Até Amanhã

b_500_400_16777215_00_images_geral_arg_ateam500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha

Era uma vez
Uma cidade
Um rio azul de luar
A liberdade de um desejo
No ar
Um pensamento
A navegar

Era talvez
O encanto breve
De um sabor de acordar
O entretanto
Que ficou por contar
Era a promessa de viver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
Pela manhã
Todos os gritos dormem
Todas as coisas crescem
Todos os dias morrem
A recordar
A descobrir
A encontrar
Na madrugada
O mar desperta
Até amanhã

Quero lembrar
Todos os sonhos
Sonos
Histórias de amor
Todas as lutas e memórias
Sem dor
Todos os dias sem saber

Onde encontrar
Cada momento
Atento
P'ra viajar
Cada relento
É tempo
Para acordar
Saber de tudo
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

Quero encontar
Coisas perdidas
Vidas
A despertar
Velhas lembranças
Danças
À beira-mar
A cor dos olhos que eu souber

Saber de ti
Dizer: amor
Fico do lado de cá
Cá vou andando
Até onde?
Eu sei lá!
Cá vou andando
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

 

Até Amanhã
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha
Participações de Rui Luís "Dudas" Pereira (violas eléctricas e acústicas), José Carias (baixo), Fernando Rabanal (bateria), Ed (flautas e guimbarda), Jorge Nascimento (acordeão), Argentina e Formiga (coros) | Gravado no Angel Studio entre 7 e 9 de Setembro de 1983 | Captação de som e misturas de José Fortes
Arranjos, direcção musical e produção de Eduardo Paes Mamede
Single "Não Me Digas o Que Sei" | Argentina Rocha | Etiqueta Diapasão | Edição Sassetti | © 1983
 

Mais sugestões de leitura

  • Louvor das Palavras e dos AmigosOpen or Close

    A banalização das palavras é um dos pecados mortais da comunicação dos nossos dias, sobretudo quando praticada por quem faz das palavras o instrumento principal do seu ofício. Porque as palavras não são nunca apenas aquilo que significam nos dicionários, mas sobretudo o que significam nas nossas vidas. ...Tudo isto a propósito dos 75 anos que o Fernando Assis Pacheco faria hoje...

    Ler Mais
  • Que gente é esta?Open or Close

    A agressão de que Manuel Rocha foi vítima, em Coimbra, é sobretudo reveladora do estado a que chegou não apenas o país, mas sobretudo o povo que vive nele. Os que nessa noite passaram ao largo da agressão ao músico são da mesma massa dos que, na véspera, voltaram a escolher o cinzentismo e a mesquinhez em formato presidencial. Não, não é contra Cavaco que estou. O que me irrita é mesmo esse «Portugal rançoso, supersticioso e ignorante, que tarda em deixar a indolência preguiçosa» de que fala o Baptista-Bastos. É essa, afinal, a mais triste evidência do episódio de Coimbra-B. A mão que elegeu Cavaco não foi a mesma que agrediu Manuel Rocha. Mas foi, com certeza, a que não se ergueu para o defender.

    Ler Mais
  • Saudades de ZecaOpen or Close

    E vão 26 anos sem Zeca, mas sempre com ele - e hoje mais do que nunca. Um pretexto tão bom como qualquer outro para retomar uma prosa incluída na edição mais recente d'As Voltas de um Andarilho:

    A minha memória mais antiga de Zeca Afonso vem do início dos anos 60 do século passado quando, ainda miúdo, ouvia na rádio o «Menino d’Oiro». A televisão era um luxo a que as gentes da classe média desse tempo não podiam dar-se – e, fosse como fosse, ele não frequentava os saraus de variedades que o electrodoméstico transmitia por esses tempos. (...)

    Ler Mais
  • O poder e o localOpen or Close

    Os portugueses foram a votos, desta vez para eleger os representantes do chamado «poder local» – designação que só se compreende se aceitarmos que há poderes não localizáveis, o que é tanto mais verdade quanto maior é a sua dimensão.
    Por exemplo: alguém sabe onde fica o FMI? E o Banco Mundial, alguém lhe conhece uma agência que seja, ou mesmo uma simples caixa de multibanco? E no entanto ninguém duvida de que são eles, os donos do dinheiro, quem realmente manda no nosso destino colectivo, deixando para gente simples como António Guterres e Pinto da Costa a ilusão de uma autoridade que já não existe sequer nas super-esquadras.

    TSF | 17.Dez.1997

    Ler Mais