta com as linhas simples do resto da Praça.

O Arco da Rua Augusta é o único de feição triunfal existente em Lisboa. O projecto inicial deve-se ao arquitecto Veríssimo José da Costa e o grupo alegórico do topo, representando a Glória coroando o Génio e o Valor, foi concebido por Célestin Anatole Calmeis, escultor francês que viveu em Portugal desde meados do século XIX até à sua morte, em 1906, e que é também o autor do monumento ao rei D. Pedro IV, no Porto. As duas figuras laterais do Arco, simbolizando o Douro e o Tejo, bem como as estátuas de Nuno Álvares e Viriato (à esquerda) e do Marquês do Pombal e Vasco da Gama (à direta), foram realizadas por Vítor Bastos.

Estes e outros pormenores foram explicados aos visitantes por Fernando Castelo Branco, que serviu de guia durante o passeio de ontem. Quem sabia, por exemplo, que a Sala do Arco – ocupando todo o interior do único piso ali existente, ao cimo de algumas dezenas de degraus – esteve em tempos para ser um museu? Ou que o seu monumental relógio foi construído por Manoel Francisco Gousinha, relojoeiro mecânico de Almada, segundo mais a respectiva placa de identificação?

b_500_400_16777215_00_images_geral_txtarco03.jpg

A zona do Terreiro do Paço, encimada pelo Arco da Rua Augusta, constitui um dos pontos de maior interesse turístico e arquitectónico da capital. Segundo opiniões de especialistas nacionais e estrangeiros, trata-se de uma das mais belas praças do mundo. Martin Sharp Hume, historiador inglês dos princípios do século XX, disse dela que «é a mais importante praça pública da Europa, com excepção talvez da Praça da Concórdia, em Paris».

Edificada por ordens do Marquês do Pombal após o terramoto de 1755, a Praça do Comércio conhecida dos ingleses por Black Horse Square (Praça do Cavalo Negro) devido à estátua equestre de D. José, de autoria de Joaquim Machado de Castro, constitui ainda hoje o local por excelência dos serviços públicos. Ali funcionam alguns ministérios, o Supremo Tribunal de Justiça, a Cruz Vermelha. Ali também têm acontecido alguns dos mais importantes episódios da nossa História.

A designação de Terreiro do Paço remonta ao século XVI, quando D. Manuel mandou edificar naquele local um sumptuoso palácio, o Paço da Ribeira, mais tarde ampliado por D. João III e Filipe II. Do seu recheio fazia parte uma das mais valiosas bibliotecas reais da época, perdida, tal como o edifício, com o terramoto.

O célebre episódio de Miguel de Vasconcelos, atirado à rua pelos conjurados em 1 de Dezembro de 1640, passou-se no Paço da Ribeira. Miguel de Vasconcelos era um daqueles políticos de aviário que estão sempre ao lado do Poder o que, na circunstância, lhe valeu ser nomeado secretário de Estado às ordens do rei castelhano, representado em Portugal pela duquesa de Mântua, Margarida de seu nome.

Miguel foi executado sumariamente e o seu cadáver lançado de uma das janelas do Paço, como prova da vitória, enquanto Margarida, de outra janela, tentava ainda convencer o povo de que os Filipes eram boa gente e a revolução não passava de um engano.

O palácio e toda a zona circundante foi completamente destruído em 1755, pelo terramoto e a sua riqueza «engolida» pelas águas do Tejo. Das suas ruínas nasceu a actual Praça do Comércio, e o Cais das Colunas, a sul da praça, de onde se desfruta o belo panorama que o Tejo (ainda) oferece.

Praça do Comércio lhe chamou o Marquês, Terreiro do Paço ficou sempre na memória do povo. Nomes que, na verdade, pouco importam. Porque, chamem-lhe o que chamarem, é de Lisboa que se trata.

O Diário | 29.Dez.1980

Mais sugestões de leitura

  • O ovo da serpenteOpen or Close
    Notícia recente ouvida na TSF dava conta do peculiar «aconselhamento» que a polícia grega está fazer junto de cidadãos vítimas da crescente criminalidade produzida pelo agravamento generalizado das condições de vida da população. De acordo com a notícia, que cita uma reportagem do jornal britânico Guardian, agentes policiais helénicos estão a encaminhar queixas e queixosos para o partido neo-nazi que elegeu vários deputados nas últimas eleições, apresentando-se como «defensor do povo contra a escumalha imigrante».
    Jornal do Fundão | 11.Out.2012
    Ler Mais
  • O ano de (quase) todos os ZecasOpen or Close

    Com a edição de “Com As Minhas Tamanquinhas”, neste final de 2012, ficam desde já disponíveis oito das onze edições que integram o plano de remasterizações em curso da obra de José Afonso. Um “lote” que abrange a totalidade dos álbuns gravados para a editora Orfeu, de Arnaldo Trindade, entre 1968 e 1981, ou seja: onze discos de originais num total de 14, o “essencial” da obra gravada do cantor. O trabalho de remasterização, assinado por António Pinheiro da Silva – não só um dos mais competentes engenheiros de som do nosso País, mas também um músico atento – é por vezes surpreendente.

    QI | Diário de Notícias | 15.Dez.2012

    Ler Mais
  • O arco da governaçãoOpen or Close

    Trata-se de um curioso conceito gerado no seio do regime democrático, uma espécie de lei-de-murphy para totós segundo a qual o exercício do poder está reservado aos cérebros iluminados do PS, do PSD e, em caso de necessidade para arredondar as contas, do CDS. Não sei em que ignorado artigo da Constituição está escrito que o poder só pode ser exercido pela direita – ou pelo menos à direita, na vã suposição de que ainda reste ao PS uma qualquer vaga consciência original. Deve ser um dos muitos obscuros desígnios do Senhor, que já provou ser capaz de tudo.

    Ler Mais
  • As voltas do professorOpen or Close

    Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

    Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

    Ler Mais