Para acabar de vez com a decência

Longe vai o tempo do fado à solta em Alfama e na Madragoa, vadio e real como a amargura. A civilização ocupou as ruas e os becos, transformou as tascas em restaurantes e «pubs», iluminou a noite com vidrinhos coloridos, transformou as violas e as guitarras em potentes estereofonias.
Do fado livre e vadio restam um ou dois sítios no Bairro Alto e a memória dos mais velhos. E restam as fantasias, os mistérios e as solidões do nosso quotidiano, sonhos apressados de pequena metrópole.

Hoje, Lisboa é assim. E mesmo a noite, eterno refúgio dos boémios que teimam em continuar vivos, mesmo ela começa a perder as cores naturais para se vestir com as «spot lights» da Lontra ou do MonteCara. E mesmo ai, correndo por vezes o risco de se vender às modas mais ou menos intelectuais (de esquerda, claro) que aparecem de quando em quando, em surtos, como a gripe. Claro que nem tudo é desesperante. Para os apreciadores do verdadeiro «entretenimento», há o Michel, no «Cocote» e no «Musaico», onde também é possível ver e ouvir esse esplêndido chileno chamado Julián del Valle.

O Julián, exilado antifascista, é, actualmente, um dos músicos mais repartidos pelas salas vaso-dilatadoras desta Lisboa. No «Musaico», no «J'Aime», no «Romance de Cordel» ou no «Peanuts» da Cova da Piedade, ele insiste. Com músicas de Violeta Parra, Atahualpa Yupanki, Victor Jara e dele próprio, Julian del Valle oferece-nos um pouco da alma e da luta da sua América Latina. Da mesma América Latina onde Sérgio Godinho se encontra prisioneiro em nome da «justiça» brasileira.

Nos fins-de-semana do «Bate Papo», canta o António Carlos Martins. É o culto de Chico Buarque e de Caetano Veloso. Colonização cultural? Talvez. A música vale a pena, embora fosse preferível que o António Carlos partisse à descoberta do nosso próprio país. Mas, se não conhece, deverá ir ver rapidamente.

Samuel e José Jorge Letria animam as quintas e sextas-feiras da «Clave de Tó», em Alfama, onde também se pode encontrar o Carlos Alberto Moniz e a sua «música p'ra pular portuguesa». Para quem goste. Se prefere o Country, vá ao Malanga e ouça a Nani. Acredite que vale a pena. Os amantes do jazz têm um espaço próprio, o Hot Clube, enquanto os defensores do fado terão que optar entre as «casas típicas» do Bairro Alto (e, aqui, muito cuidado que o «plástico» abunda) ou as duas ou três tasquinhas teimosas que por ali há. Uma sugestão: vá à «Mascote», na Rua da Barroca, onde a cantiga (ainda) pode acompanhar-se com um tintinho dos verdadeiros.

E, para fim de noite, há o Monte Cara, claro. O Bana lá estará, com o calor das «mornas» de Cabo Verde, para cantar e fazer cantar.
As hipóteses de escolha são muitas, mas nem sempre sedutoras, é verdade. Tentemos, portanto, enfrentar o que ainda existe dessa noite sonhadora, refúgio de uma solidão cada vez mais alargada e mais triste. Torça-se o pescoço à decência. Acabe-se com a «vergonha». Porque vai sendo tempo de acabar com os excessos de «moral» que andam por este Pais.

Se7e | 8.Dez.1982

Mais sugestões de leitura

  • O Andarilho na ImprensaOpen or Close

    (...) um testemunho empenhado e emotivo não apenas sobre a obra e a personalidade admiráveis do autor de Grândola, Vila Morena mas também sobre o estado de espírito que por algum tempo dominou os seus companheiros de aventuras em meados da década de 80. (Jorge P. Pires)

    Ler Mais
  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais
  • Cantigas de antes e depois de AbrilOpen or Close

    «Grândola, vila morena / Terra da fraternidade / O povo é quem mais ordena / Dentro de ti, ó cidade...» Vinte minutos passados sobre a meia-noite, os versos iniciais da canção de José Afonso fizeram-se ouvir por todo o país. Através do programa Limite, a Rádio Renascença entrava para a história como a estação de rádio que transmitia a confirmação para a saída dos quartéis dos militares que se preparavam para derrubar a mais velha ditadura da Europa. Era o princípio do fim de 48 anos de um regime político obtuso, nascido entre gritos e lágrimas, mas destinado a terminar no meio de uma grande festa.

    Introdução a E Depois do Adeus, antologia de canções | 2007

    Ler Mais
  • Crime e castigoOpen or Close

    A notícia da detenção, em Londres, do antigo ditador chileno Augusto Pinochet tornou-se no principal acontecimento deste fim-de-semana – e por pouco não conseguiu secundarizar o discurso de duas horas e meia de Fidel Castro no comício de solidariedade com Cuba, em Matosinhos.

    RCS | 19.Out.1998

    Ler Mais