Mais do que talento

Paco de Lucia (1947-2014)

Poucos saberão que, em meados da década de 80 do século passado, Paco de Lucia manifestou a alguns amigos o desejo de gravar um disco com Carlos Paredes. O mestre português da guitarra tinha publicado o Concerto em Frankfurt, e era uma das «jóias da coroa» da Polygram, tal como Paco – que já gravara, entre outras coisas maiores, Friday Night in San Francisco e Passion, Grace and Fire, ambos em conjunto com Al di Meola e John McLaughlin.

A ideia de Paco, admirador de Paredes, foi acolhida com entusiasmo pela editora, mas esbarrou na recusa definitiva do músico português: «Tocar com Paco de Lucia? Nem pensar. Ele esmagava-me, oh amigo!»

Podemos atribuir este receio à proverbial modéstia de Carlos Paredes, à forte personalidade artística de ambos, ou mesmo à manifesta dificuldade do criador de Verdes Anos em estabelecer parcerias criativas com outros músicos, mas a verdade é que o disco nunca aconteceu, e por isso nunca saberemos se os medos de Paredes tinham razão de ser ou se, à semelhança do que fez com Di Meola e McLaughlin, Paco de Lucia conseguiria estabelecer com o seu parceiro ibérico um diálogo perfeito de guitarras com diferentes sonoridades e memórias.

À margem deste episódio, porém, vislumbra-se o que julgo ser um dos traços distintivos do mestre do flamenco: uma vontade permanente de experimentar sons e partilhar sensações – o que conseguia sem retirar espaço aos outros, mas também sem nunca deixar de ser ele mesmo.

Foi um músico de talento transbordante. Mas foi mais do que isso. «Um bom homem, um grande instrumentista e um grande companheiro na partilha de palcos», disse, ontem, José Nuno Martins, que organizou e produziu o primeiro espectáculo de Paco de Lucia em Lisboa. Três razões que chegam para gostar dele. E ouvi-lo, agora e sempre.

Diário de Notícias | 27.Fev.2014

Mais sugestões de leitura

  • Era uma vez em HavanaOpen or Close

    Era uma vez um povo e uma ilha, centro de um mundo encantado no coração das Caraíbas. Era uma vez uma gente nascida do cruzamento de outras gentes, fruto da inevitável mistura de raças e de culturas produzida pelos navegadores antigos. Era uma vez uma cidade e uma revolução.

    Ler Mais
  • O silêncio da terraOpen or Close

    «Não acredito muito nos pessoas que apenas se comovem quando ouvem falar de coisas de carácter político. Não basta fazer canções sobre a paz ou sobre a guerra, é preciso ter em conta também uma outra poesia que nos fale da beleza das paisagens, dos rios que correm, da natureza que se manifesta.» Em Março de 1985, Atahualpa Yupanqui esteve em Portugal para realizar dois concertos únicos por iniciativa da Embaixada da República Argentina. Nos palcos da Aula Magna, em Lisboa, e do Rivoli, no Porto, acompanhado apenas pela sua guitarra (“a la guitarra grave y honda que jumbrosa estremecida y soledosa, desvelada quiero referirme”), deu-se-nos, durante cerca de duas horas, o trovador maior das pampas, “payador” que foi perseguido e nunca desistiu de se interrogar, a ele próprio e a quantos o ouvem, a propósito dos sentidos possíveis da vida.

    Ler Mais
  • Silly seasonOpen or Close

    Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

    Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

    Ler Mais
  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais