Outro Fado

b_500_400_16777215_00_images_actual_tardio1_500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Ricardo Fino | Letra de Viriato Teles | Vozes de Ana Laíns e Ricardo Fino


Dizem que é nosso fado
Crescer devagarinho
Ficar calado
Não canto nesse tom
Que eu sei de um outro som
Parece mas não é desafinado

Havia de ter um dia
Uma festa anunciada
Uma alegria
Quem dera o que senti
Quem dera o que esqueci
Nos dias em que acordei deslumbrado

Quero outra vez
É de vez
Esse teu gosto
Quero as rosas de Maio
No mês de Agosto
Ai quem dera ter-te à espera
Tanto mais do que eu soubera
E um fado novo fizesse
Quem me dera

Seja outro canto
Um encanto
Seja feitiço
Que eu vivo bem
É no meio do rebuliço
Devagar não se vai longe
E eu nasci não p’ra ser monge
Tanta espera desespera

E é por isso que este fado
Vai cantar para outro lado
Está na hora de acordar
A primavera

Dizem que este meu fado
Passou de tempo e agora
Já está estafado
Só canto p’ra lembrar
Não tem como enganar:
Em frente
Vai-se dar a outro lado

Havia de já ser dia
De festa prometida
E era magia
Eu canto o dó maior
Da vida em tom menor
Feita de tanto sonho acordado

Quero outra vez
É de vez
etc.

 
 
Outro Fado
Música de Ricardo Fino | Letra de Viriato Teles | Vozes de Ana Laíns e Ricardo Fino
Participações de Alfredo Teixeira (rebeca e guitarra portuguesa), Jorge Loura (guitarras), Miguel Calhaz (contrabaixo), Pedro Martins (violino), Quiné (bateria, shaker, caixa portuguesa, bombo) | Gravado, editado e misturado por Quiné Teles no Estúdio do Sótão | Misturas adicionais e masterização por Toni Lourenço no Loudstudio
Arranjos, direcção musical e produção de Quiné Teles

CD "Tardio" | Ricardo Fino | © 2014
 

Mais sugestões de leitura

  • Filhos da pideOpen or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais
  • Há ratos na exposiçãoOpen or Close

    O desvio de cerca de um milhão de contos dos cofres da Exposição Mundial de Lisboa é a prova definitiva de que o portuga médio não dá ponto sem nó e aproveita todas as oportunidades para sacar algum. Depois das Descobertas, de Macau e dos fundos europeus, chegou a vez de a Expo 98 dar de comer a mais uns quantos tubarões. Que nem sequer vivem no Oceanário.

    Grande Amadora | 21.Ago.1998

    Ler Mais
  • Fausto Bordalo DiasOpen or Close

    É um homem discreto e um artista exigente. Gosta de estar com os amigos e não volta costas a um arroz de lampreia nem a uma boa conversa. A música que faz situa-se num patamar superior do espectáculo, em Portugal e no resto do mundo, mas não é isso que o faz correr. (...) É assim o Fausto. Sereno, leal, intransigente em tudo aquilo que considera ser o essencial, tanto na vida como na arte – sendo que a arte é simplesmente uma forma superior de vida. É um homem de convicções – políticas, humanas, estéticas – mas nunca quis ser um homem de certezas. Amigo certo e adversário temível, mantém desde sempre uma relação de distância tanto com o poder político como com o poder mediático, e nunca se vergou perante nenhum. Porque há homens que não têm preço nem querem perder a honra: os homens dignos, como este.

    Ler Mais
  • Do lado esquerdo da AméricaOpen or Close


    Nascido em Nova York a 3 de Maio de 1919, Pete Seeger é desde há meio século muito mais do que um mito da história da “folk song”. Militante da música como forma de alertar as consciências adormecidas, Seeger permanece como um símbolo de várias gerações de “insatisfeitos”, acreditando firmemente que vale a pena resistir. Norte-americano por nascimento, ele é, no entanto, uma das vozes que mais lucidamente se ergueram contra a massificação cultural imposta pelo poder político e económico dos Estados Unidos.

    Ler Mais