Isabel e a medalha

icarmo1.jpg

Nasceu no Barreiro, numa família marcada pelos valores da liberdade e do antifascismo. O pai, João do Carmo, era poeta e activista dos círculos locais de combate à ditadura. Dele herdou, talvez, o amor pelo sonho e o sabor da utopia, que a acompanham desde sempre. Tal como a vontade de ser útil, e participante activa nas lutas sociais e políticas do seu tempo.

Salazar eternizava-se no poder, e Portugal atrofiava na pequenez opressiva desses tempos. Muito cedo, Isabel do Carmo compreendeu que era tempo de agir: aos 17 anos já lutava contra a ditadura, e a Crise Académica de 1962 deu-lhe as primeiras notas de protagonismo.

Mas as formas de resistência que então se praticavam eram-lhe insuficientes. O alinhamento pró-soviético do PCP não lhe agrada, mas também não se revê nas correntes maoístas e trotskistas que começam a surgir. E é assim que, em 1970, ela está na primeira linha da criação das Brigadas Revolucionárias, ao lado de Carlos Antunes, que mais tarde há-de tornar-se o seu companheiro de muitos anos.

Depois veio Abril, e abriu-se a porta de todos os desejos. A poesia está na rua, e Isabel está com ela. Faz parte da direcção do PRP, força política que aposta nas organizações de base, nos movimentos de trabalhadores e de soldados, nas ocupações de fábricas e de casas.

Anos depois, vai pagar o preço desse empenhamento, cumprindo quatro anos de prisão no primeiro grande processo político em tempo de democracia. Acabou por ser absolvida de todas as acusações, mas pelo caminho ficaram as marcas de um período doloroso: o filho, Sérgio, passa os primeiros anos de vida em Custóias, ao lado da mãe; a filha, Isabel como ela, está na escola primária e assiste, impotente, à odisseia do cárcere, das greves de fome e do julgamento.

A família volta a reunir-se após a libertação de Isabel do Carmo e Carlos Antunes, em 1982. O processo arrasta-se em tribunal por mais alguns anos, mas Isabel não desiste de lutar por aquilo em que acredita. Envolve-se com movimentos alternativos, ecologistas e pacifistas. Escreve livros, relata as suas experiências. Completa o doutoramento e torna-se uma voz respeitada e escutada no meio científico.

Nos últimos anos, Isabel do Carmo dedicou-se sobretudo à Medicina, mas continua a estar atenta e a participar na vida social e política do país. Hoje, como nos anos quentes, acredita que mais vale lutar por uma causa perdida do que não ter causa nenhuma.

Trinta anos depois de Abril, o país está em paz com o passado, pelo menos o suficiente para reconhecer o contributo de pessoas como Isabel do Carmo na conquista da democracia. O Presidente da República distingue-a com a Ordem da Liberdade, numa cerimónia onde volta a ser protagonista sem querer. Porque, afinal, as vozes insubmissas nunca deixam de ser incómodas.

Sic 10 Horas | 5.Mai.2004

Mais sugestões de leitura

  • Para que te serve a línguaOpen or Close

     

    A língua é um instrumento de prazer. Por vezes doce, por vezes amarga. Para usar e abusar. Para aceitar e para recusar. Para dizer. Para amar. Para mentir. Para lutar. Para viver.

    Ler Mais
  • Ler, ouvir e contarOpen or Close

    De todos os registos discográficos editados este ano em Portugal, poucos terão suscitado tão grande expectativa como «A Ópera Mágica do Cantor Maldito». Desde logo pelos nove anos que o separam do anterior disco de originais de Fausto, «Crónicas da Terra Ardente», mas também pelo sigilo que rodeou a sua preparação. Na verdade, só mesmo os amigos mais próximos do compositor sabiam há muito que havia um novo trabalho na forja, mas mesmo entre estes poucos saberiam do que realmente se tratava.

    Jornal de Letras | 24.Dez.2003

    Ler Mais
  • A magia da criaçãoOpen or Close

    Luísa Amaro é como se chama a mulher que dá vida e alma a estas músicas, seguida de perto por Miguel Carvalhinho. Habituámo-nos a ouvir a guitarra portuguesa tocada por mãos viris, mas o que aqui se nos revela é um lado outro desse instrumento delicado, talvez aquilo que explica o segredo dos mestres, sabedores de que a guitarra é um ser sensível, guardador de muitas emoções, nem sempre ao alcance da vontade de quem a toca.

    Introdução ao CD Canção para Carlos Paredes de Luísa Amaro | 2004

    Ler Mais
  • Amor sem palavrasOpen or Close

    (...) quando se converte num mito um homem que foi justo, honesto, valente, está-se a separá-lo das pessoas. E o meu pai era um homem, de carne e osso, com virtudes e defeitos como toda a gente. Era um homem muito completo, talvez um homem único, mas como homem que era pode ser imitado, pode ser igualado e pode ser superado. É difícil fazê-lo, reconheço, em algumas coisas será praticamente impossível. Mas, como é tão humano como eu, está ao meu nível e eu posso fazê-lo se a isso me propuser. Se se converte simplesmente em algo para adorar, já se afasta dos homens por quem ele viveu e morreu. E isso eu gostava que nunca acontecesse.

    Ler Mais