Coisas que me chateiam

coisask350x250.jpg

Chateiam-me os ricos que não se cansam de roubar e os pobres que já desistiram de lutar.

Chateiam-me os jornalistas-pé-de-microfone e os assessores-pó-de-microfilme.

Chateia-me a merda dos cães-de-caca que invadiu as ruas de Lisboa.

Chateia-me a videovigilância, a audiovigilância e a vigilância em geral, mesmo à vista desarmada.

Chateia-me ter nascido no país que tem a mais antiga identidade cultural da Europa, para nada.

Chateiam-me os toscos do pensamento, mas ainda me chateiam mais os que produzem os pensamentos toscos que nos tosquiam.

Chateiam-me os desgovernantes que acham que a melhor solução para tapar um buraco é continuar a cavar.

Chateia-me viver entre gente que opta por substituir uma merda por outra de pior calibre só para poder dizer que isto é tudo a mesma merda.

Chateia-me a azia das noites eleitorais.

Chateiam-me as artimanhas dos fângios-de-aviário ao volante pelos caminhos de Portugal e dos algarves.

Chateia-me o buraco das Estradas de Portugal, mas muito mais me chateiam as estradas de Portugal com buracos.

Chateiam-me as noites vazias dos portugueses vazios.

Chateia-me que os bancos paguem menos impostos do que eu.

Chateiam-me as mulheres lindas com cabeça-de-periquito.

Chateiam-me os discursos do presidente-da-travessa-do-possolo. E dão-me sono.

Chateia-me o regresso da lei-barreto.

Chateiam-me as merdalhas do 10 de Junho.

Chateia-me que já tão pouca gente se chateie com estas coisas.

 

Há mais, mas para hoje já me chateei o suficiente.

Mais sugestões de leitura

  • Algumas opiniõesOpen or Close

    Excertos de opiniões publicadas na Imprensa acerca de Margem para Dúvidas.

    Ler Mais
  • Padre Mário de OliveiraOpen or Close

    Era capelão das tropas portuguesas na Guiné-Bissau, e nessa condição ousou pregar a Paz. Mas o tempo era de guerra, ainda que esta fosse uma guerra particularmente injusta. E Mário de Oliveira, o capelão pacifista, acabou com guia de marcha para a «metrópole», como então se chamava a Portugal continental. Não esteve mais de quatro meses no teatro de operações, mas foi o suficiente para perceber que, se queria espalhar a palavra de Jesus Cristo, teria de, como Ele, sujeitar-se à raiva e à incompreensão dos poderosos.

    Ler Mais
  • Macacos à solta nas ruas do mundoOpen or Close

    Quem os ouve pela primeira vez não pode deixar de sentir um estremecimento prazenteiro. É impossível catalogar estes sons, simultaneamente tão estranhos e tão familiares, que revolvem o nosso imaginário misturando as lembranças de filmes antigos, histórias e memórias, tradições e sentimentos. À semelhança das filarmónicas tradicionais, preenchem qualquer ambiente festivo onde se encontrem, mas tal como qualquer jazzband vão sempre mais além na execução da música que dão a ouvir.

    Nota introdutória ao CD Macacos das Ruas de Évora | 2002

    Ler Mais
  • Segundo andamento: dos fadosOpen or Close

    – Tens noção da importância que tiveste para as pessoas que não gostavam de fado e que acabaram por lá chegar através de ti?

    – Não terei essa noção plena, mas chegam-me regularmente comentários muito simpáticos. O que é que acontece? Eu tenho feito isto de uma forma muito serena, a minha conduta em termos do mundo do espectáculo é uma conduta serena. Eu não sou propriamente aquele cidadão que gosta de dizer a si próprio: «Ah, se eu não fosse português, teria feito isto e aquilo.» É mentira. Tenho feito aquilo que tenho podido, não me sinto mal com aquilo que tenho feito, não me sinto mal por ser português, bem pelo contrário. Mas eu acho que a gente, na vida, colhe muito do que semeia. E eu estou numa fase de colher o que semeei. E como, ao longo da minha vida, isto foi sempre uma permuta que fiz com as pessoas, e é uma coisa muito afectiva, as pessoas também sentem necessidade de conversar comigo.

    Ler Mais