Chávez: alguns factos

b_500_400_16777215_00_images_actual_hugchav3.jpg

“Fez algumas coisas boas, mas destruiu a economia”. É este o tom de alguns comentários que podem ler-se um pouco por toda a parte a propósito do falecimento de Hugo Chávez. Como não gosto de falar de cór e guardo comigo algumas manias de velho repórter relativamente ao rigor informativo, sirvo-me da edição online do Expresso de hoje apenas para dar conta de alguns dados concretos sobre os 15 anos de “chavismo”. Vejamos:

O PIB per capita aumentou de 5.095 para 13.405 euros.
A dívida pública era de 56,4%, agora é 29%.
As exportações de petróleo subiram de 14 para 60 mil milhões de euros.
A taxa de desemprego caiu de 14,5 para 8,6 por cento.
A mortalidade infantil decresceu de 20 para 13 por mil nados vivos.
O índice de pobreza passou de 23,4 para 8,5 por cento e a taxa de analfabetismo desceu de 20 para 4 por cento.

Mesmo a ser verdade que a inflacção tenha passado de 23,6 para 31,6% e a criminalidade tenha aumentado (segundo esta fonte, os homicídios passaram de 25 para 45 por 100 mil habitantes), só o mais obtuso e preconceituoso sectarismo pode negar que a vida dos venezuelanos é, hoje, globalmente bastante melhor do que era antes de Chávez. De outro modo teria sido difícil alcançar o crescimento populacional verificado nestes 15 anos (de 23.870.000 para 29.287.000 habitantes) a que os progressos sociais que o novo sistema de saúde permitiu não são com certeza alheios.

(fonte dos dados: Expresso, Venezuela Antes e Depois de Chávez)
[Nota: a ligação acima para a página do Expresso foi desactivada alguns meses após esta publicação, sem explicações]

Mais sugestões de leitura

  • O Che das nossas utopiasOpen or Close

    De uma forma ou de outra, todos aqueles que acreditam no advento de sociedades justas, trazem consigo, no mais caloroso canto do coração, a imagem e o exemplo de Che Guevara. Este livro também disso fala: do princípio de realidade colectiva que pode explicar os nossos embalos e acicatar os nossos sonhos. Viriato Teles diz-nos que a grandeza do Che consistiu no facto de ele não querer ser outra coisa - senão um homem. Um homem que encheu o século e os tempos ao proclamar que tudo é possível, desde que os homens o queiram.

    Ler Mais
  • Coisas que me chateiamOpen or Close

    Os ricos que não se cansam de roubar e os pobres que já desistiram de lutar, os jornalistas-pé-de-microfone e os assessores-pó-de-microfilme, a merda dos cães-de-caca que invadiu as ruas de Lisboa, e outras coisas que me chateiam.

    Ler Mais
  • Dos copos até à pontaOpen or Close

    Portugal, que como país de poetas já é o que se sabe, corre o risco de se tornar também num país de pensadores: Santana Lopes pensa no estrangeiro, Manuel Monteiro pensa devagar, José Magalhães pensa via internet, enquanto Vasco Graça Moura pensa que voltará e Carlos Carvalhas continua apenso.

    Catálogo da exposição Filosofia de Ponta, de Júlio Pinto e Nuno Saraiva | 1996

    Ler Mais
  • CavaqueiraOpen or Close

    E era na tarde um fogo igual
    a tantos de tantos mais um jogo
    final de que afinal ninguém sabia.
    Era uma tarde um fogo que arde
    sem saber se animal se dono
    hão-de vencer um rogo alarve um grito.
    Ou então era saudade o que esperavas
    conta-me histórias conta-me as cidades
    se era verdade ou assim mesmo
    nada mais.

    Ler Mais