Para acabar de vez com a decência

Longe vai o tempo do fado à solta em Alfama e na Madragoa, vadio e real como a amargura. A civilização ocupou as ruas e os becos, transformou as tascas em restaurantes e «pubs», iluminou a noite com vidrinhos coloridos, transformou as violas e as guitarras em potentes estereofonias.
Do fado livre e vadio restam um ou dois sítios no Bairro Alto e a memória dos mais velhos. E restam as fantasias, os mistérios e as solidões do nosso quotidiano, sonhos apressados de pequena metrópole.

Hoje, Lisboa é assim. E mesmo a noite, eterno refúgio dos boémios que teimam em continuar vivos, mesmo ela começa a perder as cores naturais para se vestir com as «spot lights» da Lontra ou do MonteCara. E mesmo ai, correndo por vezes o risco de se vender às modas mais ou menos intelectuais (de esquerda, claro) que aparecem de quando em quando, em surtos, como a gripe. Claro que nem tudo é desesperante. Para os apreciadores do verdadeiro «entretenimento», há o Michel, no «Cocote» e no «Musaico», onde também é possível ver e ouvir esse esplêndido chileno chamado Julián del Valle.

O Julián, exilado antifascista, é, actualmente, um dos músicos mais repartidos pelas salas vaso-dilatadoras desta Lisboa. No «Musaico», no «J'Aime», no «Romance de Cordel» ou no «Peanuts» da Cova da Piedade, ele insiste. Com músicas de Violeta Parra, Atahualpa Yupanki, Victor Jara e dele próprio, Julian del Valle oferece-nos um pouco da alma e da luta da sua América Latina. Da mesma América Latina onde Sérgio Godinho se encontra prisioneiro em nome da «justiça» brasileira.

Nos fins-de-semana do «Bate Papo», canta o António Carlos Martins. É o culto de Chico Buarque e de Caetano Veloso. Colonização cultural? Talvez. A música vale a pena, embora fosse preferível que o António Carlos partisse à descoberta do nosso próprio país. Mas, se não conhece, deverá ir ver rapidamente.

Samuel e José Jorge Letria animam as quintas e sextas-feiras da «Clave de Tó», em Alfama, onde também se pode encontrar o Carlos Alberto Moniz e a sua «música p'ra pular portuguesa». Para quem goste. Se prefere o Country, vá ao Malanga e ouça a Nani. Acredite que vale a pena. Os amantes do jazz têm um espaço próprio, o Hot Clube, enquanto os defensores do fado terão que optar entre as «casas típicas» do Bairro Alto (e, aqui, muito cuidado que o «plástico» abunda) ou as duas ou três tasquinhas teimosas que por ali há. Uma sugestão: vá à «Mascote», na Rua da Barroca, onde a cantiga (ainda) pode acompanhar-se com um tintinho dos verdadeiros.

E, para fim de noite, há o Monte Cara, claro. O Bana lá estará, com o calor das «mornas» de Cabo Verde, para cantar e fazer cantar.
As hipóteses de escolha são muitas, mas nem sempre sedutoras, é verdade. Tentemos, portanto, enfrentar o que ainda existe dessa noite sonhadora, refúgio de uma solidão cada vez mais alargada e mais triste. Torça-se o pescoço à decência. Acabe-se com a «vergonha». Porque vai sendo tempo de acabar com os excessos de «moral» que andam por este Pais.

Se7e | 8.Dez.1982

Mais sugestões de leitura

  • Vasco GonçalvesOpen or Close

    Entre 18 de Junho de 1974 e 12 de Setembro de 1975, foi o Primeiro-Ministro de Portugal, e esse foi o tempo mais gratificante da sua vida. Aos 452 dias iluminados que então viveu, mais de dez mil horas quase todas vividas de olhos abertos, juntem-se-lhe todos os outros e as noites e as madrugadas acesas que fizeram o ano e meio da Revolução. (...) Vasco, o Companheiro Vasco, foi o único ocupante do Palácio de São Bento a quem o povo concedeu o gosto de tratar pelo nome próprio. Os adversários e os inimigos vingaram-se, inventando o gonçalvismo – tentanto resumir num homem aquilo que para eles era a fonte de todos os medos, mas que mal ou bem nascia dos mais puros anseios de um povo que, pela primeira vez na história recente, tinha como chefe do Governo um homem que o escutava e, mais importante, o compreendia.

    Ler Mais
  • Vaticano, SAOpen or Close

    A Pepsi e a Mercedes são duas das 23 empresas que custearam a mais recente viagem do Papa ao continente americano. Não tanto por fé em Deus, mas no Mercado, omnipresente como Ele. A notícia surgiu timidamente, diluída nos relatos da mais recente visita papal ao México, com passagem pelos EUA, como se os redactores e os editores dos diversos órgãos de comunicação não levassem muito a sério o facto em si e decidissem reduzi­-lo a um simples pormenor. E, no entanto, este pormenor é que é verdadeiramente a notícia da visita de Karol Woytila ao México. Uma visita que (ficámos a sabê-lo pela Antena 1 e pelo Diário de Notícias, dos poucos que ousaram dar conta do sucedido) contou com "o patrocínio da Pepsi Cola, da Mercedes e de mais 23 empresas privadas". Assim mesmo.

    Grande Amadora | 28.Jan.1999

    Ler Mais
  • Um sonho para cumprirOpen or Close

    Há pessoas assim: capazes de observar e transformar a realidade à medida das utopias e dos desejos, conhecedores profundos da natureza humana, das suas contradições e fragilidades.

    Américo Teles – In Memoriam
    Edição GAMI 1990

    Ler Mais
  • O legado de um andarilhoOpen or Close

    As Voltas de um Andarilho – Fragmentos da vida e obra de José Afonso de Viriato Teles: eis um documento raro sobre um sonho agarrado à vida concreta, firmado no telurismo português e braços estendidos a outros lugares do mundo onde despontava a utopia; uma voz sobre uma das vozes da resistência ao fascismo, que rasgou as sombras e iluminou quem nelas vivia; um diálogo entre gerações sobre «o que faz falta», o idealismo, a persistência na luta pela Liberdade.

    Ler Mais