Até Amanhã

b_500_400_16777215_00_images_geral_arg_ateam500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha

Era uma vez
Uma cidade
Um rio azul de luar
A liberdade de um desejo
No ar
Um pensamento
A navegar

Era talvez
O encanto breve
De um sabor de acordar
O entretanto
Que ficou por contar
Era a promessa de viver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
Pela manhã
Todos os gritos dormem
Todas as coisas crescem
Todos os dias morrem
A recordar
A descobrir
A encontrar
Na madrugada
O mar desperta
Até amanhã

Quero lembrar
Todos os sonhos
Sonos
Histórias de amor
Todas as lutas e memórias
Sem dor
Todos os dias sem saber

Onde encontrar
Cada momento
Atento
P'ra viajar
Cada relento
É tempo
Para acordar
Saber de tudo
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

Quero encontar
Coisas perdidas
Vidas
A despertar
Velhas lembranças
Danças
À beira-mar
A cor dos olhos que eu souber

Saber de ti
Dizer: amor
Fico do lado de cá
Cá vou andando
Até onde?
Eu sei lá!
Cá vou andando
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

 

Até Amanhã
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha
Participações de Rui Luís "Dudas" Pereira (violas eléctricas e acústicas), José Carias (baixo), Fernando Rabanal (bateria), Ed (flautas e guimbarda), Jorge Nascimento (acordeão), Argentina e Formiga (coros) | Gravado no Angel Studio entre 7 e 9 de Setembro de 1983 | Captação de som e misturas de José Fortes
Arranjos, direcção musical e produção de Eduardo Paes Mamede
Single "Não Me Digas o Que Sei" | Argentina Rocha | Etiqueta Diapasão | Edição Sassetti | © 1983
 

Mais sugestões de leitura

  • Era uma vez uma NinaOpen or Close

    Era uma vez uma menina nascida num país que já não existe. A história de Nina Govedarica poderia começar assim, mas a sua biografia está bem longe de ser um conto de fadas. Os olhos dela já viram mais do que à generalidade dos humanos costuma ser concedido, e nem tudo o que viu foram coisas belas.
    Nascida em Zagreb no início dos anos 70 do século passado, Nina Govedarica licenciou-se em Engenharia, mas seria na pintura que encontraria o caminho e a razão de ser da sua vida.

    Do catálogo de Contos sobre a floresta, ..., de Nina Govedarica | 2011

    Ler Mais
  • Filhos da pideOpen or Close
    Que em Portugal se passam coisas estranhas, difíceis de entender por qualquer cidadão de inteligência média, não é novidade para ninguém.
    Mesmo assim, de vez em quando não consigo deixar de me surpreender com alguns dos insondáveis desígnios com que a Divina Providência ou alguém por ela nos brindou.
    Só no curto espaço de um século tivémos, entre outras curiosidades, um milagre de Fátima, um ditador que criava galinhas no quintal, um primeiro ministro que não lia jornais e até um Alberto João para quem a Madeira mais do que um jardim, é uma autêntica coutada.
    TSF | 18.Fev.1998
    Ler Mais
  • Para acabar de vez com a decênciaOpen or Close

    Longe vai o tempo do fado à solta em Alfama e na Madragoa, vadio e real como a amargura. A civilização ocupou as ruas e os becos, transformou as tascas em restaurantes e «pubs», iluminou a noite com vidrinhos coloridos, transformou as violas e as guitarras em potentes estereofonias.
    Do fado livre e vadio restam um ou dois sítios no Bairro Alto e a memória dos mais velhos. E restam as fantasias, os mistérios e as solidões do nosso quotidiano, sonhos apressados de pequena metrópole.

    Se7e | 8.Dez.1982

    Ler Mais
  • Luta de clicsOpen or Close

    O ministro Sousa Franco anunciou esta semana ao mundo que o elevado nível de vida dos portugueses é uma realidade estimável pela quantidade de telemóveis em circulação. Com Sousa Franco, ficámos a saber que o mundo não se divide  em classes, mas em redes telefónicas.

    RCS | 17.Nov.1998

    Ler Mais