O primeiro dia

15set_1_300.jpg

A manifestação que no último fim-de-semana terá juntado para cima de um milhão de portugueses, metade deles em Lisboa, num gigantesco protesto espontâneo e generalizado contra as comprovadamente ineficazes medidas de austeridade do governo (e) da Troika, devolve-nos uma parte da esperança.

A partir de agora deixa de haver álibis para a cegueira do governo que, a coberto da tradicional ilusão dos «brandos costumes» lusitanos, o conduz ao maior servilismo perante todas as imposições do FMI, do BCE e da Comissão Europeia – a ponto de insistirem em «ir para além» daquilo que é prescrito por estes mandatários da agiotagem internacional, mesmo que já toda a gente tenha percebido que, para além disto, só há o abismo.

Por mais voltas em sentido contrário que procurem dar os analistas oficiais do regime, o protesto de sábado passado representa, de facto, uma nova atitude dos cidadãos perante aqueles que supostamente os representam nos órgãos do poder. Nesse sentido, a vindicação a que se assistiu foi dirigida a todos os actores do sistema político – do governo e da oposição, das organizações sindicais e das patronais, cá dentro como lá fora – e deveria merecer a atenção de todos e cada um deles.

Este 15 de Setembro foi um dos actos mais significativos da democracia portuguesa, em que ficaram provadas várias coisas – como, por exemplo, que o exercício da cidadania é possível, quando os cidadãos assim querem. E desfizeram-se alguns preconceitos, também. Por exemplo de que os portugueses estão «disponíveis para mais sacrifícios», como, num verdadeiro atentado ao pudor, proclama o ministro Gaspar. Ou de que as lutas políticas têm forçosamente de acontecer dentro dos círculos de poder e contra-poder dos partidos e das organizações tradicionais. Ou de que, faça-se o que se fizer, «isto» nunca vai mudar.

Vai, pois. Tem de mudar, porque de outro modo é a nossa própria vida que se torna insustentável. E ao falar de mudança não nos referimos apenas a operações de cosmética para eleitor ver, do género da que, ainda a manifestação decorria, foi anunciada pelo parceiro menor da coligação governativa. No estado a que chegámos, pouco adiantam as piedosas intenções, muito menos quando embrulhadas em justificações do género «nós não queríamos mas tem de ser» com que a classe política dominante procura iludir-nos. A única inevitabilidade é acabar de vez com esta política que, de degrau em degrau, conduziu o país ao charco.

O que mais assusta neste governo nem é a impudência com que se propõe desbaratar o País a troco de uns trocados que rapidamente se hão-de esfumar deixando-nos a todos numa situação ainda pior. Não, o que apavora é a magnânima ignorância da vida real de que Passos Coelho e a sua equipa todos os dias dão provas inequívocas. Para eles, o mundo resume-se a um formulário em excel, onde a realidade tem forçosamente que encaixar-se, pois que assim o determinam os números que o ornamentam, meticulosamente divididos em décimas, centésimas e milésimas.

O lugar onde vivem não é Portugal, é um país qualquer que inventaram e só existe no tremendo vazio das suas cabeças. É um mundo onde as pessoas são apenas um número do sistema fiscal, um mundo de contribuintes, mas não de cidadãos, a que se exige plena disponibilidade para manter as aparências que tornam Portugal apetecível para «os mercados». Nesse mundo em power-point que querem convencer-nos ser o lugar onde vivemos, basta parecer: parecer «competitivo», demonstrar «sentido de responsabilidade», «cumprir as metas do défice» – há quantos anos não ouvimos a mesma estafada argumentação destinada apenas a tolher as legítimas ambições de quem acha que a vida não pode ser vivida a posteriori.

Os portugueses – capazes de aguentar com aparente mansidão o que até agora lhes tinha sido pedido – atingiram o ponto limite de resistência ao sacrifício. Querem também ser pessoas, cidadãos de pleno direito do século XXI e não meros escravos de uma opulência alheia. Foi isso, afinal, que se disse no dia 15 de Setembro. Foi muito, mas foi apenas o princípio. «O primeiro dia do resto da nossa luta», como resumiu, ao fim da tarde, um dos muitos quase anónimos promotores do protesto, neste caso uma jovem promotora, falando para quem a quis ouvir.

O que acontecerá agora só em parte permanece uma incógnita. E vai depender muito do modo como os inquilinos de São Bento e de Belém conseguirão lidar com o som que vem da rua, mas também de como o farão as forças políticas que se propõem ser alternativas. No final, é claro, dependerá de todos nós. Porque, como já toda a gente entendeu, de pouco adianta mudar o palhaço se o circo continuar a ser o mesmo.

Jornal do Fundão | 20.Set.2012

Mais sugestões de leitura

  • Que grande pedraOpen or Close

    Pela leitura da última edição do Expresso, ficámos a saber que «o Presidente Jorge Sampaio propôs na última semana aos líderes dos quatro maiores partidos a realização de um almoço comum contra a droga.»
    Confesso que a notícia me encheu de curiosidade, quanto mais não seja porque, apesar de já ter assistido a corridas contra o racismo, manifestações contra as propinas, e até a marchas contra os canhões, nunca tinha imaginado que fosse possível fazer almoços contra a droga.

    TSF | 14.Jan.1998

    Ler Mais
  • Uma esperança na escuridãoOpen or Close

    Há quem diga que é um prenúncio do fim do mundo, há quem pense que se trata de castigo divino, há quem ache que a culpa é da crise económica global. Não, não estou a falar do terramoto do Chile, nem dos massacres da Nigéria, nem da interminável guerra do Iraque, nem sequer dos sucessivos escândalos que ameaçam transformar Berlusconi no mais hilariante sucessor de Boris Yeltsin no anedotário europeu. Refiro-me antes a essa espécie de loucura branda que parece ter tomado conta do mundo e faz com que a humanidade aceite como naturais as mais incríveis aberrações sociais, políticas e económicas.

    Zoot | Primavera-Verão 2010

    Ler Mais
  • Não se pode viver sem UtopiaOpen or Close

    Em meados dos anos 80, o PSR deu passos decisivos para restituir à Esquerda o brilho e a criatividade esmorecidos na ressaca pós-revolucionária. O mensário Combate tornou-se, então, uma importante tribuna de debate de ideias, aberta a homens e mulheres de várias sensibilidades da Esquerda portuguesa não-alinhada, que propiciou a introdução de uma nova linguagem no léxico da esquerda portuguesa. Este livro é uma colectânea de textos, de diversos autores, publicados no Combate entre 1986 e 1998. E também dá azo a revisitar dois amigos dos insubstituíveis: Fernando Assis Pacheco e Júlio Pinto.

    Não se pode viver sem Utopia
    Edições Combate 2008

    Ler Mais
  • A partilha da águaOpen or Close

    «Para mim é sempre bom ter uma oportunidade de estar junto das pessoas, de passar com elas bons momentos. Quanto mais vezes estivermos juntos, mais poderemos falar uns com os outros, mais poderemos aprender. Uns com os outros e uns sobre os outros.»
    No terraço de um hotel de Lisboa, Richie Havens fala-me assim da sua segunda visita a Portugal, desta vez para participar no espectáculo de encerramento do Festival «Dêem Uma Oportunidade à Paz». Aos 42 anos, quinze decorridos após Woodstock, Richie continua a parecer-se com os velhos hippies da geração de 60, embora sem deixar transparecer qualquer ponta de saudosismo em relação ao que foi feito pelos homens e mulheres do seu tempo.

    Se7e | 3.Ago.1983

    Ler Mais