Terra à Vista

b_500_400_16777215_00_images_geral_tvisgre500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Paula Fonseca


Fui rainha, fui tirana
Feiticeira e aprendiz
Já fui santa, sou profana
Ai meu bem
Eu também quero descobrir
Uma estrela da manhã
O cheiro a cravo e a hortelã
Que caminho hei-de seguir

Passei tempos sem ter conta
Entre paixões e enganos
Namorei
Fiz-me de tonta
Sobraram perdas e danos
Fugi deles rumo à morte
Cavalguei os oceanos
Terra à vista!
Terra à vista!
Já se avista outro lugar

Foram tantas as certezas
São tão poucas as saudades
Na maré das incertezas
Palmilhei a liberdade
Fugi deles rumo à sorte
Descobri outras cidades
Terra à vista!
Terra à vista!
Já se avista outro lugar

Já vivi tanta aventura
Naufraguei e renasci
Provei a cor da ternura
Ai meu bem
Eu também quero descobrir
As voltas que o mundo dá
Mesmo que ande ao deus-dará
Que caminho hei-de seguir

Passei tempos sem ter conta
Entre paixões e enganos
etc.

 
1º prémio no II Festival da Canção dos Países da CEE realizado em Setembro de 1992 em Salónica (Grécia).
Teve edição comercial no disco oficial do festival, (mal) gravado ao vivo e editado na Grécia pela WEA.

{youtube}m_g-WLZxczo{/youtube}

Apresentação na RTP (mono) | Programa Sons ao Sol, de Júlio Isidro 1992
Paula Fonseca com Ani Fonseca, João Luís Lobo, Laura Ferreira e Messias Botelho
 

Terra à Vista
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Interpretação de Paula Fonseca
Participações de Ani Fonseca e Laura Ferreira (coros), João Luís Lobo (bateria) e Messias Botelho (percussões).
Maquete áudio original | Arranjos e produção de Eduardo Paes Mamede © 1992
 

Mais sugestões de leitura

  • À descoberta do ArcoOpen or Close
    Quem sabia, por exemplo, que a Sala do Arco – ocupando todo o interior do único piso ali existente, ao cimo de algumas dezenas de degraus – esteve em tempos para ser um museu? Ou que o seu monumental relógio foi construído por Manoel Francisco Gousinha, relojoeiro mecânico de Almada?
    O Diário | 29.Dez.1980
    Ler Mais
  • João SoaresOpen or Close

    Este homem andou a enganar uma data de gente durante vários anos. Ou então foi uma data de gente que se enganou a si própria, talvez por culpa das circunstâncias e de alguns preconceitos. O certo é que, por bastante tempo, muitos o viram apenas como «um filho do pai». Até que um dia foi eleito para a Câmara de Lisboa, primeiro como vereador e depois como presidente. Ficou por lá uma dúzia de anos, e transformou a cidade num lugar onde vale a pena viver.

    Ler Mais
  • O general casernícolaOpen or Close

    O candidato da coligação PSD-PP à Câmara Municipal do Porto, general Carlos Azeredo, está a revelar-se uma autêntica caixa de surpresas. Num país tão carecido de ideias, ele corre o risco de se tornar o estratego-mor da extrema-direita mais boçal e troglodita, órfã de pai e mãe desde que o professor Salazar entregou as botas ao Criador.
    Primeiro foi o célebre artigo sobre o «ouro nazi», onde este militante da ordem unida se desdobrava em considerações sobre o carácter naturalmente agiota dos judeus – o qual, está-se mesmo a ver, esteve na origem do Holocausto. Entre aspas, na versão branqueadora de Azeredo.
    Ao que parece, o estado-maior do PSD não viu nisto nada de mais, o que se compreende: afinal, Hitler limitou-se a exterminar seis milhões de judeus, uma insignificância. Se a «solução final» tivesse sido concluída (ou seja, se em vez de apenas seis milhões, tivessem morrido todos) não haveria hoje ninguém para reclamar a verdade sobre o ouro roubado, o que seria um descanso para os anti-semitas em geral e para Carlos Azeredo em particular.

    TSF | 29.Out.1997

    Ler Mais
  • As voltas do professorOpen or Close

    Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

    Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

    Ler Mais