O primeiro dia

15set_1_300.jpg

A manifestação que no último fim-de-semana terá juntado para cima de um milhão de portugueses, metade deles em Lisboa, num gigantesco protesto espontâneo e generalizado contra as comprovadamente ineficazes medidas de austeridade do governo (e) da Troika, devolve-nos uma parte da esperança.

A partir de agora deixa de haver álibis para a cegueira do governo que, a coberto da tradicional ilusão dos «brandos costumes» lusitanos, o conduz ao maior servilismo perante todas as imposições do FMI, do BCE e da Comissão Europeia – a ponto de insistirem em «ir para além» daquilo que é prescrito por estes mandatários da agiotagem internacional, mesmo que já toda a gente tenha percebido que, para além disto, só há o abismo.

Por mais voltas em sentido contrário que procurem dar os analistas oficiais do regime, o protesto de sábado passado representa, de facto, uma nova atitude dos cidadãos perante aqueles que supostamente os representam nos órgãos do poder. Nesse sentido, a vindicação a que se assistiu foi dirigida a todos os actores do sistema político – do governo e da oposição, das organizações sindicais e das patronais, cá dentro como lá fora – e deveria merecer a atenção de todos e cada um deles.

Este 15 de Setembro foi um dos actos mais significativos da democracia portuguesa, em que ficaram provadas várias coisas – como, por exemplo, que o exercício da cidadania é possível, quando os cidadãos assim querem. E desfizeram-se alguns preconceitos, também. Por exemplo de que os portugueses estão «disponíveis para mais sacrifícios», como, num verdadeiro atentado ao pudor, proclama o ministro Gaspar. Ou de que as lutas políticas têm forçosamente de acontecer dentro dos círculos de poder e contra-poder dos partidos e das organizações tradicionais. Ou de que, faça-se o que se fizer, «isto» nunca vai mudar.

Vai, pois. Tem de mudar, porque de outro modo é a nossa própria vida que se torna insustentável. E ao falar de mudança não nos referimos apenas a operações de cosmética para eleitor ver, do género da que, ainda a manifestação decorria, foi anunciada pelo parceiro menor da coligação governativa. No estado a que chegámos, pouco adiantam as piedosas intenções, muito menos quando embrulhadas em justificações do género «nós não queríamos mas tem de ser» com que a classe política dominante procura iludir-nos. A única inevitabilidade é acabar de vez com esta política que, de degrau em degrau, conduziu o país ao charco.

O que mais assusta neste governo nem é a impudência com que se propõe desbaratar o País a troco de uns trocados que rapidamente se hão-de esfumar deixando-nos a todos numa situação ainda pior. Não, o que apavora é a magnânima ignorância da vida real de que Passos Coelho e a sua equipa todos os dias dão provas inequívocas. Para eles, o mundo resume-se a um formulário em excel, onde a realidade tem forçosamente que encaixar-se, pois que assim o determinam os números que o ornamentam, meticulosamente divididos em décimas, centésimas e milésimas.

O lugar onde vivem não é Portugal, é um país qualquer que inventaram e só existe no tremendo vazio das suas cabeças. É um mundo onde as pessoas são apenas um número do sistema fiscal, um mundo de contribuintes, mas não de cidadãos, a que se exige plena disponibilidade para manter as aparências que tornam Portugal apetecível para «os mercados». Nesse mundo em power-point que querem convencer-nos ser o lugar onde vivemos, basta parecer: parecer «competitivo», demonstrar «sentido de responsabilidade», «cumprir as metas do défice» – há quantos anos não ouvimos a mesma estafada argumentação destinada apenas a tolher as legítimas ambições de quem acha que a vida não pode ser vivida a posteriori.

Os portugueses – capazes de aguentar com aparente mansidão o que até agora lhes tinha sido pedido – atingiram o ponto limite de resistência ao sacrifício. Querem também ser pessoas, cidadãos de pleno direito do século XXI e não meros escravos de uma opulência alheia. Foi isso, afinal, que se disse no dia 15 de Setembro. Foi muito, mas foi apenas o princípio. «O primeiro dia do resto da nossa luta», como resumiu, ao fim da tarde, um dos muitos quase anónimos promotores do protesto, neste caso uma jovem promotora, falando para quem a quis ouvir.

O que acontecerá agora só em parte permanece uma incógnita. E vai depender muito do modo como os inquilinos de São Bento e de Belém conseguirão lidar com o som que vem da rua, mas também de como o farão as forças políticas que se propõem ser alternativas. No final, é claro, dependerá de todos nós. Porque, como já toda a gente entendeu, de pouco adianta mudar o palhaço se o circo continuar a ser o mesmo.

Jornal do Fundão | 20.Set.2012

Mais sugestões de leitura

  • História biodegradávelOpen or Close

    O cidadão José Hermano tem um pensamento profundo sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau.

    RCS-GA | 25.Fev.1999

    Ler Mais
  • Mãos de falaOpen or Close

    Tem uns olhos grandes, profundos, penetrantes. E as mãos. As mãos que, em palco, criam um espaço próprio dentro do cenário, tornam-se, à conversa, num elemento do diálogo, tão intenso como cada vocábulo, cada sorriso, cada momento. Tem uns olhos grandes e chama-se Juliette Greco. Ou Jujube, segundo a sua autobiografia. É uma latina orgulhosa, e canta. Boris Vian, Jacques Brel, Prèvet, Ferré. “Canto sempre aquilo de que gosto e, por isso, não tenho canções preferidas”, frisa.

    Ler Mais
  • Chávez: alguns factosOpen or Close

    “Fez algumas coisas boas, mas destruiu a economia”. É este o tom de alguns comentários que podem ler-se um pouco por toda a parte a propósito do falecimento de Hugo Chávez. Como não gosto de falar de cór e guardo comigo algumas manias de velho repórter relativamente ao rigor informativo, sirvo-me da edição online do Expresso de hoje apenas para dar conta de alguns dados concretos sobre os 15 anos de “chavismo”.

    Ler Mais
  • Ler, ouvir e contarOpen or Close

    De todos os registos discográficos editados este ano em Portugal, poucos terão suscitado tão grande expectativa como «A Ópera Mágica do Cantor Maldito». Desde logo pelos nove anos que o separam do anterior disco de originais de Fausto, «Crónicas da Terra Ardente», mas também pelo sigilo que rodeou a sua preparação. Na verdade, só mesmo os amigos mais próximos do compositor sabiam há muito que havia um novo trabalho na forja, mas mesmo entre estes poucos saberiam do que realmente se tratava.

    Jornal de Letras | 24.Dez.2003

    Ler Mais