O velho e o mar

© Sandra Bernardo

Até me fica mal dizer isto, mas confesso que, de quando em quando, chego a ter pena do professor Cavaco. O vetusto presidente passa a maior parte do tempo mudo e quedo, decerto em reflexão, tão profunda quando inócua, sobre o mundo e o país que ajudou a criar. E é um deus-nos-acuda: que ele não diz nada quando deve dizer; que só fala a propósito de minudências como o estatuto dos Açores ou a vulnerabilidade do correio electrónico; ou ainda que, tal como a polícia e os maridos enganados, o presidente só aparece quando não é preciso.

E se, vez por outra, o homem quebra o silêncio, é outro ai-jesus. Porque, dizendo, acabou por nada dizer, ou porque disse o que não devia ter dito, ou porque muito simplesmente não disse coisa com coisa, o que, aliás, já começa a ser um hábito.

Recentemente, o presidente Cavaco Silva voltou a falar, o que serviu para ficarmos todos a saber que ainda não morreu. Falou no dia da greve geral, para dizer que ia trabalhar, e numa entrega de prémios a jornalistas, onde até tentou fazer uma piada. Não resultou, mas conta a intenção.

Falou, ainda, num congresso de comunicações, para, entre outras coisas, exortar os portugueses a «ultrapassar o estigma que afastou Portugal do mar, da agricultura e da indústria.» Assim mesmo. Não disse, mas a gente sabe, que esse estigma foi ele próprio quem no-lo lançou – quando, nos anos que se seguiram à entrada do nosso País no mercado comum, se empenhou com grande zelo em cumprir e fazer cumprir as ordens de Bruxelas no sentido de desmantelar o tecido produtivo nacional.

Durante anos (sobretudo naqueles em que Cavaco Silva foi primeiro-ministro), agricultores receberam (muito) dinheiro para deixar as terras ao abandono, centenas de fábricas foram encerradas em nome da «competitividade», a frota pesqueira foi metodicamente abatida para satisfazer os desejos das grandes potências europeias.

Ao mesmo tempo, a saborosa fruta dos nossos pomares foi obrigada a normalizar-se segundo os «padrões europeus», os jaquinzinhos passaram à clandestinidade e o seu consumo começou a ser visto como uma espécie de pedofilia piscícola, e até o vinho-a-martelo ganhou estatuto legal – tudo para mostrar à «Europa» que merecíamos ser acolhidos no seu seio farto. 

Foram, ainda assim, bastantes as vozes que então se fizeram ouvir e que tentaram, debalde, fazer ver aos incautos que todo esse delírio alegadamente modernizador teria um preço. Estamos agora a pagá-lo.
Por tudo isto, não deixa de ser curioso que seja, hoje, Cavaco Silva a incitar os portugueses a ultrapassar o estigma que tem o seu nome e a sua marca. Poderia pensar-se que se trata de um saudável exercício de autocrítica, mas era exigir demais e o pobre não tem estudos para tanto.

De Marx, receio que o presidente apenas conheça algumas citações avulsas do mano Groucho e um ou outro trejeito de Harpo. Mas, de Hemingway, suspeito que nem um parágrafo lhe tenha, alguma vez, causado qualquer emoção. Fosse o presidente um homem de outras leituras para lá dos diversos tomos de relatórios-e-contas que já lhe terão passado pela ponta dos dedos, e admitiria vislumbrar um assomo de arrependimento no seu apelo.

Pode dar-se o caso, também, de Cavaco ter a esperança de que, regressando ao mar, a maioria de nós já não volte. Afinal, o ministro Gaspar e os outros têm-se esforçado em fazer tudo para que a vida dos portugueses se torne ainda mais insuportável do que já era. Se uns quantos optarem por se atirar ao mar, sempre são uns cobres que se poupam nos funerais. Isto, pelo menos, é o que devem pensar as cabeças desabitadas dos senhores do governo. Nesta comédia amoral, o presidente, coitado, tem de fazer o seu papel. Pardo, naturalmente.
 

Jornal do Fundão | 13.Dez.2012

Mais sugestões de leitura

  • Contas sem ajusteOpen or Close

    Contas à vida sem ajuste. Mais cansaço do que desalento. Mais sonho adiado do que utopias erradas. Mais que documentos são testemunhos estas vinte entrevistas: uns, mais intimistas; outros, mais interventivos. Encontramos neste livro um universo multifacetado, mas que tem uma matriz política, ética, estética e cultural, o 25 da nossa memória, como que pequenos afluentes que vão desaguar no grande rio.

    Ler Mais
  • História biodegradávelOpen or Close

    O cidadão José Hermano tem um pensamento profundo sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau.

    RCS-GA | 25.Fev.1999

    Ler Mais
  • A culpa é do ManelOpen or Close

    Num tempo em que se abatem inutilmente tantas árvores para dar à estampa as mais incríveis aberrações paraliterárias, sabe bem ler uma prosa tão escorreita, tão depurada e sobretudo tão honesta como a deste Daniel Abrunheiro. Que navega com igual à-vontade no registo poético de «Pomba» como no tom vagamente surreal de «Máscara», atento à realidade sem se tornar seu escravo, capaz de ordenar o mundo de trás para a frente sem que o mundo deixe de fazer sentido.
    Estes textos de Daniel Abrunheiro revelam um autor que conhece bem o valor dos silêncios que tantas vezes se escondem por trás das palavras. E que sabe, tal como diz uma das suas personagens, que o ruído não é mais do que «o silêncio que não sabemos ler». Aprendamos, então.

    Posfácio a Cronicão, de Daniel Abrunheiro | 2003

    Ler Mais
  • Viva quem cantaOpen or Close

    Não venho aqui para vos dizer que Pedro Barroso é o melhor cantor do mundo. Não venho falar de festivais ou de cantigas populares que certos divulgadores rádio-afónicos transformaram em produtos de consumo. Não venho sequer como mestre de cerimónias incumbido de apresentar um acto de variedades levado à cena num palco de ilusões.

    Introdução ao LP Do Lado de Cá de Mim de Pedro Barroso | 1983

    Ler Mais