Sabor de Mar

vina94logo.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal


À procura pelo mundo inteiro
Entre o mar a dor e o nevoeiro
Encontrei-te num momento
Que não cabia em nós
Inventámos melodias
Navegámos noite e dia
Descobrimos outra forma de estar sós

Para sul da terra prometida
Aprendemos artes proibidas
Recriámos as estrelas
De outra noite qualquer
No teu corpo marinheiro
Esse barco feiticeiro
Descobri outro sentido p'ra viver

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
Pode descobrir o luar
Cada maré sem vento
Em cada momento
Do teu olhar

Seja o que tem de ser
Sem nada a perder
Faz de conta que vou ganhar
Vale o que se tentou
Tudo o que se amou
O sabor do mar

Não importa o porto de chegada
Qual de nós é cais ou madrugada
Que certezas nos esperam
Nesta forma de ser
Entraremos na cidade
Eu e tu e a liberdade
Inventando o rumo que nos dá prazer

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
etc.

 
Canção participante no XXXV Festival Internacional da Canção de Viña del Mar (Chile) realizado em Fevereiro de 1994 e transmitido pela rede pan-americana de televisão Megavisión para uma audiência calculada de 300 a 500 milhões de pessoas em três continentes (Américas, Europa e Ásia). Não teve edição comercial.

{youtube}bv1g7UE4pM8{/youtube}

Apresentação ao vivo no Festival de Viña del Mar 1994 | Emissão Galavisión (mono)
Arranjos, orquestração e direcção de orquestra de Eduardo Paes Mamede
 

Sabor de Mar
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal
Maquete áudio original | Arranjos e produção de Eduardo Paes Mamede | © 1994
 

Mais sugestões de leitura

  • O retrato de Che GuevaraOpen or Close

    Quem já visitou Cuba e ficou tocado pelo seu encanto sensual, pela alegria da sua música, dos seus ritmos tropicais, pela beleza tão singular da Habana Vieja, do canto do mar no Malecón, da arquitectura do Caribe, da abertura das suas gentes, seu trato familiar, tudo isso vai reencontrar neste livro, juntamente com informações rigorosas sobre o passado da Ilha, as lutas pela independência, a aventura épica do assalto ao quartel Moncada e da guerrilha na Sierra Mes­tra, com factos precisos, dados e evocações que resultam de muita leitura, muito inquérito e um trabalho de campo por vezes minucioso.

    Ler Mais
  • A alma da músicaOpen or Close

    E alguém me pede: canta.
    Alguém diz, tocando-me com seu livre delírio:
    canta até te mudares em cão azul,
    ou estrela electrocutada, ou em homem
    nocturno.


    Porque todos os pretextos são bons para trazer Herberto à conversa. E porque Mário Laginha criou um disco muito belo, idealizado e concretizado em visita à alma da música de Chopin na companhia de Alexandre Frazão e Bernardo Moreira. «Mongrel», o disco, teve o Prémio da Sociedade Portuguesa de Autores, e ainda bem. Partilhemos uma valsa.

    Ler Mais
  • O fumo e o fogoOpen or Close

    Acabo de ler esta história, e apetece-me acender um cigarro. Não é politicamente correcto dizê-lo, e menos ainda fazê-lo: o higienismo e a lei, ou vice-versa, dizem que fumar mata. Claro que a vida também mata, e em meio século de existência ainda não conheci ninguém que lhe conseguisse sobreviver. Mas isso não é preocupação dos legisladores, empenhados que estão em conseguir que morramos todos cheios de saúde.
    Pouco importa. Este aparente desacerto da prosa vem a propósito de mais uma ficção que Nuno Gomes dos Santos agora dá a conhecer em forma de livro.

    Prefácio a Reserva de Fumo, de Nuno Gomes dos Santos | 2009

    Ler Mais
  • Cantares de um homem livreOpen or Close

    Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
    O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.
    É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram.

    Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

    Ler Mais