A democracia do baralho

dembar2.jpg

Vivemos, ao que consta, num país democrático. Sui generis, sem dúvida, mas democrático. Mais do que isso: pluralista e cristão, como mandam as regras da convivência ocidental.

É claro que a revolução foi p'ró galheiro, graças à «originalidade». É claro que os pides, os bombistas e os ministros de Salazar se encontram em liberdade enquanto um punhado de antifascistas morre aos poucos nas prisões. É claro que a polícia de choque bate (para nos livrar da subversão), o Governo prepara leis pré-históricas (para defender a instituição) e o povo tem fome (para manter a tradição). Mas a essência da pátria mantém-se democrática, encantadora, bem portuguesa.

O leitor duvida? Maldade sua. Ainda há bem poucas semanas, o primeiro-ministro deu uma prova deste espírito, no decorrer de uma breve e inesperada visita que efectuou, de passagem, ao lugar do Soalhal, na vila de Ílhavo. Do facto nos dá conta uma breve notícia publicada no jornal da terra, que refere a presença de Pinto Balsemão numa taberna da localidade, onde conversou com alguns dos presentes «que se entretinham, para passar o tempo, a jogar a sueca».

Segundo a folha ilhavense, o chefe do Governo demonstrou «a maior simplicidade, conversou com os assistentes, perguntou, indagou e, confraternizando, quis beber ‘vinho do lavrador’ com as pessoas que lá se encontravam e com os seus acompanhantes. (...) Passado cerca de meia hora, os visitantes retiraram-se, tendo o dr. Pinto Balsemão pago todas as despesas e prometido que enviaria baralhos de cartas, para substituir as já muito usadas pelos jogadores.»

Acrescenta a notícia que, algum tempo depois, o proprietário do estabelecimento em causa recebeu uma carta, assinada pelo chefe do gabinete de Balsemão, através da qual o primeiro-ministro agradecia «os bons momentos que lhe proporcionaram neste curto mas agradável convívio e a forma como o receberam». Junto vinham dois novíssimos baralhos. Comentário final – e convicto – do articulista: «Ora isto sim, é que é democracia.»

Cá por mim, nem sequer me atrevo a duvidar. É, de facto, uma democracia do baralho.

O Jornal | 2.Jul.1982

Mais sugestões de leitura

  • Grândola no mundoOpen or Close

    Grândola no mundo, a várias vozes e em diferentes ritmos.

    Porque Abril também se canta em estrangeiro.

    Ler Mais
  • A história incrível de Matías PerezOpen or Close

    Há 150 anos, um comerciante português a viver em Havana subiu aos céus num balão e (...) deu origem a uma expressão popular que ainda hoje se utiliza em Cuba: «Voou como Matías Pérez».

    O Independente | 2000

    Ler Mais
  • Cantigas de antes do MaioOpen or Close

    «Quando se caminha para a frente ou para trás, ao longo dos dicionários, vai-se desembocar na palavra Terror», escrevia, então, Herberto Helder. Nesse tempo de silêncios são poucos os artistas que se erguem contra esta mansidão angustiada. (...) Fora de jogo, dispostos a arriscar e com vontade de abrir novos caminhos, meia dúzia de vozes isoladas fazem-se ouvir em lugares diferentes e de modos diversos: a poesia de Manuel Alegre e Fernando Assis Pacheco, a partir de Argel e Nambuangongo; as vozes claras de Adriano Correia de Oliveira e Manuel Freire, em Coimbra; José Mário Branco e Luís Cília, no exílio de Paris. E José Afonso, professor de liceu, cantor nas horas vagas e activista por conta própria.

    Introdução à reedição em CD de Baladas e Canções, de José Afonso | 1997

    Ler Mais
  • Um pássaro igual a tiOpen or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais