Sentido de estrado

© Sandra Bernardo

A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.

Tudo indica que o gosto pela fábula acompanha a cândida senhora desde que, no final dos anos 80, viu «a luz» revelada por São Miguel Gorbátchov. Ao contrário do derradeiro presidente soviético, porém, que terminada a função se dedicou ao negócio das pizas, Zita ainda quis optar pelas artes, mas cada um é para o que nasce.

Ainda assim, a passagem pelo Instituto Português de Cinema, primeiro, e pelo universo editorial, depois, terão despertado a Agatha Christie que havia nela. Deste modo, vemos o «barão vermelho» da FNAC, Alexandre Alves, de gabardina e Trabant, cogitando a distribuição dos microfones a instalar nos ministérios, nas embaixadas e onde mais aprouvesse à procelosa actividade espiatória que os malandros dos comunistas levavam a efeito (Aqui para nós: foi com certeza trabalho vão, ou o país não teria chegado aonde chegou, mas isso agora pouco importa.)

O episódio vale pouco, é apenas um fogacho passageiro de tolice estival. Mas ainda assim elucidativo do estado de indigência mental a que chegaram alguns dos protagonistas actuais da política mediática. Três anos após a comovente novela dos emails presidenciais, com direito a comunicação solene, chegou a vez de o mundo deslindar, através da mente superior de Zita Seabra, o mistério do ar condicionado pelo dr. Cunhal a mando do dr. Honecker. Belo guião.

À classe política dominante falta em sentido de Estado o que lhe sobra em sentido de estrado, essencial à sociedade do espectáculo. O imenso reality show em que se converteu o dia-a-dia lusitano permite transformar um ministro numa anedota em menos de um fósforo. Mas, anedota ou não, ele continua ministro, essa é que é essa – o que não aconteceria se, em vez de ser uma anedota, tivesse contado uma, porque importante, na política como em qualquer palco, é o que parece, não o que é.

O aguçado sentido de estrado dos dirigentes indica-lhes que a diversão tem de continuar, haja o que houver. À comunista arrependida coube, este Verão, desempenhar o papel do tolo-da-terra que anima e distrai a urbe, em esforçada tentativa para pôr fim ao estafado anedotário ministerial. Foi azar, trazer escutas à conversa, pois há logo quem se lembre de que, meses atrás, se falou em outras, menos fantasiosas, ponta solta de uma teia maior em cujo seio – diz-se – se acolherão grandes interesses empresariais, um antigo alto responsável das secretas e até o ministro de maior visibilidade no governo actual – o das anedotas, nem menos. Tudo isto são factos sustentados em actos, mas que até hoje não tiveram consequências. O ministro continua a ministrar, o espião faz o que sempre fez, e se o governo não faz é só porque já não sabe o que fazer.

O país definha, perante a indiferença magna do poder, apostado em salvar bancos e banqueiros custe o que custar e a quem custar. Enquanto isso, noticia o Expresso que o montante das transacções ilícitas para «paraísos fiscais» ascende a 3.446.386.015 euros. Por extenso, para cima de três mil milhões de euros, uma insignificância detectada a troco de um súbito branqueamento de baixo custo, pois que o sacrossanto défice legitima todas as iniquidades.

Fim da crise não se vislumbra, mas o país começa a rir-se cada vez menos das anedotas de Relvas e não creio que a coisa se componha com a lufada de ar condicionado que Zita traz à liça. O Outono ameaça aquecer mais que o Verão, e em breve não restará mais por onde iludir a realidade: ou inventam um novo sentido, ou arriscam-se a perder o estrado. Porque até um povo paciente e manso se cansa de tão profundo sentido de estábulo que lhe é exigido.

Jornal do Fundão | 16.Ago.2012

Mais sugestões de leitura

  • Só me calham DukesOpen or Close

    A primeira vez que ouvi falar do Zeca já se dizia assim mesmo, Zeca, e não José Afonso. Cantava esplendorosamente o reportório do fado de Coimbra. Eu costumava não me intrometer nessas conversas tribais em que outros eram aparentemente exímios e tiravam todo o prazer da evocação dos grandes tenores e barítonos da escola local. Havia mesmo quem coleccionasse velhos discos de gramofone comprados a preços altos. A mim tanto se me dava: estava a tirocinar para utente nocturno do programa de jazz da Voz da América, vício que convinha não revelar aos então companheiros de esquerda, por sinal hoje bandeados na sua quase totalidade para a comarca de onde vem papel, papel a sério, sendo que vários deles até deputam, ó meu Deus!

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais
  • Sal e PimentaOpen or Close

    O homem que ainda não desistiu de encontrar «um triângulo de quatro lados» chegou exactamente ao meio-dia, conforme combinado. Alberto Pimenta é dono de uma pontualidade afrodisíaca, o que é apenas um dos seus muitos pontos de confronto aberto com a sociedade portuguesa. Nascido no Porto em 1937, viveu na Alemanha durante dezassete anos e só continua português porque, pelo meio, houve o 25 de Abril. Garrett, Bocage, Eça, Pessoa, Mário de Sá Carneiro são algumas das suas referências culturais. Fazem parte da lista dos seus prazeres pessoais, assim como o Cavaleiro de Oliveira, António Sérgio, Camões, Aquilino, António José da Silva, Cesário Verde. Pelo estilo e pelos temas, considera que a literatura portuguesa contemporânea é um deserto, com alguns oásis: Herberto Helder, Mário Cesariny, Eugénio de Andrade, Vergílio Ferreira, Luiz Pacheco, José-Emílio Nelson e poucos mais. De Saramago acha que «tem coisas muito boas, mas abusa dos truques de estilo».

    Epicur | Junho 2006

    Ler Mais
  • Na morte de Luís PignatelliOpen or Close

    «O Luís Pignatelli faz aqui muita falta», lamentava-se, uma destas tardes, o Armando Baptista-Bastos ao balcão do Expresso, um dos últimos lugares de convívio do largo a que deram o nome de Trindade Coelho, mas que há-de ser sempre da Misericórdia, por maioria de razão popular. Naquele espaço por onde os afectos ainda vão circulando, disfarçados de imperiais e cariocas de limão, a falta que o Luís faz é particularmente sentida. E o lamento do Bastos nem sequer precisa de ter resposta, todos sabem que é verdade. Sente-se nas conversas, quer sejam contra o Cavaco ou em glória de um soberbo frontispício feminino que vai passando pelo largo onde os pombos promoveram uma ocupação selvagem.

    Revista MPP | Julho 1994

    Ler Mais