A cena do ódio

Um concerto de «música nacionalista» é o pretexto para um encontro de skinheads que está a ser organizado para o próximo sábado, num recinto dos arredores de Lisboa. Uma skinhouse de Pinheiro de Loures onde já se realizaram outros «concertos» deste género deverá ser o local escolhido para a reunião, que tem vindo a ser preparada dentro do maior secretismo. Mas não são de excluir outras hipóteses, como a Amoreira, perto do Estoril, onde na passada sexta-feira foi visto um grupo de cerca de vinte skins portugueses e estrangeiros em movimentações suspeitas, ou o Montijo, que já no ano passado foi palco de um outro «concerto nacionalista».

Oriundos sobretudo de Espanha, Inglaterra, Alemanha, Itália e países da Europa de Leste, vários skinheads começaram a chegar a Portugal nas vésperas do início do Euro, e muitos deles deverão ficar para o concerto de dia 19 e para o jogo do dia seguinte, entre as selecções de Portugal e Espanha. Os estádios de futebol são, de resto, um dos territórios preferidos dos skins, que muitas vezes formam grupos organizados dentro das próprias claques, onde rapidamente se tornam elementos de perturbação. É o que se passa, em Portugal, com os «SS Soldiers», do Farense, os «Fanáticos 1919» da claque do Belenenses, e principalmente com o «Grupo 1143», da Juve Leo, cuja existência está a ser bastante contestada dentro da própria claque do Sporting.

A PSP, o SIS e a Polícia Judiciária estão atentas aos movimentos dos boneheads (o nome por que são conhecidos os skinheads de tendência nazi), mas ainda assim continua a haver factores de preocupação, até porque os grupos mais violentos costumam tomar precauções para não serem facilmente detectados nas suas deslocações. Por outro lado, no último fim de semana era dada como certa a entrada em Portugal de 150 hooligans britânicos, referenciados como particularmente agressivos e que terão conseguido iludir os esquemas de segurança em vigor nesta altura em todo o espaço europeu. Os incidentes verificados em Lisboa, na madrugada de domingo não estarão directamente relacionados com estes bandos, mas várias bandeiras com o símbolo dos hammerskins (organização skinhead de inspiração nazi) foram vistas nos arredores do estádio da Luz antes do jogo entre França e a Inglaterra. Alguns deles poderão vir a participar no encontro do próximo sábado.

Oficialmente, o concerto de dia 19 destina-se a «fomentar o convívio e a camaradagem entre os nacionalistas portugueses e nacionalistas europeus», mas as fontes contactadas pela Focus garantem que os objectivos são mais vastos. O encontro é organizado por um grupo que dá pelo nome de «Prospect Of The Nation» (POTN) e que corresponde, no essencial, à auto-intitulada «Irmandade Ariana», um grupelho neonazi sem grande representatividade mas que tem ligações a organizações internacionais de hammerskins e outros grupos assumidamente racistas. A concentração de um grande número de skins em Lisboa a pretexto do campeonato europeu de futebol é vista como uma excelente oportunidade de afirmação do POTN como «organização credível» do submundo hammerskin.

Para o concerto de sábado estão anunciadas cinco bandas habituais em espectáculos deste tipo: Rebeldes, Rienzi, Odal, GDF e Ódio, todas elas caracterizadas por repertórios onde abundam as referências nacional-socialistas e anti-semitas. Os primeiros vêm de Espanha, os Rienzi são oriundos de Itália e os Odal definem-se como skinhead crew, uma «equipa skinhead».

Os Ódio são uma banda portuguesa criada em Janeiro de 2003 e que assume ser composta por «skinheads nacional-socialistas da zona de Lisboa». Integram-na um vocalista, um baixista, um guitarrista e um baterista cujos nomes não são divulgados «por questões de segurança» e que praticam aquilo a que chamam «racial hate core music» – algo que em português corrente poderia traduzir-se como «música com muito ódio racial», como se comprova pelo título do maior êxito da banda: «The Horrible Jew» («O Horrível Judeu»).

Tal como as restantes bandas de tendência hammerskin, os Ódio caracterizam-se pelas cabeças rapadas, pela indumentária habitual dos skins (botas, calças de trabalho e suspensórios) e também pelas tatuagens de símbolos nacionalistas e fascistas que lhes cobrem parte do corpo. Do currículo da banda fazem parte participações em diversos «concertos» realizados em Itália, Espanha e, claro, Portugal – onde em Agosto do ano passado foram uma das atracções do summercamp de homenagem a Rudolf Hess, igualmente organizado pelo POTN.

Os Ódio afirmam ser, em Portugal, «a única banda activa de índole nacional-socialista», mas os GDF e os Endovelico (outra banda nazi-skin portuguesa, que não participa neste encontro) põem em causa esse monopólio. GDF quer dizer «Golpe de Força», mas começou por significar «Guarda de Ferro», em tributo à organização apoiada por Hitler na Roménia durante a II Guerra Mundial que se notabilizou pela matança sistemática de judeus e pela participação activa em várias acções de guerra particularmente violentas na Transilvânia. Quanto a Endovelico é o nome de uma antiga divindade lusitana, deus do Inferno e da noite, que se fazia representar em forma de javali.

Focus | 16.Jun.2004

Mais sugestões de leitura

  • Alberto PimentaOpen or Close

    Nasceu no Porto, viveu na Alemanha e está em Lisboa. Em 1977 deu-se em exposição numa jaula da aldeia dos macacos no Jardim Zoológico de Lisboa. Catorze anos depois colocou-se à venda, no Chiado, por conta de uma «divisão de recursos humanos do Estado». E catorze dias mais tarde fez um auto-de-fé de O Silêncio dos Poetas na Feira do Livro de Lisboa. De todos os seus livros, esse é aquele que os intelectuais dominantes mais levam a sério, e fazem mal. Deveriam ler também Labirintodonte, Os Entes e os Contraentes, Ascensão de Dez Gostos à Boca, Discurso Sobre o Filho-da-Puta, Terno Feminino, A Visita do Papa, Deusas Ex-Machina. E os outros, todos, que publica com a regularidade possível desde 1970.

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origensOpen or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais
  • Que é dos cantores de intervenção?Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais
  • Zeca de corpo e almaOpen or Close

    Tenho para mim que o mais difícil de cada vez que alguém pretende fazer novas versões de temas antigos – sobretudo de canções tão marcantes como são, por regra, todas os de Zeca – é que não basta ser fiel à forma e ao conteúdo dos originais, mas é sobretudo importante manter intacto o seu espírito. Porque cada canção tem uma alma própria, que é preciso respeitar e manter intacta, por maiores que sejam as transformações, legítimas, que o corpo possa sofrer. E é isso que se sente neste disco ..

    Introdução ao CD Abril, de Cristina Branco | 2007

    Ler Mais