Até Amanhã

b_500_400_16777215_00_images_geral_arg_ateam500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha

Era uma vez
Uma cidade
Um rio azul de luar
A liberdade de um desejo
No ar
Um pensamento
A navegar

Era talvez
O encanto breve
De um sabor de acordar
O entretanto
Que ficou por contar
Era a promessa de viver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
Pela manhã
Todos os gritos dormem
Todas as coisas crescem
Todos os dias morrem
A recordar
A descobrir
A encontrar
Na madrugada
O mar desperta
Até amanhã

Quero lembrar
Todos os sonhos
Sonos
Histórias de amor
Todas as lutas e memórias
Sem dor
Todos os dias sem saber

Onde encontrar
Cada momento
Atento
P'ra viajar
Cada relento
É tempo
Para acordar
Saber de tudo
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

Quero encontar
Coisas perdidas
Vidas
A despertar
Velhas lembranças
Danças
À beira-mar
A cor dos olhos que eu souber

Saber de ti
Dizer: amor
Fico do lado de cá
Cá vou andando
Até onde?
Eu sei lá!
Cá vou andando
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

 

Até Amanhã
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha
Participações de Rui Luís "Dudas" Pereira (violas eléctricas e acústicas), José Carias (baixo), Fernando Rabanal (bateria), Ed (flautas e guimbarda), Jorge Nascimento (acordeão), Argentina e Formiga (coros) | Gravado no Angel Studio entre 7 e 9 de Setembro de 1983 | Captação de som e misturas de José Fortes
Arranjos, direcção musical e produção de Eduardo Paes Mamede
Single "Não Me Digas o Que Sei" | Argentina Rocha | Etiqueta Diapasão | Edição Sassetti | © 1983
 

Mais sugestões de leitura

  • Sal e PimentaOpen or Close

    O homem que ainda não desistiu de encontrar «um triângulo de quatro lados» chegou exactamente ao meio-dia, conforme combinado. Alberto Pimenta é dono de uma pontualidade afrodisíaca, o que é apenas um dos seus muitos pontos de confronto aberto com a sociedade portuguesa. Nascido no Porto em 1937, viveu na Alemanha durante dezassete anos e só continua português porque, pelo meio, houve o 25 de Abril. Garrett, Bocage, Eça, Pessoa, Mário de Sá Carneiro são algumas das suas referências culturais. Fazem parte da lista dos seus prazeres pessoais, assim como o Cavaleiro de Oliveira, António Sérgio, Camões, Aquilino, António José da Silva, Cesário Verde. Pelo estilo e pelos temas, considera que a literatura portuguesa contemporânea é um deserto, com alguns oásis: Herberto Helder, Mário Cesariny, Eugénio de Andrade, Vergílio Ferreira, Luiz Pacheco, José-Emílio Nelson e poucos mais. De Saramago acha que «tem coisas muito boas, mas abusa dos truques de estilo».

    Epicur | Junho 2006

    Ler Mais
  • Memórias de Santa EngráciaOpen or Close
    De todos os templos portugueses nenhum demorou tanto tempo a construir como o de Santa Engrácia – hoje Panteão Nacional – no coração da Lisboa antiga, que Ramalho Ortigão considerou «o mais belo dos nossos monumentos do século XVII». A sua história está intimamente ligada às crenças populares nascidas após o célebre «desacato de Santa Engrácia», em 1630, e constituiu o fulcro das atenções do «passeio de domingo» que o Centro Nacional de Cultura ontem realizou.
    O Diário | 25.Mai.1981
    Ler Mais
  • Um pássaro igual a tiOpen or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • Uma espécie de poema, por ser hojeOpen or Close

    Lembrança e afecto(a)ção de João do Rio Bizarro Teles, cidadão meu pai

    O dia em que nasci meu pai cantava
    versos que inventam os pastores do monte
    Fernando Assis Pacheco

    Do meu pai herdei uma tendência
    para os calos e as hérnias. O jeito
    para a inquietude, a miopia, memórias suaves,
    sinais nas costas, um nome capaz. Como todas
    as histórias, também esta poderia ser melhor (...)

    Ler Mais