O senhor Lopes e o cantador

Enquanto Pedro Santana Lopes for presidente da município, Fausto Bordalo Dias não participará em espectáculos promovidos pela autarquia de Lisboa. «Não me interessa qualquer tipo de relação com esta Câmara», afirmou o músico à Focus, em comentário ao seu afastamento das comemorações do 25 de Abril, que noticiámos na última edição. «O que me espanta», acrescenta Fausto, «é que um indivíduo que já anunciou publicamente a intenção de se candidatar à Presidência da República não assuma desde já uma postura mais consensual e abrangente para atingir esse objectivo e, pelo contrário, adopte uma atitude própria de um aprendiz de candidato à ‘nova brigada dos coronéis de lápis azul’. Convenhamos que, trinta anos depois do 25 de Abril, é obra!» Um concerto de Fausto esteve agendado para a noite de 24 de Abril, no Terreiro do Paço, mas acabou por ser desmarcado por alegadas «indicações superiores».

Na origem do diferendo está a desmarcação do concerto de Fausto que esteve agendado para a noite de 24 de Abril, no Terreiro do Paço. A EGEAC, Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, dependente do município, garante que «os critérios de escolha foram exclusivamente artísticos» e que «Fausto foi um entre vários nomes considerados no alinhamento inicial». Segundo a EGEAC, a programação do espectáculo comemorativo do 25 de Abril foi «da inteira responsabilidade do Conselho de Administração da empresa, não tendo sido apresentado para aprovação a qualquer instância».

Fausto, porém, contraria esta versão, tal como a agência responsável pela marcação dos seus espectáculos: «Depois de ter sido confirmado pela EGEAC, o espectáculo foi desmarcado através de um email onde era referido explicitamente que ‘o alinhamento foi alterado por decisões superiores’», confirmou à Focus uma fonte da agência do cantor. Dias antes, a EGEAC comunicara telefonicamente à agência que o alinhamento estava suspenso, a aguardar «a confirmação da presidência da Câmara».

A decisão ocorreu na altura em foi referida pelos círculos do poder a necessidade de «retirar qualquer conotação ideológica ao 25 de Abril» e não surpreendeu Fausto, que foi apoiante de João Soares nas duas vezes que este se candidatou à Câmara de Lisboa: «O que me surpreendeu foi o convite inicial, considerando a natureza da equipa que actualmente governa o município.» E acrescenta: «Bem sei que a Câmara não precisa de mim para nada, mas também é certo que eu não necessito desta gente para coisa nenhuma.»

«Devo dizer», sublinha, «que não me sinto minimamente prejudicado por ter sido retirado do cartaz do espectáculo de Lisboa: tinha um número significativo de convites para esse dia, e acabei por escolher uma cidade onde nunca tinha tocado». A 24 de Abril, Fausto actuou em Sines. E, na próxima sexta-feira, dia 14, à noite, estará na Aula Magna, para um concerto organizado pelo Sindicato dos Professores da Grande Lisboa. É o primeiro espectáculo que Fausto realiza em Lisboa desde o Centro Cultural de Belém, em 1999.

Focus | 12.Mai.2004

Mais sugestões de leitura

  • O sonhador de amigosOpen or Close

    Um homem está debruçado sobre a cidade, sereno e tranquilo e atento a todas as imagens e às outras que não estão lá, e nos seus olhos há um sonho que se constrói com mãos e com alma, como é próprio das coisas belas. É um alguém urgente, de cabeça solta no delírio dos pássaros que estrebucham no rasto de loucos espalhado pela cidade à sua frente. Ali em volta rodopiam mulheres quase invisíveis de cabelos luminosos como nos poemas banais, e ouve-se um som ligeiro, definido apenas quanto baste para ilustrar as lembranças duradouras dos mundos todos que o homem traz dentro da cabeça.

    Movimentos Perpétuos
    Oficina do Livro 2003

    Ler Mais
  • O fim do mundoOpen or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais
  • A certeza das dúvidasOpen or Close

    «Ter sempre a certeza das dúvidas / por via das dúvidas saber o que achar», diz o Sérgio numa das muitas canções definitivas que já escreveu. Esse é provavelmente o mais acertado resumo da obra dele e a razão porque tantas vezes nela nos revemos e encontramos: esta inquietação tranquila de quem não desiste de querer saber hoje um pouco mais do que sabia ontem, consciente de que isso é ainda assim menos do que saberá amanhã.

    Catálogo da exposição Sérgio Godinho - Escritor de Canções | 2017

    Ler Mais
  • O poder e o localOpen or Close

    Os portugueses foram a votos, desta vez para eleger os representantes do chamado «poder local» – designação que só se compreende se aceitarmos que há poderes não localizáveis, o que é tanto mais verdade quanto maior é a sua dimensão.
    Por exemplo: alguém sabe onde fica o FMI? E o Banco Mundial, alguém lhe conhece uma agência que seja, ou mesmo uma simples caixa de multibanco? E no entanto ninguém duvida de que são eles, os donos do dinheiro, quem realmente manda no nosso destino colectivo, deixando para gente simples como António Guterres e Pinto da Costa a ilusão de uma autoridade que já não existe sequer nas super-esquadras.

    TSF | 17.Dez.1997

    Ler Mais