Mais do que talento

Paco de Lucia (1947-2014)

Poucos saberão que, em meados da década de 80 do século passado, Paco de Lucia manifestou a alguns amigos o desejo de gravar um disco com Carlos Paredes. O mestre português da guitarra tinha publicado o Concerto em Frankfurt, e era uma das «jóias da coroa» da Polygram, tal como Paco – que já gravara, entre outras coisas maiores, Friday Night in San Francisco e Passion, Grace and Fire, ambos em conjunto com Al di Meola e John McLaughlin.

A ideia de Paco, admirador de Paredes, foi acolhida com entusiasmo pela editora, mas esbarrou na recusa definitiva do músico português: «Tocar com Paco de Lucia? Nem pensar. Ele esmagava-me, oh amigo!»

Podemos atribuir este receio à proverbial modéstia de Carlos Paredes, à forte personalidade artística de ambos, ou mesmo à manifesta dificuldade do criador de Verdes Anos em estabelecer parcerias criativas com outros músicos, mas a verdade é que o disco nunca aconteceu, e por isso nunca saberemos se os medos de Paredes tinham razão de ser ou se, à semelhança do que fez com Di Meola e McLaughlin, Paco de Lucia conseguiria estabelecer com o seu parceiro ibérico um diálogo perfeito de guitarras com diferentes sonoridades e memórias.

À margem deste episódio, porém, vislumbra-se o que julgo ser um dos traços distintivos do mestre do flamenco: uma vontade permanente de experimentar sons e partilhar sensações – o que conseguia sem retirar espaço aos outros, mas também sem nunca deixar de ser ele mesmo.

Foi um músico de talento transbordante. Mas foi mais do que isso. «Um bom homem, um grande instrumentista e um grande companheiro na partilha de palcos», disse, ontem, José Nuno Martins, que organizou e produziu o primeiro espectáculo de Paco de Lucia em Lisboa. Três razões que chegam para gostar dele. E ouvi-lo, agora e sempre.

Diário de Notícias | 27.Fev.2014

Mais sugestões de leitura

  • O fim do mundoOpen or Close
    Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma. E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.
    Jornal do Fundão | 27.Dez.2012
    Ler Mais
  • Entrevista ao Portugal RebeldeOpen or Close

    "O Zeca morreu há 22 anos, mas de certo modo está hoje mais vivo do que nunca. Creio que a nova geração já o descobriu, pelo menos em parte, e a prova disso está em que nos últimos dez anos foram gravadas tantas versões de músicas dele como as que foram feitas ao longo das duas últimas décadas do século passado."

    Ler Mais
  • Primeiro andamento: das origensOpen or Close

    – Quando começaste a cantar, em 1963, estavas numa área artística e movias-te num meio social que não era propriamente o mesmo do Zeca. Que influência é que ele acabou por ter em ti?

    – Foi muito grande. Muito maior do que aquilo que eu na altura teria entendido, hoje tenho essa dimensão. Repara que eu venho de um meio muito específico, que é o meio do fado. Na altura não se sabia, mas hoje está provado que, durante o período de gestação, o bebé recebe todas as influências da mãe. Todas. E a minha mãe, por razões conjunturais da vida dos meus pais, teve de cantar até ao oitavo mês de gravidez. Cantava de xaile para disfarçar a barriguinha, mas foi um período muito difícil na vida deles. Isto são histórias que me foram contadas por ela e pelo meu pai. Eu nasci em 1939, estava a começar a guerra na Europa, havia muito desemprego, e o meu pai, que era um brilhante livreiro, esteve um período sem trabalho, sem qualquer trabalho. E portanto era necessário alguém sustentar a família, e foi a minha mãe que o fez. E lá estava eu, dentro daquela barriguinha, a ouvir fado, até ao oitavo mês. Eu sou oriundo disto.

    Ler Mais
  • Tanto caminho andado...Open or Close

    Polémico, por vezes contraditório, mas sempre corajoso e firme nas suas opções, José Carlos Ary dos Santos deixou um espólio de muitas centenas de canções que fizeram um pouco de história na música portuguesa.

    Se7e | 25.Jan.1984

    Ler Mais