Isabel e a medalha

icarmo1.jpg

Nasceu no Barreiro, numa família marcada pelos valores da liberdade e do antifascismo. O pai, João do Carmo, era poeta e activista dos círculos locais de combate à ditadura. Dele herdou, talvez, o amor pelo sonho e o sabor da utopia, que a acompanham desde sempre. Tal como a vontade de ser útil, e participante activa nas lutas sociais e políticas do seu tempo.

Salazar eternizava-se no poder, e Portugal atrofiava na pequenez opressiva desses tempos. Muito cedo, Isabel do Carmo compreendeu que era tempo de agir: aos 17 anos já lutava contra a ditadura, e a Crise Académica de 1962 deu-lhe as primeiras notas de protagonismo.

Mas as formas de resistência que então se praticavam eram-lhe insuficientes. O alinhamento pró-soviético do PCP não lhe agrada, mas também não se revê nas correntes maoístas e trotskistas que começam a surgir. E é assim que, em 1970, ela está na primeira linha da criação das Brigadas Revolucionárias, ao lado de Carlos Antunes, que mais tarde há-de tornar-se o seu companheiro de muitos anos.

Depois veio Abril, e abriu-se a porta de todos os desejos. A poesia está na rua, e Isabel está com ela. Faz parte da direcção do PRP, força política que aposta nas organizações de base, nos movimentos de trabalhadores e de soldados, nas ocupações de fábricas e de casas.

Anos depois, vai pagar o preço desse empenhamento, cumprindo quatro anos de prisão no primeiro grande processo político em tempo de democracia. Acabou por ser absolvida de todas as acusações, mas pelo caminho ficaram as marcas de um período doloroso: o filho, Sérgio, passa os primeiros anos de vida em Custóias, ao lado da mãe; a filha, Isabel como ela, está na escola primária e assiste, impotente, à odisseia do cárcere, das greves de fome e do julgamento.

A família volta a reunir-se após a libertação de Isabel do Carmo e Carlos Antunes, em 1982. O processo arrasta-se em tribunal por mais alguns anos, mas Isabel não desiste de lutar por aquilo em que acredita. Envolve-se com movimentos alternativos, ecologistas e pacifistas. Escreve livros, relata as suas experiências. Completa o doutoramento e torna-se uma voz respeitada e escutada no meio científico.

Nos últimos anos, Isabel do Carmo dedicou-se sobretudo à Medicina, mas continua a estar atenta e a participar na vida social e política do país. Hoje, como nos anos quentes, acredita que mais vale lutar por uma causa perdida do que não ter causa nenhuma.

Trinta anos depois de Abril, o país está em paz com o passado, pelo menos o suficiente para reconhecer o contributo de pessoas como Isabel do Carmo na conquista da democracia. O Presidente da República distingue-a com a Ordem da Liberdade, numa cerimónia onde volta a ser protagonista sem querer. Porque, afinal, as vozes insubmissas nunca deixam de ser incómodas.

Sic 10 Horas | 5.Mai.2004

Mais sugestões de leitura

  • O pecado da invejaOpen or Close

    Quando o Criador distribuiu os pecados pelo mundo, nem todos os povos tiveram a mesma sorte: aparentemente, a preguiça coube aos espanhóis, os franceses ficaram com a gula (apesar da nouvelle cuisine), os ingleses com a soberba, escoceses e judeus com a avareza; a ira foi para gregos e troianos, sérvios e macedónios, tártaros e mongóis, acabando por tornar-se um pecado transversal a quase todos os povos, ainda que – felizmente – nem sempre ao mesmo tempo; quanto à luxúria, ficou para as nórdicas, claro, mas também para os brasileiros, os italianos e outros mentirosos. Nesta repartição de defeitos calhou aos portugueses ficar com a inveja.

    Zoot | Primavera 2007

    Ler Mais
  • O ovo da serpenteOpen or Close
    Notícia recente ouvida na TSF dava conta do peculiar «aconselhamento» que a polícia grega está fazer junto de cidadãos vítimas da crescente criminalidade produzida pelo agravamento generalizado das condições de vida da população. De acordo com a notícia, que cita uma reportagem do jornal britânico Guardian, agentes policiais helénicos estão a encaminhar queixas e queixosos para o partido neo-nazi que elegeu vários deputados nas últimas eleições, apresentando-se como «defensor do povo contra a escumalha imigrante».
    Jornal do Fundão | 11.Out.2012
    Ler Mais
  • Cantando e Rindo - O humor na MPPOpen or Close

    Está comprovado cientificamente que o sentido de humor tem numerosos benefícios para a saúde física e mental dos humanos: «Quando rimos, há uma reacção química no nosso cérebro que proporciona uma sensação de bem-estar, clareza de ideias e uma atenuação da dor», explicam os médicos. O humor também reduz o stress e provou-se que dez minutos de gargalhadas têm sobre o nosso corpo o efeito de cem voltas numa máquina de exercícios de ginásio. Os cientistas afirmam ainda que algumas células do sistema imunitário são activadas com o riso, que também ajuda à sua reprodução mais rápida.

    Cantando e Rindo - O Humor na MPP
    CMA 2002

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais