Um golpe de mestre

abs400.jpg

Não há melhor meio de desvalorizar uma mensagem do que descredibilizar o mensageiro. E é isso, em primeiro lugar, que sobressai do triste folhetim natalício desenvolvido a partir do alegado currículo inventado do não menos alegado professor Artur Baptista da Silva, de cujas opiniões muita gente se fez eco – incluindo este-que-se-assina, em crónica publicada na edição anterior do Jornal do Fundão.

No que nos toca, foi apenas uma citação num parágrafo a meio da prosa, reflexo de toda uma cadeia pública de equívocos que ainda se ignoravam no dia em que a crónica foi escrita. Mas, ainda assim, a justificar uma explicação aos leitores, e sobretudo uma reflexão sobre a natureza deste episódio.

A serem verdade as notícias mais recentes sobre este cidadão (os leitores desculpem, mas perante tamanha embrulhada já só me atrevo a frasejar no condicional), estaremos perante uma história que vai muito para lá da «burla» de que falam os jornais e as televisões. Confirmado que seja o currículo, ou falta dele, da personagem que nos entrou internet adentro nas últimas semanas, seremos no mínimo levados a crer que se trata de um caso delirante de mitomania, pois que nenhum burlão consciente se expõe como ABS o fez perante auditórios atentos e motivados, câmaras indiscretas, jornalistas especializados – o mundo inteiro, enfim.

Pode, naturalmente, pensar-se que há outras explicações e que toda esta história não aconteceu apenas por uma súbita vontade de protagonismo mediático e social de ABS. Bom, então esse seria um golpe de mestre: alguém que é promovido publicamente pelo modo como expõe o real estado do País, para logo em seguida ser desmascarado e, deste modo, as verdades que veiculou passarem a ser olhadas à luz da desconfiança que qualquer trapaceiro motiva. Maquiavélico? Sem dúvida. Mas perante uma realidade incongruente é legítimo admitir o absurdo como uma possibilidade concreta.

Repare-se: o homem apareceu do quase nada, porém sustentado por um rol de credibilidades, a começar pelo Grémio Literário (que não é propriamente um exemplo de albergue espanhol, muito pelo contrário), passando por alegadas organizações avulsas como um Movimento Internacional Lusófono, sustentado em aplausos de muitos homens e mulheres credíveis, jornais, rádios e televisões. Fosse eu um repórter no activo (sobretudo se directamente afectado pela aldrabice) e não descansaria enquanto não encontrasse resposta para algumas questões: de onde veio este ABS, qual é a sua história? Quem o introduziu no Grémio Literário e nas outras instituições que lhe deram cobertura? Como é envolvido neste caso um dos mais prestigiados jornalistas portugueses da área da Economia? E, sobretudo, para quê?

Como não sou dado a teorias da conspiração, fico-me pelas perguntas. Mas é inegável que o discurso de ABS fazia (e faz) mais sentido do que o de muitos «especialistas» encartados que são presença assídua nos telejornais e nos fóruns políticos. Ora, se tantos peritos instantâneos têm crédito junto da opinião pública, porque não haveria de tê-lo este ABS?

É claro que nada disto justifica os erros básicos cometidos por velhos e dignos profissionais da Informação, nem a ligeireza da actuação de instituições de seriedade sedimentada, mas pode ser razão suficiente para que nos interroguemos sobre a razão e a oportunidade deste episódio. Que, na verdade, não é mais do que isso mesmo, um episódio, sem nada acrescentar nem diminuir a tudo aquilo que o envolve.

E é por esta razão que nem sequer me sinto particularmente culpado por ter dado algum crédito às intervenções públicas de ABS. Desgraçadamente para nós, ele pode ser mentira, mas aquilo de que falou é tão verdadeiro como estarmos aqui.

Jornal do Fundão | 10.Jan.2013

Mais sugestões de leitura

  • A vida por um traçoOpen or Close

    Boémio incurável, amante fiel mas inconstante, apreciador de bons vinhos e petisqueiro afamado, Fernando Relvas reparte o seu tempo de forma desigual entre uma casa em Almoçageme, bares diversos da capital e o Raven, «um corvo atracado no Tejo» ...

    Expresso | 1997

    Ler Mais
  • Dos copos até à pontaOpen or Close

    Portugal, que como país de poetas já é o que se sabe, corre o risco de se tornar também num país de pensadores: Santana Lopes pensa no estrangeiro, Manuel Monteiro pensa devagar, José Magalhães pensa via internet, enquanto Vasco Graça Moura pensa que voltará e Carlos Carvalhas continua apenso.

    Catálogo da exposição Filosofia de Ponta, de Júlio Pinto e Nuno Saraiva | 1996

    Ler Mais
  • Uma vida de risco(s)Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • Um coração sobre o mundoOpen or Close

    (...) E no entanto Carlos Paredes foi, sempre, um ser atento à realidade. Basta ouvir-lhe as músicas, que são o maior e mais autêntico reflexo da alma lusitana. Ou ler os seus textos (e como escrevia bem, este Paredes!) em que, detalhada e apaixonadamente, reflectia sobre as mais diversas questões da vida. Ou tê-lo visto alguma vez em palco, onde construía um permanente diálogo com quem o escutava, com a humildade de que só os grandes génios são capazes.
    Quando, há uns anos, foi condecorado pelo então Presidente da República, Mário Soares, por ocasião de um 10 de Junho, fui encontrá-lo, discreto, no foyer do São Carlos, depois da cerimónia, distribuindo abraços, daquela forma sincera que o caracterizava. «Isto é bom: sempre se encontram uns amigos», disse-me então, alheio à snobeira bacoca que sempre rodeia estes momentos.

    A Capital | 24.Jul.2004

    Ler Mais