O Parque da ilusão

Ainda não há muitos anos, qualquer forasteiro de passagem por Lisboa não conseguia divertir-se a sério sem passar pelo Parque Mayer. Durante décadas, este lugar vizinho da central Avenida da Liberdade foi a alma da boémia lisboeta. Actores e fadistas, coristas e intelectuais, jornalistas e vadios misturavam-se em doses desiguais nos teatros, bares e cabarets que davam cor àquele espaço.

As novas ofertas lúdicas entretanto colocadas à disposição dos lisboetas, ditaram o declínio do Parque, mas não mataram a sua mística. Espaço privilegiado do coração da cidade, tem despertado ciclicamente a cobiça dos especuladores imobiliários e também dos líderes políticos que, em cada disputa eleitoral, o usam como argumento no espectáculo da caça ao voto.

Ao longo dos tempos, o Parque foi mil vezes redesenhado e serviu de inspiração a muitos criadores, que para ali idealizaram diferentes projectos que nunca passaram do papel. Dos portugueses Carlos Ramos e Vieira de Almeida ao britânico Norman Foster e ao canadiano Frank Gerhy, muitos foram os arquitectos que já imaginaram um novo Parque Mayer. Em vão: mesmo decadente, o Parque resiste à mudança. Ou outros resistem por ele.

O princípio

A história do Parque remonta ao princípio dos anos 20 do século passado, quando o autor e empresário teatral Luís Galhardo adquiriu o Palácio Lima Mayer, um majestoso edifício ladeado de um não menos imponente jardim, construído em 1902 e distinguido com o primeiro Prémio Valmor de Arquitectura.

Galhardo sonhava criar em Lisboa um novo local de espectáculos e o parque adjacente ao palácio parecia reunir as condições ideais para o efeito. Além disso, o espaço tinha já antecedentes lúdicos: anos antes, tinha funcionado no palácio o Clube Mayer, dedicado ao jogo e aos espectáculos de variedades.

E foi assim que, em conjunto com outros empresários lisboetas, inaugurou em 1922 um recinto de diversões que recebeu o nome de Avenida Parque. Mas, para os lisboetas, o lugar ficou sempre ligado à memória do seu primeiro proprietário, e a designação Parque Mayer acabou por se impor naturalmente. Até hoje.

O teatro

O primeiro teatro que surgiu no Parque Mayer é também o último a permanecer de pé. Foi o Teatro Maria Vitória, que abriu as suas portas poucas semanas após a inauguração do Parque, e por cujo palco passaram alguns dos maiores mitos o teatro português, e não só: a fadista Amália Rodrigues, por exemplo, cantou pela primeira vez com o xaile negro que se tornou a sua «imagem de marca» num espectáculo do Maria Vitória, em finais dos anos 30, quando era ainda praticamente uma desconhecida.

O Teatro Variedades, o Capitólio, o Teatro Recreio e o ABC, surgidos nos anos seguintes, ajudaram a consolidar a fama do Parque Mayer como centro do teatro popular. A «pequena Broadway portuguesa», como provincianamente houve quem lhe chamasse.

A principal actividade artística do Parque foi sempre o «teatro de revista», um género de vaudeville característico de Lisboa. Mas não só. Foi também aqui, no Teatro Capitólio, que em 1974 Lisboa assistiu a um clássico do cinema porno, «Deep Throat», cuja exibição, no contexto da então recém-conquistada democracia, foi vista por muita gente como uma verdadeira celebração da liberdade.

O presente e o futuro

As ideias de renovação do Parque Mayer não são de agora. Os primeiros projectos de transformação deste espaço surgiram passados escassos vinte anos sobre a sua criação. Uma proposta de 1940 previa o alargamento do Jardim Botânico de Lisboa, e nesse sentido apontava para a demolição da totalidade das construções do Parque, à excepção do Capitólio. Este teatro, desenhado pelo arquitecto Cristino da Silva em 1929 e inaugurado em 1931, foi a primeira construção modernista de Portugal e o primeiro edifício de Lisboa a utilizar estruturas de betão.

Ao longo dos anos diversas outras propostas se sucederam, mas o facto de ser um espaço público pertencente a uma empresa privada impediu que algumas das ideias mais interessantes (mas certamente menos lucrativas do que outras) pudessem ser postas em prática.

E é assim que o Parque Mayer dos dias de hoje surge perante o olhar do visitante como um lugar arruinado, onde apenas sobrevivem dois restaurantes, um teatro e a casa de Mário Alberto – cenógrafo e pintor que é desde há anos o único habitante do recinto. A mística do lugar, porém, permanece. Para o escritor Baptista-Bastos, é «uma reserva de mitos», espécie de memorial da era dourada do teatro português. E os lisboetas continuam a olhar para o Parque como um lugar de fronteira entre o excesso e a temperança, a fantasia e a realidade, o pecado e a virtude.

Com o declínio natural do teatro de revista – actualmente confinado ao Teatro Maria Vitória – e o fim inevitável da antiga boémia, o Parque Mayer perdeu o brilho de outras eras e não falta quem o julgue condenado a desaparecer. Puro engano: afinal, este foi sempre um lugar de imaginação. Que, como se sabe, é coisa que nunca morre.

Mini International | Março 2007

Mais sugestões de leitura

  • O poder e o localOpen or Close

    Os portugueses foram a votos, desta vez para eleger os representantes do chamado «poder local» – designação que só se compreende se aceitarmos que há poderes não localizáveis, o que é tanto mais verdade quanto maior é a sua dimensão.
    Por exemplo: alguém sabe onde fica o FMI? E o Banco Mundial, alguém lhe conhece uma agência que seja, ou mesmo uma simples caixa de multibanco? E no entanto ninguém duvida de que são eles, os donos do dinheiro, quem realmente manda no nosso destino colectivo, deixando para gente simples como António Guterres e Pinto da Costa a ilusão de uma autoridade que já não existe sequer nas super-esquadras.

    TSF | 17.Dez.1997

    Ler Mais
  • Skin look de A a ZOpen or Close

    Ao vê-los em "actuação", nas claques de futebol, nas zaragatas dos bares ou nos confrontos de gangs, ninguém imagina que aqueles rapazes de cabelo rapado e ar frequentemente duro se preocupem com a composição da imagem exterior. Um olhar mais atento sobre a indumentária dos skinheads revela, porém, a extrema atenção que é dada a cada pormenor, cada peça de roupa, cada símbolo que se vai exibir. Desde as botas aos elementos decorativos do blusão, nada daquilo que um skinhead veste está ali por acaso. Este é, aliás, um tema sobre o qual os membros de vários grupos skin gostam de falar sem reservas. Quase poderia dizer-se que a opção pelo movimento começa sempre por ser uma questão estética. Com a preciosa ajuda de alguns skinheads bem documentados, ficámos a saber o essencial e boa parte do acessório sobre as peças que compõem a imagem skin.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • Contas à DemocraciaOpen or Close

    Não é filósofo, nem sociólogo, tampouco analista político. Viriato Teles é apenas um português embrenhado no seu tempo, que vive a vida interpelando-a, com o dom superior de saber ouvir vozes individuais para, registando-as na palavra escrita, as devolver, plenas e inquiridoras, ao colectivo a que pertencem. (...) São 20 conversas desatadas por entrevistas a personalidades de diversas áreas da sociedade nacional, que viveram a revolução com frémito e esperança; não lhes é perguntado onde estavam no 25 de Abril, mas onde está e para onde vai o 25 de Abril; são as parcelas da prova dos nove que nos desfralda uma verdade irrefutável: Abril está na prática quotidiana da denúncia da injustiça, no inconformismo e na luta pela felicidade, o combate que legitima o homem, agora e sempre.

    Ler Mais
  • O retrato de Che GuevaraOpen or Close

    Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

    Ler Mais