A solução para a crise

© Sandra Bernardo

Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

Começou por dar um precioso e inovador contributo para o novo aborto ortográfico*: a passagem de parte substancial da EDP das mãos do estado português para as do estado chinês concede uma nova abrangência ao conceito de privatização. E explica, finalmente, o que vai nos bolbos raquidianos do senhor que manda no dos passos, do propriamente dito e do secretário de estado anónimo que nos querem ver daqui para fora: a ideia deve ser fazermos como os chineses, mas ao contrário, isto é, vamos nós para a terra deles abrir lojas.

Mas que poderemos nós vender aos chineses que eles não tenham já inventado? A resposta deu-a ontem, com a sagacidade que o caracteriza, o álvaro ministro: pastéis de nata. Pastéis de nata, nem mais, que poderão, nestes tempos conturbados, desempenhar o papel que noutras eras coube aos gamas e aos cabrais. (NR: juro que é verdade: onde atrás escrevi eras, uma perturbadora gralha fez aparecer a palavra elas; será contágio chino por antecipação?)

A álvara ideia agrada-me tanto que me atrevo a sugerir também a internacionalização urgente do galo de Barcelos, da água de Fátima e dos bustos do dr. Sousa Martins. E, se houver por aí um potencial sócio disposto a arriscar, sou homem para me meter num franshising de caralhos das Caldas. A estratégia de marketing fica por minha conta, e dormirei com a certeza de estar a contribuir aceleradamente para eliminar a crise.

*Novo aborto ortográfico é uma expressão usada por empréstimo do José Xaviel Ezequiel.

13.1.2012

Mais sugestões de leitura

  • Uma vida de risco(s)Open or Close

    Agora, o Relvas já é mais do que lenda. Ele é uma referência – porventura a mais irreverente, com certeza das mais relevantes – fundamental para quem quiser conhecer a evolução da banda desenhada em Portugal nos últimos 50 anos. E se, apesar de tudo, é hoje mais fácil para um jovem artista criar e divulgar o seu trabalho, isso em muito boa parte se deve ao Relvas – ao talento dele, sim, mas sobretudo à sua persistência homérica e à intransigência perante a mediocridade que sempre o acompanhou.

    Catálogo de Retrospectiva/Outra Perspectiva, de Fernando Relvas | 2017

    Ler Mais
  • Primeiros passosOpen or Close

    Dá-me o teu braço
    e um abraço
    do tamanho da alegria.

    Ler Mais
  • Crime e castigoOpen or Close

    A notícia da detenção, em Londres, do antigo ditador chileno Augusto Pinochet tornou-se no principal acontecimento deste fim-de-semana – e por pouco não conseguiu secundarizar o discurso de duas horas e meia de Fidel Castro no comício de solidariedade com Cuba, em Matosinhos.

    RCS | 19.Out.1998

    Ler Mais
  • História biodegradávelOpen or Close

    O cidadão José Hermano tem um pensamento profundo sobre o regime que vigorou em Portugal até 25 de Abril de 1974. Conhece-se o cismado rigor com que jura pela alma dos que já lá tem que Camões pisou aquelas pedrinhas da gruta de Macau.

    RCS-GA | 25.Fev.1999

    Ler Mais