Coisas que me chateiam

coisask350x250.jpg

Chateiam-me os ricos que não se cansam de roubar e os pobres que já desistiram de lutar.

Chateiam-me os jornalistas-pé-de-microfone e os assessores-pó-de-microfilme.

Chateia-me a merda dos cães-de-caca que invadiu as ruas de Lisboa.

Chateia-me a videovigilância, a audiovigilância e a vigilância em geral, mesmo à vista desarmada.

Chateia-me ter nascido no país que tem a mais antiga identidade cultural da Europa, para nada.

Chateiam-me os toscos do pensamento, mas ainda me chateiam mais os que produzem os pensamentos toscos que nos tosquiam.

Chateiam-me os desgovernantes que acham que a melhor solução para tapar um buraco é continuar a cavar.

Chateia-me viver entre gente que opta por substituir uma merda por outra de pior calibre só para poder dizer que isto é tudo a mesma merda.

Chateia-me a azia das noites eleitorais.

Chateiam-me as artimanhas dos fângios-de-aviário ao volante pelos caminhos de Portugal e dos algarves.

Chateia-me o buraco das Estradas de Portugal, mas muito mais me chateiam as estradas de Portugal com buracos.

Chateiam-me as noites vazias dos portugueses vazios.

Chateia-me que os bancos paguem menos impostos do que eu.

Chateiam-me as mulheres lindas com cabeça-de-periquito.

Chateiam-me os discursos do presidente-da-travessa-do-possolo. E dão-me sono.

Chateia-me o regresso da lei-barreto.

Chateiam-me as merdalhas do 10 de Junho.

Chateia-me que já tão pouca gente se chateie com estas coisas.

 

Há mais, mas para hoje já me chateei o suficiente.

Mais sugestões de leitura

  • O homem que queria ser comumOpen or Close

    Não fosse a intervenção do dr. Salazar e provavelmente a obra de José Afonso não teria atingido a dimensão que alcançou e que fez dele um dos grandes vultos da música popular do século XX. Dito deste modo, pode soar a provocação. Mas a verdade é que foi por ter sido expulso do ensino, por ordem do governo da ditadura, que o criador de «Grândola» se profissionalizou como músico e passou a gravar com regularidade. Deus a escrever direito por linhas ínvias, diriam os crentes. Curiosas ironias da História, dirão os outros.

    QI | Diário de Notícias | 28.Abril.2012

    Ler Mais
  • História biodegradávelOpen or Close

    O cidadão José Hermano tem um pensamento profundo sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau.

    RCS-GA | 25.Fev.1999

    Ler Mais
  • Outras paisagensOpen or Close

    Os elefantes
    escolhem sempre o lugar da morte
    disse o pescador antigo
    de olhos postos no mar sem fim.
    O pescador nunca viu elefantes
    nem leões
    nem pássaros da Amazónia
    mas sabe como é.
    Como nós
    em mil novecentos e setenta e cinco
    a forçar de vez as garras
    do desespero.

    Ler Mais
  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais