O estado do sítio

© Sandra Bernardo

Com o País no estado em que está e a Europa no ponto aonde chegou, não vejo como é que alguém de bom senso consegue manter o optimismo. No entanto é isso que o (des)governo da nação continua a exibir, perante a impavidez de parte significativa dos cidadãos, a raiva (ainda) mansa dos outros e a aquiescência dos multiespecialistas, econocomentaristas, políticofantasistas e outros patuscos que animam o nosso triste quotidiano.

Sem capacidade nem querença de acautelar o pão, Passos garante-nos o circo, ultimamente coisificado no anedotário relvas que, de tão extenuadamente repetido e tão singelamente risível, se tornou numa eficaz manobra de diversão para os problemas realmente importantes das nossas vidas.

O País vai a pique, por muito que o ministro principal garanta que vai cumprir “os objectivos” e honrar os “compromissos nacionais”. Mas nem todos vão ao fundo, e a cada dia que passa multiplicam-se as evidências de que a minoria do costume permanece desobrigada dos “sacrifícios” exigidos à maioria. E logo vêm os mestres-escola habituais explicar que não há nada imoral nesta imoralidade, uma vez que é “a Lei” que assim o determina.

A Lei. Era o fundamento do estado de direito, um pilar central do sistema democrático. Mas também isso já mudou, desde que os mais altos dignitários do País passaram a encarar com naturalidade o desrespeito sistemático do contrato social por parte das instituições a que compete zelar pelo seu cumprimento. Pois se até o suposto presidente do sítio prefere ignorar a Constituição que jurou cumprir e fazer cumprir a pôr em causa um orçamento de Estado que faz tábua rasa de elementares direitos consagrados na Lei a que, não por acaso, se chama Fundamental.

O discurso dos governantes refere um país diferente do nosso, e tirando alguns exaltados pontuais, poucos realmente se sentem incomodados com o faz-de-conta instituído. Se Passos Coelho e o seu gabinete são como a orquestra do Titanic que ilude o afundamento iminente, José (ex-Durão) Barroso é o pequeno comandante do navio que ainda não percebeu o iceberg que tem pela frente e de que Angela Merkl é apenas a parte imediatamente visível. Neste jogo de interesses, a chanceler alemã não passa de um marechal-de-campo da imensa teia de poderes económicos e financeiros que, discreta mas eficazmente, modelou a política monetária comum de modo a tornar esta “crise” inevitável.

De modo que, neste Verão, ir a banhos só se for de semicúpios, pois até um licenciado instantâneo consegue adivinhar difíceis os tempos que nos esperam. Para dar a volta a isto, não chegam os discursos politicamente polidos ou polidamente políticos. Os que conduziram Portugal e a Europa e o resto a este lindo estado não estão dispostos a mudar apenas porque os cidadãos dos seus países gostariam que o fizessem. Só sairão à força e, muito provavelmente, pela força.

Dir-me-ão que esta não é uma atitude democrática. Pois não. Mas facto é que nunca os europeus foram chamados a pronunciar-se sobre as mais importantes transformações operadas no espaço da União. O desenvolvimento da Europa, sobretudo após a queda do Muro de Berlim, foi feito em regra por métodos antidemocráticos e pouco transparentes. Pelos burocratas de Bruxelas em estreita cumplicidade com os governos nacionais de serviço. E o resultado está à vista.

José Afonso, que faria hoje 83 anos, diria que «o que faz falta é animar a malta, agitar a malta, libertar a malta, dar poder à malta». Chamaram-lhe cigano, utópico e coisas ainda piores. Pois. Mas que faz falta, faz. E se calhar é mesmo a única maneira.

Jornal do Fundão | 2.Agosto.2012

Mais sugestões de leitura

  • O direito à preguiçaOpen or Close

    «Face aos meios de produção modernos e à sua ilimitada potência reprodutiva, há que moderar a paixão extravagante dos operários pelo trabalho e obrigá-los a consumir as mercadorias que produzem.» Esta frase foi escrita há 125 anos por Paul Lafargue, revolucionário francês e genro de Karl Marx, num manifesto que fez furor e causou escândalo, tanto entre a burguesia como entre a classe operária desse tempo. Chamava-se O Direito à Preguiça e exaltava as virtudes do ócio e do lazer contra os malefícios do trabalho.

    Zoot | Outono 2009

    Ler Mais
  • Cabeças raladasOpen or Close

    Skinhead. Para a generalidade dos cidadãos, a palavra tem de imediato conotações malditas: cruzes suásticas, violência organizada, ideais fascistas. Falar de skins leva invariavelmente a falar de racismo e de morte. A palavra aos próprios: «Na realidade, os skins nazis são uma minoria no conjunto dos 'carecas' europeus. O que acontece é que eles, de cada vez que aparecem, dão nas vistas o suficiente para que, sempre que se fala em skins, as pessoas pensarem que os únicos que existem são eles.» Não são, como se pode ler aqui.

    O Independente | 16.Abr.1999

    Ler Mais
  • O Andarilho na ImprensaOpen or Close

    (...) um testemunho empenhado e emotivo não apenas sobre a obra e a personalidade admiráveis do autor de Grândola, Vila Morena mas também sobre o estado de espírito que por algum tempo dominou os seus companheiros de aventuras em meados da década de 80. (Jorge P. Pires)

    Ler Mais
  • Nobre polvoOpen or Close

    Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

    Ler Mais