Nobre polvo

fnobre200.jpg

A adesão do médico especialista em galinhas-com-pão-no-bico ao partido dos passos-de-coelho gerou alguma confusão e um compreensível sentimento de frustração e desencanto entre os ex-apoiantes do médico que queria ser califa no lugar do califa de Belém. O episódio vale tão pouco como o seu protagonista, mas é elucidativo do “espírito de missão” do dr. Nobre e, sobretudo, do pouco respeito que ele nutre pelos que se mobilizaram em seu redor.

Digamos que é apenas uma meia surpresa, já que o percurso político deste solidário profissional fala por si. Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

Quanto ao carácter da criatura, estamos portanto conversados. Eu, que tento sempre encontrar o bright side das mais negras realidades, não duvido de que este episódio foi muito útil, uma vez que deu a conhecer o lado mais verdadeiro e muito pouco nobre deste Nobre aos incautos que se deixaram seduzir pela demagogia do seu discurso supostamente independente e anti-sistema. E teve ainda a vantagem de trazer momentaneamente para a ribalta o ex-director de campanha do homem, Artur Pereira de seu nome, um intriguista profissional arraçado de Béria e Rasputine que se notabilizou há uma dúzia de anos como intermediário nas relações entre o PCP e os barões da construção civil da Amadora.

Afirma Pereira, citado pelo Público, que a opção pelo PSD ficou a dever-se ao facto de os social-democratas oferecerem a Nobre a possibilidade de um cargo, o de presidente da Assembleia da República. Esclarecedor. Pereira acha, e pelos vistos Nobre também, que o lugar em causa “permite outro género de intervenção e de cidadania” que “a simples entrada numa lista eleitoral não permite”. Pereira não explica como é que um cargo que é essencialmente regimental permite “outro género de intervenção”, mas isso é irrelevante.

O que os jornais não dizem é que Pereira foi um dos agentes e o principal operacional da espúria aliança informal entre o PCP e o PSD, na Amadora, por ocasião da campanha eleitoral autárquica de 1997. O acordo – nunca assumido publicamente, está claro – tinha por objectivo colocar o PS em terceiro lugar no município. Mas, para espanto de todos, incluindo os vencedores, o tiro saiu-lhes pela culatra: o PS, com Joaquim Raposo à garupa, ganhou as eleições ao PC, que acabou, dois mandatos depois, por se tornar na terceira força política do município.

Como diria o bondoso engenheiro Guterres, é a vida. Mas lembram-se por acaso os leitores de quem era então o candidato do PSD à Câmara da Amadora? Pedro Passos Coelho, nem menos, que acabou por se retirar da ribalta durante alguns anos, após o fracasso desta aventura suburbana. Agora, Coelho e Pereira voltaram a encontrar-se. Pelos vistos, a estranha aliança de 97 foi mesmo o princípio duma bela amizade…

Mais sugestões de leitura

  • In-segurançasOpen or Close

    As discussões em volta da cada vez mais premente questão da segurança – ou da falta dela – deram origem, na última semana, a mais um episódio da cada vez mais divertida guerra de comadres entre o PS e o PSD.
    Desta vez foi em Oeiras, com os moradores de um bairro de classe média a ameaçarem criar milícias populares se continuar a verificar-se o surto de assaltos que têm ocorrido nos últimos tempos.

    RCS | 19.Jan.1999

    Ler Mais
  • Segundo andamento: dos fadosOpen or Close

    – Tens noção da importância que tiveste para as pessoas que não gostavam de fado e que acabaram por lá chegar através de ti?

    – Não terei essa noção plena, mas chegam-me regularmente comentários muito simpáticos. O que é que acontece? Eu tenho feito isto de uma forma muito serena, a minha conduta em termos do mundo do espectáculo é uma conduta serena. Eu não sou propriamente aquele cidadão que gosta de dizer a si próprio: «Ah, se eu não fosse português, teria feito isto e aquilo.» É mentira. Tenho feito aquilo que tenho podido, não me sinto mal com aquilo que tenho feito, não me sinto mal por ser português, bem pelo contrário. Mas eu acho que a gente, na vida, colhe muito do que semeia. E eu estou numa fase de colher o que semeei. E como, ao longo da minha vida, isto foi sempre uma permuta que fiz com as pessoas, e é uma coisa muito afectiva, as pessoas também sentem necessidade de conversar comigo.

    Ler Mais
  • Troikas e baldrocasOpen or Close
    A imparável troika voltou a Lisboa para deduzir o óbvio: que a receita da austeridade é um fracasso, com a quebra do consumo a aumentar na razão directa do assalto à mão desarmada com que os cidadãos estão confrontados, resultando numa diminuição dos proventos reais do Estado. ...
    Jornal do Fundão | 6.Set.2012
    Ler Mais
  • A vida em alta velocidadeOpen or Close

    O homem que agora se senta à minha frente está destinado a vencer a morte. Fala muito e em ritmo acelerado, mas nunca fala por falar. Os olhos não param quietos, mesmo quando se dirigem para nós. Pontua a conversa com gestos largos, próprios de quem sabe o que quer e tem pressa de o concretizar. A sua vida é um corrupio de cenas e emoções, poemas e paixões, amigos e bebedeiras. Olho-o e penso que poucos actores conseguem aguentar um ritmo de trabalho tão intenso como este Mário Viegas, mas menos ainda são capazes de que a essa intensidade corresponda uma tão grande dose de prazer.

    Ler Mais