Isabel e a medalha

icarmo1.jpg

Nasceu no Barreiro, numa família marcada pelos valores da liberdade e do antifascismo. O pai, João do Carmo, era poeta e activista dos círculos locais de combate à ditadura. Dele herdou, talvez, o amor pelo sonho e o sabor da utopia, que a acompanham desde sempre. Tal como a vontade de ser útil, e participante activa nas lutas sociais e políticas do seu tempo.

Salazar eternizava-se no poder, e Portugal atrofiava na pequenez opressiva desses tempos. Muito cedo, Isabel do Carmo compreendeu que era tempo de agir: aos 17 anos já lutava contra a ditadura, e a Crise Académica de 1962 deu-lhe as primeiras notas de protagonismo.

Mas as formas de resistência que então se praticavam eram-lhe insuficientes. O alinhamento pró-soviético do PCP não lhe agrada, mas também não se revê nas correntes maoístas e trotskistas que começam a surgir. E é assim que, em 1970, ela está na primeira linha da criação das Brigadas Revolucionárias, ao lado de Carlos Antunes, que mais tarde há-de tornar-se o seu companheiro de muitos anos.

Depois veio Abril, e abriu-se a porta de todos os desejos. A poesia está na rua, e Isabel está com ela. Faz parte da direcção do PRP, força política que aposta nas organizações de base, nos movimentos de trabalhadores e de soldados, nas ocupações de fábricas e de casas.

Anos depois, vai pagar o preço desse empenhamento, cumprindo quatro anos de prisão no primeiro grande processo político em tempo de democracia. Acabou por ser absolvida de todas as acusações, mas pelo caminho ficaram as marcas de um período doloroso: o filho, Sérgio, passa os primeiros anos de vida em Custóias, ao lado da mãe; a filha, Isabel como ela, está na escola primária e assiste, impotente, à odisseia do cárcere, das greves de fome e do julgamento.

A família volta a reunir-se após a libertação de Isabel do Carmo e Carlos Antunes, em 1982. O processo arrasta-se em tribunal por mais alguns anos, mas Isabel não desiste de lutar por aquilo em que acredita. Envolve-se com movimentos alternativos, ecologistas e pacifistas. Escreve livros, relata as suas experiências. Completa o doutoramento e torna-se uma voz respeitada e escutada no meio científico.

Nos últimos anos, Isabel do Carmo dedicou-se sobretudo à Medicina, mas continua a estar atenta e a participar na vida social e política do país. Hoje, como nos anos quentes, acredita que mais vale lutar por uma causa perdida do que não ter causa nenhuma.

Trinta anos depois de Abril, o país está em paz com o passado, pelo menos o suficiente para reconhecer o contributo de pessoas como Isabel do Carmo na conquista da democracia. O Presidente da República distingue-a com a Ordem da Liberdade, numa cerimónia onde volta a ser protagonista sem querer. Porque, afinal, as vozes insubmissas nunca deixam de ser incómodas.

Sic 10 Horas | 5.Mai.2004

Mais sugestões de leitura

  • ReservaZitaOpen or Close

    Os vinhos anunciados estão longe de ser excepcionais, mas pelos vistos também não envergonham ninguém. Nem Zita Seabra, a antiga dissidente comunista reconvertida a bolseira da Jerónimo Martins - embora há muito se saiba que a vergonha não é um dos seus atributos. Ex-antifascista, ex-estalinista, ex-comungada e futura ex-neoliberal, a eclética e atlética figura ocupa agora o lugar de destaque na mais recente campanha publicitária do Pingo Doce.

    Ler Mais
  • As voltas do professorOpen or Close

    Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

    Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

    Ler Mais
  • O último ano antes da liberdadeOpen or Close

    Em Agosto de 1973, poucos em Portugal se atreviam a imaginar que aquele Verão morno seria o último passado em clima de ditadura. Não fosse o cinzentismo geral que então caracterizava o país, e os adolescentes de há 40 anos até teriam algumas razões para se sentir satisfeitos.

    QI | Diário de Notícias | 3.Ago.2013

    Ler Mais
  • Da importância de agitar a maltaOpen or Close

    Os dias e os meses que se seguiram à Revolução de Abril deixaram uma marca de empenhamento na música portuguesa que ainda hoje se faz sentir. A canção de intervenção revisistada por Joaquim Vieira no documentário "A Cantiga Era Uma Arma".

    A Cantiga Era Uma Arma
     RTP | Levoir | Público 2016

    Ler Mais