Nobre polvo

fnobre200.jpg

A adesão do médico especialista em galinhas-com-pão-no-bico ao partido dos passos-de-coelho gerou alguma confusão e um compreensível sentimento de frustração e desencanto entre os ex-apoiantes do médico que queria ser califa no lugar do califa de Belém. O episódio vale tão pouco como o seu protagonista, mas é elucidativo do “espírito de missão” do dr. Nobre e, sobretudo, do pouco respeito que ele nutre pelos que se mobilizaram em seu redor.

Digamos que é apenas uma meia surpresa, já que o percurso político deste solidário profissional fala por si. Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

Quanto ao carácter da criatura, estamos portanto conversados. Eu, que tento sempre encontrar o bright side das mais negras realidades, não duvido de que este episódio foi muito útil, uma vez que deu a conhecer o lado mais verdadeiro e muito pouco nobre deste Nobre aos incautos que se deixaram seduzir pela demagogia do seu discurso supostamente independente e anti-sistema. E teve ainda a vantagem de trazer momentaneamente para a ribalta o ex-director de campanha do homem, Artur Pereira de seu nome, um intriguista profissional arraçado de Béria e Rasputine que se notabilizou há uma dúzia de anos como intermediário nas relações entre o PCP e os barões da construção civil da Amadora.

Afirma Pereira, citado pelo Público, que a opção pelo PSD ficou a dever-se ao facto de os social-democratas oferecerem a Nobre a possibilidade de um cargo, o de presidente da Assembleia da República. Esclarecedor. Pereira acha, e pelos vistos Nobre também, que o lugar em causa “permite outro género de intervenção e de cidadania” que “a simples entrada numa lista eleitoral não permite”. Pereira não explica como é que um cargo que é essencialmente regimental permite “outro género de intervenção”, mas isso é irrelevante.

O que os jornais não dizem é que Pereira foi um dos agentes e o principal operacional da espúria aliança informal entre o PCP e o PSD, na Amadora, por ocasião da campanha eleitoral autárquica de 1997. O acordo – nunca assumido publicamente, está claro – tinha por objectivo colocar o PS em terceiro lugar no município. Mas, para espanto de todos, incluindo os vencedores, o tiro saiu-lhes pela culatra: o PS, com Joaquim Raposo à garupa, ganhou as eleições ao PC, que acabou, dois mandatos depois, por se tornar na terceira força política do município.

Como diria o bondoso engenheiro Guterres, é a vida. Mas lembram-se por acaso os leitores de quem era então o candidato do PSD à Câmara da Amadora? Pedro Passos Coelho, nem menos, que acabou por se retirar da ribalta durante alguns anos, após o fracasso desta aventura suburbana. Agora, Coelho e Pereira voltaram a encontrar-se. Pelos vistos, a estranha aliança de 97 foi mesmo o princípio duma bela amizade…

Mais sugestões de leitura

  • O homem e as cidadesOpen or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais
  • Em tempo de NatalOpen or Close
    Em tempo de Natal, as leis e os tribunais ficam um pouco como os pombos: aceitam aquilo que lhes dão e procuram não ser muito severos com a aplicação da justiça. Além disso, como toda a gente sabe, é preciso ser-se complacente de vez em quando ...
    O Diário | 26.Dez.1980
    Ler Mais
  • O arco da governaçãoOpen or Close

    Trata-se de um curioso conceito gerado no seio do regime democrático, uma espécie de lei-de-murphy para totós segundo a qual o exercício do poder está reservado aos cérebros iluminados do PS, do PSD e, em caso de necessidade para arredondar as contas, do CDS. Não sei em que ignorado artigo da Constituição está escrito que o poder só pode ser exercido pela direita – ou pelo menos à direita, na vã suposição de que ainda reste ao PS uma qualquer vaga consciência original. Deve ser um dos muitos obscuros desígnios do Senhor, que já provou ser capaz de tudo.

    Ler Mais
  • As sandálias do pecadorOpen or Close
    O que a seguir se oferece tem o mesmo sentido da partilha bíblica do pão e do vinho. Tinto corrente ou néctar do bom, de preferência com o conduto de uma morcela da Beira ou de um chouriço de Barrancos, que o Mário não se faz rogado. E movimenta-se com o mesmo à-vontade nos salões mais elegantes ou nas tascas mais ordinárias. Sempre com os amigos por perto, como se impõe. Os amigos "que são tristes com cinco dedos de cada lado", como diz Herberto. Os amigos que o Mário torna alegres e que cultiva como rosas delicadas, quer sejam poetas famosos ou bêbados anónimos, mulheres distintas ou putas de rua, actores de seis assoalhadas ou figurantes sem abrigo. À nossa!
    O IVAngelho II Mário Alberto
    Edições Sojorama 2002
    Ler Mais