Até Amanhã

b_500_400_16777215_00_images_geral_arg_ateam500.jpg

Unable to embed Rapid1Pixelout audio player. Please double check that:  1)You have the latest version of Adobe Flash Player.  2)This web page does not have any fatal Javascript errors.  3)The audio-player.js file of Rapid1Pixelout has been included.

Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha

Era uma vez
Uma cidade
Um rio azul de luar
A liberdade de um desejo
No ar
Um pensamento
A navegar

Era talvez
O encanto breve
De um sabor de acordar
O entretanto
Que ficou por contar
Era a promessa de viver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
Pela manhã
Todos os gritos dormem
Todas as coisas crescem
Todos os dias morrem
A recordar
A descobrir
A encontrar
Na madrugada
O mar desperta
Até amanhã

Quero lembrar
Todos os sonhos
Sonos
Histórias de amor
Todas as lutas e memórias
Sem dor
Todos os dias sem saber

Onde encontrar
Cada momento
Atento
P'ra viajar
Cada relento
É tempo
Para acordar
Saber de tudo
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

Quero encontar
Coisas perdidas
Vidas
A despertar
Velhas lembranças
Danças
À beira-mar
A cor dos olhos que eu souber

Saber de ti
Dizer: amor
Fico do lado de cá
Cá vou andando
Até onde?
Eu sei lá!
Cá vou andando
Até ver

Até amanhã
Todos os beijos nascem
etc.

 

Até Amanhã
Música de Eduardo Paes Mamede | Letra de Viriato Teles | Voz de Argentina Rocha
Participações de Rui Luís "Dudas" Pereira (violas eléctricas e acústicas), José Carias (baixo), Fernando Rabanal (bateria), Ed (flautas e guimbarda), Jorge Nascimento (acordeão), Argentina e Formiga (coros) | Gravado no Angel Studio entre 7 e 9 de Setembro de 1983 | Captação de som e misturas de José Fortes
Arranjos, direcção musical e produção de Eduardo Paes Mamede
Single "Não Me Digas o Que Sei" | Argentina Rocha | Etiqueta Diapasão | Edição Sassetti | © 1983
 

Mais sugestões de leitura

  • A vida por um traçoOpen or Close

    Boémio incurável, amante fiel mas inconstante, apreciador de bons vinhos e petisqueiro afamado, Fernando Relvas reparte o seu tempo de forma desigual entre uma casa em Almoçageme, bares diversos da capital e o Raven, «um corvo atracado no Tejo» ...

    Expresso | 1997

    Ler Mais
  • As voltas do professorOpen or Close

    Há uns bons vinte anos, ele era o símbolo de tudo aquilo que não queríamos ver no poder. A candidatura de Freitas do Amaral à Presidência da Repúbica foi, sejamos claros, a última esperança dos velhos fascistas que ainda não se tinham adaptado à democracia. Na verdade, o confronto entre Mário Soares e Professor nas eleições presidenciais de 1986 foi marcado pela clarificação dos campos políticos que, bem ou mal, se afirmavam no terreno. E Soares, que começou a campanha apenas com o apoio de uma íntima fracção do PS, acabou por se sagrar Presidente, eleito pela Esquerda; ao passo que Freitas, apoiado em massa pelas forças da Direita, não conseguiu evitar a derrota na segunda volta.

    Para Consumo da Causa | 10.Mar.2005

    Ler Mais
  • Espírito de NatalOpen or Close

    O Natal já não é o que era. Primeiro foi o 25 de Dezembro, usurpado pelos comunistas desde que, faz amanhã exactamente seis anos, o ex-presidente Mikahil Gorbatchov reconheceu oficialmente a extinção da União Soviética.
    Depois apareceram as mega-lojas de brinquedos, que deixaram o Pai Natal à beira do desemprego. E agora até o ministro Ferro Rodrigues já se faz passar pelo venerando ancião pólo-nortista e desata a distribuir benesses sociais.

    TSF | 24.Dez.1997

    Ler Mais
  • 25 anos com ZecaOpen or Close

    Nestes dias em que tanto se fala de José Afonso e do seu génio, gosto sobretudo de recordar que, para além da música, o Zeca era acima de tudo um homem. Um homem empenhado nas grandes lutas do seu tempo, com certeza, que procurou viver de modo integral – o que só se alcança quando se assume viver com as fragilidades, as virtudes, os defeitos, as grandezas e as contradições comuns a todos os homens.

    Ler Mais