Coisas que me chateiam

coisask350x250.jpg

Chateiam-me os ricos que não se cansam de roubar e os pobres que já desistiram de lutar.

Chateiam-me os jornalistas-pé-de-microfone e os assessores-pó-de-microfilme.

Chateia-me a merda dos cães-de-caca que invadiu as ruas de Lisboa.

Chateia-me a videovigilância, a audiovigilância e a vigilância em geral, mesmo à vista desarmada.

Chateia-me ter nascido no país que tem a mais antiga identidade cultural da Europa, para nada.

Chateiam-me os toscos do pensamento, mas ainda me chateiam mais os que produzem os pensamentos toscos que nos tosquiam.

Chateiam-me os desgovernantes que acham que a melhor solução para tapar um buraco é continuar a cavar.

Chateia-me viver entre gente que opta por substituir uma merda por outra de pior calibre só para poder dizer que isto é tudo a mesma merda.

Chateia-me a azia das noites eleitorais.

Chateiam-me as artimanhas dos fângios-de-aviário ao volante pelos caminhos de Portugal e dos algarves.

Chateia-me o buraco das Estradas de Portugal, mas muito mais me chateiam as estradas de Portugal com buracos.

Chateiam-me as noites vazias dos portugueses vazios.

Chateia-me que os bancos paguem menos impostos do que eu.

Chateiam-me as mulheres lindas com cabeça-de-periquito.

Chateiam-me os discursos do presidente-da-travessa-do-possolo. E dão-me sono.

Chateia-me o regresso da lei-barreto.

Chateiam-me as merdalhas do 10 de Junho.

Chateia-me que já tão pouca gente se chateie com estas coisas.

 

Há mais, mas para hoje já me chateei o suficiente.

Mais sugestões de leitura

  • Maria Teresa HortaOpen or Close

    Uma mulher que gosta de ser mulher e por isso não se conforma com aquilo que dizem ser o destino das mulheres. E por isso luta, e por isso escreve, e por isso grita. Eis Maria Teresa Horta, mulher e escritora que a partir dos anos 60 se afirmou como uma voz central da poesia portuguesa, pela coragem de romper com estereótipos e tabus que pareciam inquestionáveis.
    O corpo, o prazer, o sexo, eram então coisas sobre as quais uma senhora não deveria falar, muito menos em público. E por isso quando, em 1972, se junta a Maria Isabel Barreno e Maria Velho da Costa para a publicação das Novas Cartas Portuguesas, o escândalo foi tremendo: o livro foi apreendido e as autoras levadas a julgamento.

    Ler Mais
  • À descoberta do ArcoOpen or Close
    Quem sabia, por exemplo, que a Sala do Arco – ocupando todo o interior do único piso ali existente, ao cimo de algumas dezenas de degraus – esteve em tempos para ser um museu? Ou que o seu monumental relógio foi construído por Manoel Francisco Gousinha, relojoeiro mecânico de Almada?
    O Diário | 29.Dez.1980
    Ler Mais
  • As palavras e os númerosOpen or Close

    A celebração do cinquentenário da Declaração Universal dos Direitos Humanos foi, como era de esperar, motivo para as mais diversas intervenções de figuras mais ou menos públicas. O Prémio Nobel José Saramago não deixou passar a oportunidade e, como era de esperar de um humanista atento, aproveitou o discurso perante a Academia Sueca para lembrar que quase metade da riqueza do mundo está nas mãos de 225 impérios financeiros, enquanto mais de metade da população do planeta vive com carências elementares.

    RCS | 16.Dez.1998

    Ler Mais
  • Algumas opiniõesOpen or Close

    Excertos de opiniões publicadas na Imprensa acerca de Margem para Dúvidas.

    Ler Mais