Coisas que me chateiam

coisask350x250.jpg

Chateiam-me os ricos que não se cansam de roubar e os pobres que já desistiram de lutar.

Chateiam-me os jornalistas-pé-de-microfone e os assessores-pó-de-microfilme.

Chateia-me a merda dos cães-de-caca que invadiu as ruas de Lisboa.

Chateia-me a videovigilância, a audiovigilância e a vigilância em geral, mesmo à vista desarmada.

Chateia-me ter nascido no país que tem a mais antiga identidade cultural da Europa, para nada.

Chateiam-me os toscos do pensamento, mas ainda me chateiam mais os que produzem os pensamentos toscos que nos tosquiam.

Chateiam-me os desgovernantes que acham que a melhor solução para tapar um buraco é continuar a cavar.

Chateia-me viver entre gente que opta por substituir uma merda por outra de pior calibre só para poder dizer que isto é tudo a mesma merda.

Chateia-me a azia das noites eleitorais.

Chateiam-me as artimanhas dos fângios-de-aviário ao volante pelos caminhos de Portugal e dos algarves.

Chateia-me o buraco das Estradas de Portugal, mas muito mais me chateiam as estradas de Portugal com buracos.

Chateiam-me as noites vazias dos portugueses vazios.

Chateia-me que os bancos paguem menos impostos do que eu.

Chateiam-me as mulheres lindas com cabeça-de-periquito.

Chateiam-me os discursos do presidente-da-travessa-do-possolo. E dão-me sono.

Chateia-me o regresso da lei-barreto.

Chateiam-me as merdalhas do 10 de Junho.

Chateia-me que já tão pouca gente se chateie com estas coisas.

 

Há mais, mas para hoje já me chateei o suficiente.

Mais sugestões de leitura

  • Um pássaro igual a tiOpen or Close

    Com Zeca e os seus companheiros aprendemos, ainda, que é muito menos fácil formular perguntas que encontrar respostas. Que as veleidades da ‘vida artística’, na qual ele nunca se encaixou, são como os foguetes de romaria, que desaparecem no ar após um instante de brilho e que, portanto, o importante é estar vivo, ter como única certeza a inquietação permanente. Há coisas assim, que parecem impossíveis. Depois vêm as inevitáveis cortesias-de-velórios, mas quanto a isso estamos conversados. Afinal somos um país de homenagens póstumas, não é? Que o digam o Adriano, Jorge de Sena, Fernando Pessoa. Que o diga agora o Zeca, ele que foi sempre tão dado a encolerizar-se com estas coisas.

    Ler Mais
  • Um homem de carácterOpen or Close
    José Vilhena, o mais importante humorista português contemporâneo, fez recentemente 85 anos. Mas, com excepção da meia dúzia de amigos e admiradores que estiveram presentes numa pequena homenagem organizada em Lisboa pelo Museu da República e Resistência, quase ninguém se deu conta da efeméride.
    Jornal do Fundão | 19.Jul.2012
    Ler Mais
  • Saramago, autor do século XVIIIOpen or Close

    José Saramago, um romancista do século XVIII? Ninguém se lembraria de tal coisa, mas foi assim mesmo que ele foi inicialmente apresentado, em Bucareste, poucos meses antes do lançamento, pela Editora Univers, da tradução romena de «Memorial do Convento». Um truque para iludir a censura de Ceausescu. E resultou.

    Jornal de Letras | 12.Jun.1990

    Ler Mais
  • A democracia do baralhoOpen or Close

    Vivemos, ao que consta, num país democrático. Sui generis, sem dúvida, mas democrático. Mais do que isso: pluralista e cristão, como mandam as regras da convivência ocidental.
    É claro que a revolução foi p'ró galheiro, graças à «originalidade». É claro que os pides, os bombistas e os ministros de Salazar se encontram em liberdade enquanto um punhado de antifascistas morre aos poucos nas prisões. É claro que a polícia de choque bate (para nos livrar da subversão), o Governo prepara leis pré-históricas (para defender a instituição) e o povo tem fome (para manter a tradição). Mas a essência da pátria mantém-se democrática, encantadora, bem portuguesa.

    O Jornal | 2.Jul.1982
    Ler Mais