Silly season

Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

Mas Bush é um homem simples. Não tem as subtilezas do pensamento de um Manuel Falcão ou de um José Manuel Fernandes, por exemplo,que no passado fim de semana deram mais um importante contributo para que a ciência política se aproxime dos actos de variedades, como é de bom tom na sociedade do espectáculo em que vivemos. Na revista Pública de domingo, estes dois antigos maoístas revelam finalmente ao povo o seu posicionamento político actual.

Falcão é, diz, «um anarquista de direita com preocupações sociais». Eu nunca conheci nenhum anarquista de direita, e ainda por cima com preocupações sociais, mas suponho que seja algo muito parecido com um benfiquista do Porto com preocupações sportinguistas: soa bem e não quer dizer rigorosamente nada, como convém nos dias que correm. Parabéns, Manel! Se continuas assim, não há-de faltar muito para seres ministro.

No entanto, o must da temporada cabe, até ver, ao director do Público. Diz Fernandes que, passados todos estes anos, já não é de esquerda nem de direita. Que «a esquerda privilegia mais a igualdade e a direita a liberdade» e, para ele, «a liberdade é um bem mais essencial». E assim, hoje, considera-se mais um homem do centro, mas não de um centro qualquer. O dele é o «centro radical», «reformista, mas não revolucionário». Onde fica tão insólito lugar, não sei, nem o Zé Manel explica. Mas suspeito que deve ter algo a ver com a «árvore ginecológica» de que falava há tempos, na Televisão, um louro comentador social...

Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

Mais sugestões de leitura

  • Era uma vez uma NinaOpen or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais
  • Uma voz do mundoOpen or Close

    «A importância de um país avalia-se pela sua capacidade de tirar partido e proveito dos seus valores, nomeadamente os culturais. (...) A única autêntica maneira de um português se realizar é considerar-se de alguma forma estrangeiro, é distanciar-se da Nação, é agarrar-se com todas as suas forças a conceitos superiores de universalidade. Carlos do Carmo é uma voz do mundo – e por isso salvou-se. (...) E, com ele, salvou-se também uma parte importante da música portuguesa – o fado – que passou a ser do mundo!» Testemunho de António Victorino d'Almeida

    Ler Mais
  • Outras paisagensOpen or Close

    Os elefantes
    escolhem sempre o lugar da morte
    disse o pescador antigo
    de olhos postos no mar sem fim.
    O pescador nunca viu elefantes
    nem leões
    nem pássaros da Amazónia
    mas sabe como é.
    Como nós
    em mil novecentos e setenta e cinco
    a forçar de vez as garras
    do desespero.

    Ler Mais
  • Nobre polvoOpen or Close

    Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

    Ler Mais