Silly season

Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

Mas Bush é um homem simples. Não tem as subtilezas do pensamento de um Manuel Falcão ou de um José Manuel Fernandes, por exemplo,que no passado fim de semana deram mais um importante contributo para que a ciência política se aproxime dos actos de variedades, como é de bom tom na sociedade do espectáculo em que vivemos. Na revista Pública de domingo, estes dois antigos maoístas revelam finalmente ao povo o seu posicionamento político actual.

Falcão é, diz, «um anarquista de direita com preocupações sociais». Eu nunca conheci nenhum anarquista de direita, e ainda por cima com preocupações sociais, mas suponho que seja algo muito parecido com um benfiquista do Porto com preocupações sportinguistas: soa bem e não quer dizer rigorosamente nada, como convém nos dias que correm. Parabéns, Manel! Se continuas assim, não há-de faltar muito para seres ministro.

No entanto, o must da temporada cabe, até ver, ao director do Público. Diz Fernandes que, passados todos estes anos, já não é de esquerda nem de direita. Que «a esquerda privilegia mais a igualdade e a direita a liberdade» e, para ele, «a liberdade é um bem mais essencial». E assim, hoje, considera-se mais um homem do centro, mas não de um centro qualquer. O dele é o «centro radical», «reformista, mas não revolucionário». Onde fica tão insólito lugar, não sei, nem o Zé Manel explica. Mas suspeito que deve ter algo a ver com a «árvore ginecológica» de que falava há tempos, na Televisão, um louro comentador social...

Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

Mais sugestões de leitura

  • Troikas e baldrocasOpen or Close
    A imparável troika voltou a Lisboa para deduzir o óbvio: que a receita da austeridade é um fracasso, com a quebra do consumo a aumentar na razão directa do assalto à mão desarmada com que os cidadãos estão confrontados, resultando numa diminuição dos proventos reais do Estado. ...
    Jornal do Fundão | 6.Set.2012
    Ler Mais
  • O estado do sítioOpen or Close
    Com o País no estado em que está e a Europa no ponto aonde chegou, não vejo como é que alguém de bom senso consegue manter o optimismo. No entanto é isso que o (des)governo da nação continua a exibir,...
    Jornal do Fundão | 2.Ago.2012
    Ler Mais
  • Morrer de amorOpen or Close

    É possível morrer de amor? Os poetas e outros loucos, incluindo alguns psiquiatras, acham que sim. «D. João e Julieta» é uma peça de Natália Correia onde o amor e a morte, uma vez mais, se cruzam na grandeza da paixão. Uma peça onde, de um modo particularmente singular, a própria Natália se desvenda.

    DNA - Diário de Notícias | 1999

    Ler Mais
  • Que é dos cantores de intervenção?Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais