O grande poeta menor

b_500_400_16777215_00_images_geral_ary02.jpg

Torrencial, apaixonado, firme, exuberante, truculento, corajoso. Qualquer destes adjectivos cabe em José Carlos Ary dos Santos, mas nenhum deles chega para qualificar plenamente o homem, o poeta, o militante. Em Ary, o todo é sempre mais do que a soma das partes, e estas nunca são estanques entre si: Ary foi o poeta que foi por ser o militante que era, e não poderia ser uma pessoa diferente sem trair tudo aquilo que constituía a sua própria razão de ser.

Nascido no seio da alta burguesia lisboeta, Ary decidiu muito cedo que esse não era o lado da vida onde queria estar. Os primeiros livros revelam um poeta inconformado, mas foi através das canções que se destacou como o mais profícuo autor do seu tempo, com mais de 600 letras escritas.

Evidenciou-se sobretudo pelo papel activo que desempenhou no movimento de renovação da música portuguesa desde finais dos anos 60 do século passado. Portugal era, não o esqueçamos, um país bisonho, e um par de versos simples como «quem faz um filho / fá-lo por gosto» eram suficientes para perturbar as almas pudendas do regime. Para o espírito rebelde e provocador de Ary, esse era um desafio aliciante.

Depois de Abril, Ary assumiu de corpo inteiro a militância comunista. Mas, a par de poemas inflamados e marcados pelo tom aceso do período revolucionário («As Portas Que Abril Abriu» ou «Bandeira Comunista», por exemplo), escreve alguns dos mais belos textos da música portuguesa. Temas como «Estrela da Tarde», «Namorados de Lisboa», «Os Putos», «O Cacilheiro» ou «Quando um Homem Quiser» são já obras essenciais do nosso património colectivo.

Letrista de excepção e «grande poeta menor» (parafraseando Fernando Assis Pacheco a propósito de Vinícius), Ary dos Santos foi também – ou sobretudo – um homem empenhado, um militante afectivo e efectivo, sem nunca deixar de ser um espírito livre. «Poeta castrado, não» – sublinhava. E assim foi até morrer. Essa rebeldia libertária, expressa nas canções que escreveu e presente na memória dos que o conheceram, é afinal o melhor do seu legado.

Diário de Notícias | 18.Jan.2014

Mais sugestões de leitura

  • O vagabundo das canções de pazOpen or Close

    De Georges Moustaki ficaram vinte discos de originais, que resumem os sonhos eternos deste homem que parecia vaguear ao ritmo dos acasos, atento à realidade na exacta medida daquilo que nela lhe interessava conhecer e partilhar. Vendo-o e ouvindo-o era esta a sensação que muitas vezes transmitia. Mas era, sobretudo, um artista fiel ao código de vida que escolheu. Vagabundo da canção, construtor de melodias para versos simples, amante da paz e de momentos que não se repetem.

    QI | Diário de Notícias | 1.Jun.2013

    Ler Mais
  • Uma esperança na escuridãoOpen or Close

    Há quem diga que é um prenúncio do fim do mundo, há quem pense que se trata de castigo divino, há quem ache que a culpa é da crise económica global. Não, não estou a falar do terramoto do Chile, nem dos massacres da Nigéria, nem da interminável guerra do Iraque, nem sequer dos sucessivos escândalos que ameaçam transformar Berlusconi no mais hilariante sucessor de Boris Yeltsin no anedotário europeu. Refiro-me antes a essa espécie de loucura branda que parece ter tomado conta do mundo e faz com que a humanidade aceite como naturais as mais incríveis aberrações sociais, políticas e económicas.

    Zoot | Primavera-Verão 2010

    Ler Mais
  • Há ratos na exposiçãoOpen or Close

    O desvio de cerca de um milhão de contos dos cofres da Exposição Mundial de Lisboa é a prova definitiva de que o portuga médio não dá ponto sem nó e aproveita todas as oportunidades para sacar algum. Depois das Descobertas, de Macau e dos fundos europeus, chegou a vez de a Expo 98 dar de comer a mais uns quantos tubarões. Que nem sequer vivem no Oceanário.

    Grande Amadora | 21.Ago.1998

    Ler Mais
  • A grande telha de KowlaskyOpen or Close

    É suposto este ser um texto sério, dado que de seriedade (humana e artística) se trata quando falamos desta dupla imparável. De um lado, Avelino do Carmo, lisboeta de Alcântara desde 1952, pintor de sombras intimistas; do outro lado, Mário Alberto, alentejano nascido no Verão de 1925 na cidade de Lubango, quando Angola ainda era a soit disant colónia portuga e que aprendeu há muito a arte de pegar nas cores e transformá-las como um alquimista.

    Apresentação de Díptico Kowalsky, de Avelino Carmo e Mário Alberto | 2000

    Ler Mais