fdmsb400.jpg

Infelizmente, ainda não foi desta. Apesar de anunciado com algumas centenas de anos de antecedência, o fim do mundo que muitos esperavam voltou a ser adiado. Pelos vistos, os maias são como a Maya e o sinistro Gaspar: não acertam uma.

E como eu gostava que o mundo tivesse acabado. Não propriamente o meu, nem o dos caríssimos leitores, mas este mundo imundo de coelhos e relvas e cavacos e portas e borges e merkls e troikas. E também o dos (in)seguros, dos idiotas, dos patos-bravos, de todas as adultas e descompassadas bestas que tresmalham as nossas vidas e assassinam os nossos sonhos.

Sou da geração privilegiada que é suficientemente jovem para ter vivido Abril ainda na flor da idade e antiga quanto baste para continuar a ter memória plena da repressão fascista. Ou seja: sou daqueles que têm consciência de que a Liberdade não é um dado adquirido e irreversível, e que por isso é necessário tomar conta dela e defendê-la todos os dias, a vida inteira.

E a verdade é que nunca, desde a restauração da Democracia, a sensação de um iminente regresso ao passado se me fez sentir de um modo tão forte como nos dias que correm. Com um governo, uma maioria e um presidente apostados em reduzir a Constituição a uma simples figura de retórica, o País regride a um ritmo avassalador, cada dia que passa.

Contra isto, o que se pode fazer? Nada, diz o governo colaboracionista, empenhado em fazer-nos crer que a miséria e a fome são tão inevitáveis como a noite que segue ao dia e que só assim Portugal conseguirá sair do buraco negro para onde o empurraram. Muito pouco, diz a oposição soft-left, ciosa do seu «sentido de responsabilidade» e do papel que lhe cabe enquanto poder-que-segue-dentro-de-momentos. Tudo, dizem os outros, e são cada vez mais, cientes de que só com uma alteração radical das estruturas do poder e da economia, em Portugal e na Europa, será possível voltar a acreditar num mundo melhor.

A gravidade da situação faz com que em causa não esteja já uma mera divisão da sociedade entre as perspectivas tradicionais da Esquerda e da Direita, mas antes entre as pessoas de bem e as outras. Por isso são cada vez mais as vozes que, de distintos e por vezes antagónicos sectores da vida pública, se levantam contra a irracionalidade vigente. Mas Passos e o resto do bando, do alto da imensa arrogância que é característica dos medíocres, continuam a acreditar que a melhor maneira de ajudar um náufrago é obrigá-lo a nadar para longe da costa. E o pior é que são bastantes os que, mesmo entre os já quase afogados, acham que o caminho só pode ser esse. Não é preciso ser sobredotado para perceber que, de tão mal contada, esta história só pode acabar mal. Muito mal.

A responsabilidade pelo acriticismo conformista que tomou conta de parte significativa da população reparte-se em doses proporcionais pelos sucessivos (des)governos, os agiotas e os sabujos de todos os matizes que diariamente nos entram casa adentro a anunciar a inevitabilidade do apocalipse. Mas cabe também aos jornalistas que trocaram o quarto poder pelo quarto do Poder, aos empresários manhosos para quem os fins justificam todos os meios, aos professores que aceitam sem resistência ser meras correias-de-transmissão da ideologia dominante, aos conformados e desistentes de todas as cores e feitios.
Para travar esta alucinante descida aos infernos, talvez seja mesmo necessário acabar de vez com este mundo e, desse desejado dilúvio, construir enfim uma outra realidade em que o Homem volte a ser a medida de todas as coisas. Vai doer, claro, como é próprio de qualquer processo de crescimento. Mas não há outra maneira.

Jornal do Fundão | 27.Dez.2012

Mais sugestões de leitura

  • Versos na margem da folhaOpen or Close

    Quem abra o livro e leia o prefácio afectuoso de Fernando Alves, não está preparado para um murro no estômago. Que não é um murro anónimo, tem título: Três Olhares sobre Manágua, um elogio à loucura nas noites claras de outro continente. (...) Mas neste livro de quase um cento de páginas, Viriato Teles visita a noite de muitas cidades, reencontra amigos enquanto desencontra revoluções e outros sonhos transgressores.

    Ler Mais
  • Entrevista ao Portugal RebeldeOpen or Close

    "O Zeca morreu há 22 anos, mas de certo modo está hoje mais vivo do que nunca. Creio que a nova geração já o descobriu, pelo menos em parte, e a prova disso está em que nos últimos dez anos foram gravadas tantas versões de músicas dele como as que foram feitas ao longo das duas últimas décadas do século passado."

    Ler Mais
  • As sandálias do pecadorOpen or Close
    O que a seguir se oferece tem o mesmo sentido da partilha bíblica do pão e do vinho. Tinto corrente ou néctar do bom, de preferência com o conduto de uma morcela da Beira ou de um chouriço de Barrancos, que o Mário não se faz rogado. E movimenta-se com o mesmo à-vontade nos salões mais elegantes ou nas tascas mais ordinárias. Sempre com os amigos por perto, como se impõe. Os amigos "que são tristes com cinco dedos de cada lado", como diz Herberto. Os amigos que o Mário torna alegres e que cultiva como rosas delicadas, quer sejam poetas famosos ou bêbados anónimos, mulheres distintas ou putas de rua, actores de seis assoalhadas ou figurantes sem abrigo. À nossa!
    O IVAngelho II Mário Alberto
    Edições Sojorama 2002
    Ler Mais
  • O senhor Lopes e o cantadorOpen or Close

    Um concerto de Fausto esteve agendado para a noite de 24 de Abril de 2004, no Terreiro do Paço, mas acabou desmarcado por «indicações superiores». O presidente da Câmara de Lisboa, que organizou o espectáculo, era Pedro Santana Lopes, e a decisão de desconvidar o cantor ocorreu na altura em foi referida pelos círculos do poder a necessidade de «retirar qualquer conotação ideológica ao 25 de Abril». Como se vê.

    Focus | 12.Mai.2004

    Ler Mais