Terra à Vista

b_500_400_16777215_00_images_geral_tvisgre500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Paula Fonseca


Fui rainha, fui tirana
Feiticeira e aprendiz
Já fui santa, sou profana
Ai meu bem
Eu também quero descobrir
Uma estrela da manhã
O cheiro a cravo e a hortelã
Que caminho hei-de seguir

Passei tempos sem ter conta
Entre paixões e enganos
Namorei
Fiz-me de tonta
Sobraram perdas e danos
Fugi deles rumo à morte
Cavalguei os oceanos
Terra à vista!
Terra à vista!
Já se avista outro lugar

Foram tantas as certezas
São tão poucas as saudades
Na maré das incertezas
Palmilhei a liberdade
Fugi deles rumo à sorte
Descobri outras cidades
Terra à vista!
Terra à vista!
Já se avista outro lugar

Já vivi tanta aventura
Naufraguei e renasci
Provei a cor da ternura
Ai meu bem
Eu também quero descobrir
As voltas que o mundo dá
Mesmo que ande ao deus-dará
Que caminho hei-de seguir

Passei tempos sem ter conta
Entre paixões e enganos
etc.

 
1º prémio no II Festival da Canção dos Países da CEE realizado em Setembro de 1992 em Salónica (Grécia).
Teve edição comercial no disco oficial do festival, (mal) gravado ao vivo e editado na Grécia pela WEA.

{youtube}m_g-WLZxczo{/youtube}

Apresentação na RTP (mono) | Programa Sons ao Sol, de Júlio Isidro 1992
Paula Fonseca com Ani Fonseca, João Luís Lobo, Laura Ferreira e Messias Botelho
 

Terra à Vista
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Interpretação de Paula Fonseca
Participações de Ani Fonseca e Laura Ferreira (coros), João Luís Lobo (bateria) e Messias Botelho (percussões).
Maquete áudio original | Arranjos e produção de Eduardo Paes Mamede © 1992
 

Mais sugestões de leitura

  • Um marginal da políticaOpen or Close

    «Há sempre uma nova ‘guerra’ que está para chegar, e essa é sempre melhor do que a anterior. Sempre relativa, nunca deixará de o ser, por muito empenhado que eu esteja nela, por muitas noites que perca. E depois, se não resulta, normalmente sou capaz de ver o que falhou na minha actuação. Na acção política não há fórmulas mágicas, aprende-se passo a passo.»
    Carlos Antunes. Segredos e outras histórias de um guerrilheiro urbano.

    O Jornal Ilustrado | 19.Out.1990
    Ler Mais
  • Silêncio, que vai falar um homemOpen or Close

    Venho duma época em que Portugal era, dizia-se, dominado por três éfes: Fátima, o futebol e o fado. Trinta anos passados sobre a manhã de todas as esperanças, a diferença é que o futebol se transformou numa nova religião, cujos deuses, mitos e interesses coabitam tranquilamente com os de Fátima. Ao fado, muitos querem que reste não mais que a função puramente recreativa. Não é esse, nunca foi, o caso de Carlos do Carmo, e por isso a sua música, sendo fado, é também uma música do mundo. E sendo universal, continua genuína e generosamente lusitana.

    Ler Mais
  • João SoaresOpen or Close

    Este homem andou a enganar uma data de gente durante vários anos. Ou então foi uma data de gente que se enganou a si própria, talvez por culpa das circunstâncias e de alguns preconceitos. O certo é que, por bastante tempo, muitos o viram apenas como «um filho do pai». Até que um dia foi eleito para a Câmara de Lisboa, primeiro como vereador e depois como presidente. Ficou por lá uma dúzia de anos, e transformou a cidade num lugar onde vale a pena viver.

    Ler Mais
  • O sonhador de amigosOpen or Close

    Um homem está debruçado sobre a cidade, sereno e tranquilo e atento a todas as imagens e às outras que não estão lá, e nos seus olhos há um sonho que se constrói com mãos e com alma, como é próprio das coisas belas. É um alguém urgente, de cabeça solta no delírio dos pássaros que estrebucham no rasto de loucos espalhado pela cidade à sua frente. Ali em volta rodopiam mulheres quase invisíveis de cabelos luminosos como nos poemas banais, e ouve-se um som ligeiro, definido apenas quanto baste para ilustrar as lembranças duradouras dos mundos todos que o homem traz dentro da cabeça.

    Movimentos Perpétuos
    Oficina do Livro 2003

    Ler Mais