O grande poeta menor

b_500_400_16777215_00_images_geral_ary02.jpg

Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

Nascido no seio da alta burguesia lisboeta, Ary decidiu muito cedo que esse não era o lado da vida onde queria estar. Os primeiros livros revelam um poeta inconformado, mas foi através das canções que se destacou como o mais profícuo autor do seu tempo, com mais de 600 letras escritas.

Evidenciou-se sobretudo pelo papel activo que desempenhou no movimento de renovação da música portuguesa desde finais dos anos 60 do século passado. Portugal era, não o esqueçamos, um país bisonho, e um par de versos simples como «quem faz um filho / fá-lo por gosto» eram suficientes para perturbar as almas pudendas do regime. Para o espírito rebelde e provocador de Ary, esse era um desafio aliciante.

Depois de Abril, Ary assumiu de corpo inteiro a militância comunista. Mas, a par de poemas inflamados e marcados pelo tom aceso do período revolucionário («As Portas Que Abril Abriu» ou «Bandeira Comunista», por exemplo), escreve alguns dos mais belos textos da música portuguesa. Temas como «Estrela da Tarde», «Namorados de Lisboa», «Os Putos», «O Cacilheiro» ou «Quando um Homem Quiser» são já obras essenciais do nosso património colectivo.

Letrista de excepção e «grande poeta menor» (parafraseando Fernando Assis Pacheco a propósito de Vinícius), Ary dos Santos foi também – ou sobretudo – um homem empenhado, um militante afectivo e efectivo, sem nunca deixar de ser um espírito livre. «Poeta castrado, não» – sublinhava. E assim foi até morrer. Essa rebeldia libertária, expressa nas canções que escreveu e presente na memória dos que o conheceram, é afinal o melhor do seu legado.

Diário de Notícias | 18.Jan.2014

Mais sugestões de leitura

  • Fantasias de filho de pideOpen or Close

    O juiz espanhol Crespo Márquez, que em 1965 acompanhou as investigações, em Badajoz, do assassínio de Humberto Delgado, considera «pura fantasia» a tese apresentada no programa «Repórteres», da RTP, pelo filho do sub-inspector da PIDE, Casimiro Monteiro, autor material do homicídio. Segundo o filho do pide, Monteiro teria disparado contra o general «em legítima defesa», um argumento que o processo conduzido pelo Tribunal Militar português, desmontou há mais de dez anos. Crespo Márquez manifestou junto dos familiares de Delgado a sua «estranheza» pela forma «absurda» como, em edição posterior do mesmo programa, foram utilizadas as suas declarações, produzidas há dois anos [1990] para a tele-reportagem «Crime sem Castigo», com o intuito de «corroborar as teses do filho do assassino».

    O Jornal | 16.Out.1992

    Ler Mais
  • Terrorismo de faca e garfoOpen or Close
    O ataque terrorista de que foi alvo o ministro António Costa, há menos de oito dias, passou à margem das grandes discussões políticas que marcaram a última semana. Entretidos a distribuir referendos como se dessem milho aos pombos, o Conselho de Ministros, a Assembleia da República e restantes forças mais ou menos vivas do país não ligaram nenhuma ao sucedido durante a visita de António Costa a Guimarães, onde o ministro dos Assuntos Parlamentares foi agredido com uma posta de bacalhau demolhado – a provar aos mais incrédulos que Portugal não é um lugar invulnerável à prática desta nova espécie de terrorismo de rosto humano.
    TSF | 11.Fev.1998
    Ler Mais
  • O último ano antes da liberdadeOpen or Close

    Em Agosto de 1973, poucos em Portugal se atreviam a imaginar que aquele Verão morno seria o último passado em clima de ditadura. Não fosse o cinzentismo geral que então caracterizava o país, e os adolescentes de há 40 anos até teriam algumas razões para se sentir satisfeitos.

    QI | Diário de Notícias | 3.Ago.2013

    Ler Mais
  • O meu amigo FaustoOpen or Close

    Não é o Elvis Presley nem o Tommy Steel, já teve um cão que voava por impulso mictório, e agora dá guarida a Sócrates, um papagaio filósofo carregado de dúvidas metódicas e muito mais sabedoria do que a generalidade dos cronistas políticos e sociais. Chama-se Fausto Bordalo Dias e é um nome de referência (hoje diz-se incontornável, mas eu sou de outra escola) da música popular portuguesa.

    A Capital | 27.Mai.2005

    Ler Mais