O homem que aprendeu a voar

jlp2.jpg

Um dos sítios mais bonitos do meu mundo fica nas Astúrias, numa aldeia de Villaviciosa, a norte da Cordilheira Cantárbica, aonde se chega atravessando longos quilómetros de túneis e de névoa. Perdida entre as montanhas e o mar, que não se vê dali mas está perto, Labares é um pedaço escondido do paraíso, deixado intacto pelo Criador para lembrar aos homens que é possível viver em harmonia.

Ali, por artes que só os locais conhecem, a maçã do pecado original transforma-se na mais saborosa sidra de que há conhecimento. O segredo não está tanto na bebida em si, mas nos rituais mágicos que a acompanham e que fazem das bodegas da região verdadeiros locais de celebração da amizade e de partilha de afectos, simbolizada no copo que roda entre os presentes e de que se verte sempre o resíduo final, em jeito de deferência para com o bebedor seguinte. Disso sabe o velho Manolín, grande figura de Villaviciosa e conhecedor como poucos de todos os mistérios líquidos do principado, com quem erguemos a primeira taça.

Estamos com José Luis Posada*, cubano nascido nas Astúrias, lutador lendário, pintor em plena actividade e homem de muitas memórias que reencontrei em Labares. Foi aqui, numa antiga escola primária, com vista para uma paisagem de montes e de silêncios, que Posada construiu o seu lugar de recolhimento do mundo, após 70 anos de andanças e de sonhos. Em Labares guarda as suas lembranças originais, sem rancor mas com nitidez. Muita da sua pintura regista as imagens e as sombras da guerra civil, metade da aldeia fuzilada pelas tropas franquistas, a fuga com o pai, soldado republicano, primeiro para França, depois para Cuba, junto com centenas de outros refugiados.

Só voltou a Espanha depois da morte de Franco, era então já um cubano assumido e orgulhoso, nome feito nas artes do seu país de adopção e projectado além fronteiras, a vida cheia de histórias. Agora, José Luis Posada passa alguns meses por ano em Villaviciosa e o resto do tempo em Havana. E não se arrepende de nada do que fez: os amores que teve, as opções de vida, as lutas a que se entregou. Podia ter sido um rico homem de negócios, mas preferiu ser pintor. Militante da frontalidade, disse sempre o que pensava, mesmo quando os burocratas tentaram dar outro rumo à revolução de que se orgulha e em que participou.

Posada fala-me das suas histórias sem artifícios nem falsas grandezas, mas com a consciência de quem sente que fez o que tinha a fazer. Por isso não abdica de ser um homem de dois lugares, ambos seus por direito e por afecto. Em Villaviciosa convive com Manolín e outros amigos que cultiva com empenho, mas pode passar dias a fio sozinho, a pintar ou simplesmente a olhar em volta. Em Havana vive de modo semelhante, no seu apartamento da Praça da Catedral, onde tem por vizinhos Gabriel García Márquez e La Bodeguita del Medio, o mais famoso bar das Caraíbas. Por isso conhece tão bem os segredos do arroz moro, base da cozinha cubana, como os da fabada, orgulho da gastronomia asturiana.

É sabido que pertencemos aos lugares onde nos sentimos bem. Em Labares ou em Havana, Posada está bem porque é um homem tranquilo. Ele sabe que o mundo já não é o que era, está consciente de que o tempo do sonho acabou e de que os vindouros vão enfrentar lutas ainda mais difíceis do que as dele. E reconhece, olhando para o que viveu junto dos seus: «Fizemos muitas coisas tontas, fomos ingénuos, frequentemente falhámos...» Mas é com um brilhozinho nos olhos e uma tranquila firmeza, que o ouço rematar a conversa:

«Mas nós voámos!»

Tempo Livre | Maio 2002

* José Luís Posada nasceu em Villaviciosa, Astúrias, a 10/2/1929, e faleceu em San Antonio de los Baños, Cuba, a 25/1/2002

Mais sugestões de leitura

  • Pipi de camarãoOpen or Close

    Mais de 15 toneladas de supostas moelas de galinha estão, desde a passada segunda-feira, retidas no porto de Leixões por suspeita de serem oriundas de Hong Kong, segundo noticiou ontem o Público.
    De acordo com a notícia, um total de 15 mil 447 quilos de miúdos de frango terão sido descarregados de um navio vindo de Roterdão e foram retidas pelas autoridades portuguesas por suspeita de estarem contaminados com o virus H5 N1, responsável pelo recente surto da chamada «gripe das aves» que provocou vários mortos em Hong Kong.
    Notícia posterior, divulgada ontem à tarde por algumas estações de rádio, revelava que, afinal, as moelas eram camarões e a sua origem era a Améria do Sul e não a antiga colónia britânica na China.

    TSF | 7.Jan.1998

    Ler Mais
  • À descoberta do ArcoOpen or Close
    Quem sabia, por exemplo, que a Sala do Arco – ocupando todo o interior do único piso ali existente, ao cimo de algumas dezenas de degraus – esteve em tempos para ser um museu? Ou que o seu monumental relógio foi construído por Manoel Francisco Gousinha, relojoeiro mecânico de Almada?
    O Diário | 29.Dez.1980
    Ler Mais
  • O ano de (quase) todos os ZecasOpen or Close

    Com a edição de “Com As Minhas Tamanquinhas”, neste final de 2012, ficam desde já disponíveis oito das onze edições que integram o plano de remasterizações em curso da obra de José Afonso. Um “lote” que abrange a totalidade dos álbuns gravados para a editora Orfeu, de Arnaldo Trindade, entre 1968 e 1981, ou seja: onze discos de originais num total de 14, o “essencial” da obra gravada do cantor. O trabalho de remasterização, assinado por António Pinheiro da Silva – não só um dos mais competentes engenheiros de som do nosso País, mas também um músico atento – é por vezes surpreendente.

    QI | Diário de Notícias | 15.Dez.2012

    Ler Mais
  • Uma voz do mundoOpen or Close

    «A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais. (...) A única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade. Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se. (...) E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!» Testemunho de António Victorino d'Almeida

    Ler Mais