O grande poeta menor

b_500_400_16777215_00_images_geral_ary02.jpg

Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

Nascido no seio da alta burguesia lisboeta, Ary decidiu muito cedo que esse não era o lado da vida onde queria estar. Os primeiros livros revelam um poeta inconformado, mas foi através das canções que se destacou como o mais profícuo autor do seu tempo, com mais de 600 letras escritas.

Evidenciou-se sobretudo pelo papel activo que desempenhou no movimento de renovação da música portuguesa desde finais dos anos 60 do século passado. Portugal era, não o esqueçamos, um país bisonho, e um par de versos simples como «quem faz um filho / fá-lo por gosto» eram suficientes para perturbar as almas pudendas do regime. Para o espírito rebelde e provocador de Ary, esse era um desafio aliciante.

Depois de Abril, Ary assumiu de corpo inteiro a militância comunista. Mas, a par de poemas inflamados e marcados pelo tom aceso do período revolucionário («As Portas Que Abril Abriu» ou «Bandeira Comunista», por exemplo), escreve alguns dos mais belos textos da música portuguesa. Temas como «Estrela da Tarde», «Namorados de Lisboa», «Os Putos», «O Cacilheiro» ou «Quando um Homem Quiser» são já obras essenciais do nosso património colectivo.

Letrista de excepção e «grande poeta menor» (parafraseando Fernando Assis Pacheco a propósito de Vinícius), Ary dos Santos foi também – ou sobretudo – um homem empenhado, um militante afectivo e efectivo, sem nunca deixar de ser um espírito livre. «Poeta castrado, não» – sublinhava. E assim foi até morrer. Essa rebeldia libertária, expressa nas canções que escreveu e presente na memória dos que o conheceram, é afinal o melhor do seu legado.

Diário de Notícias | 18.Jan.2014

Mais sugestões de leitura

  • História biodegradávelOpen or Close

    O cidadão José Hermano tem um pensamento profundo sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau.

    RCS-GA | 25.Fev.1999

    Ler Mais
  • Entrevista ao Portugal RebeldeOpen or Close

    "O Zeca morreu há 22 anos, mas de certo modo está hoje mais vivo do que nunca. Creio que a nova geração já o descobriu, pelo menos em parte, e a prova disso está em que nos últimos dez anos foram gravadas tantas versões de músicas dele como as que foram feitas ao longo das duas últimas décadas do século passado."

    Ler Mais
  • Era uma vez uma NinaOpen or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais
  • Crise? Qual crise?Open or Close

    Para além do disco de 1975 dos Supertramp, a interrogação que dá título a esta crónica remete-nos também para o episódio que constituiu a gota de água para a demissão, há 30 anos, do primeiro-ministro britânico James Callaghan. A Grã-Bretanha vivia então o seu “inverno do descontentamento” e a frase, utilizada em título de primeira página pelo The Sun e atribuída a Callaghan, provocou a ira de milhares de ingleses que sentiam na pele os efeitos da crise económica que se arrastava desde os primeiros anos da década de 70. Dois meses depois, o governo de Big Jim sucumbia a uma moção de censura no parlamento, e os trabalhistas teriam de esperar quase duas décadas para regressarem ao poder.

    Zoot | Verão 2009

    Ler Mais