O estado do sítio

© Sandra Bernardo

Com o País no estado em que está e a Europa no ponto aonde chegou, não vejo como é que alguém de bom senso consegue manter o optimismo. No entanto é isso que o (des)governo da nação continua a exibir, perante a impavidez de parte significativa dos cidadãos, a raiva (ainda) mansa dos outros e a aquiescência dos multiespecialistas, econocomentaristas, políticofantasistas e outros patuscos que animam o nosso triste quotidiano.

Sem capacidade nem querença de acautelar o pão, Passos garante-nos o circo, ultimamente coisificado no anedotário relvas que, de tão extenuadamente repetido e tão singelamente risível, se tornou numa eficaz manobra de diversão para os problemas realmente importantes das nossas vidas.

O País vai a pique, por muito que o ministro principal garanta que vai cumprir “os objectivos” e honrar os “compromissos nacionais”. Mas nem todos vão ao fundo, e a cada dia que passa multiplicam-se as evidências de que a minoria do costume permanece desobrigada dos “sacrifícios” exigidos à maioria. E logo vêm os mestres-escola habituais explicar que não há nada imoral nesta imoralidade, uma vez que é “a Lei” que assim o determina.

A Lei. Era o fundamento do estado de direito, um pilar central do sistema democrático. Mas também isso já mudou, desde que os mais altos dignitários do País passaram a encarar com naturalidade o desrespeito sistemático do contrato social por parte das instituições a que compete zelar pelo seu cumprimento. Pois se até o suposto presidente do sítio prefere ignorar a Constituição que jurou cumprir e fazer cumprir a pôr em causa um orçamento de Estado que faz tábua rasa de elementares direitos consagrados na Lei a que, não por acaso, se chama Fundamental.

O discurso dos governantes refere um país diferente do nosso, e tirando alguns exaltados pontuais, poucos realmente se sentem incomodados com o faz-de-conta instituído. Se Passos Coelho e o seu gabinete são como a orquestra do Titanic que ilude o afundamento iminente, José (ex-Durão) Barroso é o pequeno comandante do navio que ainda não percebeu o iceberg que tem pela frente e de que Angela Merkl é apenas a parte imediatamente visível. Neste jogo de interesses, a chanceler alemã não passa de um marechal-de-campo da imensa teia de poderes económicos e financeiros que, discreta mas eficazmente, modelou a política monetária comum de modo a tornar esta “crise” inevitável.

De modo que, neste Verão, ir a banhos só se for de semicúpios, pois até um licenciado instantâneo consegue adivinhar difíceis os tempos que nos esperam. Para dar a volta a isto, não chegam os discursos politicamente polidos ou polidamente políticos. Os que conduziram Portugal e a Europa e o resto a este lindo estado não estão dispostos a mudar apenas porque os cidadãos dos seus países gostariam que o fizessem. Só sairão à força e, muito provavelmente, pela força.

Dir-me-ão que esta não é uma atitude democrática. Pois não. Mas facto é que nunca os europeus foram chamados a pronunciar-se sobre as mais importantes transformações operadas no espaço da União. O desenvolvimento da Europa, sobretudo após a queda do Muro de Berlim, foi feito em regra por métodos antidemocráticos e pouco transparentes. Pelos burocratas de Bruxelas em estreita cumplicidade com os governos nacionais de serviço. E o resultado está à vista.

José Afonso, que faria hoje 83 anos, diria que «o que faz falta é animar a malta, agitar a malta, libertar a malta, dar poder à malta». Chamaram-lhe cigano, utópico e coisas ainda piores. Pois. Mas que faz falta, faz. E se calhar é mesmo a única maneira.

Jornal do Fundão | 2.Agosto.2012

Mais sugestões de leitura

  • O pecado da invejaOpen or Close

    Quando o Criador distribuiu os pecados pelo mundo, nem todos os povos tiveram a mesma sorte: aparentemente, a preguiça coube aos espanhóis, os franceses ficaram com a gula (apesar da nouvelle cuisine), os ingleses com a soberba, escoceses e judeus com a avareza; a ira foi para gregos e troianos, sérvios e macedónios, tártaros e mongóis, acabando por tornar-se um pecado transversal a quase todos os povos, ainda que – felizmente – nem sempre ao mesmo tempo; quanto à luxúria, ficou para as nórdicas, claro, mas também para os brasileiros, os italianos e outros mentirosos. Nesta repartição de defeitos calhou aos portugueses ficar com a inveja.

    Zoot | Primavera 2007

    Ler Mais
  • Sexto andamento: do medoOpen or Close

    – Qual foi o teu pior momento em cima de um palco?

    – Foi em Vilar de Mouros, no segundo Festival de Vilar de Mouros. É uma história engraçada. (...) Quando cheguei ao palco... Só te digo que dificilmente a minha família terá sido mais insultada em toda a minha vida do que naquela noite! Mãe, pai, filhos – tudo o que era família minha foi insultada! Já para não falar dos insultos directos, mandarem-me com objectos estranhos... (...) Então passou-me uma coisa pela cabeça, olhei para os meus músicos e disse: «Vamos cantar uma canção, vamos cantar a Pedra Filosofal, vamos fazer aqui uma inversão.» Comecei a cantar, fez-se um silêncio enorme, calaram-se completamente, trautearam o final comigo e aplaudiram freneticamente. Aí, cheguei ao microfone e disse: «Vão bardamerda!». E fui-me embora.

    Ler Mais
  • Elogio da inocênciaOpen or Close

    Naquele tempo éramos todos imortais. Havia mais mundos para lá do mundo que nos era dado conhecer e onde nos era permitido viver. E nós sabíamos. Era o tempo das coisas inevitáveis, como a realidade imaginada, a noite a descobrir, o sonho, a urgência das coisas para viver. E nós vivíamos. E inventávamos sons e momentos, da mesma forma rigorosa e apaixonada com que fazíamos crescer os silêncios até o seu clamor invadir tudo. Foi nesse tempo e dessa forma que o Geraldo se tornou meu irmão. Ele era imortal, como eu, e os imortais sabem sempre reconhecer os da sua laia.

    Prefácio a Cravos com Espinhos, de Geraldo Alves | 2003

    Ler Mais
  • Padre Mário de OliveiraOpen or Close

    Era capelão das tropas portuguesas na Guiné-Bissau, e nessa condição ousou pregar a Paz. Mas o tempo era de guerra, ainda que esta fosse uma guerra particularmente injusta. E Mário de Oliveira, o capelão pacifista, acabou com guia de marcha para a «metrópole», como então se chamava a Portugal continental. Não esteve mais de quatro meses no teatro de operações, mas foi o suficiente para perceber que, se queria espalhar a palavra de Jesus Cristo, teria de, como Ele, sujeitar-se à raiva e à incompreensão dos poderosos.

    Ler Mais