Uma espécie de poema, por ser hoje

b_500_400_16777215_00_images_geral_paieu_370x530.jpg

Lembrança e afecto(a)ção de João do Rio Bizarro Teles, cidadão meu pai.
Escrito algures entre 1997 e 2001, de Ílhavo para Lisboa, ou vice-versa.

 

Do meu pai herdei uma tendência
para os calos e as hérnias. O jeito
para a inquietude, a miopia, memórias suaves,
sinais nas costas, um nome capaz. Como todas
as histórias, também esta poderia ser melhor, mas é sabido
que a vida real não condiz com a poesia,
e nem sempre o riso rima
conciso com siso
como se quer.

O meu pai morreu triste de ternura imoderada
e fiquei só
com os meus calos doidos e a vaga tendência
para as hérnias e o resto. Poderia, enfim, revisitar os dias úteis,
adormecer uma vez mais de estouvamento na Rua da Capela. Ou
ouvir-lhe a perpétua mansidão dos dedos indagando primaveras.

Talvez assim a vida fosse como nos livros,
e a dor que calo
não fosse o fim desta história
de calos e de hérnias e outros assins sem remédio.

Mais sugestões de leitura

  • A vida em alta velocidadeOpen or Close

    O homem que agora se senta à minha frente está destinado a vencer a morte. Fala muito e em ritmo acelerado, mas nunca fala por falar. Os olhos não param quietos, mesmo quando se dirigem para nós. Pontua a conversa com gestos largos, próprios de quem sabe o que quer e tem pressa de o concretizar. A sua vida é um corrupio de cenas e emoções, poemas e paixões, amigos e bebedeiras. Olho-o e penso que poucos actores conseguem aguentar um ritmo de trabalho tão intenso como este Mário Viegas, mas menos ainda são capazes de que a essa intensidade corresponda uma tão grande dose de prazer.

    Ler Mais
  • Pizza hurtOpen or Close

    Afinal, a tão comentada publicidade do ex-líder soviético às pizzas norte-americanas tem também uma versão televisiva, revelando-nos desconhecidas capacidades cinematográficas de Gorbatchov (...) Vários cidadãos russos foram também chamados a dizer de sua justiça a propósito do referido anúncio e da actuação do seu ex-presidente. As opiniões eram muitas e divergentes, mas ficou-me sobretudo a daquela jovem que dizia acreditar que, da próxima vez, Gorbatchov deveria dedicar o seu talento publicitário a uma qualquer marca de pensos higiénicos.

    TSF | 31.Dez.1997

    Ler Mais
  • Silly seasonOpen or Close

    Dizem-me que a culpa é do tempo instável que se tem feito sentir. Talvez seja. Mas este mês de Agosto tem sido pródigo em novos conceitos e frases espirituosas de alguns actores da grande comédia que é o mundo actual. Não, não falo de George Bush nem da sua mais recente alarvidade - até porque, ao contrário do que sustentam os jornais, não foi uma gaffe: o presidente dos EUA quis mesmo dizer o que disse quando afirmou que «os nossos inimigos não param de pensar em formas de prejudicar o nosso país e o nosso povo, e nós também não». É o que se chama sinceridade.

    Para Consumo da Causa | 18.Ago.2004

    Ler Mais
  • Onde é que está o 25 de Abril?Open or Close

    Desde já confesso: sou culpado. Culpado de ter vivido intensamente o 25 de Abril e os dias levantados que se seguiram. Estava em Ílhavo, quando tudo começou, mas ninguém é perfeito. Era jovem e pensava. Éramos imortais, e não queríamos perder tempo. Queríamos o mundo, e tínhamos o mundo. Em ano e meio, fizemos de um país tristonho uma pátria onde valia a pena sonhar. E sonhámos, e vivemos horas que ninguém nos tira. Depois, a vida real impôs-se e mostrou-nos que há um preço para tudo, até para os sonhos. Pagámos por isso, e muitos de nós continuam a pagar. E, afinal, qual é o preço da nossa culpa? Quisemos ser felizes. E isso é crime?

    Ler Mais