Sabor de Mar

vina94logo.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal


À procura pelo mundo inteiro
Entre o mar a dor e o nevoeiro
Encontrei-te num momento
Que não cabia em nós
Inventámos melodias
Navegámos noite e dia
Descobrimos outra forma de estar sós

Para sul da terra prometida
Aprendemos artes proibidas
Recriámos as estrelas
De outra noite qualquer
No teu corpo marinheiro
Esse barco feiticeiro
Descobri outro sentido p'ra viver

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
Pode descobrir o luar
Cada maré sem vento
Em cada momento
Do teu olhar

Seja o que tem de ser
Sem nada a perder
Faz de conta que vou ganhar
Vale o que se tentou
Tudo o que se amou
O sabor do mar

Não importa o porto de chegada
Qual de nós é cais ou madrugada
Que certezas nos esperam
Nesta forma de ser
Entraremos na cidade
Eu e tu e a liberdade
Inventando o rumo que nos dá prazer

E quem souber sonhar
Quem quiser cantar
etc.

 
Canção participante no XXXV Festival Internacional da Canção de Viña del Mar (Chile) realizado em Fevereiro de 1994 e transmitido pela rede pan-americana de televisão Megavisión para uma audiência calculada de 300 a 500 milhões de pessoas em três continentes (Américas, Europa e Ásia). Não teve edição comercial.

{youtube}bv1g7UE4pM8{/youtube}

Apresentação ao vivo no Festival de Viña del Mar 1994 | Emissão Galavisión (mono)
Arranjos, orquestração e direcção de orquestra de Eduardo Paes Mamede
 

Sabor de Mar
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de António Leal
Maquete áudio original | Arranjos e produção de Eduardo Paes Mamede | © 1994
 

Mais sugestões de leitura

  • Entrevista a A CapitalOpen or Close

    Um autor português de 47 anos já não sabia muito bem onde estava o 25 de Abril e resolveu fazer «contas à vida». À sua e à de nós todos. Juntou pontos - e não só de interrogação -, fez cálculos, recuperou memórias, e, após ser desafiado por uma editora, pôs mãos à obra. O livro está desde hoje nas livrarias com o título Contas à Vida - histórias do tempo que passa. São vinte conversas com vinte personalidades da vida pública portuguesa que têm algo a dizer - e dizem! - sobre o 25 de Abril.

    Ler Mais
  • Memórias de Santa EngráciaOpen or Close
    De todos os templos portugueses nenhum demorou tanto tempo a construir como o de Santa Engrácia – hoje Panteão Nacional – no coração da Lisboa antiga, que Ramalho Ortigão considerou «o mais belo dos nossos monumentos do século XVII». A sua história está intimamente ligada às crenças populares nascidas após o célebre «desacato de Santa Engrácia», em 1630, e constituiu o fulcro das atenções do «passeio de domingo» que o Centro Nacional de Cultura ontem realizou.
    O Diário | 25.Mai.1981
    Ler Mais
  • Mãos de falaOpen or Close

    Tem uns olhos grandes, profundos, penetrantes. E as mãos. As mãos que, em palco, criam um espaço próprio dentro do cenário, tornam-se, à conversa, num elemento do diálogo, tão intenso como cada vocábulo, cada sorriso, cada momento. Tem uns olhos grandes e chama-se Juliette Greco. Ou Jujube, segundo a sua autobiografia. É uma latina orgulhosa, e canta. Boris Vian, Jacques Brel, Prèvet, Ferré. “Canto sempre aquilo de que gosto e, por isso, não tenho canções preferidas”, frisa.

    Ler Mais
  • Uma vida aos quadradinhosOpen or Close

    Publicou a primeira história em quadradinhos com 14 anos, mas começou a fazer fanzines aos oito. Simples na forma de estar, mas rigoroso até à exaustão de pormenor no trabalho que executa, é assim que encontramos José Ruy, «um duplo amador» que bem pode dizer-se em actividade há seis décadas e uma das poucas unanimidades da banda desenhada lusitana.

    Grande Amadora | 1999

    Ler Mais