A solução para a crise

© Sandra Bernardo

Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

Começou por dar um precioso e inovador contributo para o novo aborto ortográfico*: a passagem de parte substancial da EDP das mãos do estado português para as do estado chinês concede uma nova abrangência ao conceito de privatização. E explica, finalmente, o que vai nos bolbos raquidianos do senhor que manda no dos passos, do propriamente dito e do secretário de estado anónimo que nos querem ver daqui para fora: a ideia deve ser fazermos como os chineses, mas ao contrário, isto é, vamos nós para a terra deles abrir lojas.

Mas que poderemos nós vender aos chineses que eles não tenham já inventado? A resposta deu-a ontem, com a sagacidade que o caracteriza, o álvaro ministro: pastéis de nata. Pastéis de nata, nem mais, que poderão, nestes tempos conturbados, desempenhar o papel que noutras eras coube aos gamas e aos cabrais. (NR: juro que é verdade: onde atrás escrevi eras, uma perturbadora gralha fez aparecer a palavra elas; será contágio chino por antecipação?)

A álvara ideia agrada-me tanto que me atrevo a sugerir também a internacionalização urgente do galo de Barcelos, da água de Fátima e dos bustos do dr. Sousa Martins. E, se houver por aí um potencial sócio disposto a arriscar, sou homem para me meter num franshising de caralhos das Caldas. A estratégia de marketing fica por minha conta, e dormirei com a certeza de estar a contribuir aceleradamente para eliminar a crise.

*Novo aborto ortográfico é uma expressão usada por empréstimo do José Xaviel Ezequiel.

13.1.2012

Mais sugestões de leitura

  • A poesia na RevoluçãoOpen or Close

    [A Utopia segundo Che Guevara] é um livro admirável, escrito num português admirável. O que não é nada despiciendo num país onde muitos escritores e outro tanto de jornalistas tropeçam no pronome, vacilam na preposição e estatelam-se no advérbio. Viriato Teles legitima a atitude de reactivar a reflexão sobre Guevara, respondendo à relação radicalidade/fascínio com argumentos que me parecem extremamente inovadores. (...) Um livro de reportagens, escrito por um dos grandes repórteres portugueses e, certamente, o melhor da geração a que ele pertence – tomando o conceito de geração com todas as precauções devidas. Viriato Teles faz parte do reduzido grupo que tenta reabilitar a grande tradição da Imprensa portuguesa: aquela que nunca enjeitou a «participação» afectiva sem desleixar a qualidade da prosa e sem ignorar a ética do ofício.

    Ler Mais
  • Os olhos da nossa infânciaOpen or Close

    A nossa terra é o lugar onde nascemos, mas é também muitos outros: são os lugares onde vivemos, onde sofremos, onde amamos, onde somos felizes ou infelizes. Por isso, eu, que sou de Ílhavo, sou também de Lisboa, e do Porto, e de Havana, e de todas as cidades onde estive e que me deixaram marcas nos olhos, no corpo e na alma. O Zé António fez outros percursos, igualmente distantes. E manteve-se em certa medida mais ilhavense do que eu. Mas, no que aos caminhos da memória diz respeito, creio que as nossas histórias, embora diferentes no tempo, estão muito próximas no espaço. E muito daquilo que se passava na Rua Suspensa dos Olhos do Ábio de Lápara, passava-se de modo semelhante na Rua da Capela da minha infância. 

    Apresentação de A Rua Suspensa dos Olhos, de Ábio de Lápara | 2015

    Ler Mais
  • Enquanto houver estrada pr'andarOpen or Close

    Desculpem, leitores, mas ele há regras! E a verdade é que nem o Jorge Palma nem o relator desta conversa se sentem, nos dias que correm, com vontade ou paciência para entrevistas formais, ao estilo dos seriíssimos diálogos entre jornalistas-culturais e escritores-em-franca-ascensão, comentadores-político-sociais e ex-ministros, futuros-ex-ministros ou candidatos a. E foi talvez por isso que, quando repórter e músico decidiram dar conta da conversa que se segue, escolheram a serenidade da casa do capitão da Zambujeira do Mar, de frente para o Atlântico, numa tarde tranquila de finais de Julho, quando os camones não tinham ainda chegado em força e os portugas permaneciam nas cidades, a braços com o aumento do iva e as propostas do ministro da televisão que animaram os últimos dias antes das férias gerais.

    MPP - Revista do Festival de Música Popular Portuguesa da Amadora | Set 2002

    Ler Mais
  • Que é dos cantores de intervenção?Open or Close

    Estavam onde era preciso, sempre que era preciso. Uma viola, um microfone e um estrado a fazer de palco era quanto bastava para que houvesse espectáculo. A poesia estava na rua e as vozes dos cantores davam-lhe forma de modo claro e preciso, que o tempo não era para meias palavras. Eram os chamados «cantores de intervenção», para quem a arte era sobretudo um veículo de divulgação dos ideais políticos mais marcantes da época.

    Expresso | 25.Abr.1997

    Ler Mais