O senhor Lopes e o cantador

Enquanto Pedro Santana Lopes for presidente da município, Fausto Bordalo Dias não participará em espectáculos promovidos pela autarquia de Lisboa. «Não me interessa qualquer tipo de relação com esta Câmara», afirmou o músico à Focus, em comentário ao seu afastamento das comemorações do 25 de Abril, que noticiámos na última edição. «O que me espanta», acrescenta Fausto, «é que um indivíduo que já anunciou publicamente a intenção de se candidatar à Presidência da República não assuma desde já uma postura mais consensual e abrangente para atingir esse objectivo e, pelo contrário, adopte uma atitude própria de um aprendiz de candidato à ‘nova brigada dos coronéis de lápis azul’. Convenhamos que, trinta anos depois do 25 de Abril, é obra!» Um concerto de Fausto esteve agendado para a noite de 24 de Abril, no Terreiro do Paço, mas acabou por ser desmarcado por alegadas «indicações superiores».

Na origem do diferendo está a desmarcação do concerto de Fausto que esteve agendado para a noite de 24 de Abril, no Terreiro do Paço. A EGEAC, Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, dependente do município, garante que «os critérios de escolha foram exclusivamente artísticos» e que «Fausto foi um entre vários nomes considerados no alinhamento inicial». Segundo a EGEAC, a programação do espectáculo comemorativo do 25 de Abril foi «da inteira responsabilidade do Conselho de Administração da empresa, não tendo sido apresentado para aprovação a qualquer instância».

Fausto, porém, contraria esta versão, tal como a agência responsável pela marcação dos seus espectáculos: «Depois de ter sido confirmado pela EGEAC, o espectáculo foi desmarcado através de um email onde era referido explicitamente que ‘o alinhamento foi alterado por decisões superiores’», confirmou à Focus uma fonte da agência do cantor. Dias antes, a EGEAC comunicara telefonicamente à agência que o alinhamento estava suspenso, a aguardar «a confirmação da presidência da Câmara».

A decisão ocorreu na altura em foi referida pelos círculos do poder a necessidade de «retirar qualquer conotação ideológica ao 25 de Abril» e não surpreendeu Fausto, que foi apoiante de João Soares nas duas vezes que este se candidatou à Câmara de Lisboa: «O que me surpreendeu foi o convite inicial, considerando a natureza da equipa que actualmente governa o município.» E acrescenta: «Bem sei que a Câmara não precisa de mim para nada, mas também é certo que eu não necessito desta gente para coisa nenhuma.»

«Devo dizer», sublinha, «que não me sinto minimamente prejudicado por ter sido retirado do cartaz do espectáculo de Lisboa: tinha um número significativo de convites para esse dia, e acabei por escolher uma cidade onde nunca tinha tocado». A 24 de Abril, Fausto actuou em Sines. E, na próxima sexta-feira, dia 14, à noite, estará na Aula Magna, para um concerto organizado pelo Sindicato dos Professores da Grande Lisboa. É o primeiro espectáculo que Fausto realiza em Lisboa desde o Centro Cultural de Belém, em 1999.

Focus | 12.Mai.2004

Mais sugestões de leitura

  • O samba que veio do morroOpen or Close

    «O samba é uma das músicas mais fortes do mundo, porque é o resultado de três raças: o africano, o português e o índio brasileiro. É por isso que o samba tem uma coisa que nenhuma outra música tem: um ritmo fora do comum, aliado a uma melodia e uma harmonia geniais. E isso deve-se à união maravilhosa entre a melodia portuguesa, o fado – que é um lamento lindo! – com o ritmo africano. O samba é mulato...» Baden Powell, Lisboa, 1982.

    Ler Mais
  • Na morte de Luís PignatelliOpen or Close

    «O Luís Pignatelli faz aqui muita falta», lamentava-se, uma destas tardes, o Armando Baptista-Bastos ao balcão do Expresso, um dos últimos lugares de convívio do largo a que deram o nome de Trindade Coelho, mas que há-de ser sempre da Misericórdia, por maioria de razão popular. Naquele espaço por onde os afectos ainda vão circulando, disfarçados de imperiais e cariocas de limão, a falta que o Luís faz é particularmente sentida. E o lamento do Bastos nem sequer precisa de ter resposta, todos sabem que é verdade. Sente-se nas conversas, quer sejam contra o Cavaco ou em glória de um soberbo frontispício feminino que vai passando pelo largo onde os pombos promoveram uma ocupação selvagem.

    Revista MPP | Julho 1994

    Ler Mais
  • Guerra santa contra o rockOpen or Close

    «Satanás já não esconde as suas motivações. Os textos das canções condenam abertamente o cristianismo e apresentam a adoração do demónio como alternativa. A violência, o sexo, a rebelião e as drogas não são unicamente objecto de promoção, mas também são apresentados directamente ou encenados em palco. As canções fazem a apologia do suicídio e os telediscos levam a mensagem de Satã directamente a nossas casas...» Este discurso assustador não pertence à história da Santa Inquisição, nem tão pouco foi extrajdo de qualquer ritual exorcista da Idade Média. Trata-se, apenas, da expressão mais simples encontrada pelo padre norte-americano Fletcher A. Brothers para definir aquilo que considera ser o «rock satânico-teatral» dos anos 80.

    Se7e | 9.Jun.1986

    Ler Mais
  • Repórter no encalço do CheOpen or Close

    A gente conhece o Viriato Teles há muitas luas, ou não fosse ele um andarilho inveterado dos jornais e com diversos saltos pelos livros. Tudo o que o Viriato escreve é para ler. Homem da cepa séria dos jornalistas que não se perverteram... Daqueles que não se deixam arrebitar pelas alcatifas dos gabinetes ministeriáveis, daqueles que não iludiram a sua condição de ser de esquerda, da esquerda mais utópica, que é essa mesmo que vale para nós!
    Olho para o Viriato amigo e desato a pensar em todos os corifeus que após o 25 de Abril eram de esquerda – era bem – e hoje dão lições de social-democracia com copo na mão e pança avantajada assente na secretária. Por isso digo que os textos do Viriato são para ler na sua textura não serviçal. Autêntica. (...) Este é seguramente um livro que não interessa a certa gentalha, como aquele cavalheiro que preside ao CDS que há pouco tempo alcunhava o Che de terrorista.

    Ler Mais