ReservaZita

b_500_400_16777215_00_images_actual_topzita60pc.jpg

Os vinhos anunciados estão longe de ser excepcionais, mas pelos vistos também não envergonham ninguém. Nem Zita Seabra, a antiga dissidente comunista reconvertida a bolseira da Jerónimo Martins - embora há muito se saiba que a vergonha não é um dos seus atributos. Ex-antifascista, ex-estalinista, ex-comungada e futura ex-neoliberal, a eclética e atlética figura ocupa agora o lugar de destaque na mais recente campanha publicitária do Pingo Doce.

A antiga dirigente comunista mostra assim que, apesar do que dizem as más línguas, não faz mais do que continuar a seguir os ensinamentos do extinto presidente da debelada União Soviética – pois não foi assim há tantos anos que Mikahil Gorbátchov nos revelou inauditos dotes de verdadeiro artista num anúncio da Pizza Hut.

Não é esta, aliás, a razão principal por que Zita Seabra pertence ao género sub-humano dos maleáveis, espécimes caracterizados por exibirem uma total falta de pudor aliada a uma aura de infinita competência em todas as áreas do saber. Os mais velhos de nós, e muitos dos outros, lembram-se do empenhamento que teve na luta pela descriminalização da IVG, na década de 80 do século XX, e do à-vontade como, vinte anos depois, foi uma feroz opositora da sua liberalização.

Pelo caminho geriu o cinema português, cometeu alguns livros e publicou outros mais. Desempenhou o seu papel no circo da pequena política e foi devidamente recompensada. Cavaco até lhe deu uma ordem da liberdade. Só não deixou fruto que se visse.

No PCP ou fora dele, Zita Seabra nunca foi uma personagem que particularmente me interessasse. Mas tinha um passado honroso, assim pelo menos me foi dado apreciá-lo. Quando se zangou e bateu com a porta porque afinal o sol da Terra não nascia em Moscovo, também não me impressionei. Como já tinha chegado a essa conclusão muitos anos antes, não dei grande valor à leva de perestroicos que por esses dias se gerou no PC: salvo algumas muito honrosas (e ainda assim bastantes) excepções, a maioria deles não era gente de bem.

Com Zita também não me enganei, e isto não chega sequer a ser um juízo de valor. Não estranho tanto a, eventualmente legítima, alteração radical do seu percurso de vida, mas sobretudo o modo como ela se envergonha agora do seu passado e tenta apagá-lo, da própria memória e da dos outros.

Esse é o destino dos «arrependidos», uma outra sub-espécie que para mal dos nossos pecados ocupa desde há muitos anos as posições de maior relevo da vida pública portuguesa.

Para Zita, pronto, pode ser o início de uma grande carreira vitivinícola. Os tempos vão de feição, que isto da maneira que anda só lá vai com alguma decilitragem. E o Pingo Doce é, tudo indica, a grande reserva de Zita. Nazdrovia, então, que hoje paga a senhora.

11.Mar.2013

Mais sugestões de leitura

  • Há ratos na exposiçãoOpen or Close

    O desvio de cerca de um milhão de contos dos cofres da Exposição Mundial de Lisboa é a prova definitiva de que o portuga médio não dá ponto sem nó e aproveita todas as oportunidades para sacar algum. Depois das Descobertas, de Macau e dos fundos europeus, chegou a vez de a Expo 98 dar de comer a mais uns quantos tubarões. Que nem sequer vivem no Oceanário.

    Grande Amadora | 21.Ago.1998

    Ler Mais
  • Sexto andamento: do medoOpen or Close

    – Qual foi o teu pior momento em cima de um palco?

    – Foi em Vilar de Mouros, no segundo Festival de Vilar de Mouros. É uma história engraçada. (...) Quando cheguei ao palco... Só te digo que dificilmente a minha família terá sido mais insultada em toda a minha vida do que naquela noite! Mãe, pai, filhos – tudo o que era família minha foi insultada! Já para não falar dos insultos directos, mandarem-me com objectos estranhos... (...) Então passou-me uma coisa pela cabeça, olhei para os meus músicos e disse: «Vamos cantar uma canção, vamos cantar a Pedra Filosofal, vamos fazer aqui uma inversão.» Comecei a cantar, fez-se um silêncio enorme, calaram-se completamente, trautearam o final comigo e aplaudiram freneticamente. Aí, cheguei ao microfone e disse: «Vão bardamerda!». E fui-me embora.

    Ler Mais
  • Um metro de vida bem medidoOpen or Close

    Podia começar por dizer-vos o óbvio: que não estou aqui hoje por outros méritos para lá do da amizade, o que poderia tornar suspeita a minha leitura deste «Um Metro de Vida». Mas se a amizade é longa – e, sobretudo, cheia de cumplicidades criadas nos percursos todos que já partilhámos – se a amizade é longa, dizia, então por maioria de razões tenho a obrigação de ser autêntico. O Nuno Gomes dos Santos escreve sobre pessoas vivas. Assim foi nos tempos do «Diário de Lisboa» e de «O Diário», do «Se7e» e do «Musicalíssimo», d’«A Capital» e d’«O Primeiro de Janeiro», jornais onde deixou marcas e uma parte importante da sua vida. Assim é nas canções que escreve e canta, e também nos livros que vem publicando desde há uma dúzia de anos.

    Apresentação de Um Metro de Vida, de Nuno Gomes dos Santos | 2004

    Ler Mais
  • O Parque da ilusãoOpen or Close

    Ainda não há muitos anos, qualquer forasteiro de passagem por Lisboa não conseguia divertir-se a sério sem passar pelo Parque Mayer. Durante décadas, este lugar vizinho da central Avenida da Liberdade foi a alma da boémia lisboeta. Actores e fadistas, coristas e intelectuais, jornalistas e vadios misturavam-se em doses desiguais nos teatros, bares e cabarets que davam cor àquele espaço.

    Mini International | Março 2007

    Ler Mais