A solução para a crise

© Sandra Bernardo

Para começo de ano mau, isto está bom. Em poucas semanas, o desgoverno dos comissários da troica conseguiu provar aos mais descrentes que não há mesmo limites para a criatividade. Se lhes desse para o bem, Portugal seria fantástico.

Começou por dar um precioso e inovador contributo para o novo aborto ortográfico*: a passagem de parte substancial da EDP das mãos do estado português para as do estado chinês concede uma nova abrangência ao conceito de privatização. E explica, finalmente, o que vai nos bolbos raquidianos do senhor que manda no dos passos, do propriamente dito e do secretário de estado anónimo que nos querem ver daqui para fora: a ideia deve ser fazermos como os chineses, mas ao contrário, isto é, vamos nós para a terra deles abrir lojas.

Mas que poderemos nós vender aos chineses que eles não tenham já inventado? A resposta deu-a ontem, com a sagacidade que o caracteriza, o álvaro ministro: pastéis de nata. Pastéis de nata, nem mais, que poderão, nestes tempos conturbados, desempenhar o papel que noutras eras coube aos gamas e aos cabrais. (NR: juro que é verdade: onde atrás escrevi eras, uma perturbadora gralha fez aparecer a palavra elas; será contágio chino por antecipação?)

A álvara ideia agrada-me tanto que me atrevo a sugerir também a internacionalização urgente do galo de Barcelos, da água de Fátima e dos bustos do dr. Sousa Martins. E, se houver por aí um potencial sócio disposto a arriscar, sou homem para me meter num franshising de caralhos das Caldas. A estratégia de marketing fica por minha conta, e dormirei com a certeza de estar a contribuir aceleradamente para eliminar a crise.

*Novo aborto ortográfico é uma expressão usada por empréstimo do José Xaviel Ezequiel.

13.1.2012

Mais sugestões de leitura

  • Tomai, isto é o meu corpoOpen or Close

    «Não podemos demorar mais de dez minutos.» Com estas palavras pouco animadoras, Marcel Marceau recebe-me à porta do camarim 105 do Casino Estoril, cerca de hora e meia antes do início do último dos dois espectáculos que apresentou no VIII Festival de Música da Costa do Estoril, que se realizou em Agosto de 1982. Ali, sem maquilhagem, é difícil reconhecer naquele homenzinho de 59 anos, os traços do “clown” que, em palco, assume as figuras ora ternas ora grotescas das suas personagens. Apenas os olhos vivos e a expressão sonhadora que se liberta ao longo da conversa revelam a identidade do mimo mais famoso do mundo.

    Ler Mais
  • Cantares de um homem livreOpen or Close

    Se Mário Mata fosse um pássaro seria com certeza um melro ou um pardal ou mesmo uma gaivota. Nunca poderia ser um canário, pela simples razão que não seria capaz de sobreviver numa qualquer gaiola, por mais dourada e confortável que fosse.
    O Mário é um homem livre, e dessa condição não prescinde, mesmo quando essa opção dói. E geralmente dói.
    É disto tudo que nos fala neste disco: de si e dos outros, da vida e das coisas simples, de Lisboa e do mundo, de portugueses burocráticos e neuróticos, mas também dos que ainda não desistiram.

    Introdução ao CD Sinais do Tempo, de Mário Mata | 2012

    Ler Mais
  • Na morte de Luís PignatelliOpen or Close

    «O Luís Pignatelli faz aqui muita falta», lamentava-se, uma destas tardes, o Armando Baptista-Bastos ao balcão do Expresso, um dos últimos lugares de convívio do largo a que deram o nome de Trindade Coelho, mas que há-de ser sempre da Misericórdia, por maioria de razão popular. Naquele espaço por onde os afectos ainda vão circulando, disfarçados de imperiais e cariocas de limão, a falta que o Luís faz é particularmente sentida. E o lamento do Bastos nem sequer precisa de ter resposta, todos sabem que é verdade. Sente-se nas conversas, quer sejam contra o Cavaco ou em glória de um soberbo frontispício feminino que vai passando pelo largo onde os pombos promoveram uma ocupação selvagem.

    Revista MPP | Julho 1994

    Ler Mais
  • O novo fôlego do grupo que nunca o foiOpen or Close

    Há 40 anos nascia um dos projectos mais originais de sempre da música portuguesa: a Banda do Casaco, um grupo incatalogável que se transmudava em cada um dos sete discos que gravou e que deixou um contributo único e irrepetível na música portuguesa. A obra completa está finalmente reunida, numa edição muito apetecível.

    QI | Diário de Notícias | 30.Nov.2013

    Ler Mais