As voltas do professor

Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

Obviamente, nem Soares estava tão à esquerda como os votos finais pareciam indicar, nem Freitas era um salazarzinho em potência como podia parecer aos nosso olhos de então. O que estava em causa, afinal, não eram nem Soares nem Freitas, quer enquanto cidadãos, quer enquanto hipotéticos presidentes. O que se jogava nesse tempo eram as conquistas do 25 de Abril (ou seja: da Esquerda) que a Direita queria destruir, e acreditava poder fazê-lo se, após instalar-se em São Bento, fosse igualmente dominante em Belém.

Mas Freitas perdeu, e a onda revanchista que inevitavelmente se teria gerado caso tivesse ganho esmoreceu. Foi uma vitória da Esquerda contra a Direita, e foi também um triunfo da Maçonaria sobre a Igreja – uma história que, um dia, alguém há-de contar. O Professor manteve-se durante mais alguns anos à frente do partido que fundou em 1976 – o CDS, única força política a votar contra a Constituição democrática – mas acabou por se afastar quando os filibusteiros de Monteiro e Portas tomaram o poder interno.

Depois foi presidente da Assembleia Geral da ONU, e paulatinamente foi ganhando um estatuto suprapartidário: apoiou a eleição de Durão Barroso, mas opôs-se firmemente à invasão do Iraque pelos EUA, e nesse sentido tomou posição ao lado do PS, do PC e do Bloco; criticou o PSD e o CDS pela governação desastrada e escreveu a Sampaio para que não desse o governo a Santana; apelou ao voto no PS e enfrentou a tentativa de saneamento da administração da Caixa Geral de Depósitos que Bagão Félix sugeriu. É claro que nada disto chega para fazer de Diogo Freitas do Amaral um homem de esquerda – estatuto que, de resto, ele nunca reivindicou – mas não deixa de ser curiosa esta evolução de um homem que chegou a ser apontado como o delfim de Marcelo Caetano, sobretudo quando confrontada com a dos antigos esquerdistas que nos últimos trinta anos se foram metodicamente aproximando da direita mais reaccionária.

Mas afinal é isto mesmo que distingue os homens entre si: enquanto uns se deixam guiar pelos sinais dos tempos e fazem tudo para estar de acordo com a mentalidade dominante, outros preferem esperar pelos sinais da História e agir em conformidade. Terá sido o que aconteceu com o Professor? A verdade é que Diogo Freitas do Amaral é agora o ministro dos Negócios Estrangeiros do governo de José Sócrates. Um ministro que é a «garantia de uma politica externa à esquerda, e com respeito pelos valores fundamentais», segundo afirma o meu amigo João Soares. E o mais curioso é que é capaz de ter razão. Porque a Direita portuguesa é o que é. E Freitas está, pelo menos, muito à esquerda de Bush e dos seus gorilas polícias-do-mundo. Suspeito mesmo que o seu nome circule já nos memorandos da Casa Branca referenciado como pós-comunista, perigoso terrorista ou aliado da Al’Qaeda...

Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

Mais sugestões de leitura

  • O homem que aprendeu a voarOpen or Close

    Um dos sítios mais bonitos do meu mundo fica nas Astúrias, numa aldeia de Villaviciosa, a norte da Cordilheira Cantárbica, aonde se chega atravessando longos quilómetros de túneis e de névoa. Perdida entre as montanhas e o mar, que não se vê dali mas está perto, Labares é um pedaço escondido do paraíso, deixado intacto pelo Criador para lembrar aos homens que é possível viver em harmonia. (...) Estamos com José Luis Posada, cubano nascido nas Astúrias, lutador lendário, pintor em plena actividade e homem de muitas memórias que reencontrei em Labares. Foi aqui, numa antiga escola primária, com vista para uma paisagem de montes e de silêncios, que Posada construiu o seu lugar de recolhimento do mundo, após 70 anos de andanças e de sonhos. Em Labares guarda as suas lembranças originais, sem rancor mas com nitidez. Muita da sua pintura regista as imagens e as sombras da guerra civil, metade da aldeia fuzilada pelas tropas franquistas

    Tempo Livre | Maio 2002

    Ler Mais
  • É preciso é criar desassossegoOpen or Close

    «(...) Como é que da política se chega à música e da música à consciência? Eh, pá, eu acho que as coisas podem estar ou não ligadas, depende do lado para onde estivermos virados. Mas o que é preciso é criar desassossego. Quando começamos a procurar álibis para justificar o nosso conformismo, então está tudo lixado! (...) Acho que, acima de tudo, é preciso agitar, não ficar parado, ter coragem, quer se trate de música ou de política. E nós, neste país, somos tão pouco corajosos que, qualquer dia, estamos reduzidos à condição de ‘homenzinhos’ e ‘mulherezinhas’. Temos é que ser gente, pá! (...)»

    Ler Mais
  • O silêncio da terraOpen or Close

    «Não acredito muito nos pessoas que apenas se comovem quando ouvem falar de coisas de carácter político. Não basta fazer canções sobre a paz ou sobre a guerra, é preciso ter em conta também uma outra poesia que nos fale da beleza das paisagens, dos rios que correm, da natureza que se manifesta.» Em Março de 1985, Atahualpa Yupanqui esteve em Portugal para realizar dois concertos únicos por iniciativa da Embaixada da República Argentina. Nos palcos da Aula Magna, em Lisboa, e do Rivoli, no Porto, acompanhado apenas pela sua guitarra (“a la guitarra grave y honda que jumbrosa estremecida y soledosa, desvelada quiero referirme”), deu-se-nos, durante cerca de duas horas, o trovador maior das pampas, “payador” que foi perseguido e nunca desistiu de se interrogar, a ele próprio e a quantos o ouvem, a propósito dos sentidos possíveis da vida.

    Ler Mais
  • A última vontadeOpen or Close

    Já passa da uma da manhã. A minha mulher continua sem aparecer e a gata Genoveva não pára de me lamber os calcanhares como se fossem gelado de limão. Dantes, as coisas e as pessoas eram muito mais simples, mas a tecnologia transformou tudo. Até as gatas. Escureço aos poucos na calma idílica dos subúrbios enquanto Ian Dury, preso nas ondas da telefonia, continua a sussurrar o seu convite: «Walk up and make love to me.» Não entendi ainda se será uma alusão discreta à minha mulher ou à gata mas, bem vistas as coisas, vai dar ao mesmo.

    Se7e | 15.Jun.1983

    Ler Mais