Nobre polvo

fnobre200.jpg

A adesão do médico especialista em galinhas-com-pão-no-bico ao partido dos passos-de-coelho gerou alguma confusão e um compreensível sentimento de frustração e desencanto entre os ex-apoiantes do médico que queria ser califa no lugar do califa de Belém. O episódio vale tão pouco como o seu protagonista, mas é elucidativo do “espírito de missão” do dr. Nobre e, sobretudo, do pouco respeito que ele nutre pelos que se mobilizaram em seu redor.

Digamos que é apenas uma meia surpresa, já que o percurso político deste solidário profissional fala por si. Um tipo que já apoiou, sucessiva ou concomitantemente, Durão Barroso e Mário Soares, o Bloco de Esquerda e a Causa Monárquica, António Costa e António Capucho, das duas, uma: ou é um caso exemplar de desdobramento de personalidade ou tem a coluna vertebral duma amiba.

Quanto ao carácter da criatura, estamos portanto conversados. Eu, que tento sempre encontrar o bright side das mais negras realidades, não duvido de que este episódio foi muito útil, uma vez que deu a conhecer o lado mais verdadeiro e muito pouco nobre deste Nobre aos incautos que se deixaram seduzir pela demagogia do seu discurso supostamente independente e anti-sistema. E teve ainda a vantagem de trazer momentaneamente para a ribalta o ex-director de campanha do homem, Artur Pereira de seu nome, um intriguista profissional arraçado de Béria e Rasputine que se notabilizou há uma dúzia de anos como intermediário nas relações entre o PCP e os barões da construção civil da Amadora.

Afirma Pereira, citado pelo Público, que a opção pelo PSD ficou a dever-se ao facto de os social-democratas oferecerem a Nobre a possibilidade de um cargo, o de presidente da Assembleia da República. Esclarecedor. Pereira acha, e pelos vistos Nobre também, que o lugar em causa “permite outro género de intervenção e de cidadania” que “a simples entrada numa lista eleitoral não permite”. Pereira não explica como é que um cargo que é essencialmente regimental permite “outro género de intervenção”, mas isso é irrelevante.

O que os jornais não dizem é que Pereira foi um dos agentes e o principal operacional da espúria aliança informal entre o PCP e o PSD, na Amadora, por ocasião da campanha eleitoral autárquica de 1997. O acordo – nunca assumido publicamente, está claro – tinha por objectivo colocar o PS em terceiro lugar no município. Mas, para espanto de todos, incluindo os vencedores, o tiro saiu-lhes pela culatra: o PS, com Joaquim Raposo à garupa, ganhou as eleições ao PC, que acabou, dois mandatos depois, por se tornar na terceira força política do município.

Como diria o bondoso engenheiro Guterres, é a vida. Mas lembram-se por acaso os leitores de quem era então o candidato do PSD à Câmara da Amadora? Pedro Passos Coelho, nem menos, que acabou por se retirar da ribalta durante alguns anos, após o fracasso desta aventura suburbana. Agora, Coelho e Pereira voltaram a encontrar-se. Pelos vistos, a estranha aliança de 97 foi mesmo o princípio duma bela amizade…

Mais sugestões de leitura

  • O silêncio da terraOpen or Close

    «Não acredito muito nos pessoas que apenas se comovem quando ouvem falar de coisas de carácter político. Não basta fazer canções sobre a paz ou sobre a guerra, é preciso ter em conta também uma outra poesia que nos fale da beleza das paisagens, dos rios que correm, da natureza que se manifesta.» Em Março de 1985, Atahualpa Yupanqui esteve em Portugal para realizar dois concertos únicos por iniciativa da Embaixada da República Argentina. Nos palcos da Aula Magna, em Lisboa, e do Rivoli, no Porto, acompanhado apenas pela sua guitarra (“a la guitarra grave y honda que jumbrosa estremecida y soledosa, desvelada quiero referirme”), deu-se-nos, durante cerca de duas horas, o trovador maior das pampas, “payador” que foi perseguido e nunca desistiu de se interrogar, a ele próprio e a quantos o ouvem, a propósito dos sentidos possíveis da vida.

    Ler Mais
  • Sentido de estradoOpen or Close
    A modorra estival foi subitamente agitada, dias atrás, pelas declarações de Zita Seabra no programa do estulto Mário Crespo. Segundo a ex-deputada, o PCP utilizou a debelada Fábrica Nacional de Ar Condicionado como fachada para tenebrosas missões de espionagem, levadas a cabo em conluio com caliginosos agentes da STASI durante a Guerra-Fria.
    Jornal do Fundão | 16.Ago.2012
    Ler Mais
  • O homem e as cidadesOpen or Close

    Era uma vez um homem que gostava de cidades. A biografia de Manuel Graça Dias, arquitecto nascido em Lisboa no ano de 1953, podia começar assim. E não apenas pelo livro que acabou de publicar, justamente intitulado O homem que gostava de cidades, onde reúne uma mão cheia de crónicas que fez para a TSF durante muitas dezenas de semanas.

    Status (Semanário Económico) | Out/Nov 2001

    Ler Mais
  • Segundo andamento: dos fadosOpen or Close

    – Tens noção da importância que tiveste para as pessoas que não gostavam de fado e que acabaram por lá chegar através de ti?

    – Não terei essa noção plena, mas chegam-me regularmente comentários muito simpáticos. O que é que acontece? Eu tenho feito isto de uma forma muito serena, a minha conduta em termos do mundo do espectáculo é uma conduta serena. Eu não sou propriamente aquele cidadão que gosta de dizer a si próprio: «Ah, se eu não fosse português, teria feito isto e aquilo.» É mentira. Tenho feito aquilo que tenho podido, não me sinto mal com aquilo que tenho feito, não me sinto mal por ser português, bem pelo contrário. Mas eu acho que a gente, na vida, colhe muito do que semeia. E eu estou numa fase de colher o que semeei. E como, ao longo da minha vida, isto foi sempre uma permuta que fiz com as pessoas, e é uma coisa muito afectiva, as pessoas também sentem necessidade de conversar comigo.

    Ler Mais