Um poeta na varanda dos deuses

ap_mini.jpg

«Lisboa é como a vida: nós queixamo-nos, mas é muito bom andar por cá.» Dono de um aguçado sentido crítico e de um humor por vezes implacável, Alberto Pimenta reflecte em toda a sua obra uma grande atenção aos problemas do mundo actual, expressa com um rigor de linguagem que faz dele um dos nomes mais importantes, mas também mais incómodos, da poesia portuguesa contemporânea.

Nos mais de 40 títulos que publicou desde 1970, tal como nas numerosas performances que encenou, em Portugal e na Alemanha (onde viveu durante 17 anos), Pimenta nunca se deixou seduzir pela lógica da facilidade. «A cultura é o desporto da classe média», afirmou uma vez. Ainda hoje, há quem não lhe perdoe esta irreverência e a frontalidade dos gestos e das atitudes.

Alberto Pimenta é um poeta que vê as coisas de dentro das palavras: «Não parto das coisas para as palavras, mas sim das palavras para as coisas», diz. «Partindo das coisas, dá-se-lhes as palavras que lhes correspondem, produzem-se metáforas. Partindo das palavras, tenta-se chegar à verdadeira coisa que é ou que, normalmente, não é.»

Assim acontece também na relação do poeta com a cidade onde vive desde há 30 anos: «Lisboa é a cidade dos contrastes: o contraste do antigo e do moderno, o contraste do luxo e da miséria. E sobretudo os contrastes de cor e de luz: é uma cidade que agora pode ser azul e daqui a pouco já é cinzenta, ou amarela, ou verde, e esse é um dos seus aspectos mais fascinantes.»

Talvez por isso Alberto Pimenta tenha escolhido viver numa das sete colinas de Lisboa, no bairro da Mouraria, com vista para o castelo «de onde se vê tudo, como um deus que está sentado em cima de um muro e vê só o cenário, essas cores, essa luz.» E, do alto, é possível observar os diferentes tempos da cidade: «Passa-se de uma muralha medieval para o kitsch actual dos bairros pós-modernos e dos dormitórios – as novas muralhas, inexpugnáveis, sempre no estilo de gaiolas sobrepostas e onde há uma vida que é pouco vida, uma vida sem mistério nenhum», diz. «De cima vê-se tudo isso e não se vê o humano. Se nos misturamos com as pessoas vemos gente muito cansada, muito apressada…»

A relação de Alberto Pimenta com o mundo tem muito a ver com os anos vividos em Heidelberg, um tempo que o marcou bastante. Até hoje: «Às vezes até sonho em alemão», diz. «Continuo a ter uma grande relação com a Alemanha, até já publiquei um livro, na Áustria, Verdichtungen, que foi escrito originalmente em alemão. E a minha última namorada era uma alemã…»

Aliás, foi só por causa da revolução de 25 de Abril de 1974 que o poeta não adquiriu a cidadania alemã: «O governo português da altura tinha-me tirado o passaporte, eu pedi a nacionalidade alemã e foi-me concedida», diz. Mas dois dias mais tarde deu-se a Revolução dos Cravos, e algum tempo depois Pimenta decidiu regressar a Portugal: «Acreditei na utopia de que o meu país era outro país.»

Hoje, Pimenta confessa que pode sentir-se «alternadamente bem ou mal» em Lisboa. Mas reconhece que, apesar disso, «é muitas vezes agradável.» Principalmente vista do alto: «A cidade é boa da varanda, da varanda dos deuses.»

E é assim que vai reinventando as coisas com as palavras que entende mais adequadas. Como fez no seu livro mais recente, Marthiya de Abdel Hamid, onde se colocou na pele de um poeta iraquiano que descreve com incrível precisão os horrores da guerra. Porque, como afirma, «esta poesia não é inócua: trabalha para o mundo, não a partir dele, mas da nomeação dele.»

Mini International | Março 2007

Mais sugestões de leitura

  • Louvor das Palavras e dos AmigosOpen or Close

    A banalização das palavras é um dos pecados mortais da comunicação dos nossos dias, sobretudo quando praticada por quem faz das palavras o instrumento principal do seu ofício. Porque as palavras não são nunca apenas aquilo que significam nos dicionários, mas sobretudo o que significam nas nossas vidas. ...Tudo isto a propósito dos 75 anos que o Fernando Assis Pacheco faria hoje...

    Ler Mais
  • A última vontadeOpen or Close

    Já passa da uma da manhã. A minha mulher continua sem aparecer e a gata Genoveva não pára de me lamber os calcanhares como se fossem gelado de limão. Dantes, as coisas e as pessoas eram muito mais simples, mas a tecnologia transformou tudo. Até as gatas. Escureço aos poucos na calma idílica dos subúrbios enquanto Ian Dury, preso nas ondas da telefonia, continua a sussurrar o seu convite: «Walk up and make love to me.» Não entendi ainda se será uma alusão discreta à minha mulher ou à gata mas, bem vistas as coisas, vai dar ao mesmo.

    Se7e | 15.Jun.1983

    Ler Mais
  • Versos na margem da folhaOpen or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais
  • O fumo e o fogoOpen or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais