As voltas do professor

Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

Obviamente, nem Soares estava tão à esquerda como os votos finais pareciam indicar, nem Freitas era um salazarzinho em potência como podia parecer aos nosso olhos de então. O que estava em causa, afinal, não eram nem Soares nem Freitas, quer enquanto cidadãos, quer enquanto hipotéticos presidentes. O que se jogava nesse tempo eram as conquistas do 25 de Abril (ou seja: da Esquerda) que a Direita queria destruir, e acreditava poder fazê-lo se, após instalar-se em São Bento, fosse igualmente dominante em Belém.

Mas Freitas perdeu, e a onda revanchista que inevitavelmente se teria gerado caso tivesse ganho esmoreceu. Foi uma vitória da Esquerda contra a Direita, e foi também um triunfo da Maçonaria sobre a Igreja – uma história que, um dia, alguém há-de contar. O Professor manteve-se durante mais alguns anos à frente do partido que fundou em 1976 – o CDS, única força política a votar contra a Constituição democrática – mas acabou por se afastar quando os filibusteiros de Monteiro e Portas tomaram o poder interno.

Depois foi presidente da Assembleia Geral da ONU, e paulatinamente foi ganhando um estatuto suprapartidário: apoiou a eleição de Durão Barroso, mas opôs-se firmemente à invasão do Iraque pelos EUA, e nesse sentido tomou posição ao lado do PS, do PC e do Bloco; criticou o PSD e o CDS pela governação desastrada e escreveu a Sampaio para que não desse o governo a Santana; apelou ao voto no PS e enfrentou a tentativa de saneamento da administração da Caixa Geral de Depósitos que Bagão Félix sugeriu. É claro que nada disto chega para fazer de Diogo Freitas do Amaral um homem de esquerda – estatuto que, de resto, ele nunca reivindicou – mas não deixa de ser curiosa esta evolução de um homem que chegou a ser apontado como o delfim de Marcelo Caetano, sobretudo quando confrontada com a dos antigos esquerdistas que nos últimos trinta anos se foram metodicamente aproximando da direita mais reaccionária.

Mas afinal é isto mesmo que distingue os homens entre si: enquanto uns se deixam guiar pelos sinais dos tempos e fazem tudo para estar de acordo com a mentalidade dominante, outros preferem esperar pelos sinais da História e agir em conformidade. Terá sido o que aconteceu com o Professor? A verdade é que Diogo Freitas do Amaral é agora o ministro dos Negócios Estrangeiros do governo de José Sócrates. Um ministro que é a «garantia de uma politica externa à esquerda, e com respeito pelos valores fundamentais», segundo afirma o meu amigo João Soares. E o mais curioso é que é capaz de ter razão. Porque a Direita portuguesa é o que é. E Freitas está, pelo menos, muito à esquerda de Bush e dos seus gorilas polícias-do-mundo. Suspeito mesmo que o seu nome circule já nos memorandos da Casa Branca referenciado como pós-comunista, perigoso terrorista ou aliado da Al’Qaeda...

Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

Mais sugestões de leitura

  • Segundo andamento: dos fadosOpen or Close

    – Tens noção da importância que tiveste para as pessoas que não gostavam de fado e que acabaram por lá chegar através de ti?

    – Não terei essa noção plena, mas chegam-me regularmente comentários muito simpáticos. O que é que acontece? Eu tenho feito isto de uma forma muito serena, a minha conduta em termos do mundo do espectáculo é uma conduta serena. Eu não sou propriamente aquele cidadão que gosta de dizer a si próprio: «Ah, se eu não fosse português, teria feito isto e aquilo.» É mentira. Tenho feito aquilo que tenho podido, não me sinto mal com aquilo que tenho feito, não me sinto mal por ser português, bem pelo contrário. Mas eu acho que a gente, na vida, colhe muito do que semeia. E eu estou numa fase de colher o que semeei. E como, ao longo da minha vida, isto foi sempre uma permuta que fiz com as pessoas, e é uma coisa muito afectiva, as pessoas também sentem necessidade de conversar comigo.

    Ler Mais
  • Tentações assepticamente correctasOpen or Close

    A lógica do «politicamente correcto» torna-se cada vez mais sinónimo daquilo a que já se chama o «pensamento único». Na prática, trata-se de um filho bastardo do fim da guerra fria ou, se quisermos ser mais rigorosos, é uma submissão descarada à «nova ordem» que o neo-liberalismo dominante pretende impôr ao mundo.

    RCS | 8.Nov.1998

    Ler Mais
  • Elogio da inocênciaOpen or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origensOpen or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais